Materlândia

Paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens 

alt

MATERLÂNDIA/ MG
PADRE JOSÉ ADRIANO BARBOSA DOS SANTOS

Comunidades: Machados (Sagrado Coração de Jesus), Fidélis (Nossa Senhora Aparecida), Mangueiras (Senhor Bom Jesus), Ferreiras (São José), São Domingos (São Domingos),Botelho (São Geraldo), Córrego Fundo (Santo Antônio), Roseiras (Nossa Senhora Rosa Mística), Pinheiros (São Francisco), Máximos (São Maximiliano Kolbe), Bufão (Imaculada Conceição – pertence a Materlândia, mas é atendida por Paulistas), Almeidas (Nossa senhora de Fátima – pertence a Sabinópolis, mas  é atendida por Materlândia), Padre Nosso(Cristo Rei), Paraguai ( Santa Terezinha), Costas ( Santo Expedito).

Acesse o blog:

alt

HISTÓRIA DA PADROEIRA

A devoção à Santíssima Virgem Maria, invocada como Nossa Senhora Mãe dos Homens, surgiu em Portugal, no século XVIII. Foi iniciada por Frei João de Nossa Senhora, do Convento de São Francisco das Chagas, em Xabregas, um bairro de Lisboa.
Frei João era um exímio pregador, um verdadeiro literato, chegando a ser conhecido como “o poeta de Xabregas”. Com essa facilidade de oratória, pregava sempre e em todo canto, empunhando sempre um crucifixo em suas mãos, convocando o povo à conversão e à volta para Deus por meio de Maria, a Senhora Mãe dos Homens.

A imagem, desejada pelo iniciador da devoção e esculpida por José de Almeida, apresentava a Virgem Maria, medindo seis palmos de altura, com a mão direita erguida abençoando. E, no braço esquerdo, o Menino Jesus. Carregando a imagem aonde ia, sempre preocupado com a conversão das pessoas, a todos Frei João ensinava a seguinte jaculatória: “Virgem Mãe de Deus e Mãe dos Homens, lançai-nos a vossa bênção”.

Em 1758, em seu próprio Convento, na cidade de Lisboa, Frei João de Nossa Senhora faleceu santamente, deixando atrás de si uma multidão de devotos de Nossa Senhora Mãe dos Homens e um legado que dali se expandiria por vários lugares do mundo. Esta devoção chegou, segundo alguns relatos, ao Brasil trazida pelo Irmão Lourenço de Nossa Senhora, que fundou a Ermida e o Hospício de Nossa Senhora Mãe dos Homens, no ano 1774.

Com o desenvolvimento de seu Santuário e a crescente devoção à Senhora Mãe dos Homens, o Irmão Lourenço fundou também a Irmandade de Nossa Senhora Mãe dos Homens, aprovada por um Breve do Papa Pio VI, no dia 12 de agosto de 1791.

No entanto, no Rio de Janeiro (RJ), em 1750, havia um oratório dedicado à Mãe dos Homens, nas proximidades do canto da Quitanda dos Pretos, da Quitanda do Marisco, do Capitão Alexandre de Castro, e mais tarde de Pero Domingues. Esses oratórios eram construídos e mantidos por particulares e muito respeitados e reverenciados pelo povo. Não eram igrejas mas, como o próprio nome diz, um oratório. Havia também oratórios cravados em muros, feitos de pedras e nas praças da cidade. A Igreja de Nossa Senhora Mãe dos Homens, do Rio de Janeiro, por sua vez, só começou a ser erguida depois de 1779, quando foi feita a medição do terreno e a previsão de gastos para a cantaria da fachada e o interior do templo. Nesta data, a primitiva Ermida do Caraça, toda barroca, já estava pronta e com licença para ser abençoada.

No Brasil, há pouquíssimas igrejas dedicadas a Nossa Senhora Mãe dos Homens: pelo menos, 16 igrejas, dentre as quais a antiga Igreja localizada na Rua da Alfândega no Rio de Janeiro (RJ). As demais Igrejas de que se tem notícia estão no Caraça, em Porto Feliz (SP), Urubici (SC), Ouro Branco (MG), Belo Horizonte (MG), Materlândia (MG), Campos dos Goytacazes (RJ), Cuiabá (MT), Estrela do Sul (MG), Coqueiro Seco (AL), Palmas de Monte Alto (BA), João Câmara (RN), Iúna (ES), Santo Afonso (MT), Araranguá (SC) e Água Santa de Minas – Tombos (MG).

 

A chegada de Nossa Senhora Mãe dos Homens a Materlândia

Morava no Caraça o irmão Lourenço de Nossa Senhora, que era missionário. Por ser missionário, andava pelas cidades e arraial pregando missão e divulgando a devoção à Nossa Senhora Mãe dos Homens. No final do Século XVIII, por volta de 1785, o frei Lourenço visitou Materlândia, e assim aproveitou o momento para divulgar a devoção à Nossa Senhora Mãe dos Homens e possivelmente fez a doação da imagem para o arraial do Turvo Pequeno, que era o nome que Materlândia tinha na época (nome dado por um cientista francês que visitou Materlândia em 1817). A imagem de Materlândia é de madeira, estilo Barroco. Frei Lourenço do Caraça, cidade onde recebeu a devoção à Nossa Senhora Mãe dos Homens, vinda de Portugal, e que possivelmente fez a doação da imagem de Materlândia, faleceu com mais de 100 anos de idade no ano de 1819. Até 1938, Materlândia pertencia ao Serro. De 1938 a 1963 pertenceu a Rio Vermelho. Em 1963, houve a emancipação.

Vários padres trabalharam em Materlândia, dentre eles podemos citar:

padre Marcelino, padre Teófilo Vieira de Andrade, padre Francisco de Paula Câmara, padre José Amantino dos Santos, padre Geraldo Anadir Brandão, padre Geraldo Vieira Gusmão, padre Leonardo, padre Raymundo Lisboa, padre Antônio Guido Flecha, padre Raul Melo, padre Elair Sales Diniz, monsenhor José Batista dos Santos, padre José Carlos de Paula Araújo, padre Pedro João Daalhuizen, padre Osvanil do Nascimento, padre José Aparecido dos Santos e padre Derci da Silva (atual administrador paroquial).

 

Lourentino Rita
Pesquisador

Contato

Endereço:
Praça Raimundo Deco, 12 – Materlândia, MG.
CEP 39755-000
Telefone:
(33) 3427-1159

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

A Palavra do Pastor
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More
Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor! Com a Liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletimos...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo