Encontro Diocesano de formação dos servidores paroquiais

Estiveram reunidos no dia 23 de julho, no salão da igreja catedral, servidores paroquiais e diocesanos para o 8º Encontro diocesano de formação.

Iniciou-se o  com um delicioso café e após o momento de Oração, preparado  por Poliana de Jesus, secretária da paróquia São Miguel e Almas e animado pelo Pe José Adriano Barbosa dos Santos, administrador paroquial da paróquia Nossa Senhora Mãe dos Homens, Materlândia. Ainda em oração, o grupo foi surpreendido  com um vídeo de Dom Otacilio saudando a todos e rezando com o grupo. Proclamou o Evangelho do dia e manifestou a sua alegria pela realização desse encontro. Palavra de Deus trazida para a  realidade vivenciada no momento. Marcou-se assim,  a sua acolhida desde já, como Pastor. O grupo ficou  maravilhado com tamanha atenção e cuidado para com os seus colaboradores.

Seguindo a programação, sob a orientação da psicóloga Marizélia Martins que prontamente aceitou ao convite para ajudar o grupo nas reflexões, através do tema: “Motivação”. Ela levou os participantes  a uma atividade motivacional, mostrando-lhes  que ” a maior riqueza é encontrar pessoas”, “as pessoas felizes fazem o que gostam e por isto, são abençoadas, pois  em seus trabalhos praticam   ações que ajudam aos outros”. Citou o que chamou de “peneira do cristão”: 1º Verdade, 2º Utilidade e 3º Empatia. Ela disse que se deve sempre se colocar no lugar do outro. Marizélia  envolveu a turma numa dança divertidíssima para lhes mostrar que juntos serão melhores (vídeo). Ao final, ela  motivou o grupo para fazer  uma  gravação de vídeo de agradecimento para  Dom Otacilio, em retribuição à mensagem dirigida a eles.
Passou-se  a seguir, para a exposição de um breve resumo das DGAE 2019-2023, por padre Hermes Firmiano Pedro   conforme  orienta o documento da CNBB e o bispo eleito Dom Otacilio Ferreira de Lacerda. Pontuou alguns tópicos importantíssimos: objetivo, desenvolvimento, levantamento da realidade de Igreja no Brasil, desafios, dificuldade do mundo urbano, necessidade de estado permanente de missão, as práticas pastorais, litúrgicas e diárias em nossas igrejas, capelas, comunidades. Especificamente em nossa diocese, como isso tem sido feito? É Necessário um levantamento da realidade para certa “dosagem”: “nem louvores demais, gente caindo, muito oba-oba , salvação só da alma e nada do corpo, certa separação da alma e corpo,  missas “sapecadas” com cantos sem o mínimo que pede a CNBB – litúrgicos – “tocadas” sem o devido zelo, paróquias desorganizadas com celebrações onde o Rito é mecânico”. Pastorais e movimentos que precisam ser “resgatados” com urgência.
Pe Dilton Maria Pinto  deu continuidade levando ao grupo,  ações concretas para serem vivenciadas na diocese. O que já foi orientado até então para a prática das DGAEs  nas paróquias e comunidades. Foram elaborados já Estatutos nas Áreas pastorais, organizações nas bases, criação ou revitalização dos Conselhos paroquiais, tudo isso tendo como o eixo a Missão. Enfatizou-se bem a participação dos funcionários  em todo esse processo, enquanto primeiros “colaboradores” que têm que  ser os primeiros a abraçarem  essa missão. Todos são chamados: bispo, clero, religiosos e religiosas, seminaristas, servidores paroquiais e diocesanos, todos… Os escritórios, igrejas e casas paroquiais, todo o povo em estado permanente de missão. E para isso, conforme algumas orientações repassadas por Dom Darci e agora continuadas com  Dom Otacilio partiremos  para o desenvolvimento das paróquias. Citou-se a importância da conclusão das Diretrizes para a diocese, necessárias e urgentes para uma caminhada uniforme. Neste momento, houve a intervenção de alguns participantes dizendo de certa dificuldade pela falta de sintonia   nas paróquias da  diocese. Exemplificaram sobre as situações de Batismo – curso em preparação para padrinhos e madrinhas, os casos especiais, enfim… situações corriqueiras e sérias.  Houve sugestão de que os secretários e secretárias paroquiais fossem ouvidos, em certa altura, já que são os que mais sofrem com essa situação nos escritórios, desde a preparação para os sacramentos que não é uniforme nas paróquias e até a própria falta de unidade  no que se refere a “Normas e Diretrizes”. Pe José Aparecido de Pinho interveio e sugeriu então, que sejam enviadas à cúria as  sugestões e observações por parte dos secretários e secretárias para que assim, tudo seja contemplado no documento e atenda a todos. Pe Dilton encerrou reforçando o  empenho em somar e fazer acontecer em todas as paróquias e comunidades.
Após o almoço o grupo foi dividido  por funções. O Diácono Daniel Bueno Borges, restaurador palestrou para os zeladores das igrejas e responsáveis por manutenção em geral. Disse da importância do zelo e cuidado com o sagrado, da correta conservação dos templos, imagens e do patrimônio em geral. Trabalho imprescindível de atenção e dedicação por parte de todos.
Luciane Duarte, nutricionista, reuniu-se com as cozinheiras e responsáveis pela limpeza e serviços gerais das cozinhas e casas paroquiais. Ressaltou a importância da organização do dia a dia na cozinha, o asseio e cuidado no preparo, o uso dos utensílios obrigatórios, atenção aos cardápios variados, desperdício, temperos de acordo com as idades. Sob a orientação de uma cartilha foi orientando a todas para o aproveitamento dos alimentos, organização do espaço (geladeiras, armários, etc), compras, etc. Atenção urgente para a devida separação do lixo e cuidado com o meio ambiente.
Pe José Aparecido de Pinho e Marina Carvalho – contadora da diocese orientaram o grupo maior dos secretários e secretárias paroquiais e diocesanos, presentes nos escritórios. Pe José Aparecido deu breve notícia de como será a implantação do novo sistema de prestação de contas, que aos poucos será  implantado a partir do mês de setembro. Todos os dados serão transportados e posteriormente será oferecido um treinamento específico para todos.
Marina chamou a atenção do todos com a pergunta: Como tem sido a distribuição do  tempo nos trabalho diários nos escritórios paroquiais? Disse que tudo se resume em como distribuir o tempo. Salientou a quantidade de trabalho que cada escritório exige do secretário e secretária, a atenção que deve ser dispensada em cada atividade, o quanto o trabalho de cada um é muito importante. Contudo, sem uma boa organização na distribuição das tarefas diárias não será possível um trabalho bem feito. Reforçou o cuidado às pessoas que chegam aos escritórios para um “bate papo diário”, tomando todo o tempo e até atrapalhando muito. Necessário sabermos separar aquilo que é informação, pedido de ajuda, serviço diário de alguém que se dirige todos os dias para simplesmente papear e tomar o tempo do secretário ou secretária.
Reforçou ainda a importância do uso de uniformes – responsabilidade da empresa oferecer dois jogos, resto por conta de cada um, conforme a necessidade e realidade. Que os escritórios têm de oferecer o mínimo ao funcionário: água, lanche, etc… – Infelizmente há casos ainda de certa dificuldade. Marina enfatizou que cada caso é um caso, mas necessário e urgente relatar a ela periodicamente, quando necessário, pois poderá levar ao conhecimento do bispo e clero para ver o que poderá ser feito.
Disse ainda da importância da organização do tempo quando se tratar de fechar as prestações de contas. Deverão estar organizadas com recibos em dia e atualizados, orientarmos com o relatório analítico – do programa e assim seguir para o escritório de contabilidade de forma clara para que não se perca tempo. Falou ainda que já houve uma melhora muito grande, mas necessário atenção da parte de todos.
Houve questionamentos sobre salários iguais para todos, porém constatou-se a diversidade de realidades de movimentação financeira das paróquias. O fluxo não é mesmo em todas, dificultando a igualdade de salários.
Foi pedido atenção às datas e calendário da diocese, às confirmações em tempo dos participantes nos encontros que acontecem na sede da diocese. Importante confirmações com antecedência para boa organização.

 O grupo juntou-se novamente, para os agradecimentos. Os padres presentes deram a bênção, encerrando assim mais um encontro de formação.

No geral foi bastante proveitoso e gratificante. Uma pena pelas paróquias que não puderam comparecer. Sentimos falta! Aproveito para agradecer a cada um que contribuiu para a realização do mesmo. Aos senhores padres, mais uma vez, que não mediram esforços para trazer os nossos funcionários. Deus lhes pague! Aos colegas queridos, muito bom tê-los. Obrigada pelas presenças, dedicação até aqui e continuemos unidos e perseverantes. Aos novatos, ânimo e coragem. Que São Miguel Arcanjo nos abençoe e encoraje! 
 No dia 1ºde outubro nos encontraremos novamente para o dia de lazer. Oportunamente enviaremos maiores informações com o local escolhido.
Simone Mendanha
Secretária da Cúria 
A Palavra do Pastor
O chamado divino e a nossa resposta – Homilia – Segundo Momingo do Tempo Comum ( Ano B)

O chamado divino e a nossa resposta – Homilia – Segundo Momingo do Tempo Comum ( Ano B)

Deus nos chama para que anunciemos a Sua Palavra e não a nós mesmos, porque nisto consiste a vocação do...
Read More
Viver o Batismo é seguir os passos de Jesus- Homilia para o Domingo do Batismo do Senhor-Ano B- Dom Otacilio 

Viver o Batismo é seguir os passos de Jesus- Homilia para o Domingo do Batismo do Senhor-Ano B- Dom Otacilio 

Com a Liturgia da Festa do Batismo do Senhor (ano B), refletimos sobre a revelação de Jesus Cristo, o Filho...
Read More
Sejamos um sim a Deus e ao Seu Projeto de Salvação! Homilia – 4º Domingo do Advento do Ano B

Sejamos um sim a Deus e ao Seu Projeto de Salvação! Homilia – 4º Domingo do Advento do Ano B

Com a Liturgia do 4º Domingo do Advento (ano B), damos mais um passo fundamental nesta caminhada de preparação para...
Read More
Confiança, esperança e alegria no Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Advento – Ano B

Confiança, esperança e alegria no Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Advento – Ano B

“João é a voz no tempo; Cristo é, desde o princípio, a Palavra eterna.” Ao celebrar o 3º Domingo do...
Read More
Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Com o primeiro Domingo do Tempo do Advento (ano B), seremos convidados à vigilância, numa frutuosa preparação para o Natal...
Read More
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: