Matrimônio

Novas Orientações pastorais sobre o Matrimônio

Motivações bíblico-teológicas
O bom pastor cuida bem de suas ovelhas e tudo que diz respeito a elas. Esse cuidado deve ser acolhedor, cheio de ternura, respeito, atenção e carinho.
O matrimônio é uma instituição divina. O próprio Deus é o autor do matrimônio (Gn 1, 26-27). Deus destina a mulher para o homem (“Não é bom que o homem esteja só”, Gn 2,18), e naturalmente o homem para a mulher; depois os une (Gn 2, 24) e os abençoa (Gn 1, 28). Jesus ratifica o ato original do Criador e reforça sua indissolubilidade: “O que Deus uniu, o homem não deve separar” (Mt 19, 6). A fidelidade matrimonial é imagem da fidelidade de Deus ao seu povo e da fidelidade de Cristo à sua Igreja (Ef 5, 21-33). O que confirma mais ainda a sua indissolubilidade, pois Cristo amou a sua Igreja entregando-se por ela até a morte e morte de cruz. (Fl 2, 8). “A Igreja atribui grande importância à presença de Jesus nas núpcias de Caná (Jo 2,1-11). Vê nela a confirmação de que o casamento é uma realidade boa e o anúncio de que, daí em diante, será ele um sinal eficaz da presença de Cristo” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1613). “O matrimônio cristão (“no Senhor”, 1Cor 7, 39) se torna, por sua vez , sinal eficaz, sacramento da aliança de Cristo e da Igreja (Ef 5, 21-33). O matrimônio entre batizados é, assim, um verdadeiro sacramento da nova aliança, pois significa e comunica a graça” (Catecismo da Igreja Católica, n. 1617).
Estas poucas motivações querem justificar o primeiro parágrafo do nosso texto, como também nossas orientações abaixo. Todas as orientações que seguem querem mostrar o apreço que o padre tem para com aqueles que procuram a Secretaria Paroquial, buscando informações sobre o matrimônio. Parecem exigências, mas são orientações importantes, porque importante é o compromisso que se vai fazer; por isso devem ser vistas como profundo respeito ao sacramento, aos noivos, à liturgia e ao lugar do culto, onde se realizará o casamento cristão. Trata-se, enfim, de um ato sagrado, por isso essas orientações devem ser acolhidas com carinho e atenção, levando em conta todos os detalhes, para que os noivos possam se sentir tranquilos, seguros e em casa. E a liturgia possa ser celebrada com serenidade, piedade e unção.
1. Preparação
” Que haja a devida preparação para os noivos.
” Recomendações: que a preparação seja feita através de uma série de encontros (seis a doze); que se dê especial atenção à Pastoral Familiar, valorizando a família como Igreja doméstica; que seja oferecido aos noivos o Sacramento da Reconciliação.
2. Documentação
” Apresentem-se os documentos com no mínimo de um mês de antecedência à realização do Sacramento.
” O Processo Matrimonial seja preparado com cuidado e de preferência com a participação do padre responsável.
” Na celebração, propõe-se a desvinculação do Sacramento do Matrimônio do contrato Civil.
3. Ornamentação
” Os bancos da Igreja não podem ser retirados ou afastados de seus lugares.
” Os arranjos sejam dispostos de modo a não dificultar a visão e a movimentação dos fiéis de ministros.
” Que se respeite a disposição dos “móveis” do presbitério em seus respectivos lugares.
” Que a ornamentação tenha em conta o Tempo Litúrgico da Igreja.
” Deixar claro para todos que não é necessário fazer gastos extras com roupas especiais, fotografias ou ornamentação da igreja.
” Os que desejam fazer ornamentação especial procurem evitar gastos excessivos que causem mal estar ou comparações ente casamentos de ricos ou pobres.
” Se houver, a ornamentação da Igreja será feita pela paróquia ou por pessoas credenciadas pela mesma.
4. Música
” Na Igreja serão tocadas apenas músicas com letras de mensagens religiosas ou músicas instrumentais do repertório tradicional.
” Que se priorize a utilização de música instrumental, especialmente gravada em CDs para evitar surpresas de última hora com cantores ou músicos que não atendem às orientações da paróquia.
5. Entradas
” As entradas devem evitar qualquer semelhança com desfiles de noivos ou convidados, priorizando o sentido processional litúrgico.
” Recomenda-se apenas a entrada do noivo, junto com todos os padrinhos, com música apropriada e, por fim, a entrada dos pagens ou damas junto com a noiva, com música também apropriada. A celebração não poderá ser interrompida para as alianças ou outras entradas.
6. Pontualidade
” Os noivos assinam um Compromisso de Pontualidade, que deverá ser comunicado aos seus familiares e padrinhos com o objetivo de evitar constrangimentos na celebração do sacramento.
7. Fotografias
” Que os responsáveis pelas fotografias e filmagens se movimentem sem atrapalhar o andamento da celebração, evitando tirar a atenção dos presentes e do celebrante.
8. Taxas
” Para cobrir as despesas de secretaria, correios, telefonemas, despesas do sacerdote celebrante, do sacristão, e gastos da Igreja (luz, ventiladores, velas, jarros etc.), a Diocese estabelece taxas que poderão ser dispensadas a critério do Conselho de cada paróquia.
9. Mestre de Cerimônia
” O cerimonial é de responsabilidade da paróquia e não de empresas ou pessoas particulares. Se houver esse serviço, estes deverão seguir as normas e orientações litúrgicas da paróquia, sem modismos trazidos de outras cidades ou da televisão.
10. Notificação
” Valorizar e exigência canônica da notificação nos livros e nos Programas de computador.
11. Local e Celebração
” Os casamentos serão celebrados somente nos ambientes eclesiais, evitando ostentação de luxo ou competição.
” Não é permitida nenhuma bênção ou qualquer ação que simule a celebração do Matrimônio dentro ou fora da igreja.
12. Data e Horário
” A paróquia celebra casamentos nos dias e nos horários determinados pelo Conselho Paroquial, levando em conta os demais serviços da paróquia.
” A data e o horário da celebração do Matrimonio serão confirmados com o pároco, somente após a conclusão do Processo de Habilitação Matrimonial. Antes, porém, poder-se-á fazer uma previsão conforme disponibilidade.
A Palavra do Pastor
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo