Missa da Unidade

A Missa da Unidade  é uma missa realizada na Quinta-feira Santa na catedral de cada diocese. Em decorrência da pandemia, houve a necessidade de adiamento, remarcando para a data de 15 de maio do presente ano, momento oportuno em que ainda se celebra a Páscoa.

Esta celebração consiste em dois pontos fundamentais: a Renovação das Promessas Sacerdotais por parte dos sacerdotes diante do Bispo onde todo o clero se reúne em ação de graças a Deus pela instituição do ministério sacerdotal na Igreja e, nela, renovam os seus votos. E, também, durante esta celebração, se abençoou o óleo dos catecúmenos, dos enfermos e se consagrou o óleo do Santo Crisma.

Daí o fato de a celebração ser também chamada de ‘Missa dos Santos Óleos’ que após abençoados foram encaminhados para cada paróquia desta Diocese de Guanhães, expressando uma forte comunhão eclesial, de participação intensa das comunidades e de valorização dos sacramentos da vida da Igreja. O óleo, símbolo do Espírito Santo, é usado na prática dos sacramentos dos fiéis.

Celebrou-se os 35 anos de caminhada da nossa Diocese de Guanhães uma vez que estava reunida uma assembleia diocesana. Foi uma presença expressiva de cristãos leigos e muitos outros presentes espiritualmente e virtualmente pelas redes sociais. Dom Otacílio manifestou sua alegria do encontro presencial com obediência a todos os protocolos da vigilância sanitária. Alertou, mais uma vez, que todos devem se cuidar porque já se foram 19 padres para a glória de Deus da regional na qual pertencemos.

Em sua homilia, Dom Otacilio fez-nos um convite em ser para um mundo um sinal de esperança, sinal de solidariedade neste contexto de pandemia e que é missão de todos os presbíteros viverem como sinal de esperança, animadores de suas comunidades para que ninguém se entregue e nem se dê por vencido. Esta pandemia revelou-nos a fragilidade humana, o descuidado humano e o descuidado com a casa comum.

Desarticulou muitos movimentos. Em contra partida, revelou-nos muitas coisas boas. E dentre elas o protagonismo da Igreja de Guanhães que foi fundamental e decisivo para a vigilância sanitária que , segundo o Cura, muito contribuiu para com a nossa sociedade na obediência aos decretos da vigilância sanitária.

Alertou que o papa Francisco muito tem nos ajudado nesta travessia, no entanto muitas coisas estão aquém das forças e das limitações do bispo e do clero. Toda a comunidade terá que compreender que não se pode esmorecer e desanimar. Somos instrumentos de reconstrução. É preciso se ocupar com coisas boas, ser criativo, ser solidário, fazer sacrifícios, ter discernimento e prudência.

É tempo de reconstruir, é tempo de redescobrir caminhos nas pastorais.
Ao se direcionar aos padres, nosso bispo Dom Otacilio disse que todos precisam ser instrumento de reconstrução, ser criativo, se ocupar com coisas santas. O povo não pode perecer por falta de pastores e que o padre é feliz quando não vive sozinho. Como bispo tem a missão de fortalecer a fraternidade presbiteral, a vivência da caridade presbiteral.

Que sejam unidos, promovam a união, não caminhem sozinhos porque é ir de encontro ao abismo. Não se isolem. Frisou que fez questão da presença dos padres Elair e Mário como incentivo, exemplo para os neos sacerdotes, principalmente o diácono Guilherme que irá ser ordenado no próximo sábado. Pediu a todos que renovem a alegria de serem padres. Um padre feliz é a certeza de uma comunidade feliz.

Construam pontes e derrubem os muros como nos pediu a CF2021. Promovam a paz, a união, a fraternidade! A comunidade é o rosto do padre que influencia com o seu jeito de ser e de falar. Cada um reflete o rosto da sua comunidade. Sejam animados, sejam entusiasmados, sejam apaixonados por Jesus.

Tenham um coração indiviso, que nada os seduza no ministério! Que Deus os livre da rotina do ministério, que tenham a vibração ministerial, como Paulo a Timóteo; que não deixem apagar a chama do primeiro amor e para isto é preciso contar com a oração do povo de Deus para os nossos padres que podem ser frágeis, pecadores, limitados, mas com o desejo de santidade no coração.

Que tenham a necessária oração, os sacramentos bem vividos e celebrados.
Vivamos este tempo como tempo de cuidar: cuidar da própria vida, da existência humana, cuidar do nosso planeta e da nossa casa comum.
Parabéns, padre! Renove a sua alegria de ser padre sempre! Deus o fez padre para cuidar da paróquia que lhe foi confiada.

Texto de Vera Pimenta

Fotos de Eliana Alvarenga

 

A Palavra do Pastor
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: