Advento – Natal – Por Padre Hermes

velasdoadvento

Chegada a plenitude do tempo… o Verbo se fez carne e veio habitar entre nós! (Jo 1,18).

O ano litúrgico se desenvolve em torno de duas grandes festas: Páscoa e Natal ou manifestação do Senhor. A Páscoa que compreende a quaresma, as festas pascais, o tempo pascal até Pentecostes; o Natal que envolve o advento e a Epifania, formam os dois grandes ciclos, que explicitam em perspectivas diversas o único mistério de nossa redenção, ou seja: a encarnação, paixão, morte, ressurreição, ascensão de Jesus Cristo, juntamente com o derramamento de seu Espírito e sua segunda vinda ( SC 102). O tempo “ eterno “ de Deus invade o limitado tempo humano e, pela força pascal do Espírito, o torna sacramental: dentro do nosso tempo mortal o desígnio do Pai vai se manifestando e realizando, até o dia de sua vinda final e gloriosa. Pela ação misericordiosa de Deus, o nosso tempo torna-se tempo de graça, tempo de salvação!

Como se realiza este mistério no Ciclo do Natal?

  1. O ciclo do Natal

Neste tempo fazemos memória, revivemos a vinda e manifestação do Senhor e de seu Reino, em nossa carne, em nossa história, assumindo nossa realidade na pessoa de Jesus de Nazaré.

Podemos dividi-lo em três etapas:

1-A primeira, de preparação, de “gestação”: é o tempo do Advento.

2-A segunda, de chegada, de realização, é a festa do Natal.

3-A terceira, finalmente, de manifestação e “divulgação”, é a festa da Epifania.

O Advento como realidade simbólico-sacramental.

A realidade significada: O tempo do advento nos prepara para acolher o Senhor que vem e se manifesta a nós. Esta manifestação se dá em dois aspectos: a manifestação em nossa carne ao nascer, que constitui sua primeira vinda e sua manifestação gloriosa, no final dos tempos, sua segunda vinda. Este duplo sentido determina a organização do advento: o advento escatológico que vai do primeiro domingo do advento ao dia 16 de dezembro inclusive; o advento natalício, como preparação mais imediata para a festa do Natal, do dia 17 ao dia 24 de dezembro.

É um tempo que nos coloca em permanente expectativa da vinda, da chegada de Deus e de seu Reino em nossa realidade. Abre-nos para o encontro com o Senhor que vem nos acontecimentos da vida e, particularmente, no momento celebrativo, comemorando o Senhor que veio e fazendo-nos dar um passo à frente ao encontro do Senhor que virá glorioso, quando seu Reino estiver plenamente estabelecido entre nós.

Toda a humanidade e a criação inteira estão em clima de Advento, de ansiosa espera,

aguardando a manifestação cada vez mais visível do Reino de Deus, em que “justiça e paz

se abraçam”, e todos os povos e culturas desabrochem felizes e reconciliados.

Sinais sensíveis:

  1. a) Nossas esperas e esperanças (pessoais, eclesiais, sociais, políticas), desânimo, cansaços, decepções, inseguranças… a gravidez…
  2. b) Final de ano, término de cursos, proximidade de férias, expectativas de descanso, de festas, de viagens, de encontros, de emprego, melhores condições de vida…
  3. c) Verão regado pelas chuvas: “Das alturas orvalhem os céus e as nuvens que chovam a justiça…” o germinar das sementes…

Em cada celebração, neste tempo que antecede o Natal, somos convidados a proclamar profeticamente que o Senhor está chegando como libertador e seus sinais se manifestam nas lutas dos pobres e de todos os que com eles se fazem solidários na busca da dignidade humana e da paz.

Símbolos litúrgicos principais do Advento:

  1. O sinal principal é a Eucaristia, o sacramento da espera… “ até que Ele venha”
  2. A Palavra (o VERBO ! ) – Advento é tempo de nos engravidar da Palavra – e o Verbo se faça carne em nós! A liturgia da Palavra no tempo do advento, pedagogicamente nos leva a viver a expectativa de um novo parto da salvação de Deus.

No 1º domingo os textos bíblicos nos chamam à atitudes de expectativa, vigilância e atenção aos “sinais dos tempos” para não sermos tomados de surpresa. No 2º domingo, Isaías e João Batista nos impelem a preparar os caminhos ainda tortuosos de nossa vida que impedem a chegada do Reino. É preciso indireitá-los, aplainá-los para que Ele venha e sua salvação aconteça entre nós. No 3º domingo somos convidados a nos alegrar percebendo os sinais da salvação já presentes entre nós. O Senhor está vivo e atuante no meio de nós. No 4º domingo, Maria grávida é sinal da comunidade que crê, espera ansiosa por ver o Reino acontecer e se coloca à disposição dos apelos de Deus para que seu projeto de realize.

  1. A comunidade reunida para a oração, para a escuta da palavra e para a ação de graças, é sinal sacramental da espera e da chegada do Senhor. A esperança se reacende quando relações novas e fraternas se estabelecem entre as pessoas. Onde dois ou três estiverem reunidos, o Senhor está presente! ( cf. Mt 18,20).
  2. Os cantos, as músicas têm papel importante, evocando os temas bíblicos aprofundados, as experiências vividas, os sentimentos de espera, de expectativa pela vinda do Reino. O salmo que segue a primeira leitura e a aclamação ao evangelhos acompanham o sentido das leituras. Cantamos o advento! “ Cantando os salmos e poemas dos profetas e evangelistas de ontem e de hoje, resgatando até, com novo sabor e vibração, as antigas antífonas do “Ó”, com certeza aprofundaremos a nossa fé, reacenderemos a nossa esperança e prepararemos momentos autênticos e gostosos de confraternização.” (CNBB, Hinário Litúrgico, 1º fascículo, introdução).
  3. A cor rósea traz aos olhos o sentido de uma alegre espera. A coroa do advento, feita com ramos verdes, com as quatro velas que progressivamente se acendem, retomando o costume judaico de celebrar a vinda da luz na humanidade dispersa pelos quatro pontos cardeais, expressa nossa prontidão e abertura ao Senhor que vem.
  4. Entre os textos eucológicos deste tempo, a aclamação litúrgica “Vem, Senhor Jesus!” torna-se a grande súplica, o forte clamor das comunidades, em preces, refrões e antífonas.
  5. A novena do Natal feita em grupos, mantém a atitude de vigilância e espera do advento, com orações, meditação da Palavra, cantos, gestos de solidariedade e compromisso com os mais pobres, montagem do presépio e momentos de confraternização.
  6. As celebrações de reconciliação e penitência durante o tempo do advento possibilitam às comunidades um caminho de conversão e retomada do projeto de Jesus.
A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: