Ela veio trazendo vida

 

Com o Cântico de Daniel, louvemos o Senhor:

“Águas do alto céu, bendizei o Senhor!

Potências do Senhor, bendizei o Senhor!

Lua e sol, bendizei o Senhor!

Astros e estrelas bendizei o Senhor!

Chuvas e orvalhos, bendizei o Senhor!”  (Dan 3,60-64)

 

Foram, aproximadamente, cento e cinquenta pores do sol sem a sua presença.

Era por todos tão esperada, que parecia não vir mais.

No entanto, ela veio no meio do dia, timidamente, logo cessou.

E neste momento, como que para não afugentá-la,

Silêncio e Contemplação, atitudes que foram despertadas.

 

De repente, surpreendentemente, veio bem mais forte,

Ainda que por um tempo breve, bem mais densa,

Densa o bastante para arrancar um sorriso de contentamento,

Pois de tão esperada, parecia convidar a uma dança;

A todos convidava, e não houve quem ousasse reclamar.

 

Cessou novamente, bem mais rápido que o desejado.

Porém, ao virar das horas de um novo dia, ela volta suavemente.

Escutamos sobre nossos telhados, algo que há muito não ouvíamos,

No recolhimento do quarto, para as energias revigorar,

Um sono banhado com a tão esperada e necessária chuva.

 

Novo dia, o sol desponta, e numa manhã como há muito não se via

As ruas, guias e sarjetas escoavam a tão preciosa água da chuva:

Árvores, gramas, flores e toda a natureza, sendo agraciada,

Acompanhada pela alegre sinfonia dos pássaros,

Que, com canto e voos, celebram sua chegada.

 

Vinde, bendita chuva, regar campos, vales e cidades.

Represas e reservatórios, já ameaçam os últimos suspiros;

Torneiras secas, queimadas multiplicadas, insuportável umidade do ar.

Imunidades de todos nós no limite, agora tende a se recuperar.

Vinde, bendita chuva, como graça que vem do alto.

 

Vinde, bendita chuva, chorar no rosto dos muros.

Vinde correr mais ainda pelas guias e sarjetas,

Vinde, bendita chuva, para a fertilidade do campo;

Flores, frutos saborosos, em mesas fartas termos;

Fim de queimadas, o verde renascendo das cinzas.

 

Vinde, bendita chuva! Se escassa, não por culpa divina,

Mas devido à intervenção inconsequente,

Na Amazônia e em tantos outros lugares.

Pagamos o preço pelo absurdo abuso.

É tempo de novas posturas, necessária conversão.

Vinde, bendita chuva, que traz consigo um sinal para nós:

Repensar nossas atitudes de consumo da água,

Bem sagrado por Deus a nós confiado;

Reutilizá-la, reduzir o consumo, urge reaprender.

Páginas de ecologia integral, aprendamos a escrever.

                                                                          Vinde, bendita chuva!

 

 

 

 

 

 

 

 

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

A Palavra do Pastor
Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Advento: vigilância ativa e efetiva – Homilia de Dom Otacilio – Primeiro Domingo do tempo do Avento Ano B

Com o primeiro Domingo do Tempo do Advento (ano B), seremos convidados à vigilância, numa frutuosa preparação para o Natal...
Read More
Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Alegres e convictos Servidores do Reino – Homilia e reflexões de Dom Otacilio para o XXXIII Domingo do Tempo Comum (Ano A)

  Alegres e convictos Servidores do Reino (Homilia - XXXIIIDTCA) A Liturgia do 33º Domingo do Tempo comum (Ano A),...
Read More
Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Permaneçamos vigilantes – XXXII do Tempo Comum do Ano A.

Com a Liturgia, do 32º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre a necessária vigilância ativa na espera do...
Read More
O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última,...
Read More
Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

Bem-Aventuranças vividas, Santidade alcançada (Homilia Festa de todos os santos e santas)

  A Solenidade de todos os Santos abre nosso espírito e coração às consequências da Ressurreição. Para Jesus, ela foi...
Read More
Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois amores inseparáveis – 30º Domingo do Tempo Comum (Ano A)

Amor a Deus e ao próximo, dois Amores inseparáveis O Mandamento do Amor é a essência da vida cristã Com...
Read More
“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

“A Deus o que é de Deus” – Homilia – XXIX Domingo do Tempo Comum do Ano A

A Liturgia do 29º Domingo do Tempo Comum (ano A) tem como tema principal a subordinação de nossa existência a...
Read More
O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada (-Homilia- XXVIII Domingo do Tempo Comum -Ano A

O Banquete do Cordeiro e a “veste” apropriada A Liturgia, do 28º Domingo do Tempo Comum (Ano A), apropria-se de...
Read More
A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

A Vinha do Senhor e os frutos esperados por Deus – Homilia- XXVII Domingo Comum do Tempo A

  Com a Liturgia do 27º Domingo do Tempo Comum (ano A), refletiremos sobre os frutos abundantes que  o Senhor...
Read More
O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

O imperativo da conversão no trabalho da Vinha do Senhor- Homilia para o XXVI Domingo do Tempo Comum do Ano A

  Com a Liturgia do 26.º Domingo do Tempo Comum (ano A), contemplamos um Deus que chama a todos para...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: