Não há profecia sem a chama do Amor Divino- IV Domingo do Tempo Comum- Ano C

  • Não há profecia sem a chama do Amor Divino

No 4º Domingo do Tempo Comum (Ano C), continuamos a reflexão sobre a Missão de Jesus que é a missão da Igreja, sob a ação do mesmo Espírito que pousou sobre Ele e O acompanhou em todos os momentos na fidelidade ao Pai.

Nesta missão, como discípulos missionários, vivendo a vocação profética pelo Batismo, podemos viver experiências difíceis como perseguições, incompreensões, obstáculos a serem transpostos, mas o amor “ágape” fala sempre mais alto.

Na passagem da primeira Leitura (Jr 1,4-5.17-19), contemplamos a figura do Profeta Jeremias que foi escolhido, consagrado e constituído Profeta por Deus.

Como os demais Profetas, trilhou um árduo caminho de sofrimento, solidão, risco por possuir uma consciência crítica, ser defensor da verdadeira paz, nutrir a verdadeira esperança e confiança na defesa dos pobres, tudo fazendo por amor.

O Profeta é por excelência alguém que se encontrou com Deus e Sua Palavra e aceitou viver o desígnio divino. Ninguém é Profeta por iniciativa própria.

Enviado por Deus, vive o caminho profético, conjugando e vivendo os verbos denunciar, criticar, demolir, destruir, edificar e plantar, consumindo-se e vivendo intensamente a missão por Deus confiada.

Reflitamos:

 Ontem Jeremias, e hoje quem são os Profetas, aqueles que têm olhos voltados para Deus sem desviar o seu olhar para a realidade na qual estão inseridos?

 Onde e como vivemos a vocação profética recebida no dia de nosso Batismo?

 Como estamos conjugando e vivendo os verbos denunciar, criticar, demolir, destruir, edificar e plantar?

A passagem da segunda Leitura (1Cor 12,31-13,13) aparentemente desconectada da primeira e do Evangelho, mas apenas aparentemente, pois se a virtude do Amor divino não nos mover, não nos impulsionar, jamais viveremos a vocação profética, não suportaremos o peso da cruz a ser carregada, quotidianamente, com as renúncias necessárias.

Trata-se do “hino ao amor” que já inspirou poetas e Profetas. Há quem chame esta passagem de “o Cântico dos Cânticos da Nova Aliança”.

Paulo retrata o amor como o dom maior e eterno a ser vivido por todo aquele que segue Jesus, e que possui uma superioridade incontestável sobre qualquer outro carisma.

O caminho do amor é o caminho mais seguro, mais acessível a todos, e consiste no caminho insubstituível que conduz à Salvação.

Não se trata de um amor qualquer, trata-se do amor-‘ágape’, onde não há resquícios de egoísmo, mas é o amor gratuito, desinteressado, sincero, fraterno, que se preocupa com o outro, sofre pelo outro, que procura o bem do outro sem nada esperar em troca.

O Apóstolo enumera 15 características ou qualidades do verdadeiro amor, sendo sete apresentadas de forma positiva, e as outras de forma negativa.

Resumindo, a passagem pode ser dividida em três partes:

1 – O confronto entre a caridade e os carismas – (13,1-3);

2 – As características principais e operativas da caridade – (13,4-7);

3 – A perfeição da caridade e sua perenidade – (13,8-13).

Reflitamos:

– Qual é a qualidade do amor que vivemos na comunidade cristã?

 Vivemos o amor cristão, o amor “ágape”, o amor generoso, por pura gratuidade?

Na passagem do Evangelho (Lc 4,21-30) descreve a rejeição enfrentada por Jesus, quando desprezado pelos habitantes de Nazaré e pelos próprios parentes, por não compreenderem e não aceitarem a Sua missão.

A missão de Jesus frustra na medida em que não propicia espetáculos. O Deus a quem Jesus vive fidelidade até o fim tem uma séria proposta de salvação a ser concretizada na vida daquele que crê.

Assim como os Profetas, o próprio Senhor enfrentou a incompreensão, a incredulidade, a solidão, o risco, a doação e autoentrega de Sua vida.

Reflitamos:

 Quem é Jesus para mim? Qual Sua missão e como a vivo?

 Como vivo a minha fidelidade a Jesus, como discípulo missionário?

 Quais as incompreensões e rejeições que passo por causa do anúncio e testemunho da Boa-Nova?

 Sinto alegria em continuar, sob a ação do Espírito, como Igreja, a missão de Jesus?

Concluindo: O amor é o “motor” de nossa missão, o amor-“ágape”: Cristo que ama em nós. Somos vocacionados para o amor, para a profecia, sob a ação do Espírito Santo.

Se inflamados por este amor, continuaremos nosso caminho vivendo a vocação profética, sendo no mundo luz, da terra o sal, sem jamais perder o sabor.

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda http://peotacilio.blogspot.com/2020/02/nao-ha-profecia-sem-chama-do-amor-divino.html

A Palavra do Pastor
Amar como Jesus Ama: desafio e missão – Homilia – V Domingo da Páscoa – Ano C

Amar como Jesus Ama: desafio e missão – Homilia – V Domingo da Páscoa – Ano C

Amar como Jesus Ama: desafio e missão “Vede como eles se amam” (Tertuliano) A Liturgia do 5º domingo da Páscoa...
Read More
A voz do Bom Pastor – Homilia 4º Domingo da Páscoa – Ano C

A voz do Bom Pastor – Homilia 4º Domingo da Páscoa – Ano C

“Eu sou o Bom Pastor. Conheço as minhas ovelhas, e elas me conhecem,  assim como o Pai me conhece e Eu...
Read More

“Ele está no meio de nós!” Aleluia! – Homila III Domingo de Páscoa Ano C

“Ele está no meio de nós!” Aleluia! Com a Liturgia do terceiro Domingo da Páscoa (Ano B), refletimos sobre o modo de...
Read More
A Fé no Ressuscitado é missão de paz! Segundo Domingo Tempo pascal – Ano C

A Fé no Ressuscitado é missão de paz! Segundo Domingo Tempo pascal – Ano C

A Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano C), também chamado de Domingo da Misericórdia, nos convida a refletir sobre...
Read More
Páscoa do Senhor: Muito mais que sete verbos…

Páscoa do Senhor: Muito mais que sete verbos…

Quando o Domingo de Páscoa celebramos, Sete verbos aprendemos para conjugação, Nos tempos Pretérito, Presente e Futuro. Para quem acredita...
Read More
Celebremos a Vigília Pascal ( Ano C)

Celebremos a Vigília Pascal ( Ano C)

Para bem celebrar a Vigília Pascal, a antiquíssima Vigília, a Mãe de todas as Vigílias, sejamos enriquecidos pelo Sermão de...
Read More
Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor (Ano C)

Domingo de Ramos e da Paixão do Senhor (Ano C)

 “Contemplemos e fiquemos abismados diante da mais bela História do Amor de Deus por nós: Jesus Cristo, 0 Filho Amado...
Read More
A Quaresma e a“escala da perfeição”-   V Domingo da Quaresma Ano C.

A Quaresma e a“escala da perfeição”- V Domingo da Quaresma Ano C.

Quaresma, tempo favorável para penitência e privações, mas, sobretudo, tempo de conversão e regresso às fontes evangélicas, com início na...
Read More
“Vá e não peques mais” – Homilia V Domingo da Quaresma – Ano C

“Vá e não peques mais” – Homilia V Domingo da Quaresma – Ano C

No 5º Domingo da Quaresma (Ano C), a Liturgia da Palavra da Santa Missa nos convida a nos pormos de...
Read More
A inexplicável Misericórdia Divina nos faz novas criaturas- IV Domingo do Tempo da Quaresma – Ano C

A inexplicável Misericórdia Divina nos faz novas criaturas- IV Domingo do Tempo da Quaresma – Ano C

“Irmãos, se alguém está em Cristo, é uma criatura nova. O mundo velho desapareceu. Tudo agora é novo.” (2Cor 5, 17)...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: