O chamado divino e a nossa resposta – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Deus nos chama para que anunciemos a

Sua Palavra e não a nós mesmos, porque

nisto consiste a vocação do Profeta…

A Liturgia do 2º Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a refletir sobre o chamado que Deus faz a cada um de nós, e a resposta esperada expressa em total disponibilidade, acolhendo também os desafios próprios daquele que se propõe a responder a este chamado.

A passagem da primeira Leitura (1 Sm 3,3b-10.19) nos apresenta o chamado que Deus fez a Samuel e a sua resposta, após quatro vezes ter ouvido o chamado.

A passagem nos revela que o chamamento é sempre uma iniciativa de Deus, que vem ao encontro da pessoa e o chama pelo nome, e o que Ele espera é uma atitude de total disponibilidade a este chamado.

Os primeiros capítulos do Livro, como o da Liturgia, retratam a fase pré-monárquica vivida pelo Povo de Deus com a experiência das tribos. É o início da sedução pela monarquia, e Samuel aparece neste tempo um tanto quanto caótico.

Destacam-se na passagem cinco pontos marcantes:

1 – A vocação é sempre uma iniciativa de Deus;

2 – Samuel foi chamado por Deus enquanto estava deitado, presumivelmente durante a noite, ou seja, é no momento do silêncio e da tranquilidade e da calma, que podemos ouvir a voz de Deus. A voz divina é mais audível quando o coração e a mente abandonam a preocupação com os problemas diários, e se tem maior possibilidade de entender os apelos de Deus.

3 – Samuel tem dificuldade de identificar a voz de Deus em meio a tantas vozes e diversos apelos que nos chamam a atenção e nos atraem: há a voz de Deus e outras vozes sempre em nossos ouvidos.

4 – O papel de Eli na descoberta vocacional do jovem Samuel. Muitas vezes as pessoas com quem convivemos têm um papel decisivo na descoberta de nossa vocação.

5 – A disponibilidade de Samuel de embarcar no desafio profético, ou seja, ser uma voz humana de Deus no mundo.

O Profeta não é Profeta pelo desejo próprio, mas pelo desejo de Deus que o chamou pelo nome e o enviou para uma missão própria: Deus nos chama para que anunciemos a Sua Palavra e não a nós mesmos, porque nisto consiste a vocação do Profeta, por isto precisará de tempo de recolhimento, espaço para a Oração, para a intimidade com Deus, para a descoberta do querer de Deus a seu respeito.

Na passagem da segunda Leitura (1 Cor 6,13c15a.17-20),     o  Apóstolo escrevendo à Comunidade de Corinto exorta para que seus membros, tendo vida nova que vem de Deus, vivam uma vida correta em atitudes e hábitos, e não uma vida dissoluta e que contratestemunhe a fé professada.

A cidade de Corinto era uma cidade nova e muito próspera, com características próprias de uma cidade portuária.

A comunidade, por sua vez, formada por pessoas de origem grega e humilde, com o perigo de corromper-se numa moral dissoluta.

Neste contexto, Paulo escreve às comunidades sobre as exigências para todo aquele que aderiu a Jesus Cristo, de modo que a este tudo é permitido, mas nem tudo convém (1 Cor 6, 12).

Como batizados, nos tornamos membros de um só Corpo (Cristo) e, consequentemente, membros do Espírito Santo, com novos pensamentos, ações e comportamentos.

Deste modo, glorificaremos a Deus pelo culto e pela própria vida, pelos pensamentos, palavras e ações; não poderemos separar o culto e o louvor da vida concretamente, vivendo e testemunhando o que fala e professa no quotidiano. Deus nos chama e espera de nós uma resposta coerente, com comportamento também coerente ao compromisso batismal.

O verdadeiro culto é a adesão incondicional a Jesus Cristo e ao Seu Projeto de vida plena para todos nós, numa vida marcada pelo amor, entrega, doação e respeito pelo outro.

Somente assim agirá quem assumir plenamente a proposta de uma vida nova, em total liberdade e fidelidade, e para tanto, haverá uma necessária contínua conversão a Cristo e aos Seus valores, que são os valores do Evangelho.

Na passagem do Evangelho (Mc 1,35-42), temos o chamado dos primeiros discípulos de Jesus, ou seja, daqueles que são capazes de reconhecer no Cristo que passa o Messias esperado, o Messias Libertador.

Interessante a postura de João que apresenta Jesus, o Cordeiro de Deus, para os Seus discípulos. João tem consciência que sua missão não é congregar à sua volta um grupo de adeptos, mas a preparação do coração dos homens para o acolhimento de Jesus e Sua proposta.

João Batista não procurou os “holofotes” para a sua própria pessoa, soube retirar-se discretamente para a sombra, para que os projetos de Deus viessem a se realizar.

Aprendemos com ele a nunca atrair sobre nós as atenções: aprendemos a ser testemunhas de Jesus e não de nós próprios, a não sermos palcos de nós mesmos.

Assim temos os primeiros discípulos que serão aqueles que seguirão no caminho de amor e entrega, com anúncio e testemunho próprio de quem encontrou Alguém que transformou todo o seu viver.

Os discípulos caminham atrás de Jesus, percorrem o mesmo caminho de amor e entrega, adotam os mesmos objetivos e colaboram prontamente na missão.

Na segunda parte, temos o diálogo de Jesus com os discípulos: chamamento e resposta.

Jesus lhes faz um convite à pergunta que a Ele dirigem – “Mestre onde moras?”, dizendo –“Vinde ver”.

André e o outro discípulo aceitaram o convite e fizeram a experiência da partilha da vida com Jesus; uma experiência tão marcante, que André passará de discípulo a testemunha, no relato da vocação de Pedro, no final da passagem do Evangelho.

Um verdadeiro encontro com Jesus nos faz necessariamente discípulos missionários d’Ele por toda a vida, de modo que será cristão aquele que acolheu o chamamento de Deus e deu a sua resposta numa adesão radical e absoluta ao Projeto divino, na realização do Reino de Deus.

Este encontro com Jesus insere-nos, inevitavelmente, numa vida comunitária, porque, uma vez feita a experiência do encontro e vida com Ele, sentimos o desejo de que todos tenham a mesma graça, porque é um encontro que muda e marca todo o nosso viver.

Reflitamos:

– Quando foi que ouvi a voz de Deus me chamar?

– tenho consciência da vocação profética que me foi confiada?

– Tenho momentos de silêncio e recolhimento para ouvir a voz de Deus e perceber quais são os Seus Planos e Projetos para que eu realize?

– Quem são os “Elis” que me ajudaram/ajudam a compreender a voz de Deus em minha vida, em meio a tantas vozes que existem no mundo?

– Qual é a história da minha vocação dentro do Plano de Deus?

Concluindo, a Liturgia nos pede uma resposta ao chamado de Deus e que ela seja como foi a de Samuel – “aqui estou”.

Urge rever nossas escolhas, renúncias e assumir as consequências de quem se pôs a caminho como discípulo missionário do Senhor, com total adesão a Ele e ao Seu Projeto, testemunhando uma vida marcada pelo amor, doação, entrega e serviço.

Um sim vivido na gratuidade e generosidade nos permitirá alcançar a verdadeira felicidade que tanto desejamos e que somente no Senhor e com o Senhor encontraremos, de modo que seremos homens e mulheres da Igreja no coração do mundo, homens e mulheres do mundo no coração da Igreja.

Na Igreja, celebramos e nutrimos a nossa fé para que na esperança de um novo céu e nova terra, vivendo a caridade, fermentemos um mundo novo, irradiando o Espírito Santo que em nós habita, e sendo sal da terra, procurando dar gosto de Deus a tudo e a todos.

Nada sem Deus, tudo com Ele, pois sem Deus somos sal sem sabor que para nada mais serve, a não ser pisado pelos homens, como o próprio Jesus disse (Mt 5,13-16).

A vida é bela quando temos gosto de Deus e damos gosto de Deus a tudo o que fazemos: das menores às maiores ações.

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda em

http://peotacilio.blogspot.com/2020/01/o-chamado-divino-e-nossa-resposta.html

A Palavra do Pastor
“Vós sois meus amigos” Homilia do VI Domingo da Páscoa – dom Otacilio F. de Lacerda

“Vós sois meus amigos” Homilia do VI Domingo da Páscoa – dom Otacilio F. de Lacerda

Reflexão à luz da passagem do Evangelho de João (Jo 15,12-17), em que Jesus nos dá o Mandamento do amor: “Este...
Read More
Precisamos da Seiva do Amor do Senhor! Homilia – 5º Domingo do Tempo Pascal

Precisamos da Seiva do Amor do Senhor! Homilia – 5º Domingo do Tempo Pascal

“Eu sou a Videira e vós sois os ramos” A Liturgia do 5º Domingo da Páscoa (Ano B) é um...
Read More

A voz do Bom Pastor – Homilia – 4º Domingo da Páscoa

“Eu sou o Bom Pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem,  assim como o Pai me conhece e Eu...
Read More
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: