Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos dizer que é o Domingo da purificação do Templo por Jesus.

A passagem da primeira Leitura (Ex 20,1-17) nos apresenta o Decálogo, que são como “balizas” para a nossa vida, nossa conduta e atitudes em relação a Deus e ao próximo. Como “sinais de trânsito”, assegura o percurso para a liberdade e vida verdadeira.

A Aliança do Povo com Deus implica em obrigações fundamentais diante d’Ele, e elas são sintetizadas nos Dez Mandamentos. Javé tem que ser a referência e o valor absoluto na vida do Povo de Deus para que não volte à velha escravidão e opressão da qual o Senhor os libertou, pois Deus quer ser adorado por um Povo livre e feliz.

A maior parte dos Mandamentos, de outro lado, assegura relações comunitárias e fraternas, sem egoísmo e cobiça.

Sendo o Senhor dono do templo, deveria receber toda adoração, e não se poderia adorar os ídolos que O substituiria e levaria o Povo de Deus, inevitavelmente, para nova escravidão marcada pelo egoísmo, autossuficiência, injustiça, comodismo, paixões, cobiça e exploração.

Curvar-se-ia diante de outros “deuses”: dinheiro, poder, afetos humanos, realização profissional, reconhecimento social, interesses egoístas, valores da moda e ideologias que se contrapõem a Lei do Senhor.

Reflitamos:

 –   Como vivemos os Dez Mandamentos da Lei de Deus?

 –   Quais os que merecem maior atenção em nossa vida?

 –   De que modo amamos e servimos ao Deus Vivo e Verdadeiro?

 –   Existe algum ídolo que nos afasta deste Deus?

 –   Como é a nossa relação com Deus?

 –   Como é nossa relação com nosso próximo?

Na passagem da segunda Leitura (1 Cor 1,22-25), refletimos sobre a lógica da Cruz de Nosso Senhor que é o dom da própria vida.

O Apóstolo Paulo se dirige a uma comunidade viva e fervorosa, mas com o eminente perigo de viver uma moral dissoluta, contrária ao Evangelho de Nosso Senhor Jesus.

Insiste para que a Comunidade cresça na fidelidade e no testemunho do Ressuscitado vivendo a “loucura da Cruz”, pois nela se manifesta o Poder Salvador de Deus, sobretudo porque o caminho do cristão é a adesão ao Cristo Crucificado e Ressuscitado: O Cristo do Amor e do dom da Vida.

Reflitamos:

 –   A quem amamos e seguimos?

 –   A quem pregamos, e como testemunhamos?

–   Para nós o que significa “viver a loucura da Cruz”?

 –   Amamos até às últimas consequências, como Jesus o fez por nós?

Na passagem do Evangelho (Jo 2,13-25), Jesus Se apresenta e é o Novo Templo de Deus, oferecendo-nos uma nova proposta de vida e uma nova forma de conceber a presença e a relação com Deus.

O templo, no tempo de Jesus, era o lugar dos sacrifícios, da purificação, do comércio. Quarenta e seis anos foram necessários para a sua construção.

Nele se praticava um culto nefasto, com práticas de exploração, fomentando a injustiça e a miséria do povo. No templo se sacrificavam cerca de 18.000 cordeiros, e os habitantes, que eram por volta de 55.000, triplicavam nas grandes festas.

No templo está o Verdadeiro Templo, o Novo Templo de Deus, que o Senhor assegura que pode ser destruído e reconstruído em três dias, Ele próprio Jesus é o Messias esperado. Com Ele, temos a abolição do culto que não aproxima as pessoas entre si e com Deus.

A reconstrução do templo em três dias anuncia a Morte e Ressurreição de Jesus: Sua atuação tem o selo de Deus, a garantia de que Ele é o Messias e o Redentor esperado. Com a purificação do templo, Deus passa a ser encontrado no outro, no qual Ele fez morada e Se identificou.

Aceitar Jesus é aceitar Sua Pessoa e Sua proposta. Cristãos, portanto, são aqueles que aderiram ao Senhor, comeram Sua Carne, beberam Seu Sangue e se identificaram com Ele para sempre.

Deste modo, a Igreja se torna a casa de Deus, onde temos que encontrar e viver a Proposta de Salvação e libertação para todos. Nossos cultos, sacrifícios celebrados, devem reverter em vida para todos, como alegre sinal do Reino.

Quando comungamos, Jesus nos enche com a Sua presença e nos tornamos presença d’Ele junto aos nossos irmãos.

Reflitamos:

 –   De que modo nossa Comunidade torna presente a Boa Nova de Jesus no mundo?

 –   Qual a relação que existe entre o que celebramos e o que vivemos?

 –  Percebemos a presença de Jesus em nosso próximo?

 –  Ajudamos a edificar a Igreja, que somos membros, ou apenas cobramos e nada fazemos?

–   Ajudamos a Igreja a ser sinal do Cristo Ressuscitado no mundo?

–   Quais os compromissos que se renovam ao participarmos do Banquete da Eucaristia?

Oremos:

“Ó Deus, tendo recebido o penhor do Vosso Mistério Celeste, e saciados na terra com o Pão do Céu, nós Vos pedimos a graça de manifestar em nossa vida o que o Sacramento realizou em nós. Por Cristo, Nosso Senhor. Amém”.

PS: Fonte de pesquisa: www.Dehonianos.org/portal

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: