Mensagem pelos 33 anos da Diocese

Celebramos 33 anos da Diocese de Guanhães e esta data nos faz pensar em três pilares:

  1. Tempo de lembrar o passado.

Na bíblia, temos o Salmo 78(77) que nos diz: “o que nós ouvimos, o que aprendemos, o que nossos pais nos contaram, não ocultaremos aos filhos; mas vamos contar à geração seguinte as glórias do Senhor, o seu poder e os prodígios que operou… para porem em Deus sua confiança, não esquecerem as obras de Deus” (vv. 3-4.7).  Como é importante conservar a memória da presença amorosa de Deus nessa caminhada viva, dessa porção do povo de Deus, que há 33 anos era designada pelo São João Paulo II, a traçar uma nova estrutura missionária, a caminhar com nossos próprios! Na história da nossa Diocese, como não se lembrar do seu primeiro Bispo, Dom Antônio Felippe da Cunha, SDN, considerado por muitos como homem santo e simples que marcou a trajetória da nova Diocese! E os demais Bispos que por aqui passaram, dom Emanuel, sempre a “Serviço da Misericórdia”,  dom Jeremias, que de longe, veio para “Fazer a Vontade de Deus” em tempo de dúvidas e incertezas de fé, e também, muitas crises em todo o cenário social. Quantos presbíteros, religiosos e religiosas, leigos e leigas, agentes de pastoral… que deram o melhor de suas vidas para a edificação do Reino nesta Igreja Diocesana! Portanto, o aniversário de nossa Diocese deve ser tempo para reavivar a presença de Deus em nossa história, tempo para celebrar as maravilhas que o Senhor realizou ao longo desses 33 anos de nossa caminhada, tempo, também  de pedir perdão pelas nossas infidelidades e por nem sempre termos correspondido aos apelos de Deus e do ser cristão! Esta é a primeira atitude que, acredito eu, surge espontaneamente do fundo do coração de cada um e cada uma; talvez expressando melhor,  uma grande ação de graças ao Senhor da História pela nossa história!

  1. Tempo de se comprometer com o presente.

Deus tem sempre algo novo a nos falar; ele nos desafia a descobrirmos algo novo, a  descortinar novos horizontes, e os mesmos, a serem conquistados. “Ele está sempre à porta, batendo, esperando que possamos ouvi-lo, e abrir a porta, para que possa deixá-lo entrar no nosso coração”, e assim sermos mais íntimos do Seu coração.  (cf. Ap 3,20). É bonito e gostoso sentirmos saudade do passado, mas não podemos ficar parados, fixos no que se foi, no que não mais voltará.  Por isso, queridos, o aniversário da nossa Diocese pode ser momento de privilégio, para e preencher-nos da graça de Deus, e assim,  retomarmos o fervor dos primeiros tempos, recomeçar com renovado ardor e empenho a obra maravilhosa e apaixonante da evangelização. Estamos caminhando à luz da V Assembleia Diocesana de Pastoral, que tem como objetivo, nessa igreja particular, o mesmo de toda a Igreja no Brasil: “Evangelizar a partir de Jesus Cristo, na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária, profética e misericordiosa, alimentada pela Palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida, rumo ao Reino definitivo. Essa é a base para que sejamos todos protagonistas dos novos tempos, dando nosso compromisso às exigências do Espírito do Senhor a nós.

  1. Tempo de esperança em relação ao futuro.

Como será o futuro da nossa Diocese? De uma coisa estamos certos: “A esperança não nos  decepciona” (Rm 5,5). Cremos firmemente que o Deus que sempre esteve presente conosco ao longo desses 33 anos acredito e tenho fé que Ele  haverá de estar também conosco a cada momento do futuro. Ele nos assegura: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20b). Que esse júbilo de nossa querida Igreja Diocesana, que celebraremos, hoje, seja também tempo de sonhos, esperança, reflexões e projeções  de  que o Evangelho de Jesus Cristo se torne mais vida em nossa história ao longo de todos os tempos!  E Que o Arcanjo Miguel, a quem essa igreja é confiada aos cuidados de proteção, e Maria , nossa Mãe Aparecida e padroeira, dedicamos, com fé e ternura, todas as atividades de nossa caminhada. Ela que esteve no momento de dificuldade daqueles pescadores, e tantos outros e outras que passaram ou passam por dificuldades, confiante e silenciosa, seguindo os passos firmes, nos acompanhe em nossa caminhada ao longo destes novos tempos, a fim de que, por sua intercessão maternal, nosso Deus nos fortaleça na gratidão em relação ao passado, no compromisso para com o momento presente e na firme esperança em relação ao futuro. E assim, caminharemos na travessia do deserto da vida, “neste mundo dilacerado por crises, desavenças, brilhando cada vez mais como sinal profético de unidade e de paz”, assim seremos eco e esplendor do grande Amor de Deus por nós.

Michel Hoguinele F. Aráujo / Pela Pascom Diocesana

A Palavra do Pastor
0 0lhar do Amado…

0 0lhar do Amado…

"Moisés fez, pois, uma serpente de bronze e colocou-a como sinal sobre uma haste.Quando alguém era mordido por uma serpente,...
Read More
A Cruz e o caminho da santidade     

A Cruz e o caminho da santidade     

A Cruz e o caminho da santidade                      Celebramos dia 14 de setembro a Festa da Exaltação da Santa Cruz,...
Read More
Homilia do 24º Domingo do Tempo Comum – ano C

Homilia do 24º Domingo do Tempo Comum – ano C

“Entremos na Alegria do Pai” Com a Liturgia do 24º Domingo do Tempo Comum (Ano C), somos convidados a contemplar...
Read More
Homilia do 23º Domingo Comum – Dom Otacilio

Homilia do 23º Domingo Comum – Dom Otacilio

Amor e ardor na fidelidade ao Senhor! (Homilia 23º Domingo Tempo Comum - ano C) A Liturgia do 23º Domingo...
Read More
Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: