Maria: Mãe de Deus

Pela fé, Maria aderiu ao plano de Deus e aceitou ser a Mãe do Verbo Encarnado. Tornou-se, na verdade, a Mãe de Deus.

Desde os primeiros séculos da Igreja, esta verdade foi bem aceita, pois, por ocasião de sua visita a Isabel, esta, cheia do Espírito Santo exclamou: “Como me é dado que venha a mim a mãe do meu Senhor?” (Lc 1, 43).

Houve muita objeção quanto a tal assertiva, mas no Concílio de Éfeso foi proclamada solenemente a Maternidade divina de Maria, e, sendo confirmada nos Concílios de Calcedônia e Constantinopla, quando das discussões acerca das duas naturezas de Cristo e sua única pessoa.

A Bíblia Sagrada afirma não só que Maria é Mãe de Jesus, como ainda que o Filho concebido em suas entranhas é mesmo Filho de Deus, o Verbo eternamente gerado pelo Pai, e Deus como Ele. “Eis que engravidarás e darás à luz um filho, e lhe darás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado filho do Altíssimo” (Lc 1, 31-32). “No início era o Verbo, e o Verbo estava voltado para Deus, e o Verbo era Deus… (…) E o verbo se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a sua glória; glória essa que, Filho único cheio de graça e de verdade, ele tem da parte do Pai” (Jo 1, 1. 14).

A maternidade divina de Maria é o fundamento de todos os seus privilégios. Mãe que o foi sem deixar de se virgem. Deus preparou Maria para esse fim.

A vida terrestre de Maria se desenvolve à sombra da fé que nada enxerga, que não compreende, mas confia nos desígnios impenetráveis de Deus. Reside ai a verdadeira grandeza de Maria: Vida de fé.

Maria pode e deve ser chamada Mãe de Deus, haja vista que Cristo é Deus. Isso está presente em toda a Bíblia. Maria está presente do Gênesis ao Apocalipse.

Podemos e devemos chamar a Virgem Maria de “Mãe de Deus” porque o objeto-termo de toda maternidade é a pessoa. Não se diz que a mãe é mãe da natureza do filho, mas da sua pessoa, e, a pessoa em Cristo, é a segunda na Santíssima Trindade, o Filho de Deus. Deus escolheu Maria desde a eternidade e não podemos menosprezar essa escolha.

Maria é Mãe de Deus, pois Jesus é verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus (CIC 484-507). Maria teve em seu ventre o Homem e Deus e não há como separar o corpo do espírito. Ela não deu à luz um monte de ossos, mas um corpo com carne e espírito, deu à luz o Filho de Deus: Jesus.

Jesus Cristo, o Filho de Maria, é Deus e homem verdadeiro e, embora seja Deus e homem, não são dois, mas um só Cristo. Emanuel, Deus-conosco, possui duas naturezas, a divina e a humana, unidas em uma só pessoa: Jesus Cristo Nosso Senhor. Sendo verdadeira Mãe de Jesus Maria, com toda justiça deve ser chamada “Mãe de Deus”, porque não se separa a natureza humana da natureza divina na pessoa de Cristo.

Ao fazer-se homem, nada perdeu da divindade e, sendo Deus assumiu em sua integridade a natureza humana. Para mostrar que era homem, quis nascer de uma mulher; mas para assinalar que era Deus, quis nascer de uma Virgem.

Diác. Daniel Bueno Borges

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: