Mística do Natal: um encontro transformador

O ciclo do Natal, que compreende o Advento e o Tempo do Natal, até o batismo do Senhor, é um tempo precioso e pedagógico da liturgia, que nos educa na espera, na alegria do Natal e no caminho a ser trilhado a partir desse encontro maravilhoso com o Emanuel.

O Advento é um caminho de espera. Tal afirmativa tem uma conotação ambígua, já que “espera” tem um tom passivo, enquanto “caminho” nos lembra de movimento. Mas é assim mesmo: o advento é um caminho de atração, Deus nos atrai a Si, o que gera uma rota de conversão, de mudança, de adaptação. Há um duplo advento: primeiro um Deus que virá, é a espera escatológica, celebrada nas primeiras semanas do Advento; a partir do dia 17 de dezembro, início da chamada semana santa do Natal, os olhares litúrgicos se voltam para a primeira vinda, para o Santo Natal propriamente dito. É um caminho didático, que nos aponta para a segunda e definitiva vinda do Senhor a partir da primeira vinda, do seu santo nascimento, nos mostrando que esse Deus que virá é um Deus-amor, próximo, amoroso, e que caminha todos os dias conosco. Temos a tentação de pensar as duas vindas como desconexas, como se o Senhor nos tivesse abandonado e voltaria apenas na parusia. Não! Ele é Deus conosco, que caminha ao nosso lado, que é nosso parceiro.

O Santo Natal é a festa para qual nos preparamos “grávidos” de esperança: Ele veio, é Emanuel. Na fragilidade da manjedoura, nos poucos panos, naquele curralinho, único lugar disponível (Lc 2,7), se manifesta o Verbo encarnado. A providência tudo governa. A santa pobreza da gruta de Belém já revelava a missão do Rei-menino: nascido em Belém, que se traduz por “Casa do Pão”, numa manjedoura, um lugar de comer dos animais, o Pão da Vida (Jo 6,35) entra na história, assume nossa fragilidade, nos assume para nos resgatar. Também a santa pobreza de Belém nos indica quem são os primeiros destinatários da Missão salvífica do Deus encarnado: os pobres, os simples, os humildes, os que estão em alguma situação extrema na vida, não necessariamente apenas material, existencial e moral também. Tudo isso representado pelos pastores (Lc 2,8-20) e pelos magos (Mt 2,1-12), sinais que a mensagem é para todos, mesmo os pagãos, preferencialmente para os pobres, paras os sofridos, para os enfermos (Mc 2,17).

Nos chama atenção as festas que são celebradas imediatamente após o Natal: Santo Estevão, Santos Inocentes e Sagrada Família. Tais celebrações demonstram como o Amor de Deus entra na história humana de uma maneira concreta, de modo que tantos voltaram sua vida para a existência daquele frágil redentor nascido em Belém.

A Epifania, como dito acima, celebra essa Salvação trazida pelo Verbo a todos os povos. A partir disso não há mais que ter a petulância de pensar que Deus é do povo, uma propriedade privada. Antes, o povo é de Deus, e é Ele, pelos seus caminhos, ordinariamente pelo sacramento da Igreja, que salva Seu povo. A Igreja é sua presença sacramental, mas não é a Salvação. É o caminho ordinário deixado pelo próprio Cristo, como entende o Concílio Vaticano II (cf. Lumen Gentium, 8), mas Deus tem os seus caminhos, que nem sempre são conhecidos, para salvar os que são Seus.

O Batismo do Senhor encerra, pois, o ciclo do Natal. Uma celebração belíssima em que, geralmente, renovamos nossas promessas batismais. Jesus, bem sabemos, não tinha pecado. O batismo de João Batista era um batismo de arrependimento e preparação para a vinda do Messias. Contudo, o próprio Messias se faz batizar (Mc 1,7-11). São Máximo de Turim, bispo, vê o batismo de Jesus como primícias (cf. Sermo 100, de Sancta Epiphania). Assim como no deserto a coluna de fogo ia à frente passando pelo mar vermelho, símbolo do nascimento do povo de Deus (Ex 13,21-22), assim Jesus santifica as águas do batismo, como o primeiro, nos indicando o caminho, para nos tornamos filhos no “Filho muito amado” (Mc 1,11).

Há um versículo marcante no Evangelho lido na Epifania que resume toda essa mística do Natal. Os magos, ao se encontrarem com o Menino e oferecerem seus presentes, eles “voltam por outro caminho” (Mt 2,12). Como os magos, também nós encontramos o Menino Deus no Natal. Esse encontro marcante precisa nos empurrar para novos caminhos, ou seja, precisamos, em cada Natal, mudar a nossa vida, nossos caminhos, nossas relações, nossa visão de mundo. O natal precisa iluminar nossa vida cristã, precisa provocar uma mudança de vida, de caminhos. Não podemos passar pelo Ciclo do Natal e voltar, depois de encontrar com o Emanuel, pelos mesmos caminhos da vida velha. O natal é isso: celebra o amor de um Deus que teve a capacidade de assumir nossa fragilidade, de se fazer um de nós. Não podemos ser insensíveis a esse amor. O convite espiritual é esse: viver todos os dias como se fosse advento, num caminho de uma conversão grávida de esperança, para que todos os dias sejam também Natal na nossa existência. É Deus conosco nos nossos caminhos, na nossa vida, na nossa história. É, portanto, essa mística do encontro transformador que deve pautar nossa vida. Começando a transformação nos pequenos gestos da vida cotidiana, fazendo o ordinário de maneira extraordinária, por causa de Cristo.

Alisson Sandro
Seminarista do 2º Ano de Teologia
Paróquia São Miguel e Almas – Diocese de Guanhães

A Palavra do Pastor
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: