Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu Amor vir sempre ao nosso encontro saciando nossa fome de amor, liberdade, justiça, vida, esperança e paz.

A Liturgia da Palavra é um grito profético: não tem sentido a morte pela fome. Infelizmente, a fome no mundo não depende da falta de alimentos, mas é resultado do egoísmo, do acúmulo, por parte de poucos, das riquezas que Deus colocou à disposição de todos.

A fome não é um problema criado por Deus, mas por nós. Se as lições divinas aprendermos, de fome de pão material e espiritual ninguém nunca mais morrerá.

Temos a graça de refletir quais são nossas “fomes” e como procuramos saciá-las, sem jamais perder o sentido da mais preciosa fome que possamos ter, como acima mencionamos, e somente com Jesus, Pão da Vida e da Eternidade, é que ela será plenamente saciada.

Com a passagem da primeira Leitura (2Rs 4,42-44), refletimos sobre o gesto de acolhida, amor e partilha, feito pela viúva, que acolhendo a pessoa do profeta, acolhe o próprio Deus.

A passagem bíblica tem como cenário um período bastante conturbado da História do Povo de Deus. Um contexto de infidelidade e injustiça; a oposição da idolatria (Baal) e a adoração ao Deus vivo e verdadeiro (Javé).

Elizeu fazia parte de uma comunidade de filhos de Profetas, que viviam pobremente como seguidores incondicionais de Javé. Tem como missão apontar Deus, que verdadeiramente sacia a fome da humanidade, não promovendo espetáculos, mas nos pequenos gestos de partilha, doação e solidariedade, e quer contar conosco para ir ao encontro dos irmãos mais necessitados, oferecendo a vida em abundância.

Contemplamos o grande paradoxo: a generosidade, a partilha e a solidariedade não empobrecem, mas geram vida em abundância. Passa-se do egoísmo à partilha, da partilha à sobra.

Esta experiência vivida inspirará os autores dos Evangelhos para falar da multiplicação dos pães.

Na passagem da segunda Leitura (Ef 4,1-6), o Apóstolo Paulo nos apresenta a figura do Homem Novo que abandona todo egoísmo, orgulho e autossuficiência para cultivar atitudes de humildade, mansidão e paciência.

A passagem é a “Carta do cativeiro”, uma sólida catequese paulina, uma síntese de seu pensamento, e com ela refletimos sobre quais devem ser os compromissos a serem vividos com Cristo, para que sejamos, de fato, criaturas novas: união, humildade, mansidão, paciência, unidade (dom de Deus e empenho humano) que se fundamenta na comunhão da Trindade Santa. A comunidade deve estar sempre vigilante, superando manifestações de rivalidade, inveja, ódio, divergência, divisões e ciúmes. Qual comunidade está isenta destes males que a desfigura?

Mais uma vez, voltamos a refletir sobre os muros a serem destruídos dentro de nossas famílias, comunidades e mundo, e quais são as pontes de unidade e de paz a serem edificadas.

Com a passagem do Evangelho (Jo 6,1-5), refletimos sobre a lógica do Reino, que se funda na partilha, em oposição à lógica do mundo, que é o egoísmo.

É o grande convite à generosidade e à partilha. Evidentemente que o sinal feito por Jesus tem matizes da Eucaristia que instituirá pouco mais tarde.

Aprendemos, em cada Ceia Eucarística celebrada, que o pão é insuficiente, quando cada um procurar saciar somente a sua fome, mas se multiplicará sem medida, abundantemente, quando todos estiverem dispostos a colaborar, a fim de que ninguém fique privado do que lhe é próprio.

Deste modo, o Evangelista apresenta a ação libertadora de Jesus como o novo Moisés. Jesus é o Pão que sacia a sede de vida da humanidade. Não mais a travessia do Mar Vermelho, mas agora a grande travessia, a Páscoa da Libertação.

Deus realizou a Antiga Aliança com Moisés, e agora, Jesus no Monte é o Sinal e o realizador da Nova e Eterna Aliança.

Lá, Moises recebe a Palavra, os Mandamentos; aqui, Ele é a própria Palavra, não apenas o Mandamento do Amor, mas a própria fonte e expressão máxima do Amor: Jesus.

Jesus revela a face de Deus, e nos convida a não fugirmos da responsabilidade. Revela o rosto de Deus, um rosto de bondade que é atento às necessidades do povo. Jesus é o próprio Deus que Se revestiu de nossa humanidade e vem ao nosso encontro para nos revelar o Amor Trinitário.

A comunidade de Seus seguidores é chamada sempre ao abandono dos velhos esquemas, e a abrir-se sempre ao novo: amor e partilha.

Não podemos jamais nos omitir diante dos clamores dos empobrecidos. É preciso construir uma sociedade nova, não mais a sociedade da carência, mas a sociedade da saciedade, onde ninguém é privado do essencial para viver.

Em Jesus, o povo vê Aquele que vai ajudar a superar a miséria e a escravidão. Somente n’Ele há esperança de um novo tempo.

Na multiplicação dos pães, no Evangelho proclamado, cinco pães e dois peixes, igual a sete, que significa totalidade.

Temos tudo para saciar a fome da multidão, nada nos falta.   A sobra recolhida e guardada, sem desperdício, implica que a missão é inacabada e será sempre necessária uma nova partilha.

Questionemo-nos:

–  Cremos no milagre do amor e da partilha?

–  Quais são os peixes e pães que temos para partilhar, para que o milagre da multiplicação de Deus aconteça?

–  Nossas Eucaristias celebradas têm levado a compromissos irrenunciáveis com a fome dos empobrecidos?

– Temos procurado Jesus, no Pão da Palavra e da Eucaristia, para saciar a nossa fome?

– Vivemos como criaturas novas, na humildade, bondade, paciência?

– Cremos na divina providência ou nos inquietamos por qualquer coisa?

– O que é preciso para que haja menos inquietação, mais confiança e compromissos solidários com o mundo novo?

Concluindo, ninguém pode dizer que nada tem para oferecer. Sempre temos algo que podemos dar ao outro para fazê-lo melhor: amor, amizade, tempo, atenção, sorriso.

Quando nos colocamos nas mãos de Deus com toda a confiança, abrimos nosso coração e mãos, oferecemos o que de melhor temos, e Deus, na sua infinita onipotência e bondade, faz o milagre acontecer.
Não nos ocorra de ficarmos esperando que Deus tudo faça. Partilhemos nossos pães e peixes e teremos muitíssimo mais a oferecer.
Quem a Deus ama e confia, confiando se entrega, se entregando recebe, e recebe, imensuravelmente, já nesta vida e na vida eterna.
Oremos:

“Deus, Nosso Pai, que quisestes simbolizar no Pão abundante a Salvação que colocais à disposição de todos os seres humanos, fazei que possamos recebê-Lo nesta Celebração comendo juntos, em unidade de mente e coração, o Corpo do Vosso Filho.

Só assim poderemos partilhar o que nos dais, contribuindo para que ninguém fique privado do alimento necessário. Amém!”.

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda à

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: