O Dízimo como uma experiência de fé

A Experiência de partilha é, antes de tudo, uma experiência de fé, aliás, a segunda necessariamente precisa preceder à primeira: é pela fé que o cristão percebe a ação invisível da mão de Deus sobre a sua vida, tanto na ordem temporal como espiritual, em suas infinitas manifestações de misericórdia; e assim percebendo, pleno de gratidão, o homem numa atitude de fé, naturalmente busca partilhar; partilha que surge ipso facto, como uma necessidade de efusão indeclinável, decorrente, ela mesma, da natureza de uma autêntica experiência de fé.

Assim foi a experiência do jovem Zaqueu (Lc 19-1-10). Ele a nada foi forçado. A graça o assistiu, o amor o preencheu; ele, deste modo, pleno de alegria e boa vontade (Ecl 35,7 -8), entregou livremente o que possuía, porque havia conhecido Aquele que, simplesmente entregou-se a si mesmo por amor. Não há maior alegria do que fazer as coisas com liberdade e simplicidade de coração.

É Jesus, que sempre nos dá o cêntuplo (Mc 10, 28-31), isto é, infinitamente mais do que merecemos ou fazemos, se oferece para dormir na casa de Zaqueu, na sua morada, quer dizer no íntimo do seu ser; Jesus prepara a mesa e unge o seu coração de felicidade e amor por todos os dias de sua vida(Sl 23,6). E é por essa experiência ontológica que Zaqueu sente o inevitável desejo de partilhar.

O dízimo só pode ser partilha se for fruto de uma fé viva, tornando-se então, oferta perfeita.

As nossas partilhas e ofertas são ações da vida do cristão que chegam ao coração do Pai, quando se tornam um verdadeiro culto em espírito e verdade, isso é, quando a experiência da fé precede a partilha numa dinâmica santificante pela qual o cristão faz da sua vida um sacrifício perfeito; “Fazei de nós uma perfeita oferenda” (Oração eucarística III). Deste modo, o dízimo se torna a expressão mais concreta e autêntica do fruto do nosso trabalho e, juntamente com o pão e o vinho, será apresentado na celebração eucarística para ser transformado por Cristo e ofertado ao Pai como oferenda agradável .

(Maurílio Antônio Dias de Sousa –MEAC – Dias d’ Ávila –Bahia).
Enviado por Rosa Inácia e Silva,
da equipe diocesana da pastoral do dízimo
da diocese de Guanhães.

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: