IV ROMARIA DAS ÁGUAS E DA TERRA DA BACIA DO RIO DOCE.

Aconteceu na manhã do domingo, dia 02 de Junho em Itabira, Diocese de Itabira/Coronel Fabriciano a 4° edição da Romaria das Águas  e da Terra . Neste ano com o tema: “Vão-se os bens da Criação, ficam a miséria e destruição! E agora José?” A Diocese de Guanhães enviou representação para a atividade.  A concentração com a acolhida aconteceu próximo ao Campo do Valério e reuniu uma “multidão de romeiros vindos de diversas paróquias, comunidades,  pastorais, movimentos sociais, sindicatos e mandatos coletivos. O grupo foi acolhido com um café da  manhã e a animação, com a participação da pastoral da juventude ,de diversos cantores, entre eles, Zé Vicente. Logo após, iniciou-se a caminhada em direção ao portão principal da empresa Vale” No  canteiro central, em frente à entrada principal , foi prestada homenagem as vítimas do rompimento das barragens de Mariana e Brumadinho . Cruzes com os nomes dos falecidos foram fincadas e afixadas na entrada da mina da empresa. A caminhada seguiu para a igreja Matriz Nossa Senhora da Piedade . Durante o percurso, foram gritadas palavras de ordem e cânticos que animavam   os participantes. Em frente a igreja  foi fincada a cruz da Romaria e em seguida , no altar montado , celebrou-se a Eucaristia .Como gesto concreto e na semana do Meio ambiente, a Pastoral da Juventude entregou diversas mudas  de plantas e árvores com os nomes de todos os mortos em Brumadinho para serem cultivadas em memória dos mesmos. Duas mães de falecidos, receberam, em nome de todas as mães das vítimas,  o abraço  dos bispos de Itabira ,  do bispo auxiliar de Belo Horizonte e de todos os padres presentes. Concluiu-se a 4ª Romaria das Águas e da terra com um almoço comunitário.

Alessandro Gomes/ Paróquia São Pedro de São Pedro do Suaçuí

Madalena Santos / Paróquia Nossa Senhora Aparecida/ Guanhães- Pito

4ª Romaria das Águas e da Terra da Bacia do Rio Doce.
A Diocese de Guanhães esteve lá. Nós estivemos lá. Eu revi padre João Batista (Bidu), Kátia Magalhães, Frei Gilvander Moreira, ouvi a voz poética e profética do Zé Vicente.
Mais do que isso: nos unimos em milhares de vozes para dizer NÃO a todo sistema produtivo que destrói nossa casa comum, que assassina pessoas, que soterra histórias com lama.
Vão-se os bens da Criação, ficam miséria e destruição! E agora, José?”

Luís Carlos

Paróquia São Miguel e Almas/ Guanhães

Carta da 4ª Romaria das Águas e da Terra da Bacia do Rio Doce
Bacia do Rio Doce, nossa Casa Comum

Vão-se os bens da criação, ficam miséria e destruição! E agora, José?

Somos um povo peregrino, povo em romaria, em busca da terra prometida, construtor do reinado de Deus, que é um reino “de justiça, paz e alegria no Espírito Santo”(Romanos 14, 17). Por isso, caminhamos na força de um sonho maior, solidário com todas as pessoas que têm “fome e sede de justiça”, a justiça do Reino, sempre por ser atingida e realizada. Trazemos nossa solidariedade com todas as vítimas dos acidentes/crimes socioambientais provocados pelas empresas mineradoras em nossas Minas Gerais e outras regiões deste planeta, anunciando-lhes uma boa notícia: “felizes os que choram”. Suas lágrimas fecundam toda criação, pois “também a própria criação espera ser libertada da escravidão da corrupção, em vista da libertação que é a glória dos filhos de Deus”(Romanos 8, 21).
Caminhamos pelas terras sagradas de Itabira que contêm “noventa por cento de ferro nas calçadas e oitenta por cento de ferro nas almas”, como canta o poeta. Itabira é a síntese de nosso Estado, a terra mineira prometida por Deus ao seu povo de ontem e de hoje, conforme descrita, de forma minuciosa, na Bíblia, em Deuteronômio 8,7-14; 8,19; 29,21-23. Nesse texto sagrado, Deus garante que o seu povo vai encontrar uma terra boa e com muita água. Terra boa para agricultura e até para a mineração. E Deus mesmo estabelece um limite para a sua exploração, mediante normas de conduta que garantam o bem comum, promovam as pessoas e assegurem a natureza. Quando essas regras são descumpridas, vem a maldição (29,21-23).
“Olhe! Javé seu Deus vai introduzir você numa terra boa: terra cheia de ribeirões de água e de fontes profundas que jorram no vale e na montanha; terra de trigo e cevada, de vinhas, figueiras e romãzeiras, terra de oliveiras, de azeite e de mel; terra onde você comerá pão sem escassez, pois nela nada lhe faltará; terra cujas pedras são de ferro e de cujas montanhas você extrairá o cobre. Quando você comer e ficar satisfeito, bendiga a Javé seu Deus pela boa terra que lhe deu. Contudo, preste atenção a si mesmo, para não se esquecer de Javé seu Deus e não deixar de cumprir seus mandamentos, normas e estatutos, que hoje eu ordeno a você”.
Diante da Palavra de Deus, de sua promessa e de suas advertências, entendemos que, neste momento histórico, somos desafiados a assumir uma responsabilidade crítica e propositiva sobre as atividades mineradoras em nossa região e em nosso planeta.
Conscientes de que somos herdeiros das promessas divinas e de que “O Senhor Deus é nossa força, Ele nos dá pés ligeiros como os da gazela e nos faz caminhar nas alturas”(cf Habacuc 3,19), subimos ao Pico do Amor, no bairro Campestre e chegamos à Paróquia Nossa Senhora da Piedade, trazendo os gritos de toda a população da Bacia do Rio Doce, nossa Casa Comum e os gritos da mãe terra, assumindo uma verdadeira “conversão ecológica”, como nos adverte o Papa Francisco: “As religiões têm um papel fundamental a desempenhar, pois, para garantir um futuro sustentável corretamente, precisamos reconhecer nossos erros, pecados, faltas e falhas, o que leva a um sincero arrependimento e desejo de mudança. Dessa forma, podemos nos reconciliar com os outros, com a criação e com o Criador”. Somente assim, podemos “nos comprometer a promover e implementar um desenvolvimento sustentável, apoiados pelos nossos mais profundos valores religiosos e éticos, considerando que o desenvolvimento humano não é apenas uma questão econômica ou dos especialistas: é uma vocação, um chamado que requer uma resposta livre e responsável de todos, que se desenvolvam em conjunto com a nossa irmã Terra e nunca contra ela”.
Condenamos o atual modelo econômico devastador e destruidor, que é voraz, orientado apenas para o lucro: Vão-se os bens da criação, ficam miséria e destruição! Propomos uma mudança de paradigma em todas as nossas atividades econômicas, incluindo a mineração, pois somos responsáveis por entregar às gerações futuras um mundo melhor do que este que recebemos. Temos conhecimentos e condições suficientes para reorganizar a vida em sociedade para além do sistema extrativista, materialista, individualista e consumista, que quer a todos devorar.
Somos também solidários com a Igreja Pan Amazônica em seu Sínodo a se realizar em outubro, na busca de novos caminhos para a Igreja e por uma ecologia integral.
De Itabira, sob as bênçãos de Deus, renovamos, com esta Romaria, nossas forças e organização, nosso compromisso com a vida, em todas as suas expressões e dimensões, a partir de nossa Bacia do Rio do Doce, nossa Casa Comum.

Itabira-MG, 02 de junho de 2019.

Romeiros e soleiras da quarta romaria das águas e da terra da bacia do Rio Doce.

 

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: