Encontro do Pe. José Aparecido dos Santos e Dom Jeremias  com coordenadores de pastorais

 

reuniaopast5

Na   manhã do dia 30 de abril, aconteceu no salão da catedral, o primeiro encontro dos coordenadores diocesanos das pastorais, com Pe José Aparecido dos Santos e com Dom Jeremias. Estiveram presentes também os padres : José Martins e Pe José Aparecido de Pinho.

O encontro iniciou-se com a leitura do evangelho de Jo 15, 18 a 27 e concluiu-se que apesar dos desafios que são muitos, a missão dos coordenadores é de vida, alegria…

Dom Jeremias começou dizendo que o objetivo do encontro  é para manter a comunhão, a sintonia. Quantos leigos existem na Diocese, mas  ela é pequena, por isto há possibilidade de se caminhar na comunhão. Este encontro é também para valorizar os trabalhos que os coordenadores realizam nas paróquias.

Dom Jeremias leu e comentou sobre o texto “ A mística do coordenador de pastoral”, pois precisamos de uma conexão com o sagrado. O coordenador de catequese é muito importante para a Diocese, para o bispo, por isto é  necessário alimentar a sua mística para não comprometer  os trabalhos. O bispo é o primeiro coordenador de pastoral. O símbolo do bispo é a planta de nome acanto,  por ela ser uma planta resistente. O bispo deve ser resistente; mesmo destruído, sofrido…Ele deverá manter com  ânimo o seu pastoreio. Todos os agentes de pastoral são pastores, fazem parte do pastoreio; não têm cargos, mesmo estando a serviço. Por ser o bispo, o primeiro coordenador, cada padre é extensão do bispo e os coordenadores também são. Estamos todos a serviço da grande seara do senhor, por isto cabe a nós, zelar, cuidar com carinho, dar o melhor de nós, apesar de nossas fraquezas.  E, principalmente, caminhar na unidade, para não ser galho desgarrado.

O coordenador precisa se organizar, ter metas, para sistematizar os trabalhos.  Deve ter aptidão, não basta só ter boa vontade e buscar sempre a formação.

Dom Jeremias disse que  ele entende que às vezes o padre dificulta, mas faz-se necessário animar e planejar organicamente. Ele citou o exemplo da organização da CNBB, que convoca todos os bispos para a participação nos encontros, como a assembleia que aconteceu, semana passada, em Aparecida. Os bispos não são convidados a participarem, são convocados. Isto por causa da unidade. É preciso haver a unidade na pluralidade.  Como exemplo, temos Pentecostes: mesmo com linguagens diferentes, cada um ouvia na sua língua. Manter a unidade, para se evitar a dispersão. E quando não se adequa às regras, às orientações, acontece o paralelismo. O paralelismo leva à solidão e isolar-se é remar contra a maré. Existem aqueles que não mudam, de jeito nenhum, porque sempre fizeram assim… Quem é “pirracento” , não serve para coordenar,  não segue as regras, as orientações, comprometendo a unidade. Também não quer dizer, que todos devem ficar iguaizinhos, mas seguir os critérios. O bispo por exemplo, mesmo que não goste deste ou daquele movimento, ele deve apoiar, para orientar.

O bispo é que  escolhe o coordenador. A autoridade é para manter a união. A missão de todos nós, é  evangelizar. A catequese apresenta sintomas de falta de unidade, pois a ordem é catequese sob inspiração catecumenal, mas tem gente que caminha com a cabeça “dura”. Existem os bichinhos complicados…

A coordenação não pode centralizar tudo em si, mas também não pode ser marionete.

Entra aí, a mística: Eclesialidade, Credibilidade, União e conformidade e a necessidade de muita oração.  E  sempre pensar: “O que  Jesus faria diante desta situação”?

“ Bichinho malvado” é a fofoca. Por pior que seja a pessoa, todos têm o direito da boa fama, até os políticos.

Tentações e riscos que os coordenadores devem eliminar:

Autoritarismo, utilitarismo, isolamento, auto suficiência e centralismo.

Principais traços de um bom  coordenador:

Espírito de serviço, se colocando nos últimos lugares; entregar-se aos serviços, acompanhando os outros. É preciso confiar, mas acompanhar; comprometer-se para somar; uma caridade  forte e lúcida; respeitar, entender; ter pés no chão; humildade e fortaleza; revestir-se de sentimentos de mansidão.

Ao final do encontro, pe José  Martins fez o convite para a Romaria da Terra que irá acontecer em Resplendor, no m~es de julho.

Pe José Aparecido apresentou o calendário das atividades pastorais, fez indicações de leituras de estudos e documentos da igreja, apresentou Organograma das pastorais e movimentos   e falou sobre o questionário para a realização da assembleia.

O encontro foi encerrado com o almoço.

 

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: