Maria: Mãe de Deus

Pela fé, Maria aderiu ao plano de Deus e aceitou ser a Mãe do Verbo Encarnado. Tornou-se, na verdade, a Mãe de Deus.

Desde os primeiros séculos da Igreja, esta verdade foi bem aceita, pois, por ocasião de sua visita a Isabel, esta, cheia do Espírito Santo exclamou: “Como me é dado que venha a mim a mãe do meu Senhor?” (Lc 1, 43).

Houve muita objeção quanto a tal assertiva, mas no Concílio de Éfeso foi proclamada solenemente a Maternidade divina de Maria, e, sendo confirmada nos Concílios de Calcedônia e Constantinopla, quando das discussões acerca das duas naturezas de Cristo e sua única pessoa.

A Bíblia Sagrada afirma não só que Maria é Mãe de Jesus, como ainda que o Filho concebido em suas entranhas é mesmo Filho de Deus, o Verbo eternamente gerado pelo Pai, e Deus como Ele. “Eis que engravidarás e darás à luz um filho, e lhe darás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado filho do Altíssimo” (Lc 1, 31-32). “No início era o Verbo, e o Verbo estava voltado para Deus, e o Verbo era Deus… (…) E o verbo se fez carne e habitou entre nós e nós vimos a sua glória; glória essa que, Filho único cheio de graça e de verdade, ele tem da parte do Pai” (Jo 1, 1. 14).

A maternidade divina de Maria é o fundamento de todos os seus privilégios. Mãe que o foi sem deixar de se virgem. Deus preparou Maria para esse fim.

A vida terrestre de Maria se desenvolve à sombra da fé que nada enxerga, que não compreende, mas confia nos desígnios impenetráveis de Deus. Reside ai a verdadeira grandeza de Maria: Vida de fé.

Maria pode e deve ser chamada Mãe de Deus, haja vista que Cristo é Deus. Isso está presente em toda a Bíblia. Maria está presente do Gênesis ao Apocalipse.

Podemos e devemos chamar a Virgem Maria de “Mãe de Deus” porque o objeto-termo de toda maternidade é a pessoa. Não se diz que a mãe é mãe da natureza do filho, mas da sua pessoa, e, a pessoa em Cristo, é a segunda na Santíssima Trindade, o Filho de Deus. Deus escolheu Maria desde a eternidade e não podemos menosprezar essa escolha.

Maria é Mãe de Deus, pois Jesus é verdadeiro Homem e Verdadeiro Deus (CIC 484-507). Maria teve em seu ventre o Homem e Deus e não há como separar o corpo do espírito. Ela não deu à luz um monte de ossos, mas um corpo com carne e espírito, deu à luz o Filho de Deus: Jesus.

Jesus Cristo, o Filho de Maria, é Deus e homem verdadeiro e, embora seja Deus e homem, não são dois, mas um só Cristo. Emanuel, Deus-conosco, possui duas naturezas, a divina e a humana, unidas em uma só pessoa: Jesus Cristo Nosso Senhor. Sendo verdadeira Mãe de Jesus Maria, com toda justiça deve ser chamada “Mãe de Deus”, porque não se separa a natureza humana da natureza divina na pessoa de Cristo.

Ao fazer-se homem, nada perdeu da divindade e, sendo Deus assumiu em sua integridade a natureza humana. Para mostrar que era homem, quis nascer de uma mulher; mas para assinalar que era Deus, quis nascer de uma Virgem.

Diác. Daniel Bueno Borges

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: