Música Sacra – tesouro da igreja e da humanidade – Seminarista Daniel Bueno Borges

 

st-cecilia-windowIrmão em Cristo desta igreja particular de Guanhães,  iremos celebrar no dia 22 de novembro próximo o dia dos músicos e o dia de Santa Cecilia virgem e mártir do IV século da cristandade. Santa Cecilia é considerada  pela antiga tradição da igreja, como patrona dos músicos e também cantores, pessoas estas que cumprem um importante dever em nossas comunidades, sejam elas tocando seus instrumentos e partilhando seus dons e talentos, ou cantando. Todos estão a serviço da liturgia e por isso devem sempre ser lembrados com carinho por toda comunidade.

Entre a liturgia e a música existiu desde o início da igreja uma relação fraterna. Quando o homem louva Deus, a palavra sozinha é insuficiente. A palavra dirigida a Deus transpõe os limites da linguagem humana. Por esse motivo, tal palavra, em todos os tempos, precisamente devido à sua natureza, buscou o auxílio da arte e da música, do canto e da voz da criação no som dos instrumentos. Assim ,não só o homem participa no louvor de Deus, mas toda a criação. Estar a serviço da liturgia não é apenas um privilégio, mas sim um dever de cada cristão batizado que deve participar dos mistérios de Cristo em toda a sua grandeza e dignidade.

Sabemos que existem pessoas em nossas comunidades, paróquias e capelas que se dedicam ao sustento da louvação, seja através do canto ou de seus instrumentos que tornam o mistério celebrado mais bonito e digno. É dever de toda a comunidade sustentar a louvação com o auxílio de nossos cantores e instrumentistas. Como canto litúrgico se entende aquele que a Igreja admite por direito na celebração litúrgica, e por este mesmo motivo, deve manifestar plenamente a fé católica.

A música só será litúrgica quando nela a Igreja reconhecer sua oração, quando ela aparece para acompanhar os textos a serem cantados. Como dizia santo Agostinho aos pagãos que indagavam sobre sua fé: “Queres ver em que eu creio, venha à Igreja ouvir o que canto”. A tradição musical da Igreja é um tesouro de inestimável valor cultural que ultrapassa todas as outras expressões de arte, sobretudo porque o canto sagrado, intimamente unido ao texto, constitui parte integrante da liturgia solene (Constituição Sobre a Sagrada Liturgia) . Esta afirmação do Concílio Vaticano II faz eco à Sagrada Escritura que apresenta em suas páginas mais de seiscentas referências ao canto e à música. Do primeiro livro, o Gênesis, ao último, o Apocalipse, o canto aparece como o desenrolar de uma grande e solene liturgia. “Celebrai o Senhor, aclamai o seu nome, pregai entre as nações suas obras. Cantai-lhe hinos e cânticos espirituais, anunciai todas as suas maravilhas”, diz o rei Davi em 1Cron 16,8-9. Este relato, entre tantos outros, deixa transparecer uma rica e jubilosa liturgia, na qual as aclamações, a música e o canto são elementos que fazem parte da fé de um povo.

Deste modo, os atos litúrgicos revestem-se de forma mais elevada e nobre quando os ofícios, nos quais o povo participa ativamente, são celebrados com canto, pois onde há manifestação de vida comunitária existe o canto e onde existe o canto, celebra-se a vida e aquele que venceu a morte.

Podemos perceber então, que após a comunhão sacramental, o canto é o elemento que melhor colabora para uma verdadeira participação na liturgia, já que é uma das expressões mais profundas e autênticas dela própria, possibilitando ao mesmo tempo a participação pessoal e comunitária dos fiéis. Por ser a celebração do Mistério Pascal realizada pelo povo de Deus, estão a serviço do Mistério da Fé e da assembleia. O que deve prevalecer não são os gostos, a estética individual de cada um, mas a essência do Mistério e a participação ativa de todos. Que Santa Cecilia nossa padroeira abençoe nossos grupos de canto e que assim como ela possamos professar nossa fé no Deus uno e trino.                                                                                                                                                        Seminarista Daniel Bueno Borges

 

A Palavra do Pastor
“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

  Joguemos o manto e saltemos ao encontro do Amor. No 30º Domingo do Tempo Comum (Ano B) refletimos sobre...
Read More
Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

O sopro do Concílio nos desafiou a assumir as alegrias e tristezas, angústias e esperanças da humanidade, como Igreja de...
Read More
Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Todos os dias são dias de missão, e a Igreja que vive no tempo é missionária, por sua natureza, tendo...
Read More
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: