Dia de Oração pela Santificação do Clero

 

Oração pelos Sacerdotes (de Santa Teresa do Menino Jesus)

Ó Jesus, Sumo e Eterno Sacerdote, conservai os vossos sacerdotes sob a proteção do Vosso Coração Amabilíssimo, onde nada de mal lhes possa suceder. Conservai puros e desapegados dos bens da terra os seus corações, que foram selados com o caráter sublime do Vosso Glorioso Sacerdócio. Fazei-nos crer no seu amor e fidelidade para Convosco e preservai-os do contágio do mundo. Dai-lhes também, juntamente com o poder que têm de transubstanciar o pão e o vinho em Vosso Corpo e Sangue, o poder de transformar os corações dos homens. Abençoai os seus trabalhos com copiosos frutos e concedei-lhes um dia a coroa da vida eterna. Amém!


Em uma carta enviada pelo Cardeal Beniamino Stella, Prefeito da Congregação para o Clero, baseado na nova Exortação Apostólica do Papa – Gaudete et Exsultate – as dioceses foram convidadas a meditar três importantes passos para a santificação do sacerdotes: subir ao monte, deixar-se transformar e ser luz para o mundo.

Abordagem dos três pontos da carta do Card. Beniamino Stella, Prefeito da Congregação para o Clero

* Subir ao monte

Subir ao alto, porque se permanecemos sempre centrados no fazer, Arriscamos de nos tornar-nos prisioneiros do presente, de sermos sugados das incumbências cotidianas, de permanecer excessivamente centrados em nós mesmos e, assim, de acumular cansaços e frustrações que poderiam ser letais. Ao mesmo modo,

“ subir ao monte é o antídoto àquelas tentações da mundanidade espiritual que, também atrás das aparências religiosas, nos afastando de Deus e dos irmãos e nos fazem recolocar as seguranças das coisas do mundo”

Precisamos, ao contrário, de imergir-nos A cada dia no amor de Deus, em especial modo através da oração. Subir ao monte nos recorda que a nossa vida é um subir constante em direção a luz que vem do alto, uma viagem em direção ao Tabor da presença de Deus, que abre horizontes novos e surpreendentes. Esta realidade não deseja afastar nós nos empenho de pastorais e dos desafios cotidianos que nos pressionam, mas pretende recordar-nos que

“ Jesus é o centro do Ministério sacerdotal, e que tudo podemos somente naquele que nos fortalece (Fl 4,3) ”

Por isso, a subida dos discípulos em direção ao monte Tabor Nos induz a refletir sobre a importância de destacar-se das coisas mundanas, para cumprir um caminho em direção ao alto e contemplar Jesus. Se trata de preparar-nos a escuta atenta e orante de Cristo, o Filho amado do pai, buscando momentos de oração que permitam acolhida dócil e alegre da palavra de Deus (Papa Francisco, Angelus, 6 de agosto 2017).

* Deixar-se transformar

Deixar-se transformar, porque a vida sacerdotal não é um programa onde tudo está organizado com antecedência ou um trabalho burocrático que se desenvolve segundo um esquema pré-estabelecido; ao contrário, essa é a experiência viva de uma relação cotidiana com o senhor, que nos faz tornar sinais do seu amor com o povo de Deus. Por isso, “ não podemos viver o Ministério com alegria sem viver momentos de oração pessoal, Face a face com senhor, falando, conversando com ele “ (Papa Francisco, encontro com os párocos de Roma, 15 de fevereiro 2018). Nesta experiência, somos iluminados do rosto do Senhor e transformadas da sua presença.

“ Também a vida sacerdotal é um “ deixar-se transformar “ da graça de Deus porque o nosso coração torna-se misericordioso, inclusivo e compassivo como O coração de Cristo. ”

Se trata simplesmente de ser, como nos recordou recentemente o Santo Padre, dos “Padrões normais, simples, mansos, equilibrados, capazes de deixar-se constantemente regenerar-se pelo espírito” (papa Francisco, homilia com celebração eucarística com hoje missionários da Misericórdia, 10 de abril de 2018).

Esta restauração vem antes de tudo através da oração, que muda o coração transforma a vida: cada um de nós se torna aquele que reza. É bom recordar, nesta jornada de santificação, que “ a santidade é feita de abertura habitual a transcendência, que se exprime na oração e na adoração. O santo é uma pessoa do espírito orante, que precisa de comunicar-se com Deus” (Papa Francisco, Gaudete et Exsultate, n. 147). Subindo ao monte, seremos iluminados da luz de Cristo e poderemos descer ao vale levar a todos alegria do Evangelho.

* Ser luz para o mundo

Ser luz para o mundo, porque a experiência do encontro com o senhor nos envia na estrada do serviço aos irmãos, a sua palavra rejeita de ser fechada na privacidade da devoção pessoal e no perímetro do tempo e, sobretudo, a vida sacerdotal é uma chamada missionária, que exige a coragem e o entusiasmo de sair desse mesmo para anunciar ao mundo inteiro O que ouvimos, vemos e tocamos com a nossa experiência pessoal (cfr. 1Jo 1,1-3). Fazer conhecer aos outros a ternura e o amor de Jesus, por que cada um possa ser alcançado da sua presença que liberta do mal e transforma a existência, é o primeiro trabalho da igreja e, por isso, o primeiro grande empenho apostólico dos presbíteros.

“ Você tem um desejo que devemos cultivar, é aquele de “ser padres capazes de levantar no deserto do mundo o sinal da salvação, isto é a cruz de Cristo, como fonte de conversão e de renovação para toda a comunidade e para o mundo “ (Papa Francisco, homilia com celebração eucarística com os missionários da Misericórdia, 10 de abril de 2018). ”

O fascínio do encontro com o senhor deve encarnar-se em um empenho de vida a serviço do povo de Deus que, Progredindo constantemente no vale escuro das fadigas, do sofrimento e do pecado, precisa de pastores luminosos e radiantes como Moisés. De fato, “ ao término da experiência admirável transfiguração, os discípulos desceram do Monte” (cfr. v.9).

Fonte: Vatican News

A Palavra do Pastor
“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

  Joguemos o manto e saltemos ao encontro do Amor. No 30º Domingo do Tempo Comum (Ano B) refletimos sobre...
Read More
Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

O sopro do Concílio nos desafiou a assumir as alegrias e tristezas, angústias e esperanças da humanidade, como Igreja de...
Read More
Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Todos os dias são dias de missão, e a Igreja que vive no tempo é missionária, por sua natureza, tendo...
Read More
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: