A inexplicável Misericórdia Divina nos faz novas criaturas- IV Domingo do Tempo da Quaresma – Ano C

“Irmãos, se alguém está em Cristo, é uma criatura nova.

O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo.” (2Cor 5, 17)

No 4º Domingo da Quaresma (Ano C) refletimos sobre o ser de Deus que é misericórdia, bondade e Amor.

Um Amor paciente, eterno, gratuito, inquebrantável, reintegrador, assim é o Amor divino que revela a lógica da misericórdia que é superior à lógica da justiça.

É o “Domingo Laetare”, Domingo da alegria, da reconciliação e da renovação, que começa a despontar em nosso coração, no horizonte que transcende a própria morte: a Ressurreição.

Na passagem da primeira Leitura (Js 5,9a.10-12), vemos que o tempo novo, a terra nova  serão frutos da reconciliação com Deus e com os irmãos (segunda Leitura – 2 Cor 5,17-21) na prática da misericórdia (Evangelho – Lc 15,1-3.11-32).

Deus tem para com a humanidade um olhar de amor, incansável e irrenunciável, não obstante a nossa pobreza, desobediência, incoerência e infidelidade.

Um olhar que confere dignidade, pertença, alegria e festa: “estávamos perdidos e fomos encontrados, estávamos mortos e voltamos a viver”.

Como discípulos missionários do Senhor, não basta ser justo, fazer tudo bem, é preciso reconciliar, reintegrar os que se perderam, eis aqui o grande desafio: não se contentar com os santos, mas santificar os não santos.

Não se afastar da corrente do Amor de Deus, de Sua misericórdia, que é a verdadeira fonte revelada por Jesus que não veio para condenar o mundo, mas veio para salvá-lo (Jo 12,47).

Este é o grande desafio: ser uma Igreja que não se constitui na comunidade dos que não erram, dos que não caem.

A Igreja é a comunidade dos pecadores que querem voltar ao Pai, dos que ajudam a retomar o caminho, não julgando e nem condenando, nem se tornando obstáculo para quem deseja a reconciliação, a graça de se tornar uma nova criatura.

Por isto, a Assembleia Eucarística é essencialmente o lugar da vivência e acolhida do perdão do Pai, que está sempre de braços abertos para nos acolher e nos envolver com laços de ternura; sempre pronto a Se entranhar no mais profundo de nós por Sua misericórdia.

Assim fez Jesus, e por isto assumiu um Amor incondicional e eterno, morrendo na Cruz, fazendo da Cruz a máxima expressão da misericórdia divina, que é sem limites.

Dando mais um passo neste Itinerário Quaresmal, nosso coração seja iluminado com o esplendor da Graça divina, renovado pela misericórdia infinita de Deus, de modo que pensemos e procuremos o que é reto e amemos a Deus de todo o coração, com toda força, alma e entendimento.

Amemos a Deus com todo o nosso ser, e a cada criatura d’Ele, como expressão do autêntico amor que tem dupla face: amor a Deus e o amor ao próximo.

Voltemos para a alegria e ternura divinas, que nascem do perdão experimentado e vivenciado. O que conta para Deus não é o passado, a lista de pecados que temos para apresentar, mas o abraço acolhedor que Ele está sempre pronto a nos dar.

Como o pai da Parábola, Deus está sempre nos esperando, e quando apontamos, ainda que distante, Ele sai correndo ao nosso encontro.

Este é o Deus que cremos e anunciamos e que Jesus nos revelou com Sua vida, doação e entrega total por Amor à humanidade, que nos comunicou a Vida Nova, enriquecendo-nos imensuravelmente pela presença de Seu Espírito.

Reflitamos:
  – Quais são os sinais de morte que precisam ser reconciliados, superados,      para que um mundo novo e um tempo novo sejam inaugurados?

– Quais são os opróbrios que nos pesam e dos quais Deus, por Sua misericórdia, quer nos libertar?

– Quais são e como são nossos olhares para as pessoas e para o mundo que clama pela acolhida e uma nova oportunidade?

Concluindo, a Misericórdia Divina se manifesta na acolhida, no Amor, no perdão, para que em Cristo sejamos uma nova criatura.

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: