Orientações de Dom Jeremias sobre a Semana Santa

A Semana Santa – Memorial da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo – que é para nós um grande retiro espiritual  como se nós estivéssemos lá, vivendo com Jesus o que Ele viveu. Ela é o coração do Ano Litúrgico.  O nosso desafio é sermos missionários para evangelizarmos o povo a fim de que entendam o sentido real da Semana Santa.

Na Páscoa judaica ,  festejava-se  a colheita. Era passagem da fome, da miséria para a fartura. Depois, com Moisés a passagem da escravidão para a liberdade.  Hoje, celebramos a Páscoa da Ressurreição  de Jesus que venceu a morte. Deus vai escrevendo, vai intervindo na história. Vai moldando-a!

Jesus celebrou a páscoa com os discípulos durante a Ceia  e nela Ele foi mudando o sentido. “Este é meu sangue… Este é o meu corpo que será dado por vós”… “ Fazei  isto em  memória de mim!”

Domingo de Ramos

Domingo de Ramos é a introdução da Semana Santa. Possui dois momentos importantes: Bênção dos Ramos com a proclamação messiânica do Evangelho depois a Procissão.

Realizar a Procissão de Ramos é muito importante,  pois recorda a Entrada triunfal de Jesus, demonstrando a sua realeza , por isto, a cor litúrgica é a vermelha que representa o seu poder.  A bênção dos ramos só procede se acontecer a procissão.

No Domingo de Ramos todo o Ritual é simples e bonito:  as Leituras que deverão ser bem proclamadas , a bênção dos ramos, a Procissão e o término da Celebração.

Na Quinta-feira Santa, inicia-se o tríduo pascal que é o centro da Semana Santa, pois celebramos a Páscoa da Ceia, a Páscoa da morte e a Páscoa da Ressurreição. É noite de alegria, de festa, de sino, de flores brancas, uma única celebração que se inicia na quinta-feira e só é concluída no sábado, por isto  não tem bênção final na quinta-feira e  nem na sexta. É composta por três  momentos importantes: Instituição da Eucaristia, Mandamento do Amor (lava-pés) Mandamento do Sacerdócio Ministerial.

O lava-pés é opcional,  porém é muito significativo porque representa o novo Mandamento, o Mandamento do amor: “Amai-vos uns aos outros como eu os tenho amado!” Na ceia judaica, purifica-se as mãos, mas Jesus lavou os pés (serviço, humildade).

 Quando Jesus começou a lavar os pés dos discípulos, Pedro disse que não o deixaria lavar os seus pés.! Jesus lhe respondeu dizendo que se não lavasse os seus pés, ele não teria nada a ver com Ele.

Pedro era ‘rebelde’ mas amava Jesus e nós  parecemos com  o discípulo  Pedro.

A Primeira Leitura é sobre a ceia judaica, da saída às pressas do povo de Israel  da escravidão do Egito, por este motivo, o pão ázimo, sem fermento porque não dava tempo de fermentar a massa.

Após a celebração acontece o desnudamento do altar e a Transladação (As partículas são recolhidas – Luto pela paixão-e depois a Vigília). A Devoção Eucarística começou no século XIII e logo depois a Vigília começou a tomar o caráter de Adoração, mas deve-se seguir a ideia da Vigília, acentuando-a .  A Vigília é mais silenciosa, mais reflexiva, mais contemplativa.

Sexta-feira: Momento mais importante: Ação Litúrgica ( não é missa) às 15h, a hora que Jesus morreu (horário simbólico). Jesus desce à mansão dos mortos e ela se reveste de esperança pela visita do Filho de Deus.

Primeiro momento: Entrada marcante, profunda ! O padre se prostra; tristeza pela morte. “Sou solidário com sua morte”. O Evangelho é longo e profundo.

Após a Homilia, acontece a Oração Universal que é lida pelo presidente da celebração e alguns  lleitores.

O Ponto central : a entrada da Cruz.  A cruz é despida e todos são chamados a beijá-la (de forma prática porque são muitas pessoas).

 Para os três evangelistas (Marcos, Mateus e Lucas) a cruz é sofrimento, mas para   João, a cruz é o trono de onde Jesus nos salvou, é  instrumento de salvação.

Não tem rito da Comunhão, o altar continua “nu” por solidariedade a Cristo.

Esta Celebração é prorrogada até  sábado,   dia de recolhimento até chegar a noite porque  Jesus está na morada dos mortos.

Sábado Santo: Mãe de todas as Vigílias.  Inicia-se ao redor de uma fogueira com cantos que recordam o Mistério pascal, acontece a bênção do fogo  e o Círio é preparado. São cravados cinco cravos nele ,  ele é aceso com fogo novo pelo padre, bispo ou diácono que, quando aceso diz: “Eis a Luz de Cristo! ”O povo responde: “Demos graças a Deus”. Depois segue-se a Procissão . O Bispo ou o padre leva o Círio pascal à frente  e todos com velas acesas atrás,  sem ninguém passar à frente. Jesus é a nuvem luminosa .  Ao chegar à igreja, que deverá estar escura e silenciosa acontece a  Celebração da Luz. O padre diz “ Eis a luz de Cristo” e o  povo responde “Demos graças a Deus!” Quando o Círio é colocado no candelabro acontece a Proclamação da Páscoa (o Exulte) . Na segunda parte, vem a Liturgia da Palavra  e pode-se propor nove leituras: sete do Antigo Testamento e duas (Epístola e Evangelho) do Novo Testamento. É uma pena  que a maioria dos padres  excluem algumas leituras.

Na sequência, acontece a bênção da água batismal, pode-se ter batizado ou não.

O mergulho do Círio Pascal na água  nos lembrando  que  pelo nosso batismo, somos solidários na morte- descemos com Ele à mansão dos mortos e ressuscitamos com Ele.

Sobre as leituras, Dom Jeremias enfatizou:  A Palavra de Deus não é lida, é proclamada, portanto elas  deverão ser lidas  por pessoas que tenham  uma boa leitura, que leem com entonação, dicção e desenvoltura.  Não se pode ler para dentro. É preciso ler para todos!

A Palavra do Pastor

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: