Sétima obra de misericórdia corporal, nosso gesto concreto

“E ELE enxugará toda lágrima dos nossos olhos, pois, nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais, pois, coisas antigas se foram” (Ap 21,4).

enterrarosmortos

Ao encerrar o ANO SANTO DA MISERICÓRDIA nossa paróquia de São Sebastião propôs como gesto concreto vivenciar as obras de misericórdia. De todas as 14 foi evidenciada a sétima obra da misericórdia corporal que é sepultar os mortos e a sétima espiritual que é rogar a Deus pelos falecidos. No dia 19 de novembro véspera de Cristo Rei e mês das almas realizou-se o terceiro encontro da PASTORAL DA ESPERANÇA  fruto dessa reflexão e a entrega dos subsídios aos membros para a realização do trabalho.

A Pastoral da Esperança é uma atividade organizada e sistemática de integração comunitária, de celebração da vida que, em consonância com a Igreja, anuncia o amor do Pai, reza pelos falecidos, dá assistência espiritual e humanitária aos parentes enlutados, que precisam continuar a vida, certos de que a graça de Cristo os fortalecerá na caminhada. O agente da Pastoral da Esperança é mensageiro de Fé, Paz e Esperança. Jesus disse: “Eu estarei convosco todos os dias”. “Eu vim para que todos tenham vida, e a tenham em abundância.” (Jo 10,10).

Com o propósito de somar as outras atividades pastorais o Padre Bruno propôs a fundação em nossa paróquia da pastoral da esperança. Ele percebeu ao chegar à comunidade que muitas vezes que em nossos velórios falta muito à presença da igreja que se limita a encomendação devido ao acumulo de funções e serviços dos agentes de pastoral. Nossos ministros muitas vezes sobrecarregados com distribuição da eucaristia aos doentes alem das celebrações e seus serviços pessoais acabam não tendo aquele tempo disponível para tal função. Lembrando também que é muito complicado fazer uma escala para tal função, pois a morte é imprevisível. As famílias já sofridas com a dor da perda às vezes precisam ir atrás de um ministro que esteja disponível e com boa vontade para realizar o rito das exéquias. A igreja a luz do evangelho há muito tempo e em vários lugares tem essa pastoral e que funciona muito bem e muito ajuda as famílias. Este foi um grande passo e avanço neste ano da misericórdia de  fazer com que os fiéis vejam a família como igreja domestica e não terem a necessidade de passar com o corpo na igreja, pois a pastoral se encarrega de fazer isso na residência ou onde está sendo realizado o velório.

Missão da Pastoral

* Confortar espiritualmente as famílias enlutadas (através de celebrações bem preparadas, visitas, presença etc).

* Assistir estas famílias nos velórios.

* Preparar com especial zelo a celebração das exéquias, considerando o profundo sentido pascal da morte cristã, a sensibilidade dos presentes e a necessidade de se aproveitar o momento para trazer o real sentido da morte.

* Celebrar as exéquias, valorizando todos os símbolos inerentes àquele momento (a Bíblia, as velas, as flores, a cruz etc).

* Realizar encontros de oração nas  residências destas famílias.

*  Evangelizar e mostrar que não se reza apenas pela morte, mas sim pela ressurreição, pela vida eterna.

*Aproveitar o momento de sensibilidade humana para falar da esperança a todos e da necessidade da fé na ressurreição dos mortos como ponto central da vida cristã.

*   Providenciar sepultamento dos indigentes ou de pessoas que não tenham família.

Na reunião de coordenadores de setembro foi feito uma ampla explanação sobre a pastoral e em outubro o Padre Bruno deu uma profunda formação sobre os novíssimos do Homem e como devem atuar o agente da pastoral. Foi um encontro muito frutuoso e com a presença de todas as comunidades.

Assim ficou organizado: Cada comunidade possui  4 pessoas para realizar o trabalho de visitas e exéquias e na cidade  2 equipes para não sobrecarregar trabalho. O primeiro passo será convencer as famílias a fazerem a celebração nas casas e não nas igrejas, respeitando assim o tempo de adaptação e mostrar as famílias que o sétimo dia pode ser celebrado no final de semana seguinte e não necessariamente no sétimo dia.

O Padre escolheu um excelente  subsídio único para que todas as celebrações tenham um padrão mudando somente os textos bíblicos. O subsídio foi doado aos responsáveis nesta ultima reunião.  A pastoral  terá como orientador o padre local e uma coordenação paroquial e em cada comunidade um responsável para melhor comunicação e estar em constante formação para melhor andamento da pastoral.

Nossa gratidão ao nosso Pároco por ser tão Dinâmico e nos orientar rumo a Pátria celeste!!

 

PASTORAL DA ESPERANÇA DE SÃO SEBASTIÃO DO MARANHÃO

A Palavra do Pastor
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: