Mensagem pelos 33 anos da Diocese

Celebramos 33 anos da Diocese de Guanhães e esta data nos faz pensar em três pilares:

  1. Tempo de lembrar o passado.

Na bíblia, temos o Salmo 78(77) que nos diz: “o que nós ouvimos, o que aprendemos, o que nossos pais nos contaram, não ocultaremos aos filhos; mas vamos contar à geração seguinte as glórias do Senhor, o seu poder e os prodígios que operou… para porem em Deus sua confiança, não esquecerem as obras de Deus” (vv. 3-4.7).  Como é importante conservar a memória da presença amorosa de Deus nessa caminhada viva, dessa porção do povo de Deus, que há 33 anos era designada pelo São João Paulo II, a traçar uma nova estrutura missionária, a caminhar com nossos próprios! Na história da nossa Diocese, como não se lembrar do seu primeiro Bispo, Dom Antônio Felippe da Cunha, SDN, considerado por muitos como homem santo e simples que marcou a trajetória da nova Diocese! E os demais Bispos que por aqui passaram, dom Emanuel, sempre a “Serviço da Misericórdia”,  dom Jeremias, que de longe, veio para “Fazer a Vontade de Deus” em tempo de dúvidas e incertezas de fé, e também, muitas crises em todo o cenário social. Quantos presbíteros, religiosos e religiosas, leigos e leigas, agentes de pastoral… que deram o melhor de suas vidas para a edificação do Reino nesta Igreja Diocesana! Portanto, o aniversário de nossa Diocese deve ser tempo para reavivar a presença de Deus em nossa história, tempo para celebrar as maravilhas que o Senhor realizou ao longo desses 33 anos de nossa caminhada, tempo, também  de pedir perdão pelas nossas infidelidades e por nem sempre termos correspondido aos apelos de Deus e do ser cristão! Esta é a primeira atitude que, acredito eu, surge espontaneamente do fundo do coração de cada um e cada uma; talvez expressando melhor,  uma grande ação de graças ao Senhor da História pela nossa história!

  1. Tempo de se comprometer com o presente.

Deus tem sempre algo novo a nos falar; ele nos desafia a descobrirmos algo novo, a  descortinar novos horizontes, e os mesmos, a serem conquistados. “Ele está sempre à porta, batendo, esperando que possamos ouvi-lo, e abrir a porta, para que possa deixá-lo entrar no nosso coração”, e assim sermos mais íntimos do Seu coração.  (cf. Ap 3,20). É bonito e gostoso sentirmos saudade do passado, mas não podemos ficar parados, fixos no que se foi, no que não mais voltará.  Por isso, queridos, o aniversário da nossa Diocese pode ser momento de privilégio, para e preencher-nos da graça de Deus, e assim,  retomarmos o fervor dos primeiros tempos, recomeçar com renovado ardor e empenho a obra maravilhosa e apaixonante da evangelização. Estamos caminhando à luz da V Assembleia Diocesana de Pastoral, que tem como objetivo, nessa igreja particular, o mesmo de toda a Igreja no Brasil: “Evangelizar a partir de Jesus Cristo, na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo. Essa é a base para que sejamos todos protagonistas dos novos tempos, dando nosso compromisso às exigências do Espírito do Senhor a nós.

  1. Tempo de esperança em relação ao futuro.

Como será o futuro da nossa Diocese? De uma coisa estamos certos: “A esperança não nos  decepciona” (Rm 5,5). Cremos firmemente que o Deus que sempre esteve presente conosco ao longo desses 33 anos acredito e tenho fé que Ele  haverá de estar também conosco a cada momento do futuro. Ele nos assegura: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20b). Que esse júbilo de nossa querida Igreja Diocesana, que celebraremos, hoje, seja também tempo de sonhos, esperança, reflexões e projeções  de  que o Evangelho de Jesus Cristo se torne mais vida em nossa história ao longo de todos os tempos!  E Que o Arcanjo Miguel, a quem essa igreja é confiada aos cuidados de proteção, e Maria , nossa Mãe Aparecida e padroeira, dedicamos, com fé e ternura, todas as atividades de nossa caminhada. Ela que esteve no momento de dificuldade daqueles pescadores, e tantos outros e outras que passaram ou passam por dificuldades, confiante e silenciosa, seguindo os passos firmes, nos acompanhe em nossa caminhada ao longo destes novos tempos, a fim de que, por sua intercessão maternal, nosso Deus nos fortaleça na gratidão em relação ao passado, no compromisso para com o momento presente e na firme esperança em relação ao futuro. E assim, caminharemos na travessia do deserto da vida, “neste mundo dilacerado por crises, desavenças, brilhando cada vez mais como sinal profético de unidade e de paz”, assim seremos eco e esplendor do grande Amor de Deus por nós.

Michel Hoguinele F. Aráujo / Pela Pascom Diocesana

A Palavra do Pastor
O Senhor carregou sobre Si nossa humanidade ferida

O Senhor carregou sobre Si nossa humanidade ferida

Uma reflexão sobre a “A Doutrina Social da Igreja à luz da misericórdia divina”, e da passagem do Evangelho sobre...
Read More
Síntese da Mensagem para a Quaresma de 2020

Síntese da Mensagem para a Quaresma de 2020

A Mensagem para a Quaresma de 2020 do Papa Francisco, tem como motivação o versículo da Segunda Carta de Paulo...
Read More
A Quarta- Feira de Cinzas no Mistério da fé

A Quarta- Feira de Cinzas no Mistério da fé

Com a Quarta-feira de Cinzas, a Igreja inicia a Quaresma, Tempo favorável da Salvação e os fiéis recebem as Cinzas...
Read More
Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus (Homilia 7º Domingo Tempo Comum- ano A)

Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus (Homilia 7º Domingo Tempo Comum- ano A)

Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus “...Bem-aventurados os mansos porque herdarão a terra... Bem aventurados os que...
Read More
A graça de ser Padre

A graça de ser Padre

“Irmãos, cuidai cada vez mais de confirmar a vossa vocação e eleição. Procedendo assim, jamais tropeçareis. Desta maneira vos será...
Read More
Só Deus nos garante a verdadeira felicidade ( Homilia 6º Domingo Tempo Comum – Ano A)

Só Deus nos garante a verdadeira felicidade ( Homilia 6º Domingo Tempo Comum – Ano A)

  Só Deus nos garante a verdadeira felicidade "Enquanto o amor humano tende a apossar-se do bem que encontra no...
Read More
Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ( Homilia do 5º Domingo do Tempo Comum- Ano A)

Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ( Homilia do 5º Domingo do Tempo Comum- Ano A)

Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ... quando atraímos o olhar de todos para Deus, e não para...
Read More
Festa da Apresentação do Senhor: Jesus Cristo é a nossa Luz e Salvação ( Homilia- Domingo 02 de fevereiro)

Festa da Apresentação do Senhor: Jesus Cristo é a nossa Luz e Salvação ( Homilia- Domingo 02 de fevereiro)

“Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma” ( Lc 2,35) No dia 2 de fevereiro, celebramos a Festa...
Read More
Ser Padre: missão de resplandecer a luz de Cristo no rosto da Igreja

Ser Padre: missão de resplandecer a luz de Cristo no rosto da Igreja

“O Concílio deseja ardentemente iluminar todos os homens com a claridade de Cristo, luz dos povos, que brilha na Igreja,...
Read More
Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

No 3º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre o Projeto de Salvação e de Vida plena que Deus...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: