Os efeitos colaterais da inveja: Uma reflexão

 

“A inveja incomoda a competência do invejoso”

(Côn. Manuel)

 

As Sagradas Escrituras oferecem grandes reflexões para quem quer usufruir de oportunidades pensantes na vida. Uma delas é o momento em que Jesus se encontra diante de Pilatos. O capítulo 27 de Mateus é proeminente, sobretudo, quando relata o sentimento do Governador: “Pois ele sabia que o tinham entregue por inveja” (Mt 27, 18). O texto bíblico pode ser ainda lido e rezado em Marcos 15, 2-15; Lc 23, 2-5.13-25; Jo 18, 28 – 19,16. Aqui temos um nítido e absoluto efeito colateral da inveja. O que Pilatos quer expor é que: “As acusações que os sumos sacerdotes e os anciãos aduziam contra ele (Jesus)” (Mt 27, 12), nada mais era que a ação do império da inveja sendo levado a sério em todas as circunstâncias. Este grande mal não escolhe a pessoa. O que mais almeja é vê-la aprisionada aos desejos alheios, gerando todas as possíveis conquistas, para que ela não tenha como buscar o que deseja com suas próprias forças. Pilatos tentou salvar o Mestre: “Em cada festa, costumava o governador soltar para a multidão um prisioneiro” (Mt 27, 16 – 18), mas não conseguiu livrar Jesus. Eis, pois, que a inveja quando entra nos sentimentos da pessoa se encarrega de organizar todos os sintomas possíveis, com a finalidade de martirizar, machucar e incorporar os conceitos, para falsamente, se lisonjear com o prazeroso dever de exercitar a maldade latente numa idéia de que sempre vai conseguir vitória, triunfar e levar vantagem sobre o que quer. Daqui emergem palavras, comentários e sentimentos, que quando atingem o mais alto da pessoa, a consciência, querem obter o êxito a qualquer custo.

Mais do que um sentimento, a inveja, é algo, que aos poucos vai deformando a pessoa. Ninguém gosta de ser identificado como fariseu ou doutor da lei. A ação da inveja pode estar entre os que estão perto ou longe. Cada passo que damos buscando nosso objetivo com dignidade, trabalho, esforço, pode estar sendo observado por quem almeja e não consegue. Esta é a triste realidade de quem cai nas garras da inveja. Seu eu fica deformado, suas palavras, engordam pensamentos destrutivos do porque ele (ela) e não eu. Sua ânsia acalenta a notícia de que o outro (a) não conseguirá. O sorriso, embutido dentro de uma raiva, sobe ao pódio para aplaudir a considerada vitória do eu consegui. Nesta metodologia chegamos às palavras de Francisco Quevedo: “A inveja é assim tão magra e pálida porque morde e não come”. Vejam a maldade dos sumos sacerdotes e anciãos ao “incitarem as multidões para soltar Barrabás e fizessem perecer Jesus” (Mt 27, 20). Sabemos que a inveja não parou nos fariseus e anciãos. Na sociedade atual este malefício está ocupando o coração de muita gente, abrindo valas de grandes superfícies fazendo nascer lesões na vida pessoal e espiritual, passando até mesmo despercebida como pecado, consumindo quem a hospeda. Financiar a inveja, em si mesmo, só lucra quem nunca quer atingir com esforço próprio; quem alberga uma ambição do mais refinado nível de incompetência.

Este ruinoso sentimento gosta de nos comover com freqüência. Sua vitória é a de: “nos tirar a paz de espírito a saúde do corpo e destruir-nos como um câncer” (Pv 14, 30). Por isso: “não devemos ser orgulhosos nem ter inveja uns dos outros (Gl 5,26)”. O texto bíblico é muito claro quando solenemente revela: “a inveja é condenada pelo Senhor, é denominada como fruto da carne (Gl 5, 21)”. Geralmente tem sua origem em disputas insensatas originando “insultos e desconfianças maldosas” (1Tm 6.4), atingindo sempre o campo profissional ou pessoal (Ecl 4, 4). Seu contrataque preferido é o ciúme e ama se mostrar com um falso testemunho. Miguel Cervantes nos alerta: “A inveja vê sempre tudo com lentes de aumento que transformam pequenas coisas em grandiosas, anões em gigantes, indícios em certezas”. A inveja quer ver o outro descer os degraus e ter a certeza que chegou ao último. Neste ensejo, ela, se sente dona do pedaço. Seu terreno é intocável. No baú, reserva os mais belos enigmas de criativos pensamentos para se defender. Quer ter uma razão, argumentada, num alto preço, investindo na derrota do outro. Fala-nos Niceto Zamora: “Os ataques da inveja são os únicos em que o agressor, se pudesse, preferia fazer o papel da vítima”. Monitorando sua pedagogia de ação, a inveja torna a pessoa agressiva. Seu veneno é tão sutil que quando atinge a pessoa todo o corpo dói. Terminamos com o alerta Alberto da Brescia: “O invejoso se queima por dentro e por fora”. Não engrosses a fila dos invejosos. Lute por seus objetivos com fé, amor, lealdade e, sobretudo, com honra. Pense nisso.

Côn. Dr. Manuel Quitério de Azevedo

Prof.º do Seminário de Diamantina e da PUC – MG

Membro da Academia de Letras e Artes de Diamantina – (ALAD).

Membro da Academia Marial – SP

 

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: