Artigos

Ser pai


Hoje a paternidade física se faz até com bebê de proveta. Mas, ser pai é mais do que gerar filho na ordem natural, mesmo com a transmissão ideal da vida realizada com o casamento planejado e preparado. Este tem a perspectiva vocacional da união do amor humano com o divino. Assim, cria-se a condição de os filhos desenvolverem a afetividade na aceitação de si e dos outros mais harmonicamente.
Se o pai olhar o Pai de todos e se inspirar na paternidade divina, assumirá a responsabilidade de transmitir a vida e alimentá-la com a ternura, a afeição, a boa educação e a cooperação com a formação do bom caráter dos filhos. Isso se dá com seu exemplo de cidadão que vive os valores humanos da honestidade, verdade, ética, moral e perseverança na promoção do bem ao semelhante.
Como é bom os filhos terem pais que realmente os amam e sempre os orientam para serem pessoas que colocam as virtudes humanas acima de qualquer valor material! A formação da conduta para a vida em sociedade faz com que o pai inocule na consciência dos filhos a grandeza de tudo fazer para o serviço ao bem do semelhante, preparando-se, intelectual e moralmente para a prática da solidariedade, a exemplo do Filho de Deus Pai.
Ao mesmo tempo, os filhos aprendem a ter compaixão e misericórdia para quem vive na fragilidade dos próprios limites e na exclusão social. Assim, terão também compaixão pelos limites da pessoa humana do pai. Essa conduta é alimentada por Deus e repassada pelos filhos, que aprendem do bom pai a serem compassivos e colaboradores com quem vive em dificuldades.
A vocação para a paternidade responsável é ensinada e promovida aos filhos, que também saberão viver a vocação de resposta a Deus para o exercício da paternidade feliz.
O Pai Deus não deixa faltar aos filhos humanos o pão da vida, que é promovida na terra por todos os que aprenderam a ser verdadeiros pais que ensinam aos filhos a partilha e a solidariedade. Assim, não faltará, nem mesmo o pão material para todos. A natureza, criada por Deus oferece os meios de subsistência para toda a humanidade. Mas precisam ser usados e repartidos com justiça misericordiosa e verdadeira fraternidade. Precisamos formar mais o pai humano para treinar os filhos a serem verdadeiramente humanos e fraternos. A caminhada terrestre seria boa e justa para todos. Ninguém passaria necessidade material, psicológica, moral e espiritual. Quem segue o Filho Jesus, seria filha ou filho amoroso, que pensaria em tratar bem o semelhante, dando, cada um de si, para o bem do outro! Assim, todo pai humano seria feliz e deveria ser, porque todos os filhos também o seriam!

+ Dom José Alberto Moura
Arcebispo Metropolitano de Montes Claros

Fonte : www.cnbbleste2.org.br

Mês das vocações: Qual é a sua?

O assunto é vocação! Qual é a sua? A palavra vocação significa chamado. Nossa existência é permeada pela realidade do chamado.

Do chamado à vida participam todos os seres humanos. A imagem bíblica do paraíso ensina que Adão e Eva, representantes da humanidade, vivem onde não existe o mal e a felicidade é plena. Todo ser humano deve responder ao dom da vida com excelência.
Muitos são chamados, também, à vocação cristã, na qual são inseridos através do batismo, intimamente unidos a Cristo “Caminho, Verdade e Vida”, como seus discípulos, seus missionários. O que chamamos de vocação especifica, refere-se ao que, humanamente e, à luz da fé, cada pessoa abraça como forma de ocupar e marcar seu lugar no mundo: o matrimônio, a consagração, a profissão, o serviço aos necessitados…
É fundamental que cada pessoa perceba, reflita e assuma sua vocação, descobrindo a maneira através da qual sua busca pela felicidade se concretiza. Como descobrir a verdadeira vocação? A resposta é fruto do processo de amadurecimento e busca pessoal. Para trilhar o caminho, com segurança e equilíbrio, condições básicas são necessárias, dentre as quais estão os valores primários: amor, justiça, respeito e fraternidade; elementos irrenunciáveis à dignidade humana.
A perspectiva vocacional da existência humana tem sido ignorada e, o conceito de vocação, reduzido à profissão. Este equívoco impede que, sobretudo, os adolescentes e jovens, considerem a realização pessoal alicerçada em valores. Entre os muitos prejuízos está a substituição do “ser” pelo “ter” e pelo “fazer”. O número de profissionais desqualificados e frustrados, que visam, unicamente, retorno financeiro e status, aumenta consideravelmente.
Conciliar vocação e profissão é o caminho para favorecer a realização mais perfeita do ser humano: unir o ser ao fazer. Eis o desafio da verdadeira educação. Sem princípios, a educação perde o sentido de existir, tornando-se mais um instrumento que impede a reflexão, o discernimento e anestesia a consciência.
Responda sim a Deus, à vida, à fé! Descubra e viva sua vocação específica, realizando-se e colaborando para que outros se realizem. Todo chamado exige resposta. Qual é a sua?

Pe. Ivanaldo Gonçalves de Mendonça
Diocese de Barretos/SP

Fonte: https://www.diocesedebarretos.com.br/artigos/mes-das-vocacoes-qual-e-a-sua

POLÍTICA COMBINA COM ÉTICA?

Imagem da internet

“Quando se lança mão de mentiras, de difamações, de trambiques para ganhar o que se deseja, de fato, se está perpetuando a velha sociedade opressora em nome de ideais libertários”. (Frei Betto, 2002).

   Remexendo meus “guardados”, encontrei um recorte do jornal O Estado de Minas de 18 de novembro de 2002 e ora compartilho com você. Parece que foi escrito recentemente.

   “A moral tem implicações políticas e econômicas. Na Idade Média, a Igreja condenava os juros. Hoje, se tal censura perdurasse, nenhum católico poderia se banqueiro ou agiota. Mas, por ironia do destino, o próprio Vaticano possui o Banco do Espírito Santo…

   A ética protestante sempre recomendou a seus fiéis afinco no trabalho e modéstia nos gastos, incentivando a poupança. Alguns autores acreditam que tal ética foi decisiva para enriquecer países de forte tradição protestante, como a Alemanha, a Suíça e os EUA.

   No capitalismo, a moral predominante na sociedade é ambígua e contraditória, pois o valor maior para o sistema é a acumulação do capital. Assim, na ‘moral’ desse sistema a propriedade privada é um valor acima da existência humana.

   Para a doutrina da Igreja, se um homem tem fome ele tem o direito de fazer uso da propriedade alheia. ‘Maior e mais divino é o bem do povo que o bem particular’, lembra São Tomás de Aquino (De Regimine Principum – Sobre o governo dos príncipes1,1 Cap. 9).

    A lógica do capital destrói os valores morais e corrói a ética. O mesmo comerciante que chama a polícia para o garoto que lhe furtou a lata de sardinhas aumenta os preços de modo exorbitante e sonega o fisco.

    Foi feita uma pesquisa nos EUA para saber em que fase da vida a pessoa consome mais. Verificou-se que é quando ela se casa. Um casamento sempre desencadeia consumo, desde as alianças à nova casa, passando pela roupa dos convidados aos presentes. Resultado: ‘façamos com que as pessoas se casem várias vezes’. Não é de se estranhar que as novelas considerem caretice a fidelidade e incentivem tanto a rotatividade conjugal.

   Na política burguesa, a luta pelo poder faz com que o fim justifique os meios. Porém, a história demonstra que o meio utilizado influi no caráter do fim a ser obtido.

   Muito se discute, ao longo dos tempos, sobre a ligação entre moral e política. Há quem defenda que a política deve ser autônoma ou independente em relação à moral. Tal proposta é atribuída ao famoso politicólogo italiano Maquiavel (1469-1527). Daí por que se chama maquiavélica toda atitude política que ignora os preceitos morais. De fato, foi Maquiavel quem sugeriu aos poderosos o princípio de que ‘o fim justifica os meios’, em seu famoso livro O Príncipe.

  O grande desafio da política libertadora é basear-se na ética. Não se pode construir o homem e a mulher novos usando métodos velhos. Quando se lança mão de mentiras, de difamações, de trambiques para ganhar o que se deseja, de fato, se está perpetuando a velha sociedade opressora em nome de ideais libertários. Isso é o que o Evangelho chama de colocar vinho novo em odres velhos.

  A ética enraíza-se no coração humano. Não é só uma questão de comportamento político. Ela adquire força quando se encarna na vivência pessoal. O opressor age movido por interesses; o libertador, por princípios. Assim, jamais um militante da justiça pode aceitar desviar verbas, fraudar processos eleitorais, mentir para o povo ou fazer uso do que é coletivo para benefício pessoal. ‘Aquele que é fiel nas pequenas coisas – adverte Jesus – é também fiel nas grandes, e aquele que é injusto no pouco, também o é no muito’(Lucas 16, 10-12)”.

  E a infidelidade, a opressão, a corrupção estão crescendo assustadoramente. Não podemos nos calar diante de uma política que oprime e mata-nos! Estejamos atentos e atentas aos candidatos que disputam nosso precioso voto.

Mariza C.Pimenta Dupim. Guanhães.

Editorial: Ad Maiorem Dei Gloriam

Em 31 de julho de 2018, celebrando a memória de S Inácio de Loiola, presbítero, Dom Darci dá início ao ministério pastoral de Administrador Apostólico na Diocese de Guanhães.

Nossa diocese já viveu outros momentos em que teve um administrador apostólico e também um administrador diocesano. O “administrador apostólico” tem a missão de estar à frente da igreja para animá-la. No momento presente o papa é o “administrador diocesano” até que gesta em seu coração um pastor para o povo desta igreja particular.

Dom Darci disse ao clero que este não é um mero tempo de passagem, mas real, não se vive um hiato, mas se planeja a continuidade do trabalho respondendo as necessidades apresentadas. Portanto, formemos um corpo evangelizador.

Devemos continuar caminhando, não é hora de parar pois o Reino de Deus não pára. Em nossas Áreas Pastorais já há uma tarefa a ser cumprida afim de atender as urgências de nossos tempos, as urgências de nossa diocese.

Acredita-se que este lema” Ad Maiorem Dei Gloriam” (para maior glória de Deus, em latim), tenha sido uma criação de Santo Inácio de Loiola, fundador jesuítas, como base de inspiração.

Nesta inspiração, também nós seguimos trabalhando, fazendo tudo “para maior glória de Deus” ansiosos pela chegada do nosso pastor que o Espírito Santo suscitará no coração do sumo pontífice, papa Francisco.

O Mestre nos ensina a perseverança na oração. Portanto insistentes e perseverantes, intensifiquemos a oração para que o Pai do céu, por meio do Papa e dos bispos, nos envie, quanto antes, aquele pastor segundo o seu coração para governar, santificar e ensinar o povo de Deus nesta porção da Igreja, a nossa amada Diocese de Guanhães.

Pe Bruno Costa Ribeiro, no editorial da Folha Diocesana

Participação e Testemunho

Nos últimos anos, pairou sobre nós brasileiros grande descrença com a política e os políticos. Tal fato decorre da sucessão de escândalos envolvendo pagamento de propinas, desvios de recursos públicos e caixa dois em campanhas eleitorais. A onda de corrupção atingiu quase todas as siglas partidárias, o que fez com que vários partidos tivessem que mudar o nome de suas siglas com o intuito de se desvincular deste presente/passado tenebroso, o que tem se mostrado ineficaz. Em recente pesquisa do INTC, aproximadamente 80% dos entrevistados disseram não acreditar em partidos políticos.

Em se tratando de um ano eleitoral, estes números se tornam preocupantes, uma vez que as eleições de 2018 se apresentam, ou pelo deveriam apresentar, como uma grande oportunidade de mudança dos rumos da política estadual e federal; mas mudar para qual direção? Tomando como referência o cenário das eleições para presidente, temos hoje por volta de 20 pré-candidaturas com discursos que vão da extrema direita ao radicalismo esquerdista, e mesmo diante desta grande oferta de postulantes ao Palácio do Planalto, o eleitorado encontra-se descrente que um destes represente seus anseios e as expectativas de mudanças que tanto se almeja.

Fato é que, por mais desanimadoras que sejam as perspectivas do futuro político do país, é neste momento que a mobilização da sociedade deve se tornar mais intensa. O vazio de lideranças e a descrença na política podem conduzir este país a caminhos os quais já experimentamos e que pagamos muito caro para reconduzi-lo a um ambiente democrático. O oportunismo político sempre busca espaço quando os bons se furtam de participar dos processos; os discursos sedutores de mudança, sem sustentação e pouco claros de alguns ganham corpo em uma sociedade desmobilizada e acrítica. Como bem disse Platão, “Não há nada de errado com aqueles que não gostam de política, simplesmente serão governados por aqueles que gostam”.

O Cristão neste contexto é chamado à participação política e a omissão se torna um anti-testemunho. Há que se buscar a promoção do debate e a conscientização do voto em família, no trabalho, escolas e grupos comunitários. Conhecer a vida pregressa e a atuação política dos candidatos, bem como suas propostas, torna-se o dever de casa para cada um de nós. A defesa da política e da democracia como instrumentos positivos de transformação da sociedade deve ser o nosso mantra.

Flávio Puff, professor do IF

VOZES PRÓ-VIDA

 

Levantar a voz em defesa da vida é uma obrigação moral e cidadã de todos. Calar significa agir de modo conivente com os processos que estão ameaçando a vida humana, em diferentes etapas e circunstâncias. E as consequências são graves. Não poupam ninguém, nem mesmo os que se acham seguros porque possuem bens, vivem com conforto e residem em lugares bem vigiados. Os descompassos que ameaçam a vida, dom sagrado, conduzem toda a sociedade rumo a cenários de dizimação. Basta olhar o mundo atual para reconhecer os muitos contextos desse tipo – verdadeiras feridas em diferentes civilizações.

É espantoso ver, por exemplo, o renascimento e o fortalecimento de certas dinâmicas ditatoriais, que sufocam populações com perspectivas desconexas de um sentido pleno a respeito do que é viver. Verifica-se, como consequência, o recrudescimento de entendimentos político-partidários. Consolidam-se totalitarismos e radicalismos que ofendem, vergonhosamente, a dignidade do ser humano. Nações são submetidas ao horizonte estreito de falsos líderes políticos. Tudo em razão do descompromisso com a vida, que alimenta uma egoísta convicção: o importante é o interesse pessoal, desconsiderando que o outro merece respeito. Essa situação explica também a razão de não haver, na sociedade brasileira, uma reforma política, capaz de gerar a renovação e a recuperação da credibilidade nas instâncias do poder.

Quando não se assume a tarefa de defender e promover a vida, navega-se, mais facilmente, na mediocridade, contentando-se, por exemplo, com representantes que nada têm a oferecer. São pessoas incapazes de propor soluções ou promover as transformações requeridas pelo mundo contemporâneo. E uma das consequências é a endêmica prática da corrupção na sociedade brasileira. Outro desdobramento que pode ser destacado é o fenômeno de se escolher a mediocridade menos incômoda. Essa situação apenas beneficia pessoas que buscam o poder, mesmo sendo incapazes de gerar as mudanças esperadas.  Assim, conseguem alcançar certo patamar sem muito esforço. Quem se deixa orientar pela mediocridade – aquela que menos incomoda – não raramente dedica-se, por exemplo, a apoiar os radicais – sempre distantes da dinâmica dialógica imprescindível na sociedade. Apegam-se às mentalidades retrógadas, admiram “caçadores de bruxas”.

A presença de indivíduos em postos de decisão, nas mais variadas instâncias, que só buscam benesses e ancoram-se no comodismo é outra consequência daqueles que nunca valorizam o ser humano. Deixam, assim, de reconhecer que estar a serviço dos outros é o único sentido do poder que se exerce. Urgente é, pois, recuperar a competência humanística capaz de qualificar as diferentes formas de se exercer a cidadania. O ponto de partida é reconhecer que o ser humano tem uma vida que ultrapassa a sua existência terrena. Para isso, vozes precisam ecoar, corajosamente, de muitos modos – nas ruas ou no ambiente digital, em contextos educativos e no exigente testemunho da fé, anunciando que viver é dom sagrado e inviolável.

Esse clamor pró-vida há de chegar às urgentes intervenções e reconfigurações das dinâmicas sociais, políticas e econômicas. Deve-se reconhecer que a vida precisa ser respeitada em todas as suas etapas – da fecundação à morte com o declínio natural. Isto significa, entre outros aspectos, compreender como abominável e demolidora a cultura pró-aborto, que se espalha na sociedade brasileira. O desrespeito ao nascituro é lamentável sintoma da perda do apreço em relação à vida. É um verdadeiro abismo, de onde a sociedade brasileira se aproxima quando passa a ser mais permissiva com certas “legislações abortistas”.

Uma sociedade pró-aborto relativiza o valor intocável e inviolável da vida. E o caminho longo da recomposição do tecido social – com a conquista de equilíbrio, equidade e justiça – é justamente a direção oposta: comprometer-se com a vida, em todas as suas etapas. O atual momento pede atitudes diversas, nos mais variados lugares, com a organização de manifestações pacíficas, simpósios e outras atividades formativas, para que se consolide o entendimento a respeito do significado da vida. Pessoas, grupos e segmentos levantem as vozes pró-vida. Assim será possível reacender a esperança de um tempo novo.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

O oitavo Mandamento para evitar as “fake news”

Quando Moisés desceu da montanha com a tábua dos 10 mandamentos trazia um ensinamento que serviria de alerta contra as fake news: “não levantarás falso testemunho”. Mesmo que na época a velocidade da comunicação fosse incomparavelmente inferior à dos tempos atuais, a atitude por lá parecia incômoda. A mentira, bem contada, com certas doses de verdade, pode convencer.

Se eu enxergasse a realidade sob a mesma ótica de minha mãe, certamente nem vivo estaria. Ela, 74 anos, viúva, companheira da solidão dos dias e da televisão, se acostumou a ver o mundo através de telejornal. Em sua mente ronda o pavor das cidades grandes, cheias de roubos, assassinatos, desastres etc. Que sorte tem minha mãe: ela não acessa a internet.

Até 2025, de acordo com dados do IBGE, 31,8 milhões de pessoas com mais de 60 anos deverão ter acesso à rede. Por enquanto, minha mãe sequer tomou conhecimento do grupo dos 130 milhões de usuários de whatsapp e do outro de 130 milhões, no Facebook.

A internet, além de instrumento de diversão, com o tempo ganhou o potencial de colocar em risco a vida das pessoas. Foi assim com Fabiane Maria de Jesus, que morreu em 2014 espancada, após ser confundida, através do Facebook, com uma sequestradora de crianças.

Há pouco tempo circulava pela rede o cancelamento da bíblia pelo Papa Francisco. A fake news sugeria a repaginação de outra: “Papa Francisco surpreendeu o mundo hoje ao anunciar que a Bíblia está totalmente desatualizada e precisa de uma mudança radical, por isso a Bíblia é oficialmente cancelada e é anunciada uma reunião entre as personalidades mais altas da igreja onde (sic) será decidido o livro que a substituirá”.

E deram até sugestão de nome: “Bíblia 2000”. O texto trazia o argumento de que a mudança vinha da exigência dos novos tempos: substituir a formalidade da escrita e a constante perda de seguidores da Igreja. Ao final, concluía que a “notícia” havia caído “como uma bomba entre os mais conservadores”. O convencimento de fake news, em geral, faz uso da ideia de abalar psicologicamente o receptor ao gerar pânico, medo, raiva, entre outros sentimentos.

Na ainda recente greve dos caminhoneiros, se pôde observar muitos deles. A fúria da paralisação organizada via Whatsapp deixou governo, motoristas e população em completo alvoroço. Não se sabia em quem confiar.

No tráfego cotidiano de notícias, as fake news saíram do acostamento e trafegaram livremente por vias mentirosas: intervenção militar baseada em pronunciamento de supostos militares graduados, deslocamento de tropas, destruição de veículos etc. Pelo Youtube, um indivíduo anunciava até congelamento de contas bancárias pelo governo. A implantação do caos nas entrelinhas revelava interesses (ocultos) pelo poder.

Se por um lado a interatividade do meio liberta do cativeiro opiniões criativas, por outro, evidencia a força da mídia na construção do estereótipo de uma vida baseada em ideias tolas. O mundo da falsa informação é construído de fantasias, como que aparentemente imaginadas em mesa de botequim: profecias apocalípticas, golpes de estado, pena de morte etc. Os principais criadores de fake news investem na ingenuidade, na fraca formação cultural, na falta de conhecimento.

A velocidade da internet acelera o coro dos “especialistas” de qualquer assunto. No ano passado, o Facebook tomou a iniciativa de alterar o algoritmo a fim de checar o envio automático de publicações suspeitas. A empresa criou até botão de contexto junto às postagens, assim, o usuário saberá da reputação do veículo noticioso.

A evolução dos tempos trará novas ferramentas de comunicação e interatividade, mas dificilmente impedirá a prática imoral tanto de quem cria a falsa notícia quanto de quem a compartilha. Ao passar adiante uma falsa informação, o divulgador, mesmo sem a intenção de prejudicar, expõe sua personalidade a quem lê.

No tempo de Jesus circulou a notícia de que Ele não havia ressuscitado. Tentou-se fazer correr à boca pequena a notícia de que os discípulos haviam roubado o corpo do messias. E a procissão dos fazedores de notícia falsa em procura de autossatisfação prossegue.

Ao longo de mais de dois mil anos, pouco se percebe de evolução na personalidade humana no que se refere ao oitavo mandamento, agora, aliás, em versão digital. Para evitá-lo, basta recorrer ao silêncio. Já disse Jesus: “o que contamina a pessoa não é o que entra na sua boca, mas o que sai por ela” (Mt 15,11).

 

Pedro Teixeira, repórter do telejornal Canção Nova Notícias.

A importância da amizade com Deus e os homens

“A amizade sincera
É um santo remédio, é um abrigo seguro
É natural da amizade
O abraço, o aperto de mão, o sorriso
Por isso, se for preciso
Conte comigo, amigo, disponha
Lembre-se sempre que, mesmo modesta
Minha casa será sempre sua
Amigo

Os verdadeiros amigos
Do peito, de fé, os melhores amigos
Não trazem dentro da boca
Palavras fingidas ou falsas histórias
Sabem entender o silêncio
E manter a presença mesmo quando ausentes
Por isso mesmo, apesar de tão raros
Não há nada melhor do que um grande
Amigo, amigo, amigo.

Por isso, se for preciso
Conte comigo, amigo, disponha
Lembre-se sempre que, mesmo modesta
Minha casa será sempre sua
Amigo “. ( Renato Teixeira)

Dia 20 de julho é o dia do Amigo e dia internacional da amizade. Ela é cantada em prosa e verso e necessária de ser vivida, apesar de todos os desafios que uma amizade pode conter. Aurélio Buarque de Holanda Ferreira descreve amizade como um Substantivo feminino. Sentimento fiel de afeição, estima ou ternura entre pessoas que em geral não são parentes nem amantes; apreço.
A Bíblia e seus evangelhos nos dizem muito sobre a amizade. O Evangelho de João é considerado o Evangelho espiritual que procura promover a amizade com Jesus (Jo 15,12-17). O evangelista mostra em seu livro que Jesus é um como Deus (Jo 10,30). Sua palavra é a ” Palavra de Deus” (Jo, 14,10). Sua obra é a “obra de Deus”(Jo 5,36). Nele podemos ver quem é Deus (Jo14,25) e quem é o ser humano(Jo 19,5).
Jesus afirmou o seguinte sobre a amizade:
“Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos. Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer” (João 15,13-15). Jesus é o exemplo puro de um verdadeiro amigo, pois Ele deu a sua vida por seus “amigos”.
Provérbios é uma outra boa fonte de sabedoria a respeito de amigos. “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Provérbios 17,17). “O homem que tem muitos amigos sai perdendo; mas há amigo mais chegado do que um irmão” (Provérbios 18,24).
“Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos” (Provérbios 27,6). “Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo” (Provérbios 27,17).
Estudos mostram que pessoas com mais amigos vivem mais. Ter boas companhias também ajuda a combater depressão.
“No geral, o papel da amizade em nossas vidas não é terrivelmente bem apreciado”, disse Rebecca G. Adams, professora de sociologia da Universidade da Carolina do Sul, em Greensboro. “Há várias expectativas em famílias e no casamento, mas muito pouco na amizade. A amizade tem um impacto mais forte em nosso bem-estar psicológico do que as relações familiares”.
Procure ter boas amizades, bons amigos e o melhor de todos. Leia , acredite, siga e pratique o que o melhor amigo nos ensinou: Não façamos aos outros aquilo que não queremos que façam conosco . Feliz amizade, feliz dia de amigos.

 

Regina Coele Barroso Queiroz Santos
Catequista-butibarroso@yahoo.com.br-
Sabinópolis

E agora, qual é o hexa? 

A onda apaixonante do esporte, particularmente do futebol, permite metáforas interessantes para inspirar o país a trilhar novo caminho e a alcançar o almejado patamar de nação campeã. A luta pelo título mundial ocorreu em campo e os resultados obtidos pouco mudaram o cotidiano abastado de uma minoria, que inclui os atletas. Mas a frustração da derrota mexe com os brios e as emoções de uma avalanche de cidadãos. É preciso assimilar a perda na competição esportiva e valorizar mais o que realmente impacta a vida de muitos. Obviamente, há lugar para a paixão esportiva sempre. Mas o sentimento que o futebol desperta não deve ocupar o lugar de todas as razões e emoções que são necessárias para promover transformações profundas na realidade. Perdido o título, fica a pergunta: e agora, qual o é o “hexa” a ser conquistado?

Parece que, nesta Copa do Mundo, a paixão esportiva foi vivida de modo mais saudável. Reflexo disso é que a derrota da seleção brasileira não gerou um clima de “fim de mundo”. E a esperança é que a perda dentro de campo seja oportunidade para o aprendizado de lições que, se bem assimiladas, podem levar a vitórias importantes, inclusive no âmbito esportivo. Ao observar o que não deu certo, é possível construir novos projetos, a serem regidos por pessoas comprometidas com o qualificado exercício da cidadania. E o primeiro passo é ter consciência da realidade.

Há sinais de que o povo começa a desenvolver essa consciência. Um dos exemplos: a forma reduzida com que as pessoas manifestaram seu entusiasmo com a Copa deste ano e a timidez da decoração nas ruas e praças. Afinal, diante das fragilidades do contexto social, não há espaço para euforia. A esperança é que cada vez mais pessoas cultivem uma certeza: o que mais conta agora é vencer os desafios e processos que estão corroendo a nação brasileira, e avançar em direções que permitam reconstruir o país. Isso significa superar os cenários vergonhosos das misérias, corrupção, agressão irracional do meio ambiente e tantos outros males que refletem certo descompromisso com o exercício da cidadania.

Ganhar a Copa do Mundo é um sonho, motivo de festa, mas esse objetivo está longe de ser o mais importante na vida de uma nação. Inclusive porque, equivocadamente, o futebol torna-se, gradativamente, apenas um negócio, fonte de lucro para pequenos grupos que acumulam muito dinheiro e privilégios. O esporte, ao invés disso, deveria ser promovido a partir de sua força educativa, capaz de reconfigurar o tecido cultural da sociedade, qualificando as pessoas para construírem um futuro melhor. Assim, em vez de almejar o “hexa” na Copa, o povo poderia eleger novas prioridades, a partir do respeito ao bem comum.

As prioridades que precisam ser assumidas são muitas, incontáveis, percebidas a partir das diversas carências do país. Para reconhecer o “hexa” a ser conquistado é preciso se questionar a respeito do Brasil que se quer construir. No centro da resposta, certamente, não estará a celebração de uma festa passageira. Em vez disso, as prioridades são a recomposição indispensável dos parâmetros éticos que devem nortear a conduta de cada pessoa, a promoção da solidariedade e da honestidade, forças capazes de impulsionar um recomeço para o Brasil.

Esse reinício é o verdadeiro caminho rumo às vitórias capazes de superar a violência, a exclusão social e a ganância sem limites que passa por cima de tudo, destruindo o planeta, a casa comum.  Cada brasileiro é convocado a sonhar com um país melhor e, a partir disso, agir. Afinal, muitas situações precisam ser reconfiguradas. É urgente, por exemplo, construir um novo modo de se fazer política, livre de interesses egoístas, e zelar para que as ações no poder judiciário sejam, de fato, orientadas pelos parâmetros da verdade e da justiça.

A lista de prioridades para que seja possível construir uma nação campeã é grande e demanda especial empenho de todos. Para efetivar o sonho de construir um país renovado, vale investir todas as emoções e razões, “correr” velozmente. Ao invés de se apegar às paixões passageiras, todos assumam a tarefa cidadã de responder ao seguinte questionamento: e agora, qual é o “hexa”?

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Ecos da alegria – Por Dom Walmor Dom Walmor Oliveira de Azevedo

O coração humano foi feito para a alegria, que gera força, fecunda a criatividade e é fonte perene de humanização. Há, pois, uma permanente e legítima busca pela felicidade. Mas, no contexto atual, muitas pessoas, valendo-se da liberdade e da autonomia, tomam rumos que levam às satisfações efêmeras, distanciando-se da verdadeira alegria, que é permanente. Corre-se, assim, o risco de apegar-se ao que é efêmero, por falta de capacidade para discernir bem. Um drama existencial que conduz muitos a experimentarem sensações agradáveis, mas que são fugazes, alcançadas a partir de futilidades e da indiferença em relação às outras pessoas. Essa atitude egoísta configura um ciclo perverso, viciante, em que é alimentada a necessidade de experimentar, a qualquer preço, alegrias efêmeras para ocupar um vazio na interioridade, nunca plenamente preenchido.

Esse fenômeno existencial incide na vida de muitas pessoas, influenciando fortemente as dinâmicas sociais. Cria-se, assim, um campo fértil para manipulações, descompromisso com a solidariedade, disputa predatória, esquemas de corrupção. Na raiz desses problemas está a equivocada convicção de que o poder e as posses são garantias de felicidade duradoura. Uma crença muito comum, que mostra bem como a cultura de um povo é determinante para a sociedade tornar-se capaz, ou não, de conquistar a verdadeira alegria. Certamente é bem mais feliz um povo que consegue perceber a alegria como algo diferente de certas sensações – euforias e sentimentos passageiros, conquistados a partir de atitudes que muitas vezes desrespeitam os parâmetros da ética. Uma sociedade com essa capacidade de discernimento alcança equilíbrio em diferentes campos, a exemplo da política e da economia, pois as alegrias duradouras se propagam, geram ecos.

Já a satisfação efêmera não sacia o coração humano de sua sede de sentido.  Cada alegria passageira, quando se esvai, deixa uma lacuna interior que contribui para desajustar a vida humana, impactando negativamente os humores e as razões. Esse vazio existencial evidencia algo urgente: é preciso aprender a buscar a felicidade duradoura, dedicar-se a um processo de aprendizagem para conquistar, progressivamente, envergadura humana e espiritual. Assim será possível reconhecer, por exemplo, que a vitória em uma partida de futebol não é alegria duradoura, e a derrota também não é “o fim do mundo”, porque existem coisas mais determinantes e razões maiores que definem o futuro de uma pessoa ou do próprio povo.

A existência humana é uma construção. Tem seus altos e baixos, as sombras e as luzes, mas deve ser sempre uma busca pelo que confere sentido e sustenta a vida: as alegrias verdadeiras que geram ecos, desdobrando-se em diferentes tempos e lugares. Na procura pela autêntica felicidade, vale recordar uma lição de São Francisco de Assis.  Certo dia, em diálogo com Frei Leão, São Francisco explicou que a verdadeira alegria não reside em certos acontecimentos, aparentemente grandiosos, mas na qualidade de cultivar a paciência e de não se perturbar diante das adversidades da vida. A autêntica alegria, que produz ecos, desdobramentos, não nasce de estímulos meramente externos, da posse de certos bens. É fruto da interioridade, da capacidade de enxergar, com clareza, uma hierarquia de virtudes e ações.

Para se conquistar essa clarividência e experimentar a verdadeira felicidade, há uma fonte referencial que é imprescindível: o Evangelho de Jesus Cristo, que aponta caminhos e recomenda práticas capazes de fazer com que cada pessoa seja fonte de alegria duradoura. A Palavra de Deus tem força para corrigir os descompassos da sociedade contemporânea, em que muitos, alucinadamente, buscam alegrias efêmeras, exatamente por falta de envergadura interior. E um itinerário educativo que contribui para levar os ensinamentos do Evangelho à vida cotidiana está delineado na Exortação Apostólica Alegria do Evangelho, do Papa Francisco.

Dentre as muitas indicações da Exortação Apostólica estão a busca pela superação de um modelo econômico que gera exclusão, o combate à idolatria do dinheiro – que nega a primazia do ser humano – e o reconhecimento de que o trabalho é fundamental para a realização da pessoa.  Particularmente, o Papa Francisco alerta que é preciso vencer a desigualdade social que alimenta a violência. Afinal, a miséria de muitos é sinal de que tantos outros procuram, de modo equivocado, a alegria, acumulando quase tudo para si, o que faz crescer uma grande massa de excluídos. Eis, pois, um desafio existencial a ser assumido por todos, com desdobramentos na vida social: à luz do Evangelho, reconhecer o primado da ética na busca pela verdadeira felicidade – a alegria duradoura, que gera ecos. 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo