A Misericórdia Divina e a nossa conversão – III Domingo da Quaresma – Ano C

A Misericórdia Divina e a nossa conversão

A Liturgia do 3º Domingo da Quaresma (Ano C) é um convite a repensarmos a nossa existência, para que sejamos homens novos e livres, com exigente mudança de mentalidade e atitudes.

Com a passagem da primeira Leitura (Ex 3,1-8a.13-15), somos exortados a viver em comunhão íntima com Deus, numa luta contra tudo quanto possa nos escravizar.

O Povo de Deus tem que manifestar sua fé e adesão e adoração a um Deus presente, que salva e liberta. De fato, Deus sempre Se manifesta onde há luta e compromisso com um mundo novo, afastando toda marca de egoísmo, comodismo, indiferença.

Reflitamos:

 –   Sentimos a presença de Deus caminhando conosco, atuando e nos libertando de todas as amarras que nos roubam a vida e a felicidade?

  –   Como correspondemos a esta presença?

A passagem da segunda Leitura (1Cor 10,1-6.10-12) nos ilumina sobre a nossa participação na Eucaristia, que exclui qualquer possibilidade de prática idolátrica.

O Apóstolo adverte aqueles que na comunidade se julgam fortes e iluminados, para que se tornem disponíveis para o serviço e, sobretudo, o amor incondicional para com os fracos e os menos iluminados.

É preciso esforços contínuos para a transformação radical da existência, recentrando a nossa vida nos valores divinos, com total adesão à vontade de Deus, sem jamais cair na prática idolátrica que nos afastaria da comunhão com Deus, escandalizando os pequeninos.

Jamais deixar de multiplicar esforços para uma vida marcada pela coerência e comunhão com Deus, no que consiste o essencial da vida cristã.

Reflitamos:

  –   Quando apenas parecemos cristãos e não o somos de fato?

  –   O que somos capazes de sacrificar por amor aos pequeninos preferidos de Deus, para não fragilizá-los e escandalizá-los?

  –   O que significa a celebração dos Sacramentos em nossa vida, sobretudo o Sacramento da Eucaristia?

  –   Quais são as possíveis marcas de coerência e incoerência na vida cristã?

Na passagem do Evangelho (Lc 13, 1-9), Jesus nos revela a face misericordiosa de Deus, que deseja de todos os modos a salvação da humanidade.

É um forte convite e apelo de conversão à novidade do Reino de Deus por Jesus inaugurado.

“Por maior que seja uma catástrofe que atinja os homens nos seus bens e até na sua sobrevivência terrena, muito mais grave é a catástrofe a que vai ao encontro quem não se abre à ação de Deus e não lhe responde.

Isto não significa que o Senhor seja um juiz vingativo e que o mal seja uma represália Sua. Pelo contrário, Ele é um Pai misericordioso, pronto a fazer mais festa por um só pecador que se tenha salvado do que por noventa e nove justos que O louvam (cf. Lc 15)” (1)

Deste modo, a fé em Jesus requer a nossa sincera conversão que consiste numa reorientação geral da própria vida, como resposta à ação misericordiosa de Deus por meio d’Ele, o Filho Amado, Jesus.

A onipotência divina pode ser contemplada em sua ação misericordiosa, sendo livre para perdoar e criando o bem mesmo onde ele não existe.

Da mesma forma sua transcendência ultrapassa a distância entre o céu e a terra como reza o Salmista (Sl 102,11).

Lamentavelmente, pode se confundir a paciência de Deus contemplada no Evangelho com a indiferença para com nossos pecados, e permissividade para a continuidade marcada por uma vida descomprometida e desordenada.

Jamais nos é permitido confundir misericórdia divina como cumplicidade e permissividade. Ao contrário, ela é uma força de Amor que rompe a dureza de nosso coração, incendeia com o fogo do Espírito a frieza do pecado.

Ela provoca que abramos a mente e o coração para um sincero e contínuo compromisso de conversão (Rm 2,4) de tal modo que nos tornemos misericordiosos como o Pai (Lc 6,36), e na solicitude para com os empobrecidos procuremos ter os mesmos sentimentos de Cristo Jesus ( Fl 2,5).

Reflitamos:

  –   Onde e quando Deus nos oferece oportunidades para conversão?

  –   O que entendemos como conversão da mente e coração?

  –   Quais são os frutos que expressam nossos esforços de conversão?

  –  De que modo correspondemos à bondade e paciência de Deus, sem o seu abuso?

  –   Como o tempo é breve, temos nos empenhado em busca sincera de conversão?

Demos um primeiro passo no itinerário Quaresmal quando recebemos as Cinzas e nos pusemos num caminho de conversão e fé no Evangelho, Boa Nova de Vida e Salvação; quando reconhecemos que somos pó e ao pó voltaremos, e nos propusemos por quarenta dias a viver os exercícios quaresmais (Oração, Jejum, Esmola).

No primeiro Domingo da Quaresma, fomos ao deserto com Jesus para aprendermos com Ele e n’Ele vencer as tentações do Maligno (ter/poder/ser).

No segundo Domingo, fomos à Montanha contemplar o Cristo Glorioso, ouvindo o que Ele tem a nos dizer, como Filho Amado e escolhido do Pai; descendo depois à planície do quotidiano, com coragem e fidelidade carregando nossa cruz em sinceros e renovados compromissos com os rostos desfigurados.

Hoje, a Palavra Divina nos adverte para ressoe em nosso coração o suave e forte apelo de conversão da mente e coração (metanoia), para que produzamos os frutos esperados por Deus.

Contemplar a misericórdia, compaixão, bondade divinas, sem jamais abusar da paciência de Deus.

A contemplação e correspondência ao Amor divino são verdadeiras quando nos fazem melhores, mais humanos, mais sinceros, mais fraternos.

Do deserto para a montanha, da montanha para a planície, pois é nela que os apelos de conversão se multiplicam. Quanto maior e mais sincera a nossa conversão, maior será a alegria da Páscoa a ser celebrada.

(1) Lecionário Comentado – P. 148

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: