Artigos

Por que servir mais?

Por que servir mais?

O compromisso de partilhar o dom da vida, dádiva sagrada de Deus, é o horizonte para responder a esta questão: “por que servir mais?”. A medida dessa oferta se alarga, sem limites, para o cristão na incansável missão de contribuir para a edificação de uma sociedade fraterna e solidária. Temos, assim, um longo caminho a percorrer, de diálogos e reflexões, no interno da Igreja, e da Igreja com a sociedade, junto aos irmãos bispos, que me confiaram a missão de presidir a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e com o apoio do povo de Deus.  O exemplo é sempre Jesus Cristo, que entrega sua vida para que todos tenham vida, e não dispensa seus discípulos de se dedicarem a fazer o bem. O grande desafio: o seu seguimento.

O porquê dessa pergunta – “por que servir mais?” – se desdobra, ainda, em outro questionamento: “Para que servir mais?”. As urgências da vida, que é dom, exigem providências, respostas, e as comodidades não podem adiá-las. Indicam que o bem, a verdade, a justiça e o amor não podem esperar o amanhã. É preciso encontrar as respostas logo, se comprometer. Ter a necessária disposição para enfrentar sacrifícios, o que exige abrir mão das vaidades, e coragem para além de todo medo, por saber a dimensão do desafio que se apresenta. É preciso trabalhar para a recomposição dos tecidos esgarçados dos relacionamentos e dos funcionamentos da sociedade, em razão das grandes mudanças e das polarizações, para encontrarmos o caminho do respeito, sobretudo da fidelidade aos valores do evangelho.  E sem as generosidades, sem a presença incondicional e plena, os projetos e as instituições não se sustentam nem se impulsionam. Sobretudo quando a busca é qualificar as condições de servir e de promover a existência de todos, com especial e urgente atenção aos mais pobres, às vítimas das indiferenças e das violências – tudo o que a vida, dom sagrado, exige para “ontem”.

No horizonte dessas urgências, a cultura contemporânea submerge numa avalanche de complexas mudanças, com essa preocupante configuração de polarizações e extremismos. Realidade que mostra a falta de clarividência, gerando até exigências de tratamento criminal para as incivilidades e desrespeitos à sacralidade da vida. Assim, conjugando-se mediocridade e comodidade, arrisca-se a desistir da missão de servir.

Por razão de fé e cidadania, a comodidade e a indiferença não devem prevalecer sobre as necessidades da vida, que não pode perder a sua inteireza. Torna-se urgente servir mais, oferecer o que se pode a mais, incluir sacrifícios, elevando a altos níveis o altruísmo, que não pode faltar no coração de cada pessoa. A vida só alcança a qualidade de dom na medida em que esse dom é vivido como oportunidade de servir e ser operário de uma construção social, política, cultural e religiosa, sobre os alicerces da verdade, justiça e do amor.

Põe-se aqui relevante questão ética no sentido de balizar ações, conceitos, e suas consequências: a responsabilidade de cada indivíduo ante a seriedade de suas posições, escolhas e pronunciamentos, pois a complexidade do momento pode gerar medos e acovardar posturas. Quando se decide por “servir mais” é imprescindível pensar, corajosamente, sobre a oportunidade de se trabalhar por um novo momento civilizatório, considerando a importância de uma ampla reconstrução sócio-cultural-antropológica.

Urge, pois, a configuração de um novo momento. Este é possível! Requer coerência e destemor, ancorados na fidelidade ao Evangelho de Jesus Cristo, numa vida com força testemunhal e irretocável credibilidade, avançando na direção do bem e da verdade. Presidir a CNBB é uma missão especial, pois somos bispos, chamados por Jesus Cristo, para ajudar a humanidade a se abrir ao amor de Deus. Nosso compromisso é servir sempre mais. Vale relembrar as palavras de São Martinho de Tours: se precisam de mim, não recuso trabalho.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Ok, Google, estamos seguros?

Durante toda a nossa vida ouvimos relatos e teorias de conspirações, uma mais inacreditável que a outra. Várias obras da literatura trazem histórias de espionagem com aparelhagens ultramodernas, acessórios e vestimentas que se transformam nos mais criativos utilitários tecnológicos para capturar sons e imagens secretamente… Mas, e se as teorias e ficções fossem reais?

No dia 7 de março de 2017, o grupo ciberativista Wikileaks divulgou uma enorme quantidade de dados confidenciais da CIA, Agência Central de Inteligência norte-americana, expondo práticas de espionagem e hacking cometidas pela Agência.

Segundo os dados vazados, a CIA utilizava códigos maliciosos para interceptar informações ciberneticamente, ativando microfones e câmeras embutidos em dispositivos (celulares, tablets, notebooks, etc.) com sistemas iOS, Android e Windows. Houve casos de captação de áudio até em smartvs.

Os documentos expostos ainda mostravam como a Inteligência dos EUA extraia informações de smartphones e conseguia controlar remotamente veículos e equipamentos médicos. Parece roteiro de algum filme. A Agência acusou o funcionário Joshua Schulte, 29 anos, de fornecer programas da CIA para os ativistas, o que comprova a veracidade dos dados. Se o relato parece fantasioso, caro leitor, “dê um Google”. É assim que a turma hiperconectada diz ao aconselhar que se faça uma pesquisa na internet sobre algum assunto.

A Google é a segunda empresa mais valiosa do mundo. O que ela tem a oferecer? Literalmente, informações! Os resultados das buscas são informações, mas a gigante das pesquisas sabe muito mais do que imaginamos. Ela adquiriu o “finado” Orkut (site de relacionamentos interpessoais – rede social) quando o serviço estava no auge, além de oferecer outros serviços “gratuitos”, em troca das informações dos usuários.

Como se não bastasse, a empresa desenvolveu o Android (e está desenvolvendo o seu sucessor – Fuchsia), sistema operacional para controlar smartphones e outros dispositivos equipados com microfones, câmeras, GPS, etc… e para utilizar tais recursos é necessário fazer um cadastro, fornecendo voluntariamente várias informações pessoais.

A Apple, atualmente a empresa mais valiosa do mundo, além de fabricar tais dispositivos, fornece os sistemas operacionais desenvolvidos pela própria empresa.

Facebook esteve, por muito tempo, entre as mais valiosas do mundo. Juntas, Facebook, Apple e Google, sabem exatamente quem somos, onde moramos, do que gostamos, os lugares onde frequentamos, quem são nossos amigos, e muito mais, e nenhum deles pode proteger, de maneira eficaz, a privacidade do usuário (até a CIA hackeou dispositivos).

É assustador pensar que um grupo de pessoas de má fé possa desenvolver códigos tão maliciosos quanto ou até mais do que os norte-americanos criaram, para roubar dados bancários, localizar facilmente possíveis vítimas de sequestro, eliminar desafetos e… melhor parar por aqui!

Em um mundo onde é (quase) impossível viver sem tecnologias, precisamos retomar o controle das nossas informações pessoais. Precisamos de leis específicas (talvez, um regimento global) e fiscalização severa. Mas, enquanto essa alternativa (de alguma forma) não se concretize, cabe ao usuário ler todos os termos e condições e recusá-los se não estiver de acordo. Também cabe ao usuário não clicar em links com títulos que aguçam a curiosidade, nem permitir que jogos, testes e serviços acessem informações da sua conta além do necessário. Em outras palavras: quando a esmola é demais, o santo não clica!

Joel Fernandes –
Tecnólogo em Sistemas Para Internet

ECA e Direitos Humanos

No próximo dia 13 de julho, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) vai completar 29 anos. Tal Estatuto é o conteúdo da lei 8.069, sancionada pelo então Presidente Collor de Melo.

O ECA colocou fim ao “Código do Menor”, vigente até a Constituição Federal (CF) promulgada em 1988. Engana-se, portanto, quem afirma que antes da CF/88 a legislação brasileira não falava de “menor”. Sim, existia, e falava de “menor em situação irregular”, o que o ECA chama de “criança ou adolescente em ato infracional”.

O “Código do Menor” não tratava com o mesmo humanismo o que a nova CF, em outros tempos históricos, vê com maior interesse. Os menores, agora chamados de crianças e adolescentes, são vistos com maior respeito, maior dignidade, integridade e direitos. Os conceitos mudaram por causa do Art. 227 da CF, que diz: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária […] salvo toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

Diante de tamanha complexidade desse artigo da CF foi preciso criar um Estatuto para regulamentar essas disposições todas ali elencadas.

O ECA começa dizendo que criança é aquela pessoa compreendida até 12 anos incompletos, ou seja, 11 e 364 dias; adolescentes são aquelas pessoas compreendidas entre 12 e 17 anos e 364 dias (dezoito anos incompletos), e a elas são aplicadas medidas protetivas, conforme o art. 105 (ECA). As pessoas que estão nessa faixa etária não cometem crimes, contravenções ou delitos, mas cometem atos análogos a isso: atos infracionais.

Num país de desigualdades, como o nosso, é muito difícil responsabilizar conjuntamente família, sociedade e Estado para garantir às crianças e adolescentes os direitos previstos no mencionado artigo 227 da CF e no ECA. É preciso que cada um cumpra o seu papel para que os direitos humanos não sejam apenas letras num papel.

 

Pe. Ismar Dias de Matos,
Professor de Filosofia na PUC Minas,
Associado Efetivo do Instituto Histórico
e Geográfico de Minas Gerais (Cadeira 75)

Liderança Materna

Há no Brasil um número de mães superior a 52 milhões delas; no mundo são mais de 1,9 bilhões. Cuidam da educação dos filhos e do marido, organizam a casa, trabalham. Uma jornada tripla – algumas vezes quádrupla – porque resta apenas a madrugada para outra atividade.

O contexto mundial tem sido um caminho escuro para elas; não bastassem guerras bélicas décadas atrás, hiperinflação no passado mais recente, hoje, as “guias do lar” se veem envolvidas por outro desafio colossal: estar em dia com a tecnologia e presente na vida das “crias”. Não é nada fácil, como nunca foi, contudo, nestes nossos dias, a velocidade dos fatos não nos permite sequer respirar, compreender e voltar a caminhar.

Vamos aos detalhes: cada vez mais cedo os filhos estão presentes na realidade virtual por meio dos smartphones, tablets, smartwatches. As redes sociais invadem e são invadidas por uma galera conectada aos bytes, expondo a vida e olhando a vida alheia. Onde ficam as mães em toda essa dinâmica? Muitas vezes é colocada quilômetros de distância, mesmo estando ao lado. De quem é a culpa? Dos filhos, agitados, ávidos por conteúdo, conectados de segunda a segunda, de 0h a 23:59? Das mães, ocupadas, multitarefas, vivendo dois dias em apenas um? Certamente de ambas as partes. Os herdeiros devem estar abertos ao diálogo com sua família; por sua vez, cabe à família controlar a exposição dos filhos no “ambiente digital”, dizer não.

Sendo o Brasil um dos países mais conectados no planeta, as mães têm o desafio de conciliar o cotidiano da família, muitas vezes com poucas opções de horário para conviverem entre si, com as tarefas profissionais, pessoais e da casa. Não é preciso jogar fora os dispositivos eletrônicos. Pode-se e deve-se estar em dia com todos os gadgets oferecidos pela infinita capacidade criativa dos programadores e designers. Apenas um aviso: como diz meu pai: tudo demais é veneno.

Mães, tudo isso parece muito difícil de ser assimilado e trabalhado em meio a tantas demandas. A diretiva a vocês, rainhas do lar, não é acaso, nem entrega total da responsabilidade. Em família, a ordem do dia é compartilhar as tarefas. Uma célebre filosofia de Napoleão Bonaparte, imperador francês entre os anos de 1804 e 1814 (com breve retorno, por alguns meses, em 1815), é uma sábia lição para as famílias: dividir para conquistar. Dividir os cuidados com a casa, a preparação das refeições, a atenção uns para com os outros; conquistar união, crescimento mútuo, um lar além das paredes, piso e telhado. Tudo isso desenhado, a tenacidade, doçura e perspicácia maternal são fundamentais para a condução do núcleo familiar em mais esse contexto dinâmico.

O mundo está precisando de um olhar diferenciado, com visão do todo e do detalhe, firmeza e afago, força e delicadeza. Um pacote tão completo como só o dom da maternidade pode acobertar. Uma fonte inesgotável de amor, fortaleza e luz. O corpo ao qual o Criador atribuiu a capacidade de gerar a vida, a cocriação do planeta, a renovação constante da humanidade.

Por mais turbulento que esteja o voo, a experiência do piloto, aliada aos equipamentos de ponta do avião, permite ao comandante da aeronave dar prosseguimento à viagem e levar os passageiros com segurança ao destino. Por mais tortuoso que seja o caminho, a liderança do guia, aliada aos seus conhecimentos, leva o grupo a atravessar o vale e alcançar o topo. Por mais nublados que pareçam estar nossos dias, o aconchego materno, aliado à sabedoria adquirida ao longo dos anos, ajudam os pequenos (e os grandes) a esperar a tempestade passar e ver, mais uma vez, a luz do sol.

Juliano de Oliveira Nunes,
jornalista, discente de administração.

Eu te agradeço, meu Deus, pelas mães que nos destes!

Deus abençoou o homem e a mulher dizendo-lhes: “Sejam fecundos, multipliquem-se, encham-se e se submetam à terra; dominem os peixes do mar, as aves do céu e todos os seres vivos que se arrastam sobre a terra”.

Assim, o homem e a mulher, abençoados por Deus, continuaram a missão criadora produzindo seus frutos, surgindo então, as figuras dos novos coadjuvantes: o pai e a mãe.

A mãe, a mulher preparada biologicamente para gerar a vida em seu útero, como resultado da fertilização, teve a graça de obter um tempo a mais de convívio com o novo ser, durante o período gestatório, onde pôde acompanhar todo o processo de formação mais intimamente, podendo perceber cada aspecto do seu desenvolvimento, sentir as batidas do pequeno coração em primeira mão, os chutes na barriga e também as indisposições naturais e os incômodos.

O pai que teve a participação inicial no ato da fecundação se distancia fisicamente, por questões até biológicas deste convívio íntimo em relação à mulher.

Com isso, surge o lado biológico do “ser mãe e ser pai”.

A grande missão de ser mãe sempre começa com alguns meses de enjoo, azia às vezes, seguido do desejo de comer coisas estranhas, mudanças no corpo, alterações de humor e emoções afloradas. Tudo isso em preparação para o grande dia: a concretização do amor, quando poderá ver; pegar em seus braços e sentir o cheiro de sua cria, concebido com tanto amor, carinho e ansiedade, assumindo a mulher seu papel essencial: ser mãe! Daí para frente, só há a personificação do amor e demonstração de tudo o que ela é capaz de fazer e até mesmo de sofrer em prol daquela pequena vida. Não há limites ou barreiras que a impeçam de transpor para salvaguardar aquele bem tão precioso a ela confiado. Não há preocupação com o tempo ou hora para fazer o que é necessário e também não há dificuldade deixar para fazer aquilo que acha que é bom para si própria. O importante de agora em diante é cuidar com todo amor e carinho daquele pequeno ser colocado em seus braços. Nada mais é relevante e tão importante quanto os cuidados para que nada falte a esse tão pequeno e frágil ser.

Suas horas serão agora preenchidas pela preocupação em amamentar, cuidar das cólicas, das roupinhas, das papinhas, da higiene corporal do bebê e, se sobrar tempo, cuidar de si mesma até que seja solicitada novamente. Ainda há a casa para ser administrada e, certamente, o restante da família. Há uma doação permanente sem esperar nada em troca.

A mulher-mãe ainda tem que matar um leão por dia para se mostrar para uma sociedade que não a valoriza como mulher e como mãe. Apesar de se desdobrar diuturnamente, seu espaço ainda não está demarcado pela sociedade, que sabe do seu valor e da sua importância no ambiente familiar e no seu ambiente de trabalho, bem como de sua força produtiva e também como mediadora, pois grande é a sua habilidade em sanar conflitos e resolver problemas diversos. Que bom seria se a sociedade reconhecesse e valorizasse a mulher-mãe, não só pelas suas qualidades maternais, com todos os seus problemas e necessidades, mas especialmente, pela sua condição de filha de Deus, portanto, digna de uma vida mais justa.

A mãe é o amigo mais importante que podemos conseguir em toda a nossa vida, pois em nenhum momento ela se virará contra nós ou nos abandonará especialmente naqueles momentos sem esperança que nos parecem insolúveis. Ela tem o poder de colocar em seu colo todas as nossas preocupações e transformá-las em sorrisos, de criar laços que nunca mais serão rompidos e de chamar para si a maior e mais divina responsabilidade, que é a de ser mãe. Ela estará, enquanto vida tiver, sempre pronta a nos dar conselhos e doces abraços perfumados, que nos ajudarão a superar todas as nossas dificuldades, por piores que nos pareçam ser.

Eu te agradeço, meu Deus, pelas mães que nos destes!

Prof. Eduardo Oscar Generoso,
de São João Evangelista

TRABALHO E TRABALHADOR

A compreensão da vida e do ser humano a partir de qualificada perspectiva antropológica deve iluminar a compreensão do verdadeiro sentido do trabalho e da genuína atribuição do trabalhador. Esse entendimento deve passar longe da ganância alimentada pela idolatria do dinheiro, com suas forças perversas, e da lógica da indiferença, que caracteriza a chamada economia de mercado. Compreender o correto sentido do trabalho e do trabalhador exige enxergar para além dos números. Quando somente as estatísticas e os balanços são considerados, há o risco de se ignorar a indicação do Papa Francisco na Exortação Apostólica Evangelii Gaudium – Alegria do Evangelho: não à economia de exclusão, não à nova idolatria do dinheiro, não ao dinheiro que governa em vez de servir e não à desigualdade social que gera violência.

Sem adequada leitura da realidade, deixando-se envolver somente pelo valor do dinheiro, a sociedade continuará a sofrer com a exclusão social e com a corrupção endêmica. O ideal é o exercício da cidadania a partir do respeito incondicional à vida, reconhecendo a sua sacralidade, em todas as suas etapas, da fecundação ao declínio, com a morte natural. E nesse caminho, deve-se retomar o dever sagrado do ser humano, que vem dos primórdios: cultivar a terra, promover o desenvolvimento integral e sustentável.

A narração bíblica da criação do homem e da mulher, à imagem e semelhança de Deus, traz importantes lições sobre a verdadeira missão do ser humano. Deus, o criador, atribui ao homem e à mulher a responsabilidade de proteger e se dedicar ao mundo – o mundo de Deus – sob o horizonte insubstituível do amor. Assim, todos devem viver como irmãos e irmãs uns dos outros. Eis a base para a igualdade social, para a compreensão de que as diferenças, quando bem articuladas, são riquezas, capazes de se desdobrar em desenvolvimento integral e sustentável. E o trabalho integra, nesse contexto, a condição originária do ser humano. Jamais pode ser considerado punição ou maldição.

O sentido do trabalho passa a ser desvirtuado quando a humanidade sucumbe-se à tentação de alcançar domínio absoluto sobre todas as coisas, sem respeitar a vontade do Criador. Consequentemente, idolatrias de todo tipo são alimentadas, especialmente a que supervaloriza o dinheiro. A partir desse momento, começa a exploração das pessoas – uma perversidade, completo desrespeito à sagrada dignidade da vida. Abre-se também o caminho que leva ao tratamento predatório do meio ambiente, sob o véu de um falso desenvolvimento. E a ganância sem limites submete todos ao caos, inclusive os que detêm a riqueza e o poder.

É preciso retomar o significado do trabalho, inspirando-se nos ensinamentos de Jesus, operário por excelência, em amorosa obediência ao desígnio de seu Pai. Trabalha em favor de cada pessoa e, ao mesmo tempo, ensina que não se pode aceitar a escravização. Ao refletir sobre a Palavra de Deus, particularmente as narrativas sobre a vida de Jesus, compreende-se o valor do trabalho e do descanso. O repouso, essencial para recuperar a inteireza física, emocional e espiritual, é dom precioso que permite enxergar o sentido do próprio trabalho. E trabalhar é poder experimentar a alegria de contribuir, com dons e aptidões, na construção de um tempo novo, pautado na justiça e na paz, colaborando com a obra do Criador.

Percebe-se, assim, que o trabalho deve ser caminho para cada pessoa exercer a sua vocação e se realizar. É preciso, pois, compreender-se como servidor – estar a serviço da vida de todos. Vale superar o comportamento mesquinho de apenas buscar o atendimento a interesses meramente particulares e experimentar a alegria de ver, na felicidade e realização do outro, que é irmão, o fruto do próprio trabalho. Em uma sociedade em que milhões sofrem sem trabalho, claro desrespeito à dignidade humana, permanece diante de todos, o desafio: para além de números e interesses financeiros, conquistar a fecunda e qualificada compreensão a respeito do trabalho e do trabalhador.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Por que as imagens são cobertas no final da quaresma?

A tradição de cobrir os santos nos últimos dias da Quaresma é muito antiga. Para entendê-la é preciso primeiro entender o que significam as imagens dos santos numa igreja.

Quando entramos na Igreja e vemos as imagens, recordamos o mistério da Comunhão dos Santos: nós formamos com Eles, que já estão glorificados com Cristo Ressuscitado, a única Igreja que é Igreja Triunfante (que está nos céus), Igreja padecente (no Purgatório) e Igreja militante (nós na Terra). As imagens são, pois, uma mensagem de alegria: anunciam para nós essa consoladora e alegre verdade da fé de que estamos unidos à vitória daqueles que viveram antes de nós e – como nós – seguiram a Jesus.

Quando cobrimos os santos na quaresma, poucos dias antes da Semana Santa, queremos lembrar que, antes de viverem o mistério da glória com Cristo, passaram pelo mistério da dor, dos sofrimentos e da morte de Jesus. Os santos não são cobertos como sinal de luto, mas sim como sinal do mistério de “solidariedade” e união profunda ao mistério da Paixão do Senhor. Nós os cobrimos, dando um ar “pesante” ao espaço litúrgico, nada alegre, pois agora é tempo de pensar na Paixão do Senhor.

Isso fica ainda mais claro quando na Vigília Pascal vemos cair os panos roxos e volta a alegria pois, no lugar daquela cor pesada e triste, aparecem de novo as imagens coloridas e bonitas, sinais de quem venceu com Cristo, tendo passado pela sua cruz em união à Dele.

Cobrir e descobrir os santos, então, nos remete ao Mistério Pascal, que é mistério de morte e ressurreição, de sofrimento e de alegria, de perda e de vitória. Cobrir os santos é linguagem simbólica muito expressiva, que tem sido recuperada em muitas Comunidades Cristãs, que estão se conscientizando do valor e da necessidade do simbolismo na caminhada humana.

Também conhecido como “Velatio“, este costume de cobrir as imagens das Igrejas com tecido roxo durante a Quaresma, é para que os fiéis não “se distraiam” com os Santos e que a sua devoção deve estar fundamentada no Mistério Pascal de Cristo, ou seja, na Sua paixão, morte e ressurreição.

Assim, cobrindo-se todas as imagens dos Santos e os crucifixos, surge com maior evidência o que há de essencial nas igrejas: o altar, onde se opera e atualiza o Mistério Pascal de Cristo, por seu Sacrifício incruento.

A rubrica no Missal Romano, 2ª edição típica, no sábado da IV semana da Quaresma (pág. 211, em português) e também a contida na Paschalis Sollemnitatis: A Preparação e Celebração das Festas Pascais, nº 26, nos ensina que:

“o uso (costume) de cobrir as cruzes e as imagens na igreja, desde o V Domingo da Quaresma, pode ser conservado segundo a disposição da Conferência Episcopal. As cruzes permanecem cobertas até ao término da celebração da Paixão do Senhor na Sexta-feira Santa; as imagens até ao início da Vigília Pascal”.

 

Fonte: paroquiasantana.org.br (com adaptações)

 

Se o desperdício não morrer… a vida não brotará

Busco inspiração no Evangelho de João, mais exatamente na narrativa do encontro entre Jesus e a Samaritana na fonte, na nascente, digo no poço de Jacó para um alerta relativo ao Dia Mundial da Água, comemorado anualmente em 22 de março. Se no texto bíblico a graça da salvação é comparada por Cristo com a Água da Vida, só isso já elevaria a nossa preocupação com o que fazemos com o precioso líquido, sem o qual definhamos, secamos… sem o qual não há vida neste planeta água chamado Terra.

Diante da atual campanha da fraternidade que nos leva a refletir sobre a fraternidade e políticas públicas, o tema ganha uma dimensão agigantada e urgente. Já que muitos de nós, só nos lembramos da responsabilidade individual com as fontes, com a natureza em si – dons que recebemos do Criador – quando a escassez nos assusta. Assim, sob o foco do “serás libertado pelo direito e pela justiça”, cabe lembrar que o direito de todo cidadão é apenas um dos lados do conjunto que nos leva à justiça, à democracia e à liberdade numa vida em sociedade.

Mergulhemos então, novamente na Água da Vida! Conhecido como “príncipe dos pregadores”, Charles H. Spurgeon um destacado evangelista cristão do século 19, em um de seus sermões diria que “a Graça de Deus no mundo mental e espiritual é exatamente o que a água é no mundo natural”. A analogia usa o elemento essencial para a vida no mundo natural, para facilitar o entendimento do que a Graça Divina é para o ser humano.

Refletindo sobre a cena da Samaritana diante da fonte da Água da Vida, Spurgeon dizia que o ser humano, depende da água já que parte de seu corpo físico é formado por ela e, sem ela é pó. No entanto, já sabemos que mesmo assim, em certas ocasiões pode até negligenciá-la, desperdiçá-la, poluí-la, secá-la, crucificá-la quando alaga nossas casas. Em outras ocasiões a água é uma necessidade imperativa. Devemos beber ou morrer.

O famoso pregador, dizia que a Graça de Deus é como a água em nada menos do que em oito sentidos. O principal é que sacia a sede. No entanto o ser humano é tão tolo que não sabe, o que seu corpo e seu espírito necessitam, mas ele sente que precisa de algo… Se tem conhecimento exato ou não de suas necessidades, o fato é que levado por tantos outros interesses, costumamos deixar de lado tanto a Graça quanto a Água. Desperdiçamos, usamos com ganância, sem respeito às leis da natureza e as regras do meio ambiente em que vivemos.

Mas não estamos aqui eternamente. Se a chance de receber a Graça de Deus, para nós tem tempo curto, penso que as fontes de água deste planeta Terra, podem acabar se secando para nós. Exagero? Não seria nada cristão pensar assim. Isso nos leva a não compartilhar, a não pensar que depois de nós, outros vão precisar do poço, da nascente, da fonte de H²O.

No ano passado, a ONU – Organização das Nações Unidas, focou as reflexões sobre o Dia Mundial da Água, no uso de soluções baseadas no próprio meio ambiente para resolver problemas de gestão dos recursos hídricos. Com a campanha “A resposta está na natureza”, reforçou estratégias de preservação e restauração ambiental para proteger o ciclo da água e melhorar a qualidade de vida da população.

Segundo dados da ONU, o uso doméstico da água doce representa apenas 10% do consumo total, e a proporção de água potável que é bebida pela população equivale a menos de 1%. Por outro lado, a agricultura é responsável por 70% do consumo de recursos hídricos — a maior parte vai para a irrigação das plantações. O que aumenta em áreas com maior densidade populacional e falta d’água. O campo é seguido pela indústria, que responde por 20% da água utilizada em atividades humanas.

Com as transformações do clima e a manutenção de padrões insustentáveis de produção e extração de minérios, a poluição e a desigualdade na distribuição vão se agravando, bem como os desastres associados à gestão da água.
Hoje, 1,9 bilhão de indivíduos vivem em áreas que poderão ter escassez severa de água. Até 2050, o número pode chegar a cerca de 3 bilhões. Aproximadamente 1,8 bilhão de pessoas já são afetadas pela degradação da terra e pelo fenômeno conhecido como desertificação.

O território brasileiro contém cerca de 12% de toda a água doce do planeta. Ao todo, são 200 mil microbacias espalhadas em 12 regiões hidrográficas, como as bacias do São Francisco, do Paraná e a Amazônica (a mais extensa do mundo e 60% dela localizada no Brasil). É um enorme potencial hídrico, capaz de prover um volume de água por pessoa 19 vezes superior ao mínimo estabelecido pela ONU. Apesar da abundância, os recursos hídricos brasileiros não são inesgotáveis. O acesso à água não é igual para todos. As características geográficas de cada região e as mudanças de vazão dos rios afetam a distribuição.

Dito isso, creio que os leitores já encontraram a justificativa do título que usei para este artigo, que faz uma referência a outro trecho do Evangelho de (João 12:23-25). Ele fala da necessidade do grão de trigo, morrer ao cair na terra, para poder germinar e contribuir com uma nova vida. Assim, peçamos a Deus que nos ajude a enterrar o desperdício de água, que deixando o desperdício na terra frutifiquemos mais estratégias de restauração e preservação ambiental. Que ao sepultar o costume do desperdício deixemos germinar a proteção ao ciclo da água da qualidade de vida.

Evandro José de Alvarenga é Jornalista –
Vereador em Guanhães e oficineiro voluntário no CRAS

ANITTA

Vivemos, há certo tempo, um período de músicas de gosto (muito) duvidoso; são letras e sons passageiros. Tocam praticamente 24 horas por alguns meses, depois caem no esquecimento. Rapidamente viram peça de museu digital, afinal, o bom tempo dos LPs e fitas K7 ficou para trás. Agora, tudo é eletrônico. Nessa onda, um nome surgiu, se destacou e está, com frequência, lançando novas composições. É a cantora Anitta. Seis anos atrás, ela lançou seu primeiro trabalho na internet. Apenas o vídeo oficial, nesse período, foi visto mais de 100 milhões de vezes, equivalente à população do Egito. Um ano depois, o segundo material lançado registrou aumento de 50% em acessos, alcançando 150 milhões de visualizações, a soma das populações russas e uruguaias. Em 24 meses, 250 milhões de cliques para Anitta, número superior ao povo brasileiro.

Você deve estar pensando: o jornal da Diocese de Guanhães trazendo um artigo sobre Anitta? Calma! Não pretendo escrever sobre as “músicas”, nem cirurgia plástica ou a vida pessoal de Larissa de Macedo Machado (nome de nossa personagem). A proposta é outra e é – na nossa ótica – mais interessante.

Aos sete anos de idade, a garota católica era membro de uma equipe de liturgia; com 11, usava a mesada para estudar inglês e ganhou uma bolsa de estudos para fazer dança de salão; aos 16, estudante de curso técnico de administração, quando estudou marketing e foi estagiária da Vale. O que a maioria de nós fazia aos sete, 11, 16, 25 anos (idade da cantora)? O que a maioria da galera da geração atual faz? Naturalmente poucos ou poucas terão os mesmos resultados de Anitta, contudo a estrela é um exemplo de empreendedorismo.

Cantores, atores e atletas têm empresários, pessoas influentes, responsáveis por gerenciar suas carreiras, cuidar da imagem, regular qualquer coisa a respeito da celebridade. Anitta é empresária de Anitta. Mas, enganam-se quem pensa nela apenas como uma voz atrás dos microfones. Ela é garota propaganda de marca de automóveis, tem seus próprios negócios cuida, através de sua empresa, de astros e estrelas. Tirando os trabalhos de gosto duvidoso, não há como negar: trata-se de uma jovem empreendedora.

Meses atrás, um fato (na época, curioso) chamou minha atenção. Anitta foi convidada para palestrar em Harvard, nos Estados Unidos, uma das principais universidades do planeta, onde graduou em direito o ex-presidente norte-americano, Barack Obama. Meu susto e estranheza, confesso, movidos por desconhecimento e preconceito, deram lugar a uma surpresa muito agradável e uma lição: não mais julgar o conteúdo apenas pela embalagem ou vice-versa. A brasileira, dentro de uma das maiores instituições de ensino do mundo, não só deu show (trocadilho inevitável), como falou aos estudantes em inglês fluente. Reforço: as músicas dela não me agradam nem um pouco, contudo, sou admirador da visão empreendedora e do profissionalismo de Anitta.

Juliano Nunes, jornalista

Homilia do 1°Domingo da Quaresma – Ano C

HOMILIA do 1º Domingo da Quaresma/Ano C

Liturgia da Palavra

1ª Leitura: Dt 26,4-10
Salmo: 90
2ª Leitura: Rm 10, 8-13
Evangelho: Lc 4,1-13

* 1 Repleto do Espírito Santo, Jesus voltou do rio Jordão, e era conduzido pelo Espírito através do deserto. 2 Aí ele foi tentado pelo diabo durante quarenta dias. Não comeu nada nesses dias e, depois disso, sentiu fome. 3 Então o diabo disse a Jesus: «Se tu és Filho de Deus, manda que essa pedra se torne pão.» 4 Jesus respondeu: «A Escritura diz: ‘Não só de pão vive o homem’.» 5 O diabo levou Jesus para o alto. Mostrou-lhe por um instante todos os reinos do mundo. 6 E lhe disse: «Eu te darei todo o poder e riqueza desses reinos, porque tudo isso foi entregue a mim, e posso dá-lo a quem eu quiser. 7 Portanto, se te ajoelhares diante de mim, tudo isso será teu.» 8 Jesus respondeu: «A Escritura diz: ‘Você adorará o Senhor seu Deus, e somente a ele servirá’.» 9 Depois o diabo levou Jesus a Jerusalém, colocou-o na parte mais alta do Templo. E lhe disse: «Se tu és Filho de Deus, joga-te daqui para baixo. 10 Porque a Escritura diz: ‘Deus ordenará aos seus anjos a teu respeito, que te guardem com cuidado’. 11 E mais ainda: ‘Eles te levarão nas mãos, para que não tropeces em nenhuma pedra’.» 12 Mas Jesus respondeu: «A Escritura diz: ‘Não tente o Senhor seu Deus’.» 13 Tendo esgotado todas as formas de tentação, o diabo se afastou de Jesus, para voltar no tempo oportuno.

*4,1-13: Cf. nota em Mc 1,12-13 e em Mt 4,1-11. Lucas inverte a ordem das duas últimas tentações, porque em Jerusalém (Templo) é que acontecerá a suprema tentação e a vitória final sobre ela.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

* Comentário: Jesus resiste à tentação

Quaresma, quadragésimo dia antes da Páscoa. Na Igreja das origens, era o tempo de preparação para o batismo na noite pascal. Aprendia-se o Credo. Por isso, a 1ª leitura de hoje cita o “credo do israelita”. Ao oferecer as primícias da terra, na primavera (= março-maio, na Palestina), o israelita se lembrava dos quarenta anos passados no deserto, sob a firme condução de Javé Deus, conclusão da peregrinação iniciada por Abraão nas origens do povo. Para ser liberto da escravidão, Israel atravessou o deserto durante quarenta anos, tempo de uma geração: o povo saiu renovado. Tudo isso, o israelita o recordava anualmente ao oferecer suas primícias a Deus.

O cristão, ao apresentar-se diante de Deus, seja na comunidade reunida em assembléia, seja no silêncio de seu coração, recorda uma outra libertação: a que libertou Jesus da morte e o fez passar para a glória, a “passagem” não do anjo exterminador, mas do Cristo, que significa também nossa passagem da morte para a vida. “Jesus é o Senhor… Deus o ressuscitou dos mortos” (Rm 8,10; 2ª leitura). Para poder proclamar esta fé, na noite do “novo dia”, Páscoa, o cristão passa um “tempo de quarentena”, para sair completamente renovado.

Também Jesus passou por um “tempo de quarentena” (evangelho). Reviveu toda a história do povo. Conheceu a tentação da fome (cf. Nm 14), mas recordou o ensinamento de Deus: “Não se vive só de pão” (Dt 8,3). Conheceu a tentação do bezerro de ouro, ou seja, de adorar um falso deus, que fornecesse riqueza (cf. Ex 32); mas respondeu, com a palavra de Deus: “Só a Deus adorarás” (Dt 6,13). Conheceu a tentação mais refinada que se pode imaginar, a de manipular o poder de Deus para encurtar o caminho; mas a experiência de Israel, resumida em Dt, lhe oferece novamente a resposta: “Não tentarás o Senhor, teu Deus” (Dt 6,16). Jesus venceu o tentador no seu próprio terreno, o deserto, onde moram as serpentes e os escorpiões, onde Deus provou Israel, mas também Israel tinha colocado o próprio Deus à prova (Sl 95[94],9). Jesus não tentou Deus, mas venceu o tentador. Pelo menos por enquanto, pois a grande tentação ficou para “a hora determinada” (cf. Lc 22,3.31.39).

Em Lc, Jesus é o grande orante, o modelo do fiel. Jesus resistiu à tentação de tentar Deus: sinal de sua imensa confiança no Pai. Ele professa a fé no único Deus como regra de sua vida. Ele se alimenta com a palavra que sai da boca do Altíssimo. Nossa quaresma deve ser um estar com Jesus no deserto, para, como ele, dar a Deus o lugar central de nossa vida. Como ele, com ele e por ele, pois é dando a Jesus o lugar central, que o damos a Deus também. Neste sentido, a quaresma é realmente “ser sepultado com Cristo”, para, na noite pascal, com ele ressuscitar.

Lc traz as tentações em ordem diferente de Mt (cf. ano A). Em Mt, o auge é a tentação de adorar o demônio; em Lc, o “transporte” para Jerusalém. Ora, todo o evangelho de Lc é uma migração de Jesus para Jerusalém, e a tentação decisiva será a “tentação de Jerusalém”. Jesus resistirá a esse ataque decisivo, na mesma cidade de Jerusalém. Assim, as tentações prefiguram o caminho de Jesus. Por isso é tão importante que nós nos unamos a ele neste “tempo de quarenta”, em espírito de prova de nossa fé e vida.

É isso que lembra a oração do dia: tornar nossa vida conforme à do Cristo. O salmo responsorial é o Sl 91 [90], que inspirou o Satanás para a terceira tentação, mas que também contém em si a resposta ao Satanás: a ilimitada confiança em Deus.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

Mensagem: Treinamento de fé

Devidamente desacelerados do Carnaval, celebramos o 1º domingo da Quaresma. Aos mais velhos, “Quaresma” lembra jejum e penitência. Mas Isaías diz que Deus não se alegra com uma cara abatida. Talvez devamos encarar a Quaresma sob outro ângulo: como treinamento da fé. Em que acreditamos, afinal? Por qual convicção colocamos a mão no fogo, resistimos a provações, empenhamos a nossa vida?

Na sua origem, a Quaresma era o tempo de preparação dos catecúmenos para receber o batismo na noite pascal. Neste sentido, a 1ª leitura nos lembra o “credo” que o antigo israelita pronunciava na hora de oferecer os primeiros frutos de sua terra: o povo foi salvo por Deus. A 2ª leitura lembra o credo do cristão (que o batizando com toda a comunidade pronunciava na noite pascal): nossa salvação pela fé em Jesus Cristo. O evangelho mostra este credo em ação: Jesus dá o exemplo de adoração exclusiva a Deus. Jesus foi posto à prova. O diabo lhe sugeriu que transformasse pedras em pão, dominasse o mundo, deslumbrasse o povo … Mas Jesus preferiu fazer de sua vida um grande ato de adoração a Deus. E o diabo o deixou até a hora da grande provação – a hora da paixão e morte.

A Quaresma é uma subida à Páscoa, como os israelitas subiam a Jerusalém para oferecer suas ofertas e como Jesus subiu para oferecer sua vida. Nossa subida à Páscoa está sob o signo da provação e comprovação de nossa fé. Encaminhamo-nos para a grande renovação de nossa opção de fé. Se, nos primeiros tempos da Igreja, a Quaresma era preparação para o batismo e a profissão de fé, para nós é caminhada de aprofundamento e renovação de nossa fé. Pois uma fé que não passa por nenhuma prova e não vence nenhuma tentação pode se tomar acomodada, morta. Ora, a renovação de nossa opção de fé não acontece na base de algum exercício piedoso ou cursinho teórico. É uma luta, como foi a tentação de Jesus no deserto, ao longo de quarenta dias. A fé se confirma e se aprofunda em sucessivas decisões, como as de Jesus, quando resistia com firmeza e perspicácia às tentações mais sutis: riqueza, poder, sucesso.

Precisamos de treinamento em nossa opção por Deus. Antigamente, esse treinamento consistia no jejum, na mortificação corporal. Mas em nossa situação da América Latina, empobrecida e desigual, o treinamento da opção da fé se realiza sobretudo na sempre renovada opção pelos pobres e excluídos, no adestramento para a solidariedade cristã. A Campanha da Fraternidade nos treina para colocar nossa fé em prática. Adestra-nos para enfrentar os demônios de hoje, a tentação da idolatria da riqueza, da dominação, da discriminação, da competição. Exercitamos a nossa opção de fé, praticando-a na solidariedade fraterna, para, com Jesus, chegar à doação da própria vida, na hora da grande prova. Quem não se exercitar, talvez não saberá resistir.

Do livro “Liturgia Dominical”, de Johan Konings, SJ, Editora Vozes

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo