A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de marginalização da fé. Deus parece não ter muito a dizer acerca das últimas esperanças, sob re projetos decisivos.

Talvez porque, fechados em horizontes fragmentários, renunciamos a estabelecer metas de grande fôlego. Eis que a realidade religiosa é reduzida a um mero adorno, a objeto de dissertação

pseudo-intelectual, a mera curiosidade…”

Os dias passam velozmente ou as atividades nos envolvem plenamente?

Quando damos conta, foi-se o dia, a semana, o mês e mais um ano.

O que fizemos ou deixamos de fazer corroem nossa mente e coração:

A visita que não foi feita, a atenção que não se deu, a promessa que não se cumpriu, a meta pela qual não se aplicou como deveria….

O contato adiado, bloqueado, congelado para quando o tempo se multiplicar.

Mas o tempo não se multiplica, é sempre o mesmo tempo. O que com ele fazemos?

Às vezes não dando conta dos horizontes fragmentários e sua insustentabilidade, com projetos para um dia, planos para agora, sem mesmo a mínima projeção.

Vive-se para o tempo chamado momento, com a perda da linha da história, logo esvaziamento.

Mas bem diferente é o que Deus de nós espera:

Que tenhamos metas, sonhos, projetos, perspectivas.

Confiança, perseverança, entrega, empenho, determinação, concretização…

Horizontes fragmentários hão de ceder lugar a horizontes mais plenos e completos.

Contemplemos a próxima existência individual (eternidade), social (um mundo novo possível) e cósmica (planeta e a ética do cuidado).

 

Cessem os horizontes fragmentários!

Inauguremos horizontes mais universais.

Rompamos todo egoísmo, derrubemos eventuais máscaras,

Redescubramos em cada ser a divina presença.

Há perspectivas. Ainda há sonhos. Ainda há quem não ceda e multiplique pesadelos.

Há quem olhe para o mundo com olhar de poeta e coração de profeta. Sem medo e com ousadia; sem deserções e malévolas covardias…

É o tempo por Deus dado. É o tempo por nós a ser vivido e preenchido, dando a cada segundo um quê de beleza e sentido.

Não haverá fragmentários horizontes para quem do Verbo se nutre no Pão da Eucaristia, porque iluminado por uma indispensável Palavra que transforma trevas na mais bela luz do dia.

Há saídas, há perspectivas…

Não nos entreguemos,

Irmanemo-nos.

Erradiquemos todos os ruídos que destroem o silêncio da alma.

Não apenas tenhamos saudades do Éden (o que de nada adiantaria),

É preciso redescobri-lo, construí-lo, enquanto ainda é dia…

É preciso pensar global e agir local.

À luz da fé que professo: pensar globalmente sob a inspiração do Espírito, na fidelidade ao Deus Único que nos criou e por tanto em nós confiar, prolongadores da ação do Verbo, agir localmente, em pequenos e grandes compromissos inauguradores de novos horizontes não mais fragmentários, mas que abrace a tudo e a todos.

Dom Otascilio F de Lacerda.

A Palavra do Pastor
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: