AQUI O NATAL TEM DE SER TODO MÊS!

A Campanha da Fraternidade 2019, com o tema Fraternidade e Políticas Públicas e o lema Serás libertado pelo direito e pela justiça (Is 1,27), inspirou padre João Gomes Ferreira, da paróquia São Sebastião, a promover um conjunto de ações solidárias na cidade de Sabinópolis, MG. A ausência do Estado na efetivação de políticas públicas se faz sentir em toda sociedade. Há famílias que não possuem o mínimo básico para alimentarem os filhos e filhas. Falta emprego, remuneração justa, oportunidades de superação da pobreza. Ações desenvolvidas por Igrejas, associações, grupos de amigos, movimentos sociais visam a atingir as famílias carentes onde as políticas públicas não se tornam realidade.

História de solidariedade

Aos 26 de fevereiro de 2019, padre João Gomes reuniu um grupo de pessoas empenhadas na melhoria da qualidade de vida dos cidadãos de Sabinópolis para lhes fazer uma proposta ousada. O grupo, chamado para coordenar um projeto social, formou a Associação Casa do Amor Solidário São Sebastião. Marileia Queiroz, Tarcizio Mourão, Bernadete Generoso, Maria das Dores da Silva (Dora) se tornaram os coordenadores do projeto Margaridas Solidárias.

No dia 6 de março de 2019, padre João comunicou aos fiéis, durante a Missa, o início da ação solidária, convidando os cristãos católicos a se empenharem na promoção do primeiro gesto concreto da Campanha da Fraternidade 2019. 11 de abril de 2019 foi um dia marcante para os voluntários das Margaridas Solidárias. Nesse dia ocorreu a primeira doação de cestas básicas às famílias carentes da cidade. No primeiro mês, o projeto recebeu 91 cestas básicas.

A equipe de coordenação – Marileia, Tarcizio, Bernadete e Dora – trabalha para garantir que os produtos doados cheguem às casas das pessoas. O grupo recebe os itens, organiza as entregas, leva até as casas, conversa com os moradores, escuta e avalia as reais necessidades de cada grupo familiar. A coordenação abraça a causa e se envolve totalmente com as ações solidárias. “Dora sempre se dispõe a fazer a distribuição das cestas básicas. A maioria das pesquisas sobre as reais necessidades das famílias é realizada por ela”, ressaltou Marileia Queiroz, uma das coordenadoras do projeto Margaridas Solidárias.

Voluntários e benfeitores

Marileia Queiroz contou que há em Sabinópolis 78 grupos de voluntários. Cada um possui um coordenador responsável pela recepção dos produtos doados por 12 benfeitores. O coordenador, após receber os itens, os entrega na sede da Associação Casa do Amor Solidário São Sebastião. A coordenadora disse que entre os voluntários há advogados, assistentes sociais, servidores públicos, cidadãos que colaboram com outros serviços para o a promoção do bem-estar das famílias empobrecidas. “Entendemos que precisamos espalhar o amor, ensinar a dividir mais, doar mais, ajudar o necessitado naquilo que ele precisa”, afirmou Marileia.

Aproximadamente 936 pessoas se envolvem todos os meses com o projeto, garantindo a entrega de mais 78 cestas básicas. As Margaridas Solidárias são formadas por um coordenador mais 12 doadores. Cada doador se responsabiliza por um produto da cesta básica. “É gratificante realizar o projeto Margaridas Solidárias. Ninguém vem pedir uma cesta básica se não tiver precisando. A gente nota que as pessoas que hoje ajudam, um dia já foram ajudadas por alguém”, disse Marileia. A coordenadora fez questão de destacar que os coordenadores têm o cuidado de entregar às famílias não só alimento, mas itens de higiene pessoal. As cestas são recebidas entre o dia 14 de cada mês e levadas para as casas até o dia 22.

As cestas não são entregues sem acompanhamento. Os coordenadores visitam as famílias para realização de um cadastro. Voluntários entregam as cestas todos os meses na casa das famílias. Existe uma parceria com a Prefeitura Municipal para garantir a entrega das doações. A Secretaria de Assistência Social colabora com informações referentes ao cadastro dos grupos familiares.

A coordenadora narrou várias histórias das Margaridas Solidárias. “Uma pessoa uma vez me pediu uma caixa de leite; ela tem 3 filhos, ganha salário mínimo. Preparamos uma cesta para a família. De lá para cá, ela passou a receber as cestas. Ficamos muito sensibilizados quando notamos que falta comida na casa das pessoas. A cesta ajuda muito. Imagina. A pessoa ainda paga aluguel. A nossa colaboração garante pelo menos o alimento dos filhos”, contou Marileia.

Como promover o bem

“Uma senhora recebia regularmente as cestas. Depois que recebeu o benefício (aposentadoria) agradeceu aos voluntários e hoje não recebe mais”, disse a coordenadora. Segundo Marileia, nas periferias da cidade há muita gente necessitada. Como o número de doações ainda não é suficiente para atender todas as famílias se faz um revezamento na entrega dos donativos. “Para que as cestas possam chegar a mais famílias, precisamos alternar as doações. Ainda não conseguimos atender todas as pessoas”, lamentou.

Marileia faz questão o tempo todo de dizer que padre João foi o idealizador das Margaridas Solidárias. “A comunidade paroquial abraçou o projeto. Nós nos empenhamos para promover o bem regularmente”, afirmou. Ela acredita que as ações do projeto devem ser mais do que doar cestas básicas.

No Natal de 2019, os voluntários querem ampliar o número de cestas. Marileia afirmou que o projeto exige muito dos voluntários. “Caso não haja pessoas disponíveis, o projeto corre risco de acabar. A ideia é fazer o projeto crescer. Esperamos que no Natal, a gente consiga colher 150 cestas. Queremos que as famílias assistidas possam celebrar o Natal”, exclamou.

Marileia espera que para o ano de 2020 outras parcerias sejam firmadas para a realização efetiva do projeto. “Precisamos aumentar os grupos, atingir mais gente, ampliar as Margaridas”, disse. Quando perguntada sobre por que o projeto recebe o nome Margaridas Solidárias, a coordenadora falou sobre a suavidade da flor. “As pétalas, entrelaçadas, representam o amor e a solidariedade. Que     ro ressaltar a perspicácia de padre João em trazer o projeto para a cidade. Padre João acertou o coração de todo mundo. O legado do padre João será o projeto Margaridas Solidárias”, afirmou.

“Não frequentava a Igreja. Comecei a frequentar após uma Missa presidida pelo padre João. Foi passando o tempo, eu me envolvi mais com os eventos da Igreja. De voluntária da Festa de São Sebastião, eu me interessei por essa ação solidária. Todos os meses celebramos uma Missa em Ação de Graças pela ação social voluntária praticada pelas Margaridas”, testemunhou a coordenadora.
No dia 21 de outubro de 2019, a Associação Casa do Amor Solidário realizou um atendimento gratuito, com médico oftalmologista, para 150 pessoas. Marileia faz questão de ressaltar que há irmãos e irmãs evangélicos que fazem parte do projeto. “A ação solidária envolve muitas pessoas e, infelizmente, se manifesta nos lugares onde o Estado está ausente”, denunciou.

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Luís Carlos Pinto e
Pe Adão Soares de Sousa
Fotos de Marileia Queiroz

A Paróquia São Sebastião promove ação solidária

Para a coordenadora o projeto é da Paróquia São Sebastião. “Ninguém pode se autopromover por meio do projeto. Nós não deixamos isso ocorrer. Temos cuidado de garantir que ninguém se aproprie da causa para benefício próprio”, garante.

No final, em um depoimento forte e real a coordenadora afirmou: “A gente conhece realidades gritantes. Existem casas que a gente pensa assim: Meu Deus, como essas pessoas vivem assim?! Vivem na pobreza extrema. Sem nada para comer. Levando as cestas básicas, levamos vida para as pessoas. Estamos cada vez mais à margem da necessidade do outro. A gente vê famílias enormes, filhos e filhas sem alimento. O Estado se coloca ausente. Uma cesta básica para muitas famílias não contribui para tirá-las da miséria. Muitas famílias só têm os alimentos vindos da ação solidária. Cabe a nós ajudar. Fazer o bem sem olhar a quem”, concluiu Marileia.

Para mais informações sobre o projeto Margaridas Solidárias: Casa do Amor Solidário São Sebastião, Rua Diamantina, 05 – Centro – Sabinópolis – MG, E-mail: paroquiasabinopolis@gmail.com, Telefone: (33) 3423-1369

AÇÃO SOLIDÁRIA EVANGELISTANA

“Gente simples, fazendo coisas pequenas, em lugares pouco importantes, consegue mudanças extraordinárias.” (Provérbio africano). Veja a seguir fotos de um mutirão solidário em São João Evangelista. Nesta ação – promovida por Adenilson Lopes e Breno Costa Ribeiro – evangelistanos, inclusive que moram no exterior, colaboraram para concretização de um sonho de moradia. Esta é uma entre outras realizadas pela população voluntariamente. E faz com que o natal não seja apenas um dia e o espírito fraterno caridoso que paira no ar nesta época do ano perdure todos os dias do ano.

Graças ao bom Deus, essa é uma realidade que em variadas cidades de paróquias de nossa diocese vem acontecendo: alimentação, moradia, entre outros, são oferecidos a quem tem necessidade também nos outros dias do ano.

Por PASCOM Diocesana com informaçoes e fotos de Adenilson Lopes

A Palavra do Pastor
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More
Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor! Com a Liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletimos...
Read More
Amados e perdoados para amar e perdoar – XXIV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Amados e perdoados para amar e perdoar – XXIV Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 24º Domingo do Tempo Comum (Ano A), trata do tema do perdão. Contemplamos a Face de Deus...
Read More
”  A caridade é a plenitude da Lei” – Homilia -XXIII  Domingo do Tempo Comum Ano A

” A caridade é a plenitude da Lei” – Homilia -XXIII Domingo do Tempo Comum Ano A

“A caridade é a plenitude da Lei” “O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é...
Read More
Sejamos fortalecidos no carregar da Cruz! Homilia do XXII Domingo Tempo Comum Ano A

Sejamos fortalecidos no carregar da Cruz! Homilia do XXII Domingo Tempo Comum Ano A

A Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano A) traz um convite que a muitos assusta e desaponta: “A...
Read More
O Senhor nos envia em missão – Homilia do XXI Domigo do Tempo Comum do Ano A

O Senhor nos envia em missão – Homilia do XXI Domigo do Tempo Comum do Ano A

O Senhor nos envia em missão Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre dois...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: