Palavras do Papa na Oração do Ângelus

Às 12 horas de hoje, o Santo Padre Francisco apareceu na janela do estudo no Palácio Apostólico Vaticano para recitar o Ângelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Estas são as palavras do Papa ao introduzir a oração mariana:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
Na página do Evangelho de hoje (veja Lc 11,1-13), São Lucas narra as circunstâncias em que Jesus ensina o “Pai Nosso”. Eles, os discípulos, já sabem orar, recitando as fórmulas da tradição judaica, mas também desejam poder viver a mesma “qualidade” da oração de Jesus, porque podem ver que a oração é uma dimensão essencial na vida de seu Mestre. cada uma de suas ações importantes é caracterizada por longas paradas de oração. Além disso, permanecem fascinados porque vêem que Ele não reza como os outros mestres da época, mas sua oração é um vínculo íntimo com o Pai, tanto que desejam participar desses momentos de união com Deus, para saborear plenamente sua doçura.
Assim, um dia, eles esperam que Jesus conclua a oração, em um lugar isolado, e então eles perguntam: “Senhor, ensina-nos a orar” (v.1). Respondendo à questão explícita dos discípulos, Jesus não dá uma definição abstrata de oração, nem ensina uma técnica eficaz para orar e “conseguir” alguma coisa. Em vez disso, ele convida seus seguidores a experimentar a oração, colocando-os diretamente em comunicação com o Pai, despertando neles o anseio por um relacionamento pessoal com Deus, com o Pai. Aqui está a novidade da oração cristã! É o diálogo entre pessoas que se amam, um diálogo baseado na confiança, apoiado pela escuta e aberto à solidariedade. É um diálogo do Filho com o Pai, um diálogo entre as crianças e o Pai. Esta é a oração cristã.
Por isso, ele lhes dá a oração do “Pai Nosso”, talvez o presente mais precioso que nos foi deixado pelo divino Mestre em sua missão terrena. Depois de nos revelar o seu mistério de Filho e irmão, com essa oração, Jesus nos faz penetrar na paternidade de Deus; Quero enfatizar isso: quando Jesus nos ensina, o Pai Nosso nos faz entrar na paternidade de Deus e nos mostra o caminho para entrar em um diálogo de oração e direto com Ele, através do caminho da confiança filial. E um diálogo entre o pai e seu filho, do filho com o pai. O que pedimos no “Pai Nosso” já é feito para todos nós no Filho Unigênito: a santificação do Nome, o advento do Reino, o dom do pão, o perdão e a libertação do mal. Quando perguntamos, abrimos a mão para receber.Receba os dons que o Pai nos mostrou no Filho. A oração que o Senhor nos ensinou é a síntese de toda oração, e sempre a dirigimos ao Pai em comunhão com os irmãos. Às vezes acontece que na oração há distrações, mas muitas vezes sentimos o desejo de parar na primeira palavra: “Pai” e sentir essa paternidade no coração.
Então Jesus diz a parábola do amigo importuno e Jesus diz: “devemos insistir na oração”. Lembro-me do que as crianças fazem quando têm três, três e meio anos de idade: elas começam a pedir coisas que não entendem. Na minha terra é chamado “a idade dos porquês”, acredito que aqui também é o mesmo. As crianças começam a olhar para o pai e dizer: “Pai, por quê? Pai, por quê? Eles pedem explicações. Temos cuidado: quando o pai começa a explicar por quê, eles chegam com outra pergunta sem escutar toda a explicação. O que acontece? Acontece que as crianças se sentem inseguras sobre muitas coisas que começam a entender no meio do caminho. Eles só querem atrair o olhar do pai para eles e para isso: “Por que, por que, por quê?” Nós, no Pai Nosso, se pararmos na primeira palavra, faremos o mesmo de quando éramos crianças, atraia o olhar do pai para nós. Dizendo “Pai, Pai”, e também dizendo: “Por quê?” E Ele vai olhar para nós.
Pedimos a Maria, uma mulher em oração, que nos ajude a rezar ao Pai-Nosso unido a Jesus para viver o Evangelho, guiado pelo Espírito Santo.

Depois do Angelus

Caros irmãos e irmãs
Aprendi com tristeza a notícia do dramático naufrágio que ocorreu nos últimos dias nas águas do Mediterrâneo, onde dezenas de migrantes, incluindo mulheres e crianças, perderam a vida. Renovo um apelo sincero para que a comunidade internacional aja pronta e decididamente, evitando a repetição de tragédias similares e garantindo a segurança e a dignidade de todos. Convido você a orar comigo pelas vítimas e suas famílias. E também para perguntar com o coração: “Pai, por quê?” [ Minuto de silêncio segue ]
Saúdo todos vós, romanos e peregrinos da Itália e de várias partes do mundo: famílias, grupos paroquiais, associações.
Em particular, saúdo as Irmãs de Santa Isabel de diferentes países, o grupo AVART Organización Internacional de Arte y Cultura Mexicana de Puebla (México) e os jovens da paróquia Santa Rita da Cascia de Turim. Eu vejo uma bandeira uruguaia mas não vejo a companheira! Bem-vindo! Saúdo também os muitos polacos que vejo aqui com as bandeiras e também o grupo dos espanhóis.
Desejo a todos um bom domingo e, por favor, não esqueçam de orar por mim. Bom almoço e adeus!

[Texto original: italiano]

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: