233º Jubileu do Bom Jesus do Matosinhos em Conceição do Mato Dentro.

Celebração do jubileu do Bom Jesus de Matosinhos – 2020

Neste  ano de 2020, o Jubileu do Senhor Bom Jesus de Matosinhos de Conceição do Mato Dentro foi  diferente para todos, porém, não menos importante que todos os 232 anos anteriores. Em meio à situação sanitária da pandemia do Coronavírus  que o mundo vive, as Celebrações Eucarísticas, a Novena, os  Momentos Marianos foram celebrados de  forma não presencial: os milhares de fiéis e romeiros acompanharam e  rezaram em suas casas as Missas pelas Redes sociais. A Equipe da PASCOM – Pastoral da Comunicação – se desdobrou para transmissão de todos os momentos.  O  tema  foi: “Aos pés do Bom Jesus, defendemos a vida e imploramos a cura”. Pe Eduardo Ribeiro foi o pregador oficial.

No dia 24, dia da natividade de São João Batista e encerramento do 233° Jubileu do Senhor Bom Jesus, às 16h, o Bispo Diocesano Dom Otacilio Ferreira de Lacerda presidiu, emocionadíssimo, a santa Missa sem a presença dos muitos romeiros e fiéis.  Centenas de fiéis de todos os lugares do Brasil e até de outros países participaram da Santa Missa pelas Redes Sociais. Depois da Missa, houve uma Live musical com os Padres Dilton e José Adriano. E, enquanto isso, o pároco e reitor do Santuário, padre João Evangelista e padre Ivani saíram em carro aberto com a imagem de Jesus Crucificado, percorrendo bairros por onde jamais passaram procissões, circulando  a cidade,  implorando a cura para o mundo, para todas as comunidades e familiares que, santamente e devotamente, vivem a cada ano o Santo Jubileu. Um momento histórico na vida dos conceicionenses e romeiros do Bom Jesus. Como em um abraço, numa atitude de busca da cura para toda enfermidade, a cura para essa pandemia que afeta o município e o mundo inteiro.

Às 20 h, Dom Marcello Romano presidiu a  Bênção do Santíssimo, Bênção Papal e indulgência plenária.

Senhor Bom Jesus, tem misericórdia de nós, que o Senhor nos dê a cura e nos livre do flagelo da Covid.

Amém!

Eliana Maria de Alvarenga Guimarães
(Membro da Pascom São Miguel e Nossa Sra Aparecida/ Guanhães-MG)

Revisora Mariza Pimenta Dupim
Especialista em Revisão de Textos
(33) 9 9127-0579 wpp
(33) 9 8811-3633
(33) 3421-2420

                                                     A história do Jubileu

Diz a antiga lenda, que a primeira imagem esculpida de Cristo crucificado, teria sido feita por José de Arimatéia, aquele que pediu a Pilatos para tirar o corpo do senhor da Cruz.

Quando os mouros invadiram a Terra Santa, os cavaleiros cristãos que iam lutar nas cruzadas para evitar que a imagem de Cristo crucificado caísse nas mãos dos árabes, seguidores de Maomé teriam levado a imagem para a Europa. Entretanto nas costas de Portugal, o navio que transportava a imagem, espatifando-se contra um rochedo, naufragou.

A imagem desapareceu em meio às ondas. Tempos depois, foi encontrado numa praia de Portugal um braço que se disse da imagem de Cristo, pois trazia na palma da mão a perfuração dum cravo. Este braço foi devotamente recolhido e guardado na igreja da cidade de Matosinhos, região do Pôrto, em Portugal, começando ali a devoção ao Senhor Bom Jesus de Matosinhos.

O encontro da imagem

Certo dia de 1734, o negro escravo Antonio Angola, pertencente ao senhor Manuel Santiago, embrenhou-se por um capão à dentro à procura de lenha para os serviços da senzala. Mas o que encontrou foi uma imagem de madeira do crucificado. A notícia correu rápida por toda a redondeza. Manuel Amorim Coelho, benzeu a imagem e a colocou na Matriz, provisoriamente.

Na região de Conceição existiam muitos portugueses oriundos do Pôrto e saudosos do seu Santuário do Bom Jesus de Matosinhos, erguido há séculos às margens do no Douro. Um deles, José Corrêa Pôrto, vítima de uma doença conhecida com o nome de “zamparina”, prometeu construir no alto do morro, no meio do capão, uma capelinha para abrigar a imagem do Crucificado, encontrada pelo escravo. Sendo atendido em sua prece, começou a logo a construção da primitiva igreja, que não chegou a ver concluída, pois falecera tempos depois, vítima de outra enfermidade.

Certa vez, assolou a região terrível seca, verdadeiro flagelo quase transformando tudo num deserto de misérias. Foi quando, então se lembraram da imagem do Bom Jesus. Trouxeram-na morro abaixo, em procissão, em meio súplicas e orações. Quando estavam subindo a rua Direita, em direção à Matriz, o tempo começou a fechar, o céu escureceu e não tardaram relâmpagos e trovoadas. Durante 15 dias choveu forte, descendo água em grossos pingos, parecendo que o céu ia desabar. O povo se atirava na chuva, gritava, pulava e dançava, dando graças ao Senhor Bom Jesus, todos acorriam à igrejinha no alto da colina, buscando solução para os seus mais variados problemas, a ninguém deixando o Senhor Bom Jesus sem resposta.

 

(https://santuariodobomjesus.com.br/o-jubileu/)

 

Depoimentos :

“MOMENTO HISTÓRICO: Imagem do Senhor Bom Jesus do Matosinho em Conceição do Mato Dentro é retirada do Altar-Mor, após 101 anos para curar o mundo do mal. A última vez que a imagem saíra do altar fora em setembro de 1919, após 150 anos de sua entronização. Na época, os clamores da fé eram para livrar o mundo da gripe espanhola. 233 anos de história de Jubileu. Oremos nesse instante em que o Senhor Bom Jesus está nas ruas de CMD, em uma corrente de paz e oração, durante o bicentenário jubileu que se encerra hoje, 24/06/2020.

Adalberto Andrade Mateus _ Iepha/MG

“A passagem foi rápida, mas o momento sublime e humilde. Ele desceu e veio ao nosso encontro já que não pudemos ir até lá. Obrigada, meu doce amigo Bom Jesus, por ter deixado Sua Casa para estar conosco. Eu te amo, eu te adoro, és meu Pai, meu amigo, meu melhor confidente! Olha por este povo que tanto te ama, perdoe as nossas faltas e nos dê a honra de louvar-vos, de voltarmos para o Teu Santuário!” (24/06/2020)

Glaucia Utsch magalhães Ferreira

“A Palavra chama Gratidão.
As manifestações de carinho dedicada a cada Equipe não são para nós, mas para vocês fiéis e devotos do Bom Jesus. Vocês, com o seus clamores, fizeram com que o Bom Jesus saísse do nosso Santuário para chegar até as suas casas. A cada rua que passava, Ele estava passando em sua porta. Por isso pedimos, coloque a Cruz como gesto de amor e devoção ao Senhor Bom Jesus. Ele nos ama e sempre vai amar. Entregou a Sua vida para salvar a Humanidade. Por isso digo a vocês: “Aos pés do Bom Jesus, defendemos a vida e imploramos a cura.”
Obrigada amigos e companheiros de perto ou de longe. Abraços.”

Equipe do Santuário da Paróquia Nossa Senhora da Conceição.
Continuem ligados às nossas Redes Sociais. (25/06/2020)

 

GALERIA:

 

 

 

Fotos de Selma Aguiar, Thaís Mariano e Fábio Henrique.

A Palavra do Pastor
Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Com o primeiro Domingo do Tempo do Advento (ano B), seremos convidados à vigilância, numa frutuosa preparação para o Natal...
Read More
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: