Dois Mandamentos inseparáveis: amor a Deus e ao próximo

No 31º Domingo do Tempo Comum (ano B), a Liturgia nos convida a refletir sobre o amor a Deus e ao próximo, inseparavelmente.

Na passagem da primeira Leitura (Dt 6,2-6), temos a apresentação do “Shema’Israel”, que é a solene proclamação de fé que todo o israelita devia fazer diariamente, desde os finais do século I, pela manhã e tarde.

Esta proclamação afirma a unidade de Deus e ao mesmo tempo convida a amá-Lo com todo o coração, toda a alma e com todas as forças. Somente Deus é Nosso Senhor e o único, o verdadeiro caminho para a vida.

“Escuta Israel”: há que se “ouvir” com os ouvidos e “acolher” no coração”, para “transformar em ação concreta” aquilo que se ouviu e se acolheu.

Deste modo nosso amor a Deus deve ser manifestado em gestos concretos que expressem nossa obediência incondicional a Ele e Seus planos para nós, com total entrega em suas mãos, com a aceitação e vivência de seus mandamentos e preceitos.

Na passagem da segunda Leitura (Hb 7,23-28), o autor da Epístola nos apresenta Jesus Cristo, o Sumo Sacerdote que veio ao mundo para realizar o plano salvador do Pai para toda a humanidade, na obediência e entrega de Sua vida por amor, amando-nos até o fim.

Jesus Cristo é o Sumo-Sacerdote, o santo, inocente, imaculado e separado dos pecadores, e elevado acima dos céus, porque pertence à esfera do Deus Santo.

Ele é o Sacerdote por excelência que o Pai enviou ao mundo, convidando-nos para que nos integremos à comunidade do Povo Sacerdotal.

O culto que Ele pede e espera de nós, gerador de vida nova, é a obediência aos Seus projetos e o amor ao próximo.

Na passagem do Evangelho de Marcos (Mc 12,28b-34), Jesus nos apresenta os inseparáveis mandamentos: amor a Deus e ao próximo, que devem ser expressos em relações de doação, partilha e solidariedade.

A passagem nos apresenta Jesus em Jerusalém, no centro da cidade, onde dará os últimos passos do caminho percorrido com os discípulos, desde a Galileia.

Mais uma vez, Jesus enfrenta os líderes religiosos de Seu tempo, após as questões polêmicas do tributo a César e da Ressurreição (não acreditada pelos Saduceus), Ele é interrogado sobre qual é o maior Mandamento.

Consideremos que os fariseus conservavam 613 mandamentos (sendo 365 proibições e 248 prescrições). Um verdadeiro emaranhado de preceitos e prescrições.

Evidentemente, os pobres estavam impossibilitados deste conhecimento, e por eles eram considerados impuros e distantes de Deus.

À pergunta feita pelo escriba sobre qual seria o primeiro de todos os Mandamentos, assim respondeu Jesus: 

“E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes” (Mc 12, 29-31).

 O Mandamento do Amor é o resumo de toda a Lei, pois a vida cristã consistirá em amar como Jesus ama ao Pai, com Seu Espírito – o Amor Trinitário.

Na verdade, os dois Mandamentos são o resumo de toda a Bíblia: que a vontade de Deus seja feita, numa entrega quotidiana de amor em favor do Reino, fazendo da vida um dom total de si mesmo, como Jesus o fez – o Missionário amado pelo Pai, na força do Espírito, o Amor que nos acompanha em todos os  momentos.

Amando a Deus, escutaremos Sua palavra e haveremos de nos empenhar no cumprir da vontade divina. No amor aos irmãos, haveremos de nos solidarizar com todos os que encontrarmos pelo caminho. O amor, a solidariedade, o serviço, a partilha, o dom da vida em favor do outro nos fazem adoradores de Deus, em espírito e verdade.

Na vivência do amor a Deus e ao próximo, Jesus fez cair as máscaras da hipocrisia de Seus opositores, que conhecedores da Lei, do Mandamento divino, mas tão apenas conhecedores, pois não os colocavam em prática, como Ele o fez em relação aos pequeninos, aos pobres, aos enfermos, aos marginalizados.

Bem sabemos que este amor que ama até o fim incomodou aqueles bem estabelecidos, porque com os preferidos de Deus jamais comprometidos.

Tudo que Deus faz é simplesmente por amor, e esta é essencialmente a marca de Seu agir. Assim, tudo quanto fizermos, tanto os gestos mais grandiosos de fidelidade, quanto os menores, se ausente o amor, perdem a sua beleza e consistência.

Acrescentemos uma afirmação do Bispo Santo Agostinho: “Esses dois Preceitos devem ser sempre lembrados, meditados, conservados na memória, praticados, cumpridos. O amor de Deus ocupa o primeiro lugar na ordem dos Preceitos, mas o amor do próximo ocupa o primeiro lugar na ordem da execução. Pois, quem te deu esse duplo preceito do amor não podia ordenar-te amar primeiro ao próximo e depois a Deus, mas primeiramente a Deus e depois ao próximo”.

Concluindo, o Papa Emérito Bento XVI, em sua Encíclica “Deus caritas est”, assim afirmou: “O amor ao próximo é também uma estrada que conduz a Deus. Não amar o próximo é tornar-se míope de Deus”.

Reflitamos:

 –   Como vivemos os Dez Mandamentos da Lei de Deus?
–   De que modo amamos e servimos ao Deus Vivo e Verdadeiro?

–   Existe algum ídolo que nos afasta deste Deus?
–   Como é a nossa relação com Deus e com nosso próximo?

Oremos:

Ó Deus de Amor, suplicamos o Vosso Espírito Santo, Espírito de Amor, para que vivamos um amor verdadeiro, fiel, profundo e sofredor, para que mais configurados ao Vosso Filho sejamos e vivamos a fidelidade aos ensinamentos e Mandamento do Amor, curados de toda a miopia espiritual, e assim, a Trindade amar na primeira ordem dos preceitos e ao próximo em primeiro lugar na ordem da execução. Amém.

Fonte inspiradora: www.Dehonianos.org/portal

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

http://peotacilio.blogspot.com/2021/10/dois-mandamentos-inseparaveis-amar-deus.html

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: