O Ministério do padre na hora mais difícil: a morte.

Finados: dia de recolhimento, oração e contemplação de nossa realidade penúltima, a morte; fortalecimento na fé sobre nossa realidade última, a Vida Eterna!

Quantas vezes nós, padres, somos chamados para rezar pelos falecidos e familiares. Muitas vezes anônimos e desconhecidos de nossas comunidades; distantes de nossos altares! Quantas vezes são crianças revelando a dura realidade da dor que a morte provoca! Quantas vezes amigos, parentes, agentes!

Não há hora, dia, cansaço, compromissos, nem chuva ou sol que justifique nossa ausência. Ainda que de modo breve, uma breve mensagem da Palavra de Deus, um refrão, um canto, a água que nos lembra o Batismo e comunica a presença divina. O olhar, o abraço, a terna acolhida.

A morte deixa um vazio; um silêncio; uma abertura para que a Palavra naquela hora seja semeada; plantada. Uma ferida, uma chaga a ser curada, com o bálsamo da oração, da esperança anunciada, pela Palavra proclamada.

Nós Presbíteros temos uma importância indescritível na vida daquela família ao redor do caixão, daquele corpo estendido, revelando a limitação da existência humana, levando-nos a reconhecer nossa limitação/finitude.

Padres enamorados por Cristo, Homens da Palavra e do Pão; arautos da Páscoa Morte/Ressurreição, sabem que a solidariedade vivida é caminho de salvação; que a solidariedade naquele momento é o desabrochar das forças para a vida continuar e a cruz retomar, para que um dia possamos com aquele e com tantos outros que nos antecederam novamente nos encontrar; e a face divina, com os anjos e santos contemplar.

Uma paciente terminal assim disse:  “Abraço a morte, Ela não é eterna. Quando nos encontramos com Deus, nos tornamos belos”.

Momento privilegiado de acolhida e fortalecimento, para não deixar o medo, do coração conta tomar. Quem sabe momento para renovação da chama do primeiro amor, retorno à vida da Comunidade, participação perseverante no banquete da Eucaristia?

Nas Exéquias (celebração de encomendação dos fiéis falecidos), ou numa Missa de sétimo dia, nós, padres, temos uma oportunidade imperdível de acolhida, carinho e solidariedade.

É verdade que muitas vezes parecem não compreender nossos ritos, são participantes da “ocasião”, que sejam! Eis momento de graça, de favorável acolhida. Manifestar a beleza de ser Igreja, de não estarmos nunca sós: nem na vida, nem na morte.

Também o acompanhamento pela comunidade depois da esperança celebrada é indispensável. Paulo disse que não podemos perder nenhuma oportunidade de evangelizar.

Esta é uma entre tantas oportunidades que não podemos perder. Sou testemunha e admirador de diversos padres e fiéis leigos que jamais se omitem neste momento.

A Igreja tem rituais maravilhosos; Leituras Bíblicas apropriadas; prefácios profundamente bíblicos e teológicos; bênçãos riquíssimas; textos incontáveis…

Há muitos tesouros a serem oferecidos, e é necessário que sejamos sinais do Bom Pastor junto ao povo sofrido! Sinais de amor, solidariedade e compaixão; anunciadores da Boa Nova da Ressurreição!

PS: Artigo escrito para o jornal “Folha Diocesana” – Guarulhos – edição nº150 (novembro/2010).

 Dom Otacilio F. Lacerda – do seu blog:

https://peotacilio.blogspot.com/2019/11/o-ministerio-do-padre-na-hora-mais.html

A Palavra do Pastor
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More
“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“Só Tu tens Palavras de vida eterna” – Homilia 21º Domingo do Tempo Comum

“A quem iremos, Senhor?” Com a Liturgia do 21º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre nossas opções, sobre o discernimento que...
Read More
A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A missão e o Alimento indispensável – Homilia 19º Domingo Comum – Ano B

A Liturgia do 19º Domingo do Tempo Comum (ano B), continuamos a refletir sobre um tema de extrema importância: Jesus...
Read More

Temos fome e sede de Deus – XVIII Domingo do Tempo Comum

Com a Liturgia do 18º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Jesus, o Pão da Vida, e,...
Read More
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: