“Sal, luz e fermento”. A tarefa dos leigos na missão da Igreja


Quando se fala da missão da Igreja, corre-se o risco de pensar que se trata dos que falam do altar. Muitos de nós conhecemos a palavra missão, associando-a a uma pessoa (muitas vezes um padre de batina) que vinha às nossas comunidades para pregar sermões. Será mesmo essa a tarefa deixada por Cristo aos seus discípulos? Ao longo dos anos nossa Mãe Igreja vem nos educando na fé e fazendo-nos descobrir que essa tarefa ou missão tem de ser realizada por todos os que constituem a Igreja, comunidade eclesial.
Aos leigos, corresponde uma parcela concreta dessa missão. O Concílio Vaticano II já nos deu algumas orientações precisas. Os fiéis correntes – lê-se na Constituição Lumen Gentium – “são chamados por Deus para contribuir, como fermento, para a santificação do mundo, no exercício das suas tarefas, guiados pelo espírito evangélico, e assim manifestam Cristo aos que com eles convivem, principalmente com o testemunho de sua vida e com o fulgor de sua fé, esperança e caridade”. E mais adiante: “Os leigos estão particularmente chamados a tornar presente e operante a Igreja nos lugares e condições onde ela não pode ser sal da terra senão através deles”. Quer dizer que, em um hospital, a Igreja não está presente só pelo capelão: também atua por meio dos fiéis que, como médicos e enfermeiros, procuram prestar bom serviço profissional e esmerada atenção humana aos doentes. Em um bairro, a igreja será sempre um ponto de referência indispensável, mas o único modo de chegar aos que não a frequentam, será por meio de outras famílias.
É lá, em todos os setores da sociedade, que nós, cristãos leigos e leigas, somos chamados a ser esta presença que toca nos corações, que leva algo novo e provoca mudança e que transforma. É a missão de todos os cristãos leigos e leigas ser sal, agindo em pequenas quantidades, mas dando o sabor necessário; luz que traz a esperança de um novo caminho possível e fermento que penetra e provoca a abertura ao novo, que se deixa ser transformado. A missão, portanto, não é uma atividade a mais da Igreja, constitui a própria essência da Igreja, de todos os batizados vivenciando a ordem do Mestre: “Ide por todo o mundo e levai a Boa Nova a toda criatura”.
Portanto, nossa missão é levar a mensagem de Cristo a todas as realidades terrenas – família, trabalho , atividades socia – e, com a ajuda da graça divina, convertê-las em oportunidade de encontro com Deus e com os Homens. Sejamos esses elementos fundamentais, levando sabor, esperança e transformação.

Madalena Santos Pires
(Da Equipe de Articulação do CNLB/ CDL- Guanhães)

A Palavra do Pastor
O chamado divino e a nossa resposta – Homilia – Segundo Momingo do Tempo Comum ( Ano B)

O chamado divino e a nossa resposta – Homilia – Segundo Momingo do Tempo Comum ( Ano B)

Deus nos chama para que anunciemos a Sua Palavra e não a nós mesmos, porque nisto consiste a vocação do...
Read More
Viver o Batismo é seguir os passos de Jesus- Homilia para o Domingo do Batismo do Senhor-Ano B- Dom Otacilio 

Viver o Batismo é seguir os passos de Jesus- Homilia para o Domingo do Batismo do Senhor-Ano B- Dom Otacilio 

Com a Liturgia da Festa do Batismo do Senhor (ano B), refletimos sobre a revelação de Jesus Cristo, o Filho...
Read More
Sejamos um sim a Deus e ao Seu Projeto de Salvação! Homilia – 4º Domingo do Advento do Ano B

Sejamos um sim a Deus e ao Seu Projeto de Salvação! Homilia – 4º Domingo do Advento do Ano B

Com a Liturgia do 4º Domingo do Advento (ano B), damos mais um passo fundamental nesta caminhada de preparação para...
Read More
Confiança, esperança e alegria no Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Advento – Ano B

Confiança, esperança e alegria no Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Advento – Ano B

“João é a voz no tempo; Cristo é, desde o princípio, a Palavra eterna.” Ao celebrar o 3º Domingo do...
Read More
Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Com o primeiro Domingo do Tempo do Advento (ano B), seremos convidados à vigilância, numa frutuosa preparação para o Natal...
Read More
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: