A fraqueza do rebanho e a fortaleza do Pastor – Homilia do IV Domingo de Páscoa (Ano A)

No IV Domingo da Páscoa (Ano A), o Dia do Bom Pastor, que é o próprio Jesus e também Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

A Liturgia nos apresenta, na primeira Leitura, uma passagem dos Atos dos Apóstolos (At 2, 14a.36-41), um discurso catequético sobre a atitude correta para que se acolha a proposta de Salvação que Deus nos faz, por meio de Jesus Cristo.

Professar a fé em Cristo, o Bom Pastor, requer conversão, para que se viva o Batismo como vida nova: adesão, seguimento, acolhida do Espírito Santo para deixar recriar, vivificar e se transformar por esta  presença divina em nós.

A conversão (metanoia) é consequência de ter sentido “pontadas no coração”, a aflição e o remorso por ter feito algo contrário à justiça.

A “metanoia” implica na atitude que conduz ao arrependimento. É o primeiro passo para a mudança de vida:

“É a atitude de quem reconhece a verdade das acusações que lhe são imputadas, de quem admite os seus erros e limitações e de quem está verdadeiramente disposto a reequacionar a vida, a corrigir os esquemas errados que têm orientado, até aí, a sua existência […]

Significa a mudança radical da mente, dos comportamentos, dos valores, de forma a que o coração do crente se volte de novo para Deus […]

É a renúncia ao egoísmo e a autossuficiência, e o aceitar a proposta de Salvação que Deus faz através de Jesus. Implica o acolher Jesus como o Salvador e segui-Lo, no caminho do amor, da entrega, do dom da vida.” (1)

Por isto, dirigem a pergunta a Pedro e aos outros Apóstolos: “O que havemos de fazer, irmãos?” (At 2,37).

Ao que Pedro responde – “Convertei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para o perdão dos vossos pecados. E vós recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2, 38).

Receber o Batismo implica no desejo de conversão, desejo de receber o Espírito Santo: optando por Cristo, acolhendo-O no coração, de modo que a vida daquele que crê ganha um dinamismo divino, e a cada instante é recriado, vivificado e transformado.

Deus, que deseja nossa mudança, acredita no bom propósito de nossa conversão. É preciso tomar consciência dos caminhos errados que possam ter sido trilhados, da ausência de sentido em certas opções que se tenha feito…

A “metanoia” nos pede atitude corajosa, porque é mais fácil viver comodamente instalados, na autossuficiência, do que com humildade reconhecer os erros, “dar o braço a torcer”.

A “metanoia” exige a eliminação dos preconceitos mais diversos, de esquemas mentais; admissão das falhas, limites e incoerências que marcam a condição humana.  E trata-se de um processo ininterrupto.

Na passagem da segunda Leitura (1 Pd 2, 20b-25), Pedro  nos diz como deve agir aquele que segue o Bom Pastor, respondendo à injustiça com o amor, ao mal com o bem.

O contexto vivido pela comunidade na década de 80 era de perseguição, dificuldades, hostilidade por parte daqueles que defendiam a ordem romana:

“O autor da carta conhece perfeitamente a situação de debilidade em que estas comunidades estão e prevê que, num futuro próximo, o ambiente se vá tornar menos favorável ainda.

Recorda, pois, aos destinatários da carta, o exemplo de Cristo, que sofreu e morreu, antes de chegar à Ressurreição. É um convite à esperança: apesar dos sofrimentos que têm de suportar, os crentes estão destinados a triunfar com Cristo; por isso, devem viver com alegria e coragem o seu compromisso batismal.” (2)

Jesus é o modelo para os que creem, conduz e guarda a todos que n’Ele confiam. O cristão segue e testemunha a fidelidade a este Jesus que sofreu sem culpa e que suportou os sofrimentos com Amor, rejeitando absolutamente o recurso da violência, com total mansidão, porque tão somente o amor gera a vida nova e transforma o mundo:

‘Ele sofreu (v. 21) sem ter feito mal nenhum (v. 22); maltratado pelos inimigos, não respondeu com agressão e vingança (v. 23); pelo dom da Sua vida, eliminou o pecado que afastava os homens de Deus e uns dos outros (vs. 24); por isso, Ele é o Pastor que conduz e guarda os crentes (v. 25)’” (3)

A passagem do Evangelho nos diz que Jesus é o Bom Pastor que conduz a humanidade às pastagens verdejantes e às fontes cristalinas de onde brota vida em plenitude (Jo 10,1-10).

A imagem do Bom Pastor, que nos remete ao Livro do Profeta Ezequiel (Ez 34), é a mensagem catequética de que a promessa de Deus se cumpriu em Jesus Cristo. O Bom Pastor, esperado e prometido por Deus, agora presente no meio da humanidade.

Esta presença é recusada pelas autoridades de Seu tempo (cf. c. 9), quando Jesus cura o cego de nascença.

As autoridades religiosas não somente preferiram continuar nas trevas da autossuficiência, como também impediram o Povo que lhes foi confiado de descobrir a luz libertadora que Jesus tinha para oferecer:

“Jesus não usa meias Palavras: os dirigentes judeus são ladrões e bandidos (cf. Jo 10,1), que se servem das suas prerrogativas para explorar o povo (ladrões) e usam a violência para o manter sob a sua escravidão (bandidos).

Aproximam-se do Povo de Deus de forma abusiva e ilegítima, porque Deus não lhes confiou essa missão (“não entram pela porta”): foram eles que a usurparam. O seu objetivo não é o bem das “ovelhas”, mas o seu próprio interesse”. (4)

Diferentemente, Jesus estabelece com as pessoas uma relação pessoal de Amor e proximidade. Suas ovelhas reconhecem a Sua voz e O seguem, porque encontram segurança, liberdade e vida definitiva.

Jesus não somente caminha diante das ovelhas, mas Se fez o próprio Caminho (Jo 14, 6).

Estabelece uma relação de respeito à dignidade de cada um, à sua individualidade. Relaciona-Se de forma humana, tolerante, amorosa e que também deve ser vivida pelo Seu rebanho, no cumprimento do Mandamento do Amor a Deus e ao próximo, de tal modo que se possa dizer: “tal Cristo, tal Pastor…”, numa coerência entre o crer, pregar e viver.

O rebanho reconhece a Sua voz e não se deixa seduzir pelo “canto da sereia”.

Jesus também diz que Ele é a “Porta”, e quem por ela entrar será salvo. Passar por esta “Porta” é encontrar a liberdade desejada e a vida em plenitude, numa total e incondicional adesão a Ele e seguimento até o fim, acolhendo e vivendo a Sua proposta, numa vida marcada pela doação, entrega e serviço por amor.

Ao celebrarmos o Dia do Bom Pastor, renovemos a alegria de pertencermos ao rebanho do Senhor, com maior solicitude e fidelidade à Sua Voz para que nos empenhemos no caminho da santidade a serviço no mundo e na Igreja.

Oremos:

“Deus eterno e Todo-Poderoso, conduzi-nos à comunhão das alegrias celestes, para que o rebanho possa atingir, apesar de sua fraqueza, a fortaleza do Pastor. Por N. S. J. C. Amém”.

(1) (2) (3) (4) www.Dehonianos.org/portal

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

http://peotacilio.blogspot.com/2020/05/a-fraqueza-do-rebanho-e-fortaleza-do.html

—————————————————————————————————————————————–

“Que havemos de fazer, irmãos?”
A Liturgia do 4º Domingo da Páscoa (ano A) nos apresenta, na primeira Leitura, uma passagem dos Atos dos Apóstolos (At 2, 14a.36-41).
Trata-se de um discurso catequético sobre a atitude correta, para que se acolha a proposta de Salvação que Deus nos faz, por meio de Jesus Cristo.
Professar a fé em Cristo, o Bom Pastor, requer conversão, para que se viva o Batismo como vida nova: adesão, seguimento, acolhida do Espírito Santo para deixar recriar, vivificar e se transformar por esta  presença divina em nós.
A conversão (metanoia) é consequência de se ter sentido “pontadas no coração”; aflição e remorso por se ter feito algo contrário à justiça.
Implica na atitude que conduz ao arrependimento. É o primeiro passo para a mudança de vida, pois nos pede atitude corajosa, pois é mais fácil viver comodamente instalados, na autossuficiência, do que, com humildade, reconhecer os erros, “dar o braço a torcer”.
A “metanoia” exige a eliminação dos preconceitos mais diversos, de esquemas mentais, admissão das falhas, limites e incoerências, que marcam a condição humana.  Trata-se de um processo ininterrupto:
“É a atitude de quem reconhece a verdade das acusações que lhe são imputadas, de quem admite os seus erros e limitações e de quem está verdadeiramente disposto a reequacionar a vida, a corrigir os esquemas errados que têm orientado, até aí, a sua existência […]
Significa a mudança radical da mente, dos comportamentos, dos valores, de forma a que o coração do crente se volte de novo para Deus […]
É a renúncia ao egoísmo e a autossuficiência, e o aceitar a proposta de Salvação que Deus faz através de Jesus. Implica o acolher Jesus como o Salvador e segui-Lo, no caminho do amor, da entrega, do dom da vida.” (1)
Por isto, dirigem a pergunta a Pedro e aos outros Apóstolos: “O que havemos de fazer, irmãos?” (At 2,37).
Ao que Pedro responde – “Convertei-vos e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para o perdão dos vossos pecados. E vós recebereis o dom do Espírito Santo” (At 2, 38).
Receber o Batismo implica no desejo de conversão, desejo de receber o Espírito Santo, optando por Cristo, acolhendo-O no coração, de modo que a vida daquele que crê ganha um dinamismo divino, e a cada instante é recriado, vivificado e transformado.
Deus, que deseja nossa mudança, acredita no bom propósito de nossa conversão. É preciso tomar consciência dos caminhos errados que possamos ter sido trilhados, da ausência de sentido em certas opções que tenhamos feito.
O caminho, portanto, se dá nos passos que o cristão deve trilhar, para que tenha uma identidade mais verdadeira: conversão, Batismo, perdão dos pecados, Espírito Santo, agregação aos Apóstolos, para ser Igreja e participar da missão do anúncio e testemunho da Boa-Nova do Ressuscitado.

                                                      O rosto do Deus Pastor

Contemplemos o rosto do Deus Pastor:

O caminho da vida é longo e repleto de insídias, assemelha-se, por vezes a um’ vale escuro’. Eis então que aparece um outro rosto de Deus, mais frequente e familiar aos homens do Antigo Testamento e da Bíblia, profundamente abrangente também para nós hoje:  é o rosto do Deus Pastor.

O Senhor guia-nos, assiste-nos no fatigante caminho da vida, conduz-nos para verdes prados, para águas refrescantes, reza o salmista/orante (Sl 23), exprimindo a sua firme confiança na atuação de Javé em seu favor”. (1)

Insídias, armadilhas, ciladas, ou dito de outra forma, nós a serem desatados, caminhos obscuros a serem percorridos, em meio às incertezas e inquietações próprias do existir, fazem parte do enredo da vida de cada um.

É no viver este enredo, no desfazer dos nós, enfrentando situações adversas e aparentemente intransponíveis que, com a graça de Deus e com o Amor do Deus Pastor, não sucumbimos nem entregamos os pontos.

Deus Bom Pastor nos ilumina com Sua Palavra, a Sagrada Escritura, e nos sacia e nos revigora com o Corpo e Sangue presentes na Eucaristia, real presença de Deus que Se faz Verdadeira Comida e Verdadeira Bebida.

Como é bom saber que Deus nos conduz para águas tranquilas, verdes pastagens, como tão bem expressou o Salmista, e com ele rezamos.

Da mesma fora, que a luz de Deus irradia mais forte, quanto mais escuro for o vale por que passamos.

Bem se diz que, no auge da noite, começa a brilhar a luz de um novo dia.

Que a Luz de Deus continue iluminando nossos caminhos, e continuemos experimentando a força da Palavra divina, que nos liberta de todas as amarras, ciladas e insídias.

Rezemos o Salmo 91, que nos coloca em total confiança em Deus, que jamais nos desampara, jamais deixa de voltar Seu Rosto de Amor para nós, porque estamos para sempre em Seu Coração.

É próprio do Amor de Deus carregar-nos em Seu Coração, Fornalha ardente de Amor.

Que seja próprio também a cada um de nós sentir e corresponder a este amor, testemunhando ao mundo a força inovadora deste amor, revelando a verdadeira face de Deus Pastor, um Deus de Amor.

(1) Lecionário Comentado p. 772.

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

http://peotacilio.blogspot.com/2020/05/o-rosto-do-deus-pastor.html


                                                      Comprometidos com o Bom Pastor

Somente n’Ele está a nossa Salvação!

A fé e a razão no coração e na

mente das “ovelhas” do Bom Pastor…

O Missal Dominical nos propõe, para o Domingo do Bom Pastor, uma reflexão, que tem como título e fio condutor: “Somente no nome de Jesus Cristo está a nossa Salvação”,.

“O mediador único da Salvação é Jesus de Nazaré. Todos os outros títulos só servem para qualificar o Nome de Jesus, “Deus salva”. Deus salva a humanidade no homem Jesus, em quem Se encontram a total disponibilidade e fidelidade da criatura com a “benevolência” e o Amor do Criador e Pai.

A pessoa (o nome) do Homem-Deus, perfeito acabamento da salvação, traz em Si o apelo à plenitude de vida e de amor que todo homem deseja, e a resposta, isto é, o cumprimento. […]

A exigência da “Salvação” se faz sentir hoje com urgência em toda a nossa civilização. Depois dos otimismos exuberantes do século passado, que viam na ciência, então em seus primeiros passos, uma promessa de Salvação para todos os males do homem, nossos contemporâneos se tornaram mais cautelosos. 

A ciência como, aliás, todas as realidades humanas, revelaram sua face ambígua. Ainda hoje existem os que esperam a salvação da ciência, da economia, da técnica, da projeção estatística e da “futurologia”. Mas seu número é cada vez mais escasso, seu otimismo cada vez mais condicionado.

Todos os humanismos ateus insistem unicamente no homem e em seu esforço por obter a salvação. Mas sua atitude termina em dois estados de espírito: a presunção ou o desespero. 

A presunção de Prometeu, que escala os céus e desafia os deuses, arrebatando-lhes o fogo sagrado. O desespero de Sísifo, que considera inútil sua longa fadiga, vão seu esforço. E então se esgota num cinismo cético e pessimista, renunciando à esperança.  […]

O cristão sabe que só há Salvação em Cristo. Ele é o único Salvador. Em nenhum outro e em nada mais há Salvação: nem na ciência nem na técnica, na economia ou na arte. Somente em Cristo.  E não é uma Salvação parcial, puramente “espiritual”. Atinge o homem em sua, globalidade, liberta-o e o salva interiormente para que se possa libertar e salvar também em todas as outras dimensões de seu ser, individual e social.

Salvação do homem todo. Salvação de todos os homens. Salvação que tem sua garantia de êxito na Páscoa do Senhor. O Vaticano II diz que os sacerdotes, para iniciar o povo na vivência do Mistério Pascal de Cristo, devem aprender a procurá-lo na meditação fiel da Palavra de Deus, na participação ativa dos Mistérios da Igreja, no bispo e especialmente nos pobres, pequeninos, enfermos, pecadores e incrédulos”

Mais uma vez aparece a clara relação que deve existir entre a fé e a razão. Uma não pode prescindir da outra.

Jamais a Igreja negou a contribuição das ciências para responder os apelos, desafios, limites da condição humana; para superação de obstáculos, que roubam a beleza e a dignidade da vida.

Nada enriquecedor para o desenvolvimento da História, que Deus começou a escrever desde o Éden até a Jerusalém Celeste, que tanto desejamos, o ignorar da ciência.

Do mesmo modo, nada enriquecedor será a idolatria à ciência, do saber, prescindindo do Absoluto, do Princípio e Fim da História e da Humanidade:  Jesus Cristo. Ele é, de fato, a nossa Salvação; somente em Seu Nome está a nossa Salvação.

Nisto consiste contemplarmos Jesus Cristo como o Bom Pastor, que dá a vida pelo Seu rebanho. O Bom Pastor não Se alegra com um rebanho sem vida.

Não tenho dúvida de que, como discípulos do Bom Pastor, devemos desenvolver todo saber técnico, científico, para tornar a vida mais bela, mais conforme os desígnios divinos.

Cada vez mais olhar para o Paraíso, não com olhares nostálgicos, mas com olhar de esperança e compromisso de um novo tempo, de um novo céu e nova terra: “Não tenhamos saudades do Paraíso, mas compromissos múltiplos e incansáveis com ele”.

Não sejamos discípulos de Prometeu, não mergulhemos no desespero “prometeico”, que nos condenaria à presunção. Não temos porque escalar os céus e desafiar a Deus, roubando-lhe o “fogo”.

Somos criaturas, Ele o Criador. A nós cabe, com Ele e por Ele, fazer mais bela a vida, como co-criadores, prolongando a Obra da Criação que foi iniciada, mas jamais concluída.

Está em nossas mãos recriar o mundo ou destruí-lo. Amar a vida, desde sua concepção até seu declínio, ou violá-la, maculá-la, fragilizá-la, vilipendiá-la.  Estão em nossas mãos, mente e coração, o livre arbítrio e o sadio uso da razão.

Não sejamos discípulos de Sísifo, não mergulhemos no desespero “sísifico”, vendo o trabalho como algo enfadonho, como se nada do que é feito trouxesse resposta aos anseios humanos; seria a própria morte da esperança, uma vida sem horizontes e sem sentido.

Que neste Tempo Pascal, sob a luz e ação do Espírito, fonte da Divina Sabedoria, tenhamos sede do saber, mas tenhamos também a sede de uma fé mais concreta, sólida, edificante, frutuosa.

Razão e fé, em sábia e sadia relação, nos farão mais Pascais, mais autênticas testemunhas do Cristo Ressuscitado, pois somente n’Ele a nossa Salvação.

Urge que a Palavra de Deus continue a arder em nosso coração, que não sejamos lentos de inteligência para compreensão dos Mistérios de Deus, e que nossos olhos se abram, em cada Banquete Eucarístico, para ver a proximidade do outro, a proximidade do Reino.

Façamos também de cada Encontro Eucarístico, um encontro com o Senhor. Que Sua Palavra e em Sua Presença, Viva e verdadeira, na Eucaristia, nos façam mais eucarísticos. E, assim, sigamos “eucaristizando” o mundo, na mais bela e perfeita Comunhão das Mesas: da Palavra, da Eucaristia e do cotidiano. Aleluia!

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

http://peotacilio.blogspot.com/2020/05/comprometidos-com-o-bom-pastor.html


 

A Palavra do Pastor
O Senhor e o milagre do amor

O Senhor e o milagre do amor

  A Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano A) nos convida a refletir sobre a grandiosidade do amor...
Read More
O Reino de Deus é a nossa maior riqueza – Homilia para o XVII Domingo do Tempo Comum do Ano A

O Reino de Deus é a nossa maior riqueza – Homilia para o XVII Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia da Palavra do 17º Domingo do Tempo Comum (ano A) refletiremos à luz das Parábolas da...
Read More
Deus é paciente, misericordioso e espera a nossa conversão – Homilia para o XVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

Deus é paciente, misericordioso e espera a nossa conversão – Homilia para o XVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia da Palavra do 16º Domingo do Tempo Comum – (ano A) nos leva a refletir, à luz das...
Read More
A Divina Paciência – Homilia XVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Divina Paciência – Homilia XVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O Missal Dominical nos oferece uma reflexão enriquecedora para a Liturgia do 16º Domingo do Tempo comum (Ano A). Algumas...
Read More
Que o nosso coração seja fecundo – Homilia do XV do Tempo Comum do Ano A

Que o nosso coração seja fecundo – Homilia do XV do Tempo Comum do Ano A

“Aquele que semeia a boa semente é o Filho do Homem. O campo é o mundo. A boa semente são...
Read More
Como é maravilhoso ser Presbítero!

Como é maravilhoso ser Presbítero!

O que a Palavra de Deus nos diz e a Igreja nos ensina, sobre o ser Presbítero? O Presbítero é:...
Read More
Humildade e pequenez diante de Deus – Homilia – 14º Domingo do Tempo Comum

Humildade e pequenez diante de Deus – Homilia – 14º Domingo do Tempo Comum

                                       ...
Read More
Pedro e Paulo, o Amor de Cristo os seduziu (Homilia)

Pedro e Paulo, o Amor de Cristo os seduziu (Homilia)

Pedro e Paulo, Apóstolos tão exemplares, exemplos de fidelidade e testemunho de Jesus Vivo e Ressuscitado. O primeiro com Jesus conviveu,...
Read More
” Não tenhais medo”. Homilia do 12º Domingo do Tempo Comum ( Ano A)

” Não tenhais medo”. Homilia do 12º Domingo do Tempo Comum ( Ano A)

  “Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma!” A Liturgia do 12º Domingo...
Read More
Fidelidade à missão que o Senhor nos confia  – Homilia para o XI Domingo do Tempo Comum do Ano A

Fidelidade à missão que o Senhor nos confia – Homilia para o XI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 11º Domingo do tempo Comum (ano A), somos convidados a refletir sobre a missão que...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: