Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:

 “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!”

No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a acolher a Palavra que nos apresenta Jesus, Aquele que, em comunhão com o Pai, cura, liberta, toca-nos com Seu ser e Sua Palavra.

Mais uma vez contemplamos o querer de Deus: a vida e a felicidade da humanidade.

A passagem da primeira Leitura do Livro do Profeta Isaías (Is 35,4-7a), retrata a fase final do exílio do Povo de Deus na Babilônia , é clara a intenção do Profeta de consolar os exilados, desanimados, frustrados e mergulhados no desespero, com a confiança indispensável na ação e força de Deus.

É missão do Profeta recuperar a esperança sem desanimar, mesmo quando há tudo para recomeçar.

O Profeta assegura que Deus não se esqueceu de Seu povo, e somente com Ele começará uma nova história. Deus realizará um novo êxodo, solene, grandioso e pleno de vida.

Transformando situações de desespero em confiança e alegria; situações de imobilismo dão espaço para a luta, o engajamento, o comprometimento.

Ontem como hoje, é preciso entregar-se e comprometer-se com Deus. No contexto de pós-modernidade em que vivemos se contrapõem dois olhares: o olhar de fé e esperança e o olhar de desespero.

Reflitamos:

– Estamos sendo Profetas da esperança, da experiência amorosa de Deus?

Com a passagem da segunda Leitura (Tg 2,1-5), aprendamos a acolher os mais necessitados, com quem Deus Se identifica, superando toda forma de exclusão.

A comunidade não pode perder os autênticos valores cristãos, evitando toda e qualquer forma de discriminação, multiplicando ações concretas e fortalecendo o compromisso social e comunitário. É viva a comunidade quando vive uma fé operativa.

Como toda comunidade, as tentações do poder, ter e ser devem ser enfrentadas, fortalecendo o compromisso com os empobrecidos, os preferidos de Deus, que biblicamente são os frágeis, pacíficos, simples, humildes, disponíveis, despojados e possuem ânsia de libertação.

O acolhimento dos pobres exige o despir-se do orgulho e da autossuficiência acolhendo com humildade, simplicidade e fidelidade os dons de Deus.

Reflitamos:

– Como é a acolhida dos pobres em nossas comunidades?

– Há acepção de pessoas em nossas comunidades?

– Nossa comunidade dá testemunho de amor, bondade, misericórdia e tolerância para com os irmãos?

– O que fazemos para a superação da discriminação e marginalização?

Na passagem do Evangelho (Mc 7,31-37),  Jesus com Sua Palavra e ação cura, liberta e integra a pessoa na vida da comunidade.

Contemplamos a Salvação de Deus que se destina a todos os povos. A pessoa do surdo, que falava com dificuldade, representa aquele que estava à margem da salvação no mundo judaico.

A cura deste é uma catequese sobre a missão de Jesus que faz nascer em nós o Homem novo.

O Encontro com Jesus transforma a vida da pessoa que O acolhe. Abre os ouvidos à Palavra, abre os lábios para o anúncio. Cura de toda “surdez” que possamos conceber.

Encontrar-se com o Senhor implica em acolher, acreditar, converter, anunciar e testemunhar a Sua Palavra de Vida Eterna.

O Encontro com Cristo tira-nos da mediocridade e nos desperta para o compromisso, empenho e testemunho. Saímos de nosso isolamento empobrecedor, estabelecemos laços íntimos e fortes com Deus e fraternos com todos os nossos irmãos e irmãs.

A Evangelização será autêntica quando a Igreja sentir-se tocada pela Palavra de Jesus, e d’Ele se tornar fiel comunicadora.

A Igreja é comunicadora do grande “Efathá” do Senhor, ou seja, tem a missão de levar cada pessoa a sair do seu comodismo, fechamento e egoísmo, abrindo os olhos, ouvidos, boca, coração e todo o ser aos desígnios divinos.

Acolhendo com fé a Palavra de Deus nossos olhos se abrirão e na planície do deserto do desespero, das provações, nascerá, com certeza, a fina flor da esperança no coração da humanidade.

Em cada Eucaristia que celebramos, Jesus vem ao nosso encontro, nos toca com Sua Palavra e Sua Presença. Cada Eucaristia é uma passagem do Cristo Ressuscitado que nos toca e nos cura.

Urge Profetas curados pela Palavra do Senhor e fortalecidos pelo Seu Pão, Seu Corpo e Sangue, a Eucaristia, para que, em tempo de desolação e desânimo, comuniquem a aurora de Deus.

Após o sol poente, cremos que há a escuridão da noite e que ao amanhecer a esperança se renovará.

Entre o sol poente e o sol nascente, entre o sol nascente e o sol poente, é o tempo contínuo, ininterrupto da acolhida e vivência da Palavra do Senhor, para que, como criaturas novas, construamos relações de amor, fraternidade, bondade.

Reflitamos:

– De que modo se dá o nosso encontro amoroso e libertador com Jesus?

– De qual surdez precisamos ser curados?

– Como temos levado a cura de Jesus ao outro?

– Somos comunicadores de Sua Palavra?

Curados pela Palavra do Senhor, possibilitemos como discípulos missionários, que outros também alcancem esta graça, pois a cura e a libertação, a felicidade e vida plena, pois nisto consiste o querer de Deus para todos nós.

Postado por Dom Otacilio F. Lacerda

A Palavra do Pastor
Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

Presbíteros testemunhas da mansidão e da doçura

    Ajudai, Senhor, a fim de que todos os presbíteros mantenham a mansidão e a doçura, virtudes tipicamente cristãs,...
Read More
O Presbítero e os meios de comunicação social

O Presbítero e os meios de comunicação social

Sobre a missão dos Presbíteros nos meios de comunicação social, sobretudo neste tempo que estamos vivendo, em que se multiplica...
Read More
Cidades mais humana

Cidades mais humana

   “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago” (Lc 10,18) É sempre oportuno e necessário refletir sobre a...
Read More
Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

Ensina-me, Senhor, a perdoar como Vós perdoastes

                                       ...
Read More
“Graça, misericórdia e paz”

“Graça, misericórdia e paz”

Reflexão à luz da passagem da Carta do Apóstolo Paulo a Timóteo (1 Tm 1, 1-2.12-14). Retomo os dois primeiros...
Read More
“A caridade é a plenitude da Lei”

“A caridade é a plenitude da Lei”

“O amor não faz nenhum mal contra o próximo. Portanto, o amor é o cumprimento perfeito da Lei.” (Rm 13,10) Com...
Read More
Pães ázimos de pureza e verdade

Pães ázimos de pureza e verdade

“Assim, celebremos a Festa, não com velho fermento, nem com fermento da maldade ou da perversidade, mas com os pães...
Read More
Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

Urge que ampliemos os horizontes da evangelização!

De modo especial, dedicaremos o mês de setembro à Sagrada Escritura. Procuremos valorizá-la cada vez mais em nossas comunidades, sobretudo...
Read More
Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Cristãos leigos e leigas perseverantes no amor

Vivendo o terceiro ano Vocacional, reflitamos sobre a graça da missão realizada pelos cristãos leigos e leigas na obra da...
Read More
“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

“Presbítero segundo o Coração de Jesus”

Uma reflexão sobre o ministério e a vida do presbítero, à luz dos parágrafos 191-204, do Documento de Aparecida (2007),...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: