A alegria cristã do Natal é fruto da conversão – 3° Domingo do Advento do Ano C

A alegria cristã do Natal é fruto da conversão

“Alegrai-vos sempre no Senhor” (Fl 4, 4)

O 3º Domingo do Advento é chamado de “Domingo Gaudete”, ou seja, Domingo da Alegria, pois está próxima a chegada do Senhor, cujo Natal vamos celebrar.

A Liturgia da Palavra (ano C) é um convite à preparação mais frutuosa, ativa e piedosa, para que esta alegria seja transbordante na Noite Feliz do Nascimento do Redentor da Humanidade.

Alegria que será fruto de nosso empenho de conversão profunda e sincera, como aparece explicitamente na Palavra proclamada.

A passagem da primeira Leitura (Sf 3,14-18a) retrata a realidade do século VII a. C, em que o povo vivia num contexto de pecado (adivinhação, magia, injustiças, idolatria, materialismo, relaxamento religioso, infidelidade), e o Profeta Sofonias faz um convite para que este volte a Javé vivendo na graça (fidelidade, esperança, alcançando a felicidade, vida em plenitude e salvação).

A passagem da segunda Leitura (Fl 4,4-7) foi escrita quando Paulo estava na prisão, e este fez suas recomendações à comunidade, para que vivesse na alegria, que se traduz numa prática de bondade, Oração e confiança em Deus.

Viver a alegria pela certeza de que a libertação que o Senhor prometeu está para chegar, agindo com mansidão e tolerância para com o próximo, acompanhada da confiança em Deus, numa abertura de diálogo apresentando a Ele as dores, dificuldades, tropeços, sem jamais perder a esperança, pois é próprio do Amor de Deus vir sempre ao nosso encontro.

Deus que nos ama, jamais nos abandona e esta é uma certeza que deve encher o coração dos discípulos de alegria.

Reflitamos:

– É Jesus, de fato, o fundamento de nossa alegria?

– Renovamos no Senhor, em Sua Palavra e na Eucaristia a verdadeira alegria?

Na passagem do Evangelho (Lc 3,10-18), uma grande pergunta foi feita a João Batista (e que se torna nossa): o que devemos fazer para preparar a chegada do Senhor?

A primeira grande atitude é a conversão, para corresponder melhor ao Amor de Deus, deixando de lado todo medo que cria bloqueios, pessimismos, angústias e sofrimentos.

O amor vivido nos faz crescer e nos introduz cada vez mais na vida nova que o Batismo propicia.

João apresenta três atitudes:

– Passar do egoísmo à partilha e à solidariedade.

– Passar da prática da injustiça à prática da justiça, vivendo uma vida na graça;

– Passar da violência à paz.

Estas atitudes, assumidas e aprofundadas no quotidiano, nos permitirão sentir a verdadeira alegria do Natal que Deus quer nos oferecer.

Alegria vivida acompanhada da prática da bondade, confiança, Oração e comunhão com Deus.

Nossa alegria será diretamente proporcional ao amor que possamos viver. Amor que o Bispo São Pedro Crisólogo (séc. V) assim descreveu:

O amor ignora as leis, não tem regra, desconhece medida. O amor não desiste diante do impossível, não desanima diante das dificuldades”.

Estamos nos aproximando do Natal. Não percamos tempo em questões fúteis e enganadoras. Ponhamo-nos mais do que nunca numa atitude de abertura e conversão, para que a verdadeira alegria seja sentida por todos nós no Natal, pois celebraremos o Nascimento da Fonte Divina da Alegria, do amor, da bondade, da ternura, da mansidão, da solidariedade: Jesus.

Temos sempre algo a mudar em nossa vida. Se quisermos sentir alegria cristã do Natal a conversão é uma necessidade que se nos impõe.

 

Ainda é tempo e sempre será tempo de sincera conversão para um Santo Natal.

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: