Wanderlei Rodrigues

CELEBRAÇÃO DE INVESTIDURA DOS MINISTROS EXTRAORDINÁRIOS DA EUCARISTIA E DA PALAVRA NA ÁREA SÃO JOÃO EVANGELISTA

Na manhã deste domingo, dia 15 de outubro, na Matriz de São João Evangelista, durante a celebração Eucarística presidida por Dom Jeremias e concelebrada por padres da Área pastoral, ocorreu o Rito de Investidura dos Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão Eucarística (MESCE) e da Palavra das paróquias e comunidades da área de abrangência: Continue lendo

UMA ESCOLA DE 300 ANOS

A luz de uma história tricentenária brilhou mais forte no dia 12 de outubro. Na origem dessa história, três pescadores simples: homens com uma fé enraizada lançaram suas redes e encontraram a imagem de Nossa Senhora Aparecida, iniciando, assim, a devoção à Padroeira do Brasil. Três séculos de significativos momentos, inúmeros, que alimentam sentimentos e uma convicção: mais que simples marca temporal, há muito a ser celebrado nestes 300 anos de devoção.

O fenômeno religioso e evangelizador de Aparecida comprova a presença qualificada, com força educativa, da Mãe Maria na vida do povo brasileiro. Reconheça-se: considerando toda a história, apenas um ser humano teve a capacidade de atravessar os séculos mantendo a força para inspirar diálogos e congregar pessoas. É Maria, a Mãe de Deus, a filha predileta do Pai, a esposa do Espírito Santo. Nos mais de dois mil anos de cristianismo, Nossa Senhora sempre inspirou a evangelização. Na história de muitos povos, a exemplo dos latino-americanos, a presença de Maria chegou antes mesmo dos missionários. Assim, ao redor da Mãe, o povo se reúne para rezar e viver em fraternidade. E consolidam-se na interioridade dos incontáveis devotos as marcas da misericordiosa piedade, com força para amalgamar corações, famílias e grupos de diferentes pessoas. Uma congregação pela força do silêncio que, muitas vezes, se contrasta com o habitual palavrório de diversas espiritualidades contemporâneas.

A devoção mariana contribui, nesse sentido, para desenvolver o gosto pela verdade.  E onde falta quem desempenhe a tarefa de proclamar a Palavra, a presença de Maria, compreendida sempre como Mãe e Discípula, ensina, gera confiança, produz convicções em torno dos valores do Evangelho. Consequentemente, promove milagrosas conversões, que contemplam a reconquista da inteireza física, humana e espiritual. Mulher admirável, exemplar por sua escuta amorosa de Deus, que se transforma em obediência geradora de vida, Maria inspira cada pessoa a também ouvir o Criador – caminho que leva à clarividência necessária para compreender a realidade. A presença da Mãe de Deus, nesse sentido, não é simplesmente um refúgio, mas uma escola. Causa admiração e impacta saber que, a partir dos seus mais de mil títulos, Maria, com a sua simplicidade, entra na história de diferentes povos, culturas, línguas, nações. Contribui, desse modo, para que todos tenham a oportunidade de viver o Evangelho.  A devoção mariana promove, assim, o exercício qualificado da cidadania e cultiva o compromisso com a solidariedade fraterna.

Maria é, admiravelmente, discípula e mestra. Seu discipulado começa quando assume a maternidade divina, após ser escolhida por Deus-Pai.  Ela oferece o seu “sim” e torna-se Mãe do Verbo Encarnado, Jesus Cristo, o único Salvador.  E na condição de Mãe, Maria enobrece os corações. É intercessora e protetora. Nossa Senhora também é mestra, pois ensina todos a escutarem e a acolherem o chamado de Cristo: “Vem e segue-me.” Sua presença, desse modo, é orientação para que cada pessoa se torne discípulo de Cristo. Por isso, muito mais que a simples contagem de tempo, celebrar 300 anos de bênçãos em Aparecida – em cada santuário mariano, mundo afora, pequeno ou grande – é celebrar a configuração de uma escola. Em Aparecida, essa escola congrega mais de 12 milhões de peregrinos, todos os anos.

São corações tocados pela presença de Maria, na força simbólica da pequenina imagem da Padroeira do Brasil. A imagem de Nossa Senhora Aparecida, em diálogo com o olhar do peregrino, letrado ou simples, provoca ondas que se propagam na interioridade. Um fenômeno que gera conversão – a competência mística que possibilita enxergar o que é invisível, e muitas vezes indescritível por palavras. A força do diálogo com Deus se estabelece a partir da fé.

A Padroeira do Brasil, Maria, a Mãe de Jesus, em Aparecida, essa escola de 300 anos, é maestria que educa com beleza, singeleza e ternura, em rede com outros santuários marianos, permitindo ao povo brasileiro, para além da devoção, experiências que ajudam a consolidar o Evangelho de Cristo na vida. Louvado seja Deus por essa escola tricentenária, que reorienta, promove a cidadania, com a singular força da fé.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

 

TEIMOSIAS

Característica humana e tema complexo, a teimosia pode ser detalhada em uma poesia, gênero literário consagrado a partir de inspirados e talentosos autores. Nas, famílias e no exercício da cidadania.

Ser teimoso, culturas e na história, a poesia é um alicerce sustentador capaz de gerar o sentido necessário para a vida humana. Afinal, o que seria de nosso mundo sem a força poética? A poesia é um recurso imprescindível para pensar e agir com parâmetros que vão além do conhecimento técnico. E é nesse sentido, que a teimosia pode inspirar os poetas a novas composições capazes de transformar modos de agir a partir de diferentes sensibilidades. Mas, aqui, a reflexão sobre as teimosias se faz em prosa: um convite para que cada pessoa pense sobre o significado de ser “cabeça-dura” no contexto de instituiçõesintransigente, remete à ignorância, à falta de formação humanística. Evidencia também desajustes na dimensão psicoafetiva – obscuridade que gera uma postura fechada ao diálogo. Essa teimosia se alimenta e também contribui com a síndrome do pensamento único, que gera muitos danos. Há também, entre os diferentes tipos de teimosias, uma que não gera prejuízos. Trata-se da esperada perseverança em continuar agindo no bem e pelo bem, mesmo que sejam enfrentadas inúmeras dificuldades.

Esse tipo de teimosia permite não desistir, avançar sempre, até o fim, cultivando o compromisso de fazer o bem. Cada pessoa é desafiada a percorrer, assim, o itinerário da própria vida, como um peregrino, perseverante no exercício da bondade. Isso requer um processo de revisão pessoal. Além de buscar uma vida saudável do ponto de vista psicológico, esse exercício exige vencer os radicalismos. É preciso, pois, debelar o crescimento assustador das intolerâncias que alimentam preconceitos e acirram as disputas. Desse modo serão enfrentados diferentes tipos de violência – desde torcedores que se matam em nome da paixão por um time de futebol a atiradores que atacam multidões.

Para avaliar criticamente se a teimosia é construtiva ou prejudicial, deve-se rastrear as dinâmicas da estrutura psicológica de cada pessoa. Nesse processo, é preciso observar se há alguma “enfermidade” que compromete a insubstituível competência moral, tão necessária para o fecundo exercício da cidadania, cultivo da honestidade, adoção de gestos marcados por fraterna solidariedade. As teimosias patológicas precisam ser combatidas por diferentes instituições – familiar, educativas, religiosas e tantas outras. Essas instituições sociais não podem ser reféns das loucuras de ditadores, das inoperâncias de quem quer apenas conquistar benefícios, sem priorizar a busca pelo bem do semelhante. É também questão prioritária de saúde pública investir no equilíbrio dos cidadãos, pois a violência, a incontrolável busca por dinheiro, o prazer mórbido pelo poder e outras situações que geram prejuízos para a sociedade podem ser loucuras que merecem tratamento.

Importante destacar ainda o dever das instituições que se dedicam aos processos de formação humana. Essas instituições precisam combater a “síndrome do pensamento único”, capaz de formar agrupamentos a partir de objetivos questionáveis, gerando campo fértil para fundamentalismos e radicalismos.  Nas instituições, a “síndrome do pensamento único” ainda faz com que pessoas se encastelem nos seus próprios posicionamentos, trazendo prejuízos tanto para o indivíduo, fechado ao diálogo, quanto para o lugar de onde recebe seu sustento.  Essas teimosias descompassam a sociedade.

Por isso, a humanidade precisa investir na compreensão das diferentes teimosias. O desafio é contribuir para cultivar um jeito teimoso que signifique dedicar, perseverantemente, à prática do bem, sem nunca desistir. Desse modo, os projetos e as causas que contribuam para a paz no planeta, a Casa Comum, ganharão mais apoiadores.  Haverá uma teimosia crescente que se desdobra no altruísmo, capacidade humana de agir pelo bem, de não desistir dos bons projetos, ainda que demorem décadas para serem assimilados e compreendidos. Essa é a teimosia da perseverança no bem, na verdade e na luta pela justiça, que não permite radicalismo ou fundamentalismo, alicerça-se sempre na busca pelo diálogo.

 

Dom Walmor Oliveira de Azevedo Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte

Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário realiza XV Semana Temática

Todos os anos o Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário realiza uma semana de estudos denominada SEMANA TEMÁTICA. Cada ano essa Semana fica a cargo dos alunos de um dos cursos: Filosófico ou Teológico, que estudam no Seminário. Os alunos de um dos cursos fazem toda a organização e preparação.

Por ocasião das comemorações dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, a Semana Temática desse ano de 2017, foi pensada na temática do Ano Mariano; sendo pois: O Culto e a Devoção Mariana na História da Igreja no Brasil. Esta Semana Temática foi organizada pelos alunos do 4º Ano do curso de Teologia. A Semana Temática está acontecendo dos dias 2 a 6 de outubro quando celebraremos dia 6 a festa da padroeira do Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário; durante esses dias acontecem Celebrações Eucarísticas.

Na última terça-feira dia 3, a Celebração Eucarística foi presidida por Padre José Aparecido de Pinho, Vigário Geral da Diocese de Guanhães. Dentre os Mestres e Doutores que vieram fazer as conferências de cada dia, contamos com a presença ilustre da Irmã Dra. Lina Boff.  Ela explanou sobre a virgem Maria nas Sagradas Escrituras e nas Romarias. Foram momentos únicos e oportunos para aprofundar o conhecimento sobre a Virgem Maria, e o verdadeiro culto na Igreja à mãe de Deus e nossa.

Fotos disponibilizadas pela equipe organizadora da XV Semana Temática, acesse o site para ver outras fotos e acompanhar tudo que está acontecendo: www.semanatematica.com

ANIVERSARIANTES MÊS DE OUTUBRO

  Presbíteros
02 Pe. José Geraldo da Silva Nascimento
20 Pe. João Gomes Ferreira Nascimento
26 Pe. Eduardo Dornelas da Cruz Ordenação
27 Pe. Dilton Maria Pinto Nascimento
31 Pe. Saint-Clair Ferreira Filho Nascimento

 

  Seminarista
16 Alisson Sandro Anacleto da Silva (Guanhães) Nascimento

 

  Consagrada
06 Maria do Carmo Crizante (Rio Vermelho – Cooperadora da Família) Nascimento

 

  Funcionários/Colaboradores
21 Nisléia Ramos da R. Nascimento (Catedral) Nascimento
24 Meire Ane (Rádio Vida Nova FM) Nascimento

 

XV SEMANA TEMÁTICA – TEOLÓGICA

O Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário de Caratinga-MG, realizará entre os dias 02 e 06 de outubro a XV Semana Temática – Teológica. O tema abordado será “O Culto e a Devoção Mariana na História da Igreja no Brasil”. O evento é aberto ao público e as inscrições poderão ser realizadas pelo site: http://www.semanatematica.com/home/

 

Diocese Abre Inscrições Para Curso de Teologia

“Eu sempre fiz teologia em vista da pregação e da pastoral.” (Karl Rahner)

 Inspirados neste pensamento do teólogo Rahner, compartilhamos nossa alegria enquanto Igreja em poder oferecer, através da Escola Diocesana de Teologia Pastoral, uma sólida formação bíblico-teológica e espiritual aos irmãos e irmãs de nossas comunidades que no exercício dos diversos ministérios leigos colaboram na missão evangelizadora como sujeitos na Igreja e na sociedade (cf. Doc. 105 da CNBB). A Escola Diocesana de Teologia Pastoral está com as inscrições abertas até o dia 30 de novembro próximo para a formação de uma nova turma (2018-2020).

Queremos acolher agentes de pastoral de nossas paróquias; homens e mulheres de boa vontade, que demonstram amor a Cristo e à Igreja, através de uma participação fecunda na vida cotidiana pastoral da Paróquia; demonstre maturidade psicológica, afetiva e humana para a convivência fraterna; apresente a ficha de inscrição assinada pelo Pároco ou Administrador Paroquial; tenha idade igual ou superior a 21 anos e ao menos o Ensino Fundamental Completo.

O curso será programado para 50 alunos e as vagas serão preenchidas por ordem de chegada das inscrições. A ficha de inscrição e as demais orientações sobre o funcionamento da Escola de Teologia serão encaminhadas para as paróquias por e-mail. A inscrição, com a ficha preenchida, poderá ser feita pessoalmente na Cúria Diocesana ou por e-mail: mitraguanhães@gmail.com.

O Curso de Teologia Pastoral (2018-2020) terá duração de três anos ou 224 horas/aula, começando em Fevereiro de 2018 e encerrando em novembro de 2020. As quatorze disciplinas serão distribuídas em 28 módulos (cada módulo corresponde a 8 h/a) e estes módulos serão desenvolvidos mensalmente, aos terceiros sábados (exceto nos meses de Janeiro e Julho).

“O agente de pastoral, que deseja amadurecer sua fé para exercer melhor seu ministério leigo, deve entrar em contato com o padre de sua paróquia e ver a possibilidade de se inscrever no curso.” Disse o coordenador do curso, Seminarista André. “Será uma alegria acolher e colaborar com o crescimento de cada um.” Frisou.

 

Seminaristas da Diocese de Guanhães fazem Retiro Espiritual

Aconteceu entre os dias 4, 5 e 6 de setembro em Caratinga, o retiro espiritual dos seminaristas do curso de Filosofia do Seminário Diocesano Nossa Senhora do Rosário, onde os seminaristas da Diocese de Guanhães se preparam para o ministério presbiteral. O encontro realizou-se na casa de formação, Instituto Nossa Senhora das Graças (Patronato). Foram três dias de muita oração, espiritualidade e indagações, que nos motivaram durante todo o encontro. O retiro foi conduzido pelo padre Agnaldo, pároco da Paróquia Santo Antônio em Ipanema MG Diocese de Caratinga; tendo como tema “Espiritualidade e Afeto”. Também esteve presente padre Adair, diretor espiritual do S.D.N.S.R. para o curso de Filosofia. Tivemos momentos animados com cantos e reflexões que nos ajudaram a aprofundar o tema proposto.

“ O retiro espiritual para mim foi engrandecedor quanto se fala em relações humanas em seus encontros afetivos sem esquecer é claro da espiritualidade que nos envolve. Consegui neste retiro entender um pouco mais do humano demasiado humano, mas sobretudo o progresso que se pode fazer quando se entende seus afetos. Assim vale apena meditar como Jeremias 18, 6 “Como barro nas mãos do oleiro assim estão vocês em minhas mãos” e a cada dia construindo com as graças de Deus um pouco de nossa história que deve sempre visar a salvação das almas e a glória de Nosso Senhor Jesus Cristo”. Assim nos disse, Vinícius Lucas Pereira Brandão, seminarista do 3° ano de Filosofia (Diocese de Guanhães).

Na oportunidade agradecemos a Deus pela oportunidade de retirar-nos para rezar e viver momentos de adoração a Cristo Jesus; sempre na presença amável de nossa Padroeira, Nossa Senhora do Rosário.

Sem. Tharley Kelves Borges de Oliveira

2° ano de Filosofia

Diocese de Guanhães

 

 

 

Aniversariantes do Mês de Setembro

Setembro Bispos e Clero
01 Pe. Mário Gomes da Silva Nascimento 1947
06 Pe. João Carlos Sousa Nascimento 1981
08 Dom Marcello Romano Ordenação Episcopal
16 Dom Marcello Romano Posse Canônica Araçuaí
22 Dom José Maria Pires Ordenação Episcopal (falecido em 2782017)
27 Pe. Elair Sales Diniz Nascimento 1930

 

Setembro Seminaristas
23 Tharley Kelves Nascimento 1994
26 Edimilson Henrique Cândido Nascimento 1977

 

Setembro Religiosas e Consagradas
07 Maria Raquel M. Duarte (Guanhães – Coop. Família) Nascimento
19 Gracíula Gonzaga (Guanhães – Coop. Família) Nascimento

 

Setembro Colaboradores/Funcionários
08 Ronion Barroso – Rádio Vida Nova FM Nascimento

Por que tanta ansiedade?

Para muitos, o dia começa bem cedo, às 5h da manhã, ou talvez um pouco mais tarde, às 6h, às 7h. Mas, o fato é que as atividades do dia a dia têm gerado um comportamento diferente de antigamente: a ansiedade!

Levantamos com pressa, agitados, preocupados, muitas vezes já repassando na cabeça as atividades que estão por vir. E, ao final do dia, fazemos a mesma coisa antes de dormir. Deitamos pensando em tudo o que foi feito, o que deixamos de fazer, mexemos no celular, planejamos o dia de amanhã e ainda queremos não apresentar nenhum sintoma físico e psíquico. Claro que se organizar mentalmente para as atividades é um exercício excelente! Porém desde que feito com equilíbrio, sem pressão e cobrança.

Diante desse cenário, será que o corpo e a mente suportam tudo isso por muito tempo, sem manifestar nenhuma reação? Não! Muitos brasileiros sofrem algum tipo de transtorno de ansiedade e nem percebem. Seja porque se tornou comum ser ansioso ou porque não se tem tempo nem mesmo de olhar para o que está acontecendo consigo.

Atualmente, na América Latina, o Brasil é considerado o país com maior taxa de pessoas com transtorno de ansiedade. Este dado foi apresentado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em fevereiro deste ano. De acordo com a OMS, 9,3% dos brasileiros vivem com algum tipo de transtorno de ansiedade. Líder no ranking, o Brasil se supera as taxas indicadas nos demais países da região, que tem o Paraguai em segundo lugar, com 7,6%, e em terceiro o Chile, com 6,5%.

Tudo isso porque o ser humano tem sido impulsionado a dar sempre uma resposta correta e imediata diante das pressões recebidas. Isso já começa cedo, com nossas crianças. Com frequência, ouvimos pais falando das necessidades de seus filhos e assumindo o seguinte discurso: “criança precisa fazer esporte, estudar e ter aula de língua estrangeira, se quiser ser alguém no futuro”. E assim, preenchem a agenda dos pequenos com responsabilidades que são saudáveis, mas que juntas e com cobrança de um ideal, se tornam nocivas. Desta forma, o ser humano vai sendo moldado para um mundo urgente, no qual as respostas precisam ser corretas e imediatas.

Você sabia que ansiedade, a grosso modo, é medo de algo que não existe, mas gera sensações reais? É como se olhasse para um gato deitado, dormindo, inofensivo e enxergasse um leão faminto pronto para atacar. A situação real é uma, mas a forma de ver o problema e as situações cotidianas da vida é outra.

Ao longo da vida, vamos construindo verdades sobre nós. No entanto, essas verdades podem ser saudáveis ou não. A questão é, quando essas ideias sobre si mesmo não são saudáveis, e ficam expostas a este mundo agitado, exigente, que espera uma resposta constantemente. Aí, o que existe de pior em nossos pensamentos vem para fora.

Por que tanta ansiedade? Porque nossos medos mais secretos vão sendo “cutucados” e, quando menos esperamos, nosso corpo reage com suor, calor, dor de barriga, dor de cabeça, taquicardia e tantas outras coisas. O medo do fracasso, de não conseguir, de não suportar, de ser abandonado, rejeitado, desamparado, humilhado, entre outras ideias, assaltam nossos pensamentos, gerando um comportamento ansioso.

O mundo de hoje é exigente, nos expõe muito e descarta o que não serve. Todo esse movimento exige uma resposta que muitas vezes não é real e, por medo, violentamos nosso corpo e nossa mente para conseguir dar conta.

Entretanto, se permitir ser humano, real, alguém que não é medido pelo que faz, mas pelo que é, é um caminho saudável para dominar esse mundo tão ansiogênico. Seja gente, e não um super herói!

*Aline Rodrigues é psicóloga, especialista em saúde mental, e missionária da Comunidade Canção Nova. Atua com Terapia Cognitiva Comportamental; no campo acadêmico, clínico e empresarial.

A Palavra do Pastor
Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

O sopro do Concílio nos desafiou a assumir as alegrias e tristezas, angústias e esperanças da humanidade, como Igreja de...
Read More
Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Todos os dias são dias de missão, e a Igreja que vive no tempo é missionária, por sua natureza, tendo...
Read More
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto:

Arquivo