Nossa Senhora Aparecida: Devoção a caminho dos 300 anos

 

“As contas do rosário são malhas preciosas como as da rede dos pecadores”

(Côn. Manuel)                                          nsapa

Os Santos Evangelhos são os primeiros a anunciar a presença real de Maria Santíssima na história da salvação (Lc 1, 28; Jo 2, 5). Por isso, em seus desígnios de paternal providência, Deus se compraz em fazer-nos conhecer sua mensagem através de pessoas e coisas que vêm ao nosso encontro. É a história da Salvação. Em Aparecida tudo começou com o encontro de uma simples imagem que surpreendeu e causou espanto. Maria se levanta no solo do Brasil como um foco de luz, na madrugada do dia 17 de Outubro de 1717, cuja claridade da devoção e culto vão acender nos corações estupendas maravilhas. A partir desse fato, toda uma esperança se celebra. Aos olhos da fé tal encontro se fez realidade aos simples homens indefesos e pobres, para que confiassem mais em Deus através de sua Mãe (Jo 2, 5). Do Rio Paraíba, surge aquela que não teve qualquer sombra do mal, Maria (RM 12). O fato miraculoso com os três felizes pescadores, João Alves, Domingos Garcia e Felipe Pedroso, realiza e revela atitudes e exemplos, que devemos perpetuar para a honra e glória de Maria Santíssima. Na verdade, seus prodígios se multiplicam copiosamente, fazendo com que a fama de seus portentos chegue a todos os corações. A caminho dos 300 anos, A Senhora Aparecida vem passando ininterruptamente, como as correntezas do Paraíba, ante seu devocional Santuário, depositando confiança a todos quantos a reconhecem como a serva do Senhor (Lc 1, 38). Da sua pequena e humilde imagem, Maria se faz presente “com todo o seu eu humano e feminino” (RM 13). A Virgem Aparecida é prova irrecusável de que a ela elegeu e santificou aquele lugar para ser o centro de piedade e devoção da Pátria Brasileira. Aparecida é o manancial de bênçãos e a fonte de consolações para todos quantos se aproximam dela. Ninguém sabe o que vai no coração de cada fiel. O que temos a certeza é que Maria atende a todos. Igual a Jesus diz: “Vinde a mim todos vós que estais cansados, e eu vos darei o descanso” (Mt 11, 28-30).

Os três pescadores, reais na sua história, lembram os personagens reais do Evangelho. Assim sendo, podemos dizer que João Alves nos lembra o discípulo que Jesus amava, o primeiro que reconheceu o Senhor Ressuscitado, por ocasião do caminhar sobre as águas: “É o Senhor!.” (Jo.21,7). Precisamente, este pescador do rio Paraíba, chamado João, é que recebe o legado da águas, a imagem por ele reconhecida: É a Senhora.! Domingos Garcia cujo nome recorda o pregador incansável do rosário, era o companheiro fiel à pratica desta devoção. Foi ele que invocou a Mãe de Deus para que os abençoasse naquela empresa. As contas do rosário são malhas mais preciosas que as pobres redes lançadas às águas. Enquanto as velhas malhas penetram nas mais fundas e insondáveis águas para colher o alimento temporário, as do rosário atraem o que os peixes simbolizam na arte cristã: O próprio Cristo, Filho de Deus, alimento da vida eterna, a Eucaristia (Mt 26, 26-28; Mc 14, 22-24; Lc 22, 19-20). Felipe Pedroso nos traz à memória a figura daquele discípulo que ouvindo falar de Jesus, duvidara inicialmente e fizera, segundo as exigências da realidade, a pergunta, cuja resposta o faria com firmeza defensor do Divino Mestre: “De Nazaré, de donde é Jesus, é de lá que havemos de esperar o Messias” (Lc 7, 19-23) ?!… Diante do respeito e amor com que João e Domingos, seus honrados companheiros, olhavam a imagem de Maria, pescada nas águas, Felipe interroga-se a si mesmo: “Poderá ela valer-nos?”. E diante da súbita e espantosa pesca abundante, crê no poder de intercessão daquela que foi pescada nas águas, a Senhora Aparecida.

As águas do rio Paraíba tornaram-se como que as escolhidas para agraciar a “favorita de Deus” (Lc 1, 30), a fim de a identificar com a pátria brasileira. Se desde o início o Senhor está com ela (Lc 1,28), a Aparecida encontrou graça e encanto diante dos humildes pescadores. As circunstâncias que cercam o fato, com a pesca inesperada e abundante, os fatos que se seguiram deixam bem claro a ação do sobrenatural (Lc 5, 4). Assim como o Filho de Deus levantado no calvário (Mt 27,32-35) atraiu todos a Si, também a Imagem de sua Mãe, mal erguida das águas do Paraíba, arrebatou a multidão de fiéis. As romarias demonstram bem a fé do povo. Felipe, homem simples do povo, como os que vão lá hoje, torna-se o responsável pela devoção e o culto à Virgem Aparecida. Quer para si o precioso tesouro e edifica-lhe um oratório. A Igreja, ao ver os prodígios de Maria, responde: a “saída” das águas é a “Cheia de Graça”; e em alta voz proclama “em Maria tudo é graça”(Lc 1, 28). A grande dádiva, pescada no rio Paraíba, a simples imagem, trouxe nova força e identidade a todos, sobretudo, ao povo brasileiro. Senhora da Conceição Aparecida… Rogai por nós. Amém.

 

Côn. Dr. Manuel Quitério de Azevedo

Professor do Seminário de Diamantina e da PUC – MG

Membro da Academia de Letras e Artes de Diamantina – MG

Membro da Academia Marial de Aparecida – SP

 

 

A Palavra do Pastor
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: