Solenidade de Maria, Mãe de Deus (Homilia do Papa)

Santa Missa na Solenidade de Maria, Mãe de Deus e 53° Dia Mundial da Paz, 1/1/2020

 

Às 10 horas desta manhã, na Basílica Vaticana, o Santo Padre Francis presidiu a celebração da Missa da Solenidade de Maria Mãe de Deus de Natal na oitava e a comemoração do 53° Dia Mundial da Paz sobre o tema da Paz como um caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica . Publicamos abaixo a homilia que o Papa Francisco fez durante a celebração eucarística, após a proclamação do Evangelho:

Homilia do Santo Padre 

“Quando chegou a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher” ( Gl 4: 4). Nascido de uma mulher: foi assim que Jesus veio. Ele não apareceu no mundo adulto, mas, como o Evangelho nos disse, ele foi “concebido no ventre” ( Lc 2:21): ali ele fez nossa humanidade sua, dia após dia, mês após mês. No ventre de uma mulher, Deus e a humanidade se uniram para nunca mais deixar um ao outro: mesmo agora, no céu, Jesus vive na carne que tomou no ventre da mãe. Em Deus existe a nossa carne humana!

No primeiro dia do ano, celebramos este casamento entre Deus e o homem, inaugurado no ventre de uma mulher. Em Deus, nossa humanidade será para sempre e Maria sempre será a Mãe de Deus. Ela é mulher e mãe, este é o essencial. Dela, mulher, a salvação surgiu e, portanto, não há salvação sem a mulher. Ali Deus se juntou a nós e, se queremos nos unir a ele, seguimos o mesmo caminho: para Maria, mulher e mãe. Então, vamos começar o ano com o sinal de Nossa Senhora, uma mulher que teceu a humanidade de Deus. Se queremos tecer os enredos de nossos dias de humanidade, devemos recomeçar a partir da mulher.

Nascido de mulher. O renascimento da humanidade começou com a mulher. As mulheres são fontes de vida. No entanto, são continuamente ofendidos, espancados, violados, induzidos a se prostituir e a suprimir a vida que carregam em seu ventre. Qualquer violência infligida às mulheres é uma profanação de Deus, nascida de uma mulher. A salvação para a humanidade veio do corpo de uma mulher: pela maneira como tratamos o corpo da mulher, entendemos nosso nível de humanidade. Quantas vezes o corpo da mulher é sacrificado nos altares profanos da publicidade, renda, pornografia, explorados como uma superfície a ser usada. Deve ser libertado do consumismo, deve ser respeitado e honrado; é a carne mais nobre do mundo, concebeu e deu à luz o amor que nos salvou! Hoje, a maternidade também é humilhada, porque o único crescimento que nos interessa é o crescimento econômico. Tem mães

Nascido de mulher . De acordo com a história da Bíblia, a mulher atinge o clímax da criação, como o resumo de toda a criação. De fato, ela encarna o objetivo da própria criação: a geração e a custódia da vida, a comunhão com tudo, cuidando de tudo. É o que Nossa Senhora faz no evangelho hoje. “Maria – diz o texto – guardava todas essas coisas, meditando nelas em seu coração” (v. 19). Ele guardava tudo: a alegria pelo nascimento de Jesus e a tristeza pela hospitalidade negada em Belém; o amor de José e o espanto dos pastores; promessas e incertezas para o futuro. Tudo tomou conta do coração e em seu coração tudo pôs em prática, até a adversidade. Porque em seu coração ele organizou tudo com amor e confiou tudo a Deus.

No Evangelho, essa ação de Maria volta uma segunda vez: no fim da vida oculta de Jesus, é dito que “sua mãe guardava todas essas coisas em seu coração” (v. 51). Essa repetição nos faz entender que guardar no coração não é um gesto agradável que Nossa Senhora fazia de vez em quando, mas seu hábito. É apropriado que as mulheres levem a vida ao coração. A mulher mostra que o significado de viver não é continuar produzindo coisas, mas levar as coisas que estão aí para o coração. Somente quem olha com o coração vê bem, porque sabe “ver por dentro”: a pessoa além de seus erros, o irmão além de suas fragilidades, a esperança nas dificuldades; vê Deus em tudo.

Quando começamos o novo ano, nos perguntamos: “Posso olhar com meu coração? Posso olhar para as pessoas com meu coração? Preocupo-me com as pessoas com quem vivo ou as destruo com conversa fiada? E acima de tudo, tenho o Senhor no coração? Ou outros valores, outros interesses, minha promoção, riquezas, poder? “. Somente se a vida é perto do nosso coração sabemos prendercene cuidadose superar a indiferença que nos rodeia. Pedimos esta graça: viver o ano com o desejo de levar os outros a sério, de cuidar dos outros. E se queremos um mundo melhor, que é uma casa de paz e não um pátio de guerra, temos a dignidade de toda mulher no coração. O príncipe da paz nasceu da mulher. A mulher é doadora e mediadora da paz e deve estar totalmente associada aos processos de tomada de decisão. Porque quando as mulheres podem transmitir seus dons, o mundo se vê mais unido e mais pacífico. Portanto, uma conquista para as mulheres é uma conquista para toda a humanidade.

Nascido de mulher . Assim que Jesus nasceu, ele se refletiu nos olhos de uma mulher, no rosto de sua mãe. Dela ele recebeu as primeiras carícias, com ela trocou os primeiros sorrisos. Com ela, ele inaugurou a revolução da ternura. A Igreja, olhando para o bebê Jesus, é chamada a continuar. De fato, ela também, como Maria, é uma mulher e uma mãe, a Igreja é uma mulher e uma mãe, e na Madonna ela encontra seus traços distintivos. Ela a vê imaculada e se sente chamada a dizer “não” ao pecado e ao mundanismo. Ela a vê, frutuosa, e se sente chamada a anunciar o Senhor, a gerá-lo em vidas. Ela a vê, mãe, e se sente chamada a acolher todos os homens como um filho.

Ao se aproximar de Maria, a Igreja se encontra, redescobre seu centro, redescobre sua unidade. Em vez disso, o inimigo da natureza humana, o diabo, tenta dividi-lo, colocando diferenças, ideologias, pensamentos partidários e partidos em primeiro plano. Mas não entendemos a Igreja se olharmos para ela a partir de estruturas, a partir de programas e tendências, de ideologias, da funcionalidade: compreenderemos algo, mas não o coração da Igreja. Porque a Igreja tem um coração de mãe. E nós, filhos hoje, invocamos a Mãe de Deus, que nos une como povo crente. Ó Mãe, gera esperança em nós, traz unidade para nós. Mulher de salvação, confiamos a você este ano, guarde em seu coração. Nós te aclamamos: Santa Mãe de Deus Todos juntos, três vezes, nós aclamamos a Senhora, de pé, Nossa Senhora Santa Mãe de Deus: [com a assembléia] Santa Mãe de Deus, Santa Mãe de Deus, Santa Mãe de Deus!

[00001-IT.02] [Texto original: italiano]

[B0001-XX.02]

A Palavra do Pastor
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More
Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor – Homilia para o XXV Domingo do Tempo Comum do Ano A

Como é bom trabalhar na Vinha do Senhor! Com a Liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletimos...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: