Eucaristia

Orientações diocesanas para a celebração da eucaristia

GUANHÃES DE 17 A 19 DE MAIO DE 2005
1. A mesa da Palavra e o altar têm a mesma importância na celebração, e por isto merecem o mesmo destaque.
2. Não existe um momento específico para marcar a presença de Cristo na Celebração, porque Cristo está presente em toda a celebração. Nas Orações Eucarísticas temos que levar em conta o “tempo sacramental” ou “tempo de Deus” e não o tempo cronológico.
3. No segundo milênio, deu-se muito enfoque ao aspecto da adoração eucarística em detrimento ao aspecto da refeição, por isso devem-se evitar devocionismos deslocados. O momento da celebração eucarística não é momento específico de adoração ao Santíssimo Sacramento, mas é uma celebração do Mistério Pascal, morte e ressurreição do Senhor, que se doa à comunidade celebrante como alimento. A adoração será feita em outra ocasião como numa Bênção do Santíssimo, numa Procissão de Corpus Christi, ou diante do Sacrário, mas não após a comunhão, quando o fiel acabou de receber Jesus. Neste momento ele deve voltar para o seu banco assentar-se, permanecer um pouco em silêncio e depois continuar a louvar a Deus com o canto da comunhão, junto com toda a Assembleia Litúrgica.
4. A liturgia é ação da Igreja, e por isso os ministros não podem arbitrariamente acrescentar ou tirar elementos. O próprio missal propõe muitas opções aprovadas e aceitas por toda Igreja. É recomendável ter familiaridade (conhecimento) com o Missal, principalmente a Introdução, que é um verdadeiro Curso de Liturgia. Que a celebração Eucarística seja preferencialmente comunitária. Que cada um faça, na liturgia, tudo aquilo e somente aquilo que lhe compete. Há a parte do presidente da celebração e a parte da assembléia celebrante. Não compete à assembléia rezar a doxologia final, nem a oração da paz. Ela deve participar com o Amém dito com expressão forte de quem está aprovando todo o Mistério celebrado. Não compete a nenhum leigo, mesmo que seja Ministro Extraordinário da Eucaristia, ajudar o Presidente da Celebração elevar o cálice ou âmbula na hora da doxologia. Evitar as repetições e explicações inúteis. Melhor primar pela clareza, brevidade, simplicidade, tendo claro que é o Mistério Pascal, que deve ser ressaltado em toda liturgia.
5. Que os Ministros da Eucaristia, cuja validade do ministério é de dois anos, sejam bem preparados e tenham formação permanente. Que sejam preparados também para a distribuição sobre as duas espécies e para a purificação dos vasos sagrados após a comunhão fora do altar da celebração, num lugar devidamente preparado com decoro o e respeito.
6. Que haja formação permanente para os coroinhas e sejam dispensados os que não estiverem querendo se comportar devida e respeitosamente durante a Liturgia Eucarística. Que a campainha seja abolida a não ser em grandes celebrações campais.
7. Nenhum leigo tem autorização de fazer a parte do diácono durante a celebração eucarística, a não ser os Ministros Extraordinários da Eucaristia na purificação dos vasos sagrados após a comunhão, quando, como recomendamos, sejam purificados fora do altar da celebração.
8. Manter a tranqüilidade, a calma, a simplicidade da celebração e do ambiente. Nada deve ficar sobre o altar: cruz, velas e flores. Tudo deve ser colocado ao lado do altar. A toalha do altar não deve cobrir completamente a mesa, pois a mesa do altar simboliza o próprio Cristo. Se a assembléia não tiver o texto, é conveniente que o leitor ajude no Refrão do Salmo Responsorial e nas respostas do povo. Recomenda-se não dramatizar ou dar destaque especial “às palavras da Consagração” ou recordação da ceia para não quebrar a unidade da Oração Eucarística, que é toda dirigida diretamente ao Pai. A cadeira do presidente deveria ficar ao lado do altar, em lugar visível a todos. O Ato Penitencial não é especificamente momento de pedir perdão, mas momento de reconhecer nossa pequenez diante do mistério, por isso evitar gestos que lembrem a absolvição. O canto deve durar o tempo necessário da ação correspondente e ser apropriado com a liturgia do dia.
9. Fazer tudo para resgatar a centralidade do Mistério Pascal e da dimensão comunitária. O desafio da inculturação é como acolher as manifestações culturais sem ofuscar o essencial do mistério. A fração do pão lembra o compromisso ético e social da Eucaristia. “Fazei isto em memória de mim…” compromete o povo celebrante na doação de sua vida com Jesus à comunidade. Temos que nutrir em nós um sentimento de abertura ao novo, a participação efetiva do povo, e despojarmos do nosso arraigado clericalismo e postura de dono das ações eclesiais. É importante levar em conta o que o povo tem a dizer sobre a atuação do padre, com acolhida e desejo de melhorar, pois somos nós que nos consagramos a serviço do povo e não o povo que se consagrou a nosso serviço. Como presbitério, temos que ter a preocupação com a caminhada em comum, dando tempo para uma melhor assimilação das propostas. Precisamos suportar as angústias por vermos muita distância entre o ideal e as reais possibilidades de cada um, como também nos alegrar pela possibilidade do estudo e aprendizagem constante.
10. Formar equipes de leitores que proclamem de fato a Palavra com a dignidade que ela merece; evitar comentários antes das leituras; começar lentamente a evitar o uso de folhetos litúrgicos; fazer uso do Lecionário; valorizar a mesa da Palavra e fazer as leituras diante do ambão, para destacá-la mais; insistir no silêncio e na escuta da Palavra; após a homilia, é bom que se faça um pequeno silêncio para interiorização.
11. Dispor o altar com simplicidade; consagrar partículas suficientes para os comungantes, deixando as reservas para a finalidade própria: culto fora da missa e comunhão dos enfermos e esforçar-se pela distribuição da Eucaristia nas duas espécies; de preferência, usar apenas um cálice e uma âmbula para a consagração; que haja uma escolha criteriosa com antecedência dos Prefácios e Orações Eucarísticas de acordo com o contexto da celebração; a aclamação do Mistério da Fé, após a consagração, poderá ser cantada, evitando-se, neste momento, quaisquer outros hinos da piedade popular; que o presidente mantenha uma postura orante durante a celebração; no momento da comunhão, excluir cantos temáticos, de adoração ao Santíssimo e de cunho individualista; no momento do Cordeiro de Deus, elevar a hóstia e fracioná-la à vista de todos.
12. Selecionar os avisos com antecedência; evitar as homenagens dentro da celebração. Que tal deixá-las para depois da Bênção final? Valorizar as várias fórmulas de bênçãos oferecidas pelo missal; despedir o povo, se possível, retomando brevemente o tema da Liturgia.
A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo