MISSA DA UNIDADE – “MISSA DOS SANTOS ÓLEOS”

Na Quinta-Feira, dia 11/04, o clero e demais lideranças de toda a diocese se reúne com o bispo administrador, Dom Darci José Nicioli, na Catedral de Guanhães para a Missa dos Santos Óleos, na qual todos os sacerdotes renovaram suas promessas sacerdotais, ressaltando seu vínculo de Unidade da Igreja e renovando suas promessas feitas no dia de sua ordenação presbiteral ao bispo e aos seus sucessores.

Nesta celebração são utilizados alguns símbolos significativos, pois, estes serão durante todo ano sinais sagrados que serão utilizados na administração dos sacramentos indeléveis – Batismo, Crisma e Sacramento da Ordem nos graus do Presbiterato e Episcopado. É utilizado também pelo sacerdote o Óleo dos Enfermos nas visitas quando se aplica a Santa Unção dos Enfermos.

Os Óleos utilizados nas celebrações do Batismo, da Ordem, da Crisma e da Unção dos Enfermos são abençoados nesta celebração e distribuídos às comunidades pertencentes à diocese. Os Óleos do Batismo e da Unção dos Enfermos são abençoados e o Óleo do Santo Crisma após receber uma mistura de Mirra é posta a vasilha que o contem sobre o altar e ali ele é Consagrado.

Em sua homilia, dom Darci faz memória do significado do real motivo da Missa da Unidade ou comumente chamada de “Missa dos Santos Óleos” qual o dever dos Ministros Ordenados que são os múnus de Governar, Santificar e anunciar a Palavra de Deus, manter viva a Sã Doutrina da Igreja e sobre a figura do presbítero e sua íntima vivência espiritual e comunitária. “A ação do presbítero deve ser reflexo de sua vida interior”.

 

QUAIS SÃO OS ÓLEOS USADOS NA LITURGIA?

Óleo dos Catecúmenos

Catecúmenos são os que se preparam para receber o Batismo, sejam adultos ou crianças, antes do rito da água. Este óleo significa a libertação do mal, a força de Deus que penetra no catecúmeno, liberta-o e prepara para o renascimento pela água e pelo Espírito. Este óleo é utilizado no peito do catecúmeno seja ele criança ou adulto.

ÓLEO DO CRISMA

Feito de mistura de Óleo de Azeite e Mirra, significa a plenitude do Espírito Santo. O cristão deve irradiar “o bom perfume de Cristo”. É usado no sacramento do Batismo ao fim da celebração, quando o sacerdote marca a criança na testa e lhe concede o tríplice múnus do sacerdócio comum, da Confirmação (Crisma) quando o cristão é confirmado na graça e no dom do Espírito Santo, para viver como adulto na fé.

Este óleo é usado também no sacramento da Ordem, para ungir os “escolhidos” que irão trabalhar no anúncio da Palavra de Deus, conduzindo o povo e santificando-o no ministério dos sacramentos. Os sacerdotes têm as mãos ungidas e na ordenação episcopal o Óleo do Crisma é derramado sobre sua cabeça, pois este último grau da ordem lhe concede a plenitude do Espirito Santo.

ÓLEO DOS ENFERMOS

Usado na Unção dos enfermos, este óleo significa a força do Espírito de Deus para a pessoa provada pela doença e pelo avanço da idade. Traz fortalecimento para pessoa enfrentar a dor e, inclusive a morte, se for vontade de Deus. A Unção dos Enfermos pode propiciar a cura física e espiritual, dá o perdão dos pecados e a conformidade com o desígnio de Deus. Quanto a visita aos enfermos e a unção, devemos tomar cuidado, pois, se o enfermo estiver em são consciência de seus atos o mesmo deve se confessar antes de receber o sacramento da Unção dos Enfermos.

Se por algum motivo o enfermo estiver inconsciente e não houver manifestado o desejo de receber a unção enquanto estava no uso de suas faculdades mentais, o sacerdote não deve atender ao pedido por solicitação da família. O SENHOR NOS DEU O LIVRE ARBÍTRIO, e esse deve ser respeitado. A família não tem direito de desrespeitar o desejo do enfermo. Da mesma forma deve-se proceder quanto à distribuição no Santíssimo Sacramento da Eucaristia quando não foi solicitado pelo enfermo/idoso e quando já não tem consciência de suas ações, por exemplo, pessoas com o mal de Alzheimer.

 

A Palavra do Pastor
“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

“Coragem, Ele te chama” Homilia para o 30º Domingo do Tempo Comum

  Joguemos o manto e saltemos ao encontro do Amor. No 30º Domingo do Tempo Comum (Ano B) refletimos sobre...
Read More
Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

Presbítero: Homem da Palavra e de palavra

O sopro do Concílio nos desafiou a assumir as alegrias e tristezas, angústias e esperanças da humanidade, como Igreja de...
Read More
Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Do Cálice à Missão, da Missão ao Cálice!

Todos os dias são dias de missão, e a Igreja que vive no tempo é missionária, por sua natureza, tendo...
Read More
Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

Somente Deus nos concede a verdadeira riqueza – Homilia para o XXVIII Domingo do Tempo Comum – Ano B.

No 28º Domingo do Tempo Comum (ano B), somos convidados a refletir sobre o essencial e o efêmero em nossa...
Read More
Somos um povo peregrino e evangelizador .

Somos um povo peregrino e evangelizador .

“Nós vimos o Senhor” (Jo 20,25) Na Exortação Evangelii Gaudium, o Papa afirma que “A Evangelização é dever da Igreja. Este sujeito da...
Read More
O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

O Sacramento do Matrimônio no Plano de Deus – Homilia do XXVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

  No 27º Domingo do Tempo Comum (Ano B), refletimos sobre a aliança matrimonial que, no Projeto de Deus, consiste...
Read More
Graça e perseverança na missão

Graça e perseverança na missão

 “Tende entre vós o mesmo sentimento que existe em Cristo Jesus” (Fl 2,5) Retomo as iluminadoras palavras do Papa Francisco na...
Read More
Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

Sejamos curados pelo Senhor – Homilia – XXIII Domingo do Tempo Comum

“Olhando para o céu, suspirou e disse:  “Effatha!”, que quer dizer “abre-te!” No 23º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Paróquia: Escola de Comunhão e de Amor

Como Igreja que somos, precisamos testemunhar a nossa Fé, dando solidez à Esperança, na vivência concreta e eficaz da Caridade,...
Read More
Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom  Otacilio F. de Lacerda.

Nossa prática religiosa é agradável a Deus? Homilia – 22º Domingo do Tempo Comum – Ano B – Dom Otacilio F. de Lacerda.

Com a Liturgia do 22º Domingo do Tempo Comum (ano B), aprofundamos como deve ser uma verdadeira religião que agrade...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: