Ela veio trazendo vida

 

Com o Cântico de Daniel, louvemos o Senhor:

“Águas do alto céu, bendizei o Senhor!

Potências do Senhor, bendizei o Senhor!

Lua e sol, bendizei o Senhor!

Astros e estrelas bendizei o Senhor!

Chuvas e orvalhos, bendizei o Senhor!”  (Dan 3,60-64)

 

Foram, aproximadamente, cento e cinquenta pores do sol sem a sua presença.

Era por todos tão esperada, que parecia não vir mais.

No entanto, ela veio no meio do dia, timidamente, logo cessou.

E neste momento, como que para não afugentá-la,

Silêncio e Contemplação, atitudes que foram despertadas.

 

De repente, surpreendentemente, veio bem mais forte,

Ainda que por um tempo breve, bem mais densa,

Densa o bastante para arrancar um sorriso de contentamento,

Pois de tão esperada, parecia convidar a uma dança;

A todos convidava, e não houve quem ousasse reclamar.

 

Cessou novamente, bem mais rápido que o desejado.

Porém, ao virar das horas de um novo dia, ela volta suavemente.

Escutamos sobre nossos telhados, algo que há muito não ouvíamos,

No recolhimento do quarto, para as energias revigorar,

Um sono banhado com a tão esperada e necessária chuva.

 

Novo dia, o sol desponta, e numa manhã como há muito não se via

As ruas, guias e sarjetas escoavam a tão preciosa água da chuva:

Árvores, gramas, flores e toda a natureza, sendo agraciada,

Acompanhada pela alegre sinfonia dos pássaros,

Que, com canto e voos, celebram sua chegada.

 

Vinde, bendita chuva, regar campos, vales e cidades.

Represas e reservatórios, já ameaçam os últimos suspiros;

Torneiras secas, queimadas multiplicadas, insuportável umidade do ar.

Imunidades de todos nós no limite, agora tende a se recuperar.

Vinde, bendita chuva, como graça que vem do alto.

 

Vinde, bendita chuva, chorar no rosto dos muros.

Vinde correr mais ainda pelas guias e sarjetas,

Vinde, bendita chuva, para a fertilidade do campo;

Flores, frutos saborosos, em mesas fartas termos;

Fim de queimadas, o verde renascendo das cinzas.

 

Vinde, bendita chuva! Se escassa, não por culpa divina,

Mas devido à intervenção inconsequente,

Na Amazônia e em tantos outros lugares.

Pagamos o preço pelo absurdo abuso.

É tempo de novas posturas, necessária conversão.

Vinde, bendita chuva, que traz consigo um sinal para nós:

Repensar nossas atitudes de consumo da água,

Bem sagrado por Deus a nós confiado;

Reutilizá-la, reduzir o consumo, urge reaprender.

Páginas de ecologia integral, aprendamos a escrever.

                                                                          Vinde, bendita chuva!

 

 

 

 

 

 

 

 

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

A Palavra do Pastor
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: