Angelus com Papa Francisco – 15º Domingo Comum

Às 12 horas de hoje, XV Domingo do Tempo Comum, o Santo Padre Francisco apareceu na janela do estudo no Palácio Apostólico Vaticano para recitar o Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Estas são as palavras do Papa ao introduzir a oração mariana

Antes do Ângelus

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Hoje o Evangelho apresenta a famosa parábola do “bom samaritano” (ver Lc10,25-37). Perguntado por um advogado sobre o que é necessário para herdar a vida eterna, Jesus convida-o a encontrar a resposta nas Escrituras e diz: “Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todo o a tua força e com toda a tua mente, e o teu próximo como a ti mesmo “(v. 27). Havia, no entanto, diferentes interpretações de quem deveria ser entendido como “vizinho”. De fato, o homem ainda pergunta: “E quem é meu próximo?” (V. 29). Neste ponto, Jesus responde com a parábola, esta linda parábola: Convido todos vocês a levarem o Evangelho hoje, Evangelho de Lucas, capítulo dez, versículo 25. É uma das mais belas parábolas do Evangelho. E esta parábola tornou-se paradigmática da vida cristã. Tornou-se o modelo de como um cristão deve agir. Graças ao evangelista Luca,

O protagonista do conto é um samaritano, que conhece um homem roubado e espancado por bandidos ao longo do caminho e cuida dele. Sabemos que os judeus tratavam os samaritanos com desprezo, considerando-os estrangeiros para o povo escolhido. Portanto, não é coincidência que Jesus tenha escolhido um samaritano como um personagem positivo na parábola. Desta forma, ele quer superar o preconceito, mostrando que mesmo um estrangeiro, mesmo aquele que não conhece o verdadeiro Deus e não freqüenta seu templo, é capaz de se comportar de acordo com sua vontade, sentindo compaixão por seu irmão necessitado e ajudando-o por todos os meios. à sua disposição.

Por essa mesma estrada, antes do Samaritano tinha passado um sacerdote e um levita, isto é, pessoas dedicado à adoração de Deus. Mas, vendo o pobre homem para o chão, eles continuaram sem parar, provavelmente não será contaminado com o sangue dele. Eles colocaram um governo humano diante deles – não se contaminando com sangue – ligados ao grande mandamento de Deus, que antes de tudo quer misericórdia.

Jesus, portanto, propõe o samaritano como modelo, precisamente aquele que não tinha fé! Também pensamos em tantas pessoas que conhecemos, talvez agnósticas, que fazem o bem. Jesus escolheu como modelo alguém que não era homem de fé. E este homem, amando seu irmão como ele mesmo, mostra que ama a Deus de todo o coração e com toda a sua força – o Deus que ele não conhecia!  , e exprime ao mesmo tempo verdadeira religiosidade e plena humanidade.

Depois de dizer isso tão bonito parábola, Jesus fala novamente para o advogado que lhe perguntou: “Quem é o meu próximo?”, E diz-lhe: “Qual desses você acha que foi o próximo daquele que caiu nas mãos dos bandidos? “(v. 36). Desta forma, inverte a questão de seu interlocutor e também a lógica de todos nós. Faz-nos compreender que não somos nós que, de acordo com os nossos critérios, definimos quem é o próximo e quem não é, mas quem precisa ser capaz de reconhecer quem é o próximo, ou seja, “ quem teve compaixão dele“(V. 37). Ser capaz de ter compaixão: esta é a chave. Essa é a nossa chave. Se você não sente piedade diante de uma pessoa necessitada, se seu coração não está comovido, então algo está errado. Tenha cuidado, tenha cuidado. Não nos deixamos levar pela insensibilidade egoísta. A capacidade de compaixão tornou-se a pedra de toque do cristão, na verdade, do ensinamento de Jesus: o próprio Jesus é a compaixão do Pai para conosco. Se você descer a rua e ver um morador de rua deitado lá e passar sem olhar para ele ou pensar: “Mas, efeito do vinho. Ele é um bêbado “, perguntou não se o homem está bêbado, pergunte se oSeu coração não endureceu, se seu coração não se tornou gelo. Esta conclusão indica que a misericórdia para com uma vida humana em necessidade é a verdadeira face do amor. É assim que alguém se torna um verdadeiro discípulo de Jesus e o rosto do Pai se manifesta: “Sê misericordioso, como o teu Pai é misericordioso” ( Lc 6,36). E Deus, nosso Pai, é misericordioso, porque tem compaixão; ele é capaz de ter essa compaixão, de se aproximar de nossa dor, nosso pecado, nossos vícios, nossas misérias.

Que a Virgem Maria nos ajude a compreender e sobretudo a viver cada vez mais o vínculo inseparável que existe entre o amor a Deus nosso Pai e o amor concreto e generoso pelos nossos irmãos, e nos dar a graça de ter compaixão e crescer na compaixão.

[01218-IT.02] Texto original em Italiano

Depois do Ângelus

Caros irmãos e irmãs

mais uma vez desejo expressar minha proximidade ao amado povo venezuelano, particularmente tentado pela crise contínua. Oramos ao Senhor para inspirar e esclarecer as partes envolvidas, para que possam chegar a um acordo o mais rápido possível que ponha um fim ao sofrimento do povo para o bem do país e de toda a região.

Saúdo cordialmente todos vós, romanos e peregrinos da Itália e de várias partes do mundo: famílias, grupos paroquiais, associações.

Em particular, saúdo os jovens da diocese de Pamplona y Tudela, os do curso de formadores promovidos pelo “Regnum Christi”, as Irmãs da Sagrada Família de Nazaré, que celebram o Capítulo Geral, e os meninos da Confirmação de Bolonha (Bérgamo).

Eu envio uma saudação cordial aos fiéis poloneses, a você [indica os fiéis na praça] e àqueles que participam da anual Rádio Maria Peregrinação ao Santuário de Czestochowa. Saudamos todos os poloneses errantes.

E desejo a todos um bom domingo e, por favor, não se esqueça de orar por mim. Bom almoço e adeus!

[01219-IT.02] [Texto original: italiano]

Fonte: Santa Sé http://press.vatican.va/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2019/07/14/0590/01218.html

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: