Momento de implementar a Campanha da Fraternidade nas dioceses

 

                                                                Momento de implementar a CF nas dioceses

            No longo pontificado do papa Pio XII – 1939 a 1958 – a igreja católica no Brasil acompanha a fundação da CNBB, da CRB, a criação da Conferência Geral do Episcopado Latino-americano (CELAM) – janeiro de 1955 – e o amplo aprimoramento, nas mais diferentes realidades sociais, da Ação Católica Brasileira e do MMM. A empolgação por uma pastoral de conjunto não abranda, mas recebe lucidez com a chegada do papa João XXIII.

            Em novembro de 1958, após encontro com os bispos do CELAM, João XXIII solicita a realização de um Plano de Emergência, no desejo de fortalecer paróquias como centros de evangelização, formar o clero como co-responsáveis na ação pastoral e estreitar laços entre leigos e a hierarquia atuando de modo coeso nas esferas das decisões políticas e econômicas. No rastro da elaboração do Plano de Emergência, ficou uma pastoral mais coesa no esforço de comunhão e participação.

            As novas concepções no modo de compreender a igreja e sua missão no mundo, as atuações dos leigos e leigas, a centralidade da bíblia no ato de pensar a teologia, organizar as pastorais publicadas durante o Concilio Vaticano II, sustentarão os primeiros temas da Campanha da Fraternidade. Nessa primeira fase: é chegada a hora de não medir esforços para implementar a CF em todas as dioceses brasileiras.

            Durante os anos de 1964 a 1972 todos os lemas foram pautados no desejo de divulgar as decisões e orientações conciliares: Lembre-se: você também é Igreja (1964), Faça de sua paróquia uma comunidade de fé, culto e amor (1965), Somos responsáveis uns pelos outros (1966), Somos todos iguais, somos todos irmãos (1967), Crer com as mãos (1968), Para o outro, o próximo é você (1969), ser cristão é participar (1970) e Reconciliar (1971).

Pe. Antonio C. Frizzo

 Dioc. de Guarulhos – CNBB-Sul I


Chega o momento da profecia

                A II Conferência Geral do Episcopado Latino-americano, realizada na cidade de Medellín, Colômbia, nos meses de agosto-setembro de 1968, trouxe ao centro da reflexão pastoral o conhecimento da cruel desigualdade social em um continente fortemente cristão. O catolicismo latino não foi mais o mesmo, depois de Medellín. De posse dos grandes eixos teológicos-pastorais oriundos do Concílio Vaticano II (1962-1965), a conferência de Medellín possibilitou uma ocasião de discernir e definir opções a partir do lado em que sopra o Espírito. Por ser de origem divina, a opção não poderia ser outra. A igreja opta pelos pobres, com os pobres e contra a pobreza.

            Por outro lado, a ascensão dos regimes totalitários na América Latina e, no Brasil, o golpe militar de 31 de março de 1964 marcam profundamente a vida eclesial. O recrudescimento da ditadura vem com a promulgação do Ato Institucional AI-5 de 13 de dezembro de 1968. Congresso fechado, intervenção militar, prisões arbitrarias, instituição da tortura e suspensão de todos os direitos constitucionais demonstram a “longa noite escura” vivida pelos brasileiros. As inserções em várias frentes da realidade brasileira, trabalhos de base pelo fim do analfabetismo, reforma agrária, experiências no combate a pobreza coordenadas pela Cáritas Brasileira e por líderes da Ação Católica Brasileira tornam-se alvos a serem destruídos pelo regime.

            A Campanha da Fraternidade levará um certo tempo para tomar posição diante das atrocidades cometidas pelo regime ditatorial. Em 1974, com o lema “Onde está teu irmão”, a vida é refletida nas mais diversas circunstâncias: a vida do enfermo, a vida do operário, a vida do idoso a vida das pessoas violentadas e injustiçadas. “Repartir do Pão” foi o lema de 1975. O uso da metodologia ver-julgar-agir, herança dos círculos da Ação Católica, acontece pela primeira vez em 1978, com o lema “Trabalho e justiça para todos”.

Pe. Antonio C. Frizzo

 Dioc. de Guarulhos – CNBB-Sul I

A Palavra do Pastor
Missão: graça divina, resposta nossa (Homilia – Ascensão do Senhor – Ano A)

Missão: graça divina, resposta nossa (Homilia – Ascensão do Senhor – Ano A)

Missão: graça divina, resposta nossa  “Ide pelo mundo e ensinai todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do...
Read More
Jesus prometeu e cumpriu: enviou-nos um Defensor (Homilia VI Domingo do Tempo Pascal)DTPA)

Jesus prometeu e cumpriu: enviou-nos um Defensor (Homilia VI Domingo do Tempo Pascal)DTPA)

 “O Espírito da Verdade, que o mundo não é capaz de receber, porque não O vê nem O conhece” No...
Read More
Jesus, o Caminho que nos conduz ao Pai – Quinto Domingo da Páscoa (Ano A)

Jesus, o Caminho que nos conduz ao Pai – Quinto Domingo da Páscoa (Ano A)

      Sejamos cristãos alegres, corajosos, convictos a caminho do céu, vivendo  no tempo presente a nossa fé em...
Read More
A fraqueza do rebanho e a fortaleza do Pastor – Homilia do IV Domingo de Páscoa (Ano A)

A fraqueza do rebanho e a fortaleza do Pastor – Homilia do IV Domingo de Páscoa (Ano A)

No IV Domingo da Páscoa (Ano A), o Dia do Bom Pastor, que é o próprio Jesus e também Dia...
Read More
Faça arder nosso coração, abra nossos olhos, Senhor! – Homilia para o 3º Domingo de Páscoa

Faça arder nosso coração, abra nossos olhos, Senhor! – Homilia para o 3º Domingo de Páscoa

Que a Boa Nova da Ressurreição de Jesus seja nossa força na missão: A Ressurreição de Jesus se descobre caminhando....
Read More
O Senhor nos comunicou o Seu Espírito _ Segundo Domingo de Páscoa

O Senhor nos comunicou o Seu Espírito _ Segundo Domingo de Páscoa

  “... Como o Pai me enviou, também eu vos envio. E, depois de ter dito isso, soprou sobre eles...
Read More
“A fé que se torna missão” (Homilia  do Segundo Domingo de Páscoa)

“A fé que se torna missão” (Homilia do Segundo Domingo de Páscoa)

A fé que se torna missão” Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano A), também chamado de “Domingo...
Read More
“Caminha conosco, Senhor”

“Caminha conosco, Senhor”

  Na Liturgia das Horas, encontramos esta oração nas Vésperas da Segunda-feira da Quarta Semana, que nos remete ao Evangelho...
Read More
O mais belo amanhecer

O mais belo amanhecer

Quantos amanheceres já pudemos contemplar, e quantos ainda poderemos? Mas não há amanhecer como aquele que Maria Madalena viveu, quando...
Read More
Crer  no Ressuscitado é buscar as coisas do alto!

Crer no Ressuscitado é buscar as coisas do alto!

Crer no Ressuscitado é buscar as coisas do alto! Quem nunca se encantou diante da beleza de uma montanha? Não...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: