Compadecer-se do outro

Imagem ilustrativa de um texto no site oficial da Diocese de São Carlos/SP.

Estamos vivenciando mais uma campanha da fraternidade que tem como tema “Fraternidade e vida: dom e compromisso” e como lema “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34).

Se puxarmos pela nossa memória, vamos perceber que o tema VIDA já esteve presente em outras campanhas: Onde está teu irmão? (1974); Para que todos tenham vida |(1984); Escolhe, pois, a vida (2008). Então, podemos perceber que a questão é sempre a vida, mesmo que não seja especificamente.

Depois de várias campanhas que abordaram, direta ou indiretamente, o tema da vida, deveríamos ficar impactados, uma vez que ela ainda permanece agredida, ameaçada e destruída. A CF interpela-nos nesta quaresma, questionando-nos nas dimensões pessoal, socioambiental e sociocultural. Estamos vivendo a época da indiferença como diz o nosso papa Francisco. Precisamos sempre assumir a defesa e a promoção da vida.

É preciso um olhar mais atento. Não estamos nos dando conta de que estamos alheios ao sofrimento do outro, incapazes de compadecer-se do outro. Estamos vivenciando uma época de mudança em que o indiferentismo impera. A CF retoma o tema Vida para nos alertar de que está se criando em nosso mundo, sob diferentes formas, uma cultura de morte. Os outros, as outras já não são vistos como irmãos. Quase não se tem um olhar cristão para o próximo.

Mas quem é o meu próximo? Há um clamor para uma conversão sincera. Redirecionar o nosso olhar e identificar o irmão ou irmã que sofre, estabelecer pontes, comprometer-se e compadecer-se dele ou dela.

Quem é o meu próximo? Não existe um próximo. Você é que se aproxima. Torna-se próximo. Ou seja, próximo não é apenas alguém com quem temos algum vínculo. O que conta não é a lei, mas a compaixão.

Sermos capazes de sentir compaixão: essa é a chave. Se, diante de uma pessoa necessitada, você não sente compaixão, seu coração não se comove, alguma coisa está errada” (Papa Francisco).

Na parábola do bom samaritano podemos perceber que dois transeuntes oriundos do templo, o sacerdote, responsável pelos sacrifícios e o levita, responsável pela animação da liturgia, retornam de Jerusalém após concluírem seus turnos de trabalho e agem com indiferença diante daquele que jaz sofrendo à beira da estrada. Não se descreve o motivo da indiferença. Poderia ser por motivos culturais, religiosos ou simplesmente por não desejarem interromper a viagem, não mudarem seus planos, não terem seu trajeto e horário prejudicados por esse acontecimento. De qualquer forma, é dito que viram o homem e se distanciaram dele.

Um samaritano que passava, ao ver o homem, sentiu compaixão. Essa compaixão nasceu do seu modo diferente de perceber aquela realidade. Essa compaixão o levou a se aproximar do homem, gastar tempo, modificar parcialmente sua viagem, tudo para não ser indiferente com aquele que sofria diante dele. Os cuidados práticos descritos na parábola são emergenciais: desinfeta as feridas com vinho e alivia a dor com o óleo, costume daquele tempo; transporta o homem até a hospedaria e paga as despesas de sua estada.

A postura inesperada do samaritano contém o centro do ensinamento de Jesus: o próximo não é apenas alguém com quem possuímos vínculo, mas aquele de quem nos aproximamos. É todo aquele que sofre diante de nós. Não é a lei que estabelece a prioridade, mas a compaixão que impulsiona a fazer pelo outro aquilo que é possível, rompendo, dessa forma, com a indiferença.

É preciso ter coragem para romper com a barreira da indiferença. E neste mundo no qual estamos inseridos, encontramos pelo caminho duas bacias com água: de um lado, a bacia de Pilatos, símbolo da indiferença e da omissão; do outro lado, a bacia utilizada por Jesus no lava-pés, sinal do terno cuidado, do compromisso, do serviço humilde e gratuito. Qual das duas bacias temos utilizado?

O nosso olhar (ver) não pode ser a do político, do economista, do sociólogo, do repórter, do funcionário do IBGE, mas deve ser um olhar de discípulos missionários!

A fé leva necessariamente à ação, à fraternidade e à caridade.

Ver… Sentir compaixão… Aproximar-se… Cuidar…
O segredo está no olhar, na forma de olhar, em compadecer-se do outro.

Vera Pimenta

A Palavra do Pastor
Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Todos os dias são dias de missão, e a Igreja que vive no tempo é missionária, por sua natureza, tendo...
Read More
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: