A alegria cristã do Natal é fruto da conversão – 3° Domingo do Advento do Ano C

A alegria cristã do Natal é fruto da conversão

“Alegrai-vos sempre no Senhor” (Fl 4, 4)

O 3º Domingo do Advento é chamado de “Domingo Gaudete”, ou seja, Domingo da Alegria, pois está próxima a chegada do Senhor, cujo Natal vamos celebrar.

A Liturgia da Palavra (ano C) é um convite à preparação mais frutuosa, ativa e piedosa, para que esta alegria seja transbordante na Noite Feliz do Nascimento do Redentor da Humanidade.

Alegria que será fruto de nosso empenho de conversão profunda e sincera, como aparece explicitamente na Palavra proclamada.

A passagem da primeira Leitura (Sf 3,14-18a) retrata a realidade do século VII a. C, em que o povo vivia num contexto de pecado (adivinhação, magia, injustiças, idolatria, materialismo, relaxamento religioso, infidelidade), e o Profeta Sofonias faz um convite para que este volte a Javé vivendo na graça (fidelidade, esperança, alcançando a felicidade, vida em plenitude e salvação).

A passagem da segunda Leitura (Fl 4,4-7) foi escrita quando Paulo estava na prisão, e este fez suas recomendações à comunidade, para que vivesse na alegria, que se traduz numa prática de bondade, Oração e confiança em Deus.

Viver a alegria pela certeza de que a libertação que o Senhor prometeu está para chegar, agindo com mansidão e tolerância para com o próximo, acompanhada da confiança em Deus, numa abertura de diálogo apresentando a Ele as dores, dificuldades, tropeços, sem jamais perder a esperança, pois é próprio do Amor de Deus vir sempre ao nosso encontro.

Deus que nos ama, jamais nos abandona e esta é uma certeza que deve encher o coração dos discípulos de alegria.

Reflitamos:

– É Jesus, de fato, o fundamento de nossa alegria?

– Renovamos no Senhor, em Sua Palavra e na Eucaristia a verdadeira alegria?

Na passagem do Evangelho (Lc 3,10-18), uma grande pergunta foi feita a João Batista (e que se torna nossa): o que devemos fazer para preparar a chegada do Senhor?

A primeira grande atitude é a conversão, para corresponder melhor ao Amor de Deus, deixando de lado todo medo que cria bloqueios, pessimismos, angústias e sofrimentos.

O amor vivido nos faz crescer e nos introduz cada vez mais na vida nova que o Batismo propicia.

João apresenta três atitudes:

– Passar do egoísmo à partilha e à solidariedade.

– Passar da prática da injustiça à prática da justiça, vivendo uma vida na graça;

– Passar da violência à paz.

Estas atitudes, assumidas e aprofundadas no quotidiano, nos permitirão sentir a verdadeira alegria do Natal que Deus quer nos oferecer.

Alegria vivida acompanhada da prática da bondade, confiança, Oração e comunhão com Deus.

Nossa alegria será diretamente proporcional ao amor que possamos viver. Amor que o Bispo São Pedro Crisólogo (séc. V) assim descreveu:

O amor ignora as leis, não tem regra, desconhece medida. O amor não desiste diante do impossível, não desanima diante das dificuldades”.

Estamos nos aproximando do Natal. Não percamos tempo em questões fúteis e enganadoras. Ponhamo-nos mais do que nunca numa atitude de abertura e conversão, para que a verdadeira alegria seja sentida por todos nós no Natal, pois celebraremos o Nascimento da Fonte Divina da Alegria, do amor, da bondade, da ternura, da mansidão, da solidariedade: Jesus.

Temos sempre algo a mudar em nossa vida. Se quisermos sentir alegria cristã do Natal a conversão é uma necessidade que se nos impõe.

 

Ainda é tempo e sempre será tempo de sincera conversão para um Santo Natal.

A Palavra do Pastor
O fogo purificador do amor de Deus – Homilia XX Domingo do Tempo Comum Ano C

O fogo purificador do amor de Deus – Homilia XX Domingo do Tempo Comum Ano C

Com a Liturgia do 20º Domingo do Tempo Comum (ano C), refletimos sobre a radicalidade da missão, como discípulos missionários...
Read More
A vigilância e a espera ativa

A vigilância e a espera ativa

Com a Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (Ano C), refletimos sobre a vigilância, a pobreza e a busca...
Read More
“Buscai as coisas do alto” – XVIII Domingo do Tempo Comum- Ano C

“Buscai as coisas do alto” – XVIII Domingo do Tempo Comum- Ano C

“Buscai as coisas do alto” A Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (Ano C) nos convida a refletir sobre...
Read More
“Mestre, ensina-nos a rezar” _ Homilia

“Mestre, ensina-nos a rezar” _ Homilia

“ “Mestre, ensina-nos a rezar” A Liturgia da Palavra do 17º Domingo do Tempo Comum (Ano C) nos convida à...
Read More
A Igreja do Bom Samaritano – Homilia XV do Tempo Comum -Ano C

A Igreja do Bom Samaritano – Homilia XV do Tempo Comum -Ano C

“Mestre, que devo fazer para receber em herança a vida eterna?” Com a Liturgia do 15º Domingo do Tempo Comum...
Read More
Pedro e Paulo, o Amor de Cristo os seduziu – Homilia

Pedro e Paulo, o Amor de Cristo os seduziu – Homilia

Pedro e Paulo, o Amor de Cristo os seduziu Celebramos a Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, que viveram total...
Read More
Livres para seguir o Senhor – XIII Domingo do Tempo Comum Ano C

Livres para seguir o Senhor – XIII Domingo do Tempo Comum Ano C

A Liturgia do 13º Domingo do Tempo Comum (Ano C) nos convida a refletir sobre o discipulado na fidelidade ao...
Read More
Assumir a Cruz quotidiana com a força da Oração – 12º Domingo do Tempo Comum

Assumir a Cruz quotidiana com a força da Oração – 12º Domingo do Tempo Comum

A Liturgia do 12º Domingo do Tempo Comum (Ano C) nos interroga a respeito de Jesus: Quem é Ele para...
Read More
Pentecostes: O Espírito Santo de Deus nos foi enviado 

Pentecostes: O Espírito Santo de Deus nos foi enviado 

“Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós. Recebei o Espírito Santo” Com a Solenidade de...
Read More
Ascensão: irradiar amor, vida e alegria – Homilia – Solenidade da Ascensão do Senhor

Ascensão: irradiar amor, vida e alegria – Homilia – Solenidade da Ascensão do Senhor

“Ali ergueu as mãos e abençoou-os” (Lc 24,50) A Solenidade da Ascensão aponta para o fim último de todos nós,...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: