Luzes para nossas famílias

Vivendo a Semana Santa e o tempo de quarentena e isolamento social necessário, para que vençamos a pandemia, nossas famílias estão mais reunidas, e como Igreja Doméstica, em oração.

Vivemos um tempo de graça para solidificação e santificação de nossas famílias; de redescobrir a sua importância, como espaço de novos relacionamentos e amadurecimento em valores sagrados que não podem ser esquecidos ou relegados à indiferença.

Neste sentido, ofereço este Hino escrito pelo Diácono e Doutor da Igreja, Santo Efrém, o Sírio (séc. IV), para que às famílias o rezem. Creio que a família que se encontra e reza, é de fato, uma Igreja doméstica, e nela, a luz de Deus brilha mais forte.

Proponho um exercício espiritual em família: cada um escolhe uma estrofe, e compartilha em diálogo orante, num enriquecimento mútuo.

“1. Veio o Mestre de todos, em Seu amor pelos obstinados, e permaneceram em sua obstinação. Embora Ele os tenha advertido, perseguiram sem inteligência ao tesouro das inteligências.

  1. Maravilho-me de Tua misericórdia, que derramaste sobre os maus; de como empobreceste Tua glória para enriquecer nossa pobreza; para que sejamos, com nossos tesouros, companheiros dos anjos.
  1. Tão perfeito é em Sua bondade, que, além de ensinar, pagava um salário ao aflito Adão, a quem curou. Curou-lhe, e assim Adão aprendia. Aquele que aprendia recebeu o salário, o que aprendia quando era curado.
  1. Levou a humanidade à Sua perfeição com tudo o que teve que suportar. Quando era ferido, ensinava; quando sofria, fazia promessas. Foi capturado como uma ovelha, para assim confirmar Suas promessas.
  1. Aquele que julga os juízes foi interrogado e julgado, no lugar de quem havia feito o mal. Na verdade, no lugar dos ímpios foi interrogado o Justo. Glória ao que Lhe enviou!
  1. Quando o Bom, em Seu amor, entrou para ser julgado em lugar dos maus, este foi o prodígio: que condenaram a Ele, em vez de a si mesmos. Eles, com Suas próprias mãos, crucificaram-Lhe, em vez da sua maldade.
  1. Quando Se entregou a eles, para que vivessem por Sua morte, foi como o cordeiro no Egito, que dava vida porque era símbolo de seu Senhor. Assim também Ele foi morto, e, em Seu amor, redimiu aos que Lhe matavam.
  1. Como Adão se extraviou pecando no paraíso, na terra das delícias, o justo, em seu lugar, foi arrastado ao tribunal, na terra dos suplícios.
  1. Vede! O Bom veio para levar os justos à perfeição, que foram portadores de seus símbolos. É Ele, com sua plenitude, quem levou em seu corpo a perfeição para seus irmãos como a membros seus.
  1. Assim como Adão em seu corpo matara aos viventes, assim, conforme Aquele modelo, mediante o corpo d’Aquele que a tudo aperfeiçoa, os justos alcançaram a perfeição, e os pecadores encontraram misericórdia.
  1. O Vitorioso desceu para ser vencido, mas não por Satã. A este o venceu e lhe afogou. Foi vencido pelos que O crucificaram: Ele venceu com Sua justiça, e foi vencido por Sua bondade.
  1. Venceu ao Forte, e foi vencido pelos fracos. Crucificaram-Lhe, porque Se deu a Si mesmo, e foi vencido para assim vencer. Venceu em Suas tentações, e foi vencido por Suas entranhas de amor.
  1. Venceu a Satã no deserto, quando veio a provocar-Lhe. Foi vencido por Satã na terra dos homens, quando Lhe crucificou. Mas ao ser morto, o matava, para vencer-lhe até em Sua própria derrota.
  1. A Sabedoria que a tudo aperfeiçoava, que brincava com os meninos, fazia perguntas aos simples, e disputava com os escribas, deu a todos inteligência, em todos semeou a verdade.
  1. A Sabedoria de Deus desceu para viver entre os néscios. Com Sua instrução, oferecia sabedoria, com Sua explicação, iluminava. Em paga de Seus auxílios esbofetearam-Lhe as faces.
  1. O Bom, em Sua bondade, desceu aos maus. Pagou Aquele que não tinha dívidas, cobrou o que não tinha emprestado. Foram-Lhe ingratos nas duas coisas: pois Lhe despojaram, e também Lhe pagaram.
  1. O Bom assumiu a carga e carregou a outros, ambas as coisas são um prodígio: Enquanto Ele nos carregava com a verdade, carregou nossa iniquidade sobre Si mesmo. Os necessitados carregaram com suas riquezas, e lhe carregaram com os seus pecados.
  1. O Bom mostrou Seu carinho aos crucificadores em Seus filhos, que Ele havia levado nos braços e abençoado. Um só foi o símbolo de todos eles: Quando recebeu o beijo, morderam-No com a boca do ladrão.
  1. O erro daquele povo radica na esperança, e tem colocado seu olhar nos sacrifícios. É uma impiedade que, depois daquele Cordeiro de Deus, ainda sigam oferecendo sacrifícios”.

Não percamos tempo com coisas que podem nos ocupar, mas não preenchem nosso espírito, e tão pouco nos fortalecem no bom combate da fé.

Urge que cada vez mais nossas famílias bebam das divinas fontes da Tradição da Igreja, bem como se nutram da Palavra Divina e se fortaleçam dia a dia na comunhão espiritual participando das Missas pelos mais diversos meios de Comunicação Social.

A Palavra do Pastor
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More
Ó precioso e admirável Banquete de Amor e Eternidade! – Corpus Christi

Ó precioso e admirável Banquete de Amor e Eternidade! – Corpus Christi

Aprofundemos sobre o inesgotável Mistério da Eucaristia, à luz das Obras do Presbítero Santo Tomás de Aquino (Séc. XIII). “O unigênito...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: