O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

 

No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste na formação de uma comunidade de amor, estável e indissolúvel, que seja reflexo do próprio Amor de Deus.

A passagem da primeira Leitura (Gn 2,18-24) fala da união do homem e mulher pelo vínculo do matrimônio, formando uma só carne. Uma comunhão de amor indissolúvel; um amor que é mais forte do que qualquer outro vínculo, de modo que uma vida compartilhada é caminho para a felicidade a ser alcançada.

O texto é antes uma catequese sobre a origem da vida. A criação de Deus somente se completa com a criação da mulher.

O sono profundo revela que a criação é um “segredo de Deus” e a mulher goza de igualdade, complementaridade em relação ao homem (não há qualquer possibilidade de uma relação de dominação e dominado, de escravidão, prepotência, egoísmo, machismo…).

O que deve ser buscado é a unidade a que estão destinados, vivendo em comunhão um com o outro.

Portanto, somos vocacionados para o amor. A solidão (mesmo acompanhada de todos os bens) é caminho da infelicidade, da incompletude. O sentido da existência é a realização humana no amor, porque obra do Amor de Deus.

A passagem da segunda Leitura (Hb 2,9-11) nos fala da “qualidade do Amor de Deus” – uma doação até às últimas consequências. Assim também o casal cristão deve amar, na doação total e eterna, sem limites.

O autor escreve às comunidades que vivem uma realidade de desânimo, enfrentamento de dificuldades, perseguições, hostilidades.

Exorta a que não cedam às doutrinas não coerentes com a fé. Apresenta a superioridade de Jesus Encarnado, Morto e Ressuscitado que revela o incrível Amor de Deus pela humanidade, de que modo elas podem superar o medo paralisante da morte.

Assim, a comunidade pode enfrentar a injustiça, a opressão, as forças do mal que oprime a humanidade: quem viver como Jesus não fica prisioneiro da morte, mas tem em si a semente da vida verdadeira e eterna. Deve acolher e viver com alegria e fidelidade as propostas de Deus nos passos de Jesus, com a força do Espírito: amar, partilhar, servir, perdoar…

Na passagem do Evangelho (Mc 10, 2-16), diante da questão do divórcio, Jesus reafirma a indissolubilidade do matrimônio desde o princípio da criação.

A concessão ao divórcio deve-se à mediocridade humana, pelo matrimônio homem e mulher formam uma só carne, comunhão total, amor eterno.

Jesus coloca o matrimônio no patamar mais alto do amor: amor estável, duradouro e indissolúvel.

Acolher a Boa Nova do matrimônio na construção do Reino é testemunhar ao mundo a indissolubilidade deste Sacramento, passando pelo amor-doação, com entrega, renúncias e sacrifícios.

O casal deve contemplar no Amor de Cristo a fonte inspiradora e inovadora do matrimônio, que tem propriedades essenciais e irrenunciáveis: amor, liberdade, fidelidade, indissolubilidade, fecundidade.

O matrimônio cristão, dentro do Plano Divino, sinaliza para o mundo o Amor de Deus pelo Povo, o Amor de Cristo pela Igreja. O casal cristão, pelo amor vivido, viabiliza o movimento do Amor de Deus que é desde sempre e eterno.

É preciso que se edifique a família em bases sólidas, para que se evite o fracasso do amor. Com simplicidade e confiança, devem amadurecer num processo constante, fortalecendo os vínculos do amor, de modo que o Sacramento do matrimônio segue na contramão da sociedade, apresentando ao mundo a marca da indissolubilidade e indestrutibilidade da Aliança abençoada por Deus.

Evidentemente, a Igreja não deixa de reconhecer e acolher com misericórdia os casais que vivem em segunda união. Em nenhuma circunstância as pessoas divorciadas devem ser marginalizadas da vida da comunidade cristã. Esta deve em todos os instantes acolher, integrar, compreender, ajudar aqueles a quem as circunstâncias da vida impediram de viver o projeto ideal de Deus.

Entretanto, não se trata de renunciar, revogar o ideal que Deus propõe, antes é o testemunho da bondade e misericórdia de Deus para com todos que, por diversas razões não puderam realizar o ideal que um dia diante de Deus, do altar e de toda a comunidade, se comprometeram a viver.

Os Documentos da Igreja, sobretudo do Papa São João Paulo II, exortam ao acolhimento com misericórdia e envolvimento dos mesmos, em atividades de caridade para com o próximo.

Evidentemente que o acompanhamento de um Sacerdote é mais do que recomendável neste assunto (aqui, não é possível um amplo desenvolvimento).

Como vimos, o Sacramento do matrimônio é um dos sinais do Amor de Deus. Que em cada Eucaristia celebrada as forças sejam renovadas para sua solidificação e santificação.

Anunciemos e testemunhemos ao mundo o valor sagrado e irrevogável do Sacramento do matrimônio, para que tenhamos famílias sólidas e felizes, sem nunca esquecermos:

“Como Jesus não abandonou nem a Humanidade, nem a Igreja quando O pregavam na Cruz, assim cada Matrimônio contraído ‘no Senhor’ conserva a indissolubilidade da união entre Cristo e a Igreja, mesmo quando a Cruz está presente”  (1)

O casal cristão experimenta nas provações, dificuldades, ventos contrários, a presença e a ajuda de Cristo que dá força, conforto e esperança.

“Quem se reveste deste Espírito nos dias felizes, poderá continuar a viver desta mesma esperança nas horas difíceis da prova. E isto como a ‘criança’ que nos braços da mãe se sente segura, porque sabe acolher na transparência e na proximidade tudo o que lhe reserva a vida, certa do amor materno que a envolve” (2)

Que todos que desejam um dia contrair esta aliança indissolúvel de amor reflitam na beleza do sagrado compromisso, para serem mais um sinal do Amor eterno e indissolúvel de Deus pela humanidade.

     

(1) (2) Leccionário Comentado pág. 493.                                            

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda em http://peotacilio.blogspot.com/2020/10/o-sacramento-do-matrimonio-no-plano-de.html

A Palavra do Pastor
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: