Faça arder nosso coração, abra nossos olhos, Senhor! – Homilia para o 3º Domingo de Páscoa

Que a Boa Nova da Ressurreição de Jesus
seja nossa força na missão: A Ressurreição
de Jesus se descobre caminhando.
A Liturgia do 3º Domingo da Páscoa (Ano A) nos convida a descobrir Cristo vivo, que Se manifesta caminhando com os discípulos, assim como caminha com a humanidade.
Com Sua Palavra, medo, mágoas, tristezas, desânimo são superados, dando lugar à coragem, ao perdão, à alegria, à esperança.
Assim como Sua voz fez arder o coração dos discípulos de Emaús, enquanto lhes falava das Escrituras, também o nosso em cada Eucaristia que participamos e a Palavra de Deus ouvimos.
Do mesmo modo, nossos olhos se abrem ao partir e repartir o Pão, Corpo e Sangue do Senhor, como também o fez com os discípulos, ficando com eles naquele entardecer inesquecível, assim faz conosco em cada Banquete Eucarístico que participamos.
Na passagem da primeira Leitura (At 2,14.22-33) refletimos sobre a identidade da comunidade que testemunha o Ressuscitado: a prática de um amor que se faz dom a Deus e aos irmãos.
É preciso que a comunidade se prepare para dar testemunho de Jesus, em Jerusalém e até os confins do mundo. Encontramos na Leitura o primeiro anúncio de Jesus feito por Pedro (“kerigma”) aos habitantes da cidade, e a quantos ali se encontravam.
“Este discurso, colocado na boca de Pedro, não é a reprodução histórica exata de um discurso feito por Pedro junto do cenáculo, no dia da Festa de Pentecostes; mas é um discurso construído pelo autor dos Atos, que reproduz, em parte, a pregação que a primitiva comunidade cristã fazia sobre Jesus” (1)
A mensagem do texto é explícita: Deus Ressuscitou Jesus, não permitiu que Ele fosse derrotado pela morte. De fato, uma vida consumida a serviço do Plano do Pai, em favor da vida da humanidade, conduz, necessariamente, à Ressurreição, à exaltação, à Vida em Plenitude.
Com isto, somos reanimados quando “… nos sentimos desiludidos, decepcionados, fracassados, derrotados, criticados, por gastarmos a vida numa dinâmica de serviço, de entrega, de amor.
Uma vida que se faz dom nunca é um fracasso; uma vida vivida de forma egoísta e autossuficiente, à margem de Deus e dos outros, é que é fracassada, pois não conduz à vida em plenitude”. (2)
De modo que temos que fazer nossa escolha: ou testemunhar o Cristo Ressuscitado ou ceder à proposta do mundo, com valores contrários aos que Jesus apresenta e pelos quais morreu e o Pai O Ressuscitou.
Na passagem da segunda Leitura (1 Pd 1,17-21) refletimos sobre a vida nova que nos vem do Cristo Ressuscitado, que nos comunica a grandeza do Amor de Deus.
É uma forte exortação de confiança, de esperança, de amor e solidariedade, com matizes de alegria, coragem, coerência e fidelidade à opção cristã feita pela comunidade:
“O cristão é, pois, convidado a contemplar o plano de salvação que Deus quer concretizar em favor do homem e que leva Jesus (o Filho de Deus) a morrer na Cruz.
Constatando a grandeza do Amor de Deus e a Sua vontade salvífica, o homem aceita renascer para uma vida nova e santa (mesmo no meio das dificuldades e perseguições). Dessa forma, nascerá um Povo novo, consagrado ao serviço de Deus” (3)
A comunidade tem diante de si um horizonte tenebroso, com massacres, torturas e sofrimentos indizíveis. Fortes hostilidades são enfrentadas pela comunidade, mas ela precisa manter-se fiel a Jesus Cristo Ressuscitado. Olhar para Cristo que passou também pela experiência da Paixão e da Cruz, até alcançar a glória da Ressurreição.
A contemplação do Amor de Deus testemunhada por Jesus Cristo leva a comunidade a uma nova conduta, marcada pela obediência e total fidelidade superando a lógica do egoísmo, amor próprio, e vivendo no amor, entrega e doação, para alcançar a vida em plenitude.
Na passagem do Evangelho (Lc 24, 13-35) contemplamos a presença de Cristo Vivo, Ressuscitado e Vitorioso, que caminha com a comunidade. Enche o coração dos discípulos de esperança, fazendo o mesmo arder, e Se dá a reconhecer na partilha do Pão.
Deus não intervém de forma espetacular, mas no caminhar, no comunicar Sua Palavra e no simples gesto do Partir do Pão (simples e com tons Eucarísticos).
A passagem é uma página verdadeiramente catequética, e não uma reportagem jornalística. O Evangelista quis levar a comunidade à acolhida da Palavra do Ressuscitado, para retomar o caminho com ardor missionário, nutridos pela presença do Ressuscitado, encontrada no Pão Eucarístico, na Ceia piedosa, consciente, ativa e frutuosamente celebrada, como a Igreja nos ensina ao longo dos tempos.
É preciso passar do contexto do fracasso, do desencanto, da frustração para uma nova postura: alegres e corajosos discípulos missionários que encontram e sentem a presença do Ressuscitado caminhando. A fé não permite que haja recuos, desistência da Novidade do Reino por Jesus inaugurado.
O Evangelista dirige sua mensagem à comunidade dos que creem e caminham; pelas dificuldades, desanimados e sem rumo, para que não deixem morrer os sonhos que parecem diluir e desmoronar, diante da realidade monótona, ou hostil, com suas provações e adversidades.
Quando se sente a presença de Jesus, que Se faz companheiro, que caminha junto, que conhece nossas alegrias e tristezas, angústias e esperanças, sentimos que não estamos sós, que Alguém, ainda que não vejamos, conosco caminha, e esta presença se dá desde que Ele nos comunicou, com o Seu Divino Sopro, o Espírito, e nos enviou como Suas testemunhas: ”Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura!” (Mc 16,15).
É preciso sempre pôr-se a caminho, com a convicção de que Jesus caminha conosco, ao nosso lado, para que superemos crises, fracassos, desalentos, desânimos.
Reflitamos:
– Qual o lugar da Palavra de Deus em nossa vida?
– Arde nosso coração quando lemos, proclamamos, refletimos, pregamos a Palavra de Deus, sobretudo nas Missas que participamos?
– Nossos olhos se abrem na Partilha do Pão e reconhecemos a presença do Ressuscitado?
– Repetimos este gesto de amor e partilha, com nossos irmãos, no quotidiano?
– Voltar para Emaús e desistir ou voltar para “Jerusalém” e, com coragem, proclamar a Boa Nova da Ressurreição?
– Em nossas Missas, sentimos o que aconteceu com os discípulos de Emaús: arde nosso coração e se abrem nossos olhos?
– Cléofas e outro caminhavam de volta, desanimados, tristes, derrotados. Também já nos sentimos assim na caminhada da comunidade?
Concluindo, vemos que a história dos discípulos de Emaús é a nossa história de cada dia:
“Os nossos olhos fechados que não reconhecem o Ressuscitado… os nossos corações que duvidam, fechados na tristeza… os nossos velhos sonhos vividos com decepção… o nosso caminho, talvez, afastando-se do Ressuscitado…
N’Ele, durante este tempo, ajustemos o Seu passo ao nosso para caminhar junto de nós no caminho da vida.  Há urgência em abrir os nossos olhos para reconhecer a Sua Presença e a Sua ação no coração do mundo e para levar a Boa Notícia: Deus Ressuscitou Jesus! Eis a nossa fé! (4)
Que ao celebrar o 3º Domingo da Páscoa, renovemos a alegria de caminhar com Jesus, renovemos também a alegria de ser discípulo missionário, cujo coração arde pelo fogo da Palavra proclamada, acolhida, crida e vivida; cujos olhos se abrem e reconhecem Jesus no partir do Pão, um gesto tão simples, tão belo, tão divino, que há de se repetir em outros tantos gestos de amor e partilha no quotidiano a fim de que todos tenhamos vida plena, abundante.
De fato, a Boa-Nova da Ressurreição de Jesus é a grande a Verdade, que nos encoraja e nos fortalece, e isto se dá quando nos pomos a caminho com Ele.
Em cada Eucaristia que participamos, Deus nos fala ao coração e nos abre os olhos, para que O reconheçamos, e, tão somente deste modo, o  desalento, o desânimo, a frustração, o fracasso e a derrota cedem lugar à fidelidade, à esperança, à coragem, aos sonhos, à alegria.
Tudo isto é possível quando o Amor de Deus é derramado em nossos corações, por meio do Cristo Ressuscitado e da presença do Seu Espírito. Aleluia!
(1) (2) (3) (4) www.Dehonianos.org/portal
A Palavra do Pastor
Missão: graça divina, resposta nossa (Homilia – Ascensão do Senhor – Ano A)

Missão: graça divina, resposta nossa (Homilia – Ascensão do Senhor – Ano A)

Missão: graça divina, resposta nossa  “Ide pelo mundo e ensinai todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do...
Read More
Jesus prometeu e cumpriu: enviou-nos um Defensor (Homilia VI Domingo do Tempo Pascal)DTPA)

Jesus prometeu e cumpriu: enviou-nos um Defensor (Homilia VI Domingo do Tempo Pascal)DTPA)

 “O Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não O vê nem O conhece” No...
Read More
Jesus, o Caminho que nos conduz ao Pai – Quinto Domingo da Páscoa (Ano A)

Jesus, o Caminho que nos conduz ao Pai – Quinto Domingo da Páscoa (Ano A)

      Sejamos cristãos alegres, corajosos, convictos a caminho do céu, vivendo  no tempo presente a nossa fé em...
Read More
A fraqueza do rebanho e a fortaleza do Pastor – Homilia do IV Domingo de Páscoa (Ano A)

A fraqueza do rebanho e a fortaleza do Pastor – Homilia do IV Domingo de Páscoa (Ano A)

No IV Domingo da Páscoa (Ano A), o Dia do Bom Pastor, que é o próprio Jesus e também Dia...
Read More
Faça arder nosso coração, abra nossos olhos, Senhor! – Homilia para o 3º Domingo de Páscoa

Faça arder nosso coração, abra nossos olhos, Senhor! – Homilia para o 3º Domingo de Páscoa

Que a Boa Nova da Ressurreição de Jesus seja nossa força na missão: A Ressurreição de Jesus se descobre caminhando....
Read More
O Senhor nos comunicou o Seu Espírito _ Segundo Domingo de Páscoa

O Senhor nos comunicou o Seu Espírito _ Segundo Domingo de Páscoa

  “... Como o Pai me enviou, também eu vos envio. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles...
Read More
“A fé que se torna missão” (Homilia  do Segundo Domingo de Páscoa)

“A fé que se torna missão” (Homilia do Segundo Domingo de Páscoa)

A fé que se torna missão” Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano A), também chamado de “Domingo...
Read More
“Caminha conosco, Senhor”

“Caminha conosco, Senhor”

  Na Liturgia das Horas, encontramos esta oração nas Vésperas da Segunda-feira da Quarta Semana, que nos remete ao Evangelho...
Read More
O mais belo amanhecer

O mais belo amanhecer

Quantos amanheceres já pudemos contemplar, e quantos ainda poderemos? Mas não há amanhecer como aquele que Maria Madalena viveu, quando...
Read More
Crer  no Ressuscitado é buscar as coisas do alto!

Crer no Ressuscitado é buscar as coisas do alto!

Crer no Ressuscitado é buscar as coisas do alto! Quem nunca se encantou diante da beleza de uma montanha? Não...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: