Angelus com o Papa

As palavras do Papa no recital do Angelus

Às 12 horas de hoje, primeiro domingo da Quaresma, o Santo Padre Francisco apareceu na janela do estudo no Palácio Apostólico Vaticano para recitar o Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Estas são as palavras do Papa ao introduzir a oração mariana:

Antes do Angelus

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

O Evangelho deste primeiro domingo da Quaresma (cf. Lc 4, 1-13) narra a experiência das tentações de Jesus no deserto. Depois de jejuar por quarenta dias, Jesus é tentado três vezes pelo diabo. Ele primeiro o convida a transformar uma pedra em pão (v. 3); então ele mostra a ele os reinos da terra de cima e promete se tornar um messias poderoso e glorioso (versos 5-6); finalmente, ele o leva ao ponto mais alto do templo em Jerusalém e o convida a se atirar para baixo, a manifestar seu poder divino de uma maneira espetacular (vers. 9-11). As três tentações indicam três maneiras que o mundo oferece sempre promissores grandes sucessos, três estradas para enganar: a ganância de propriedade – tem, tem, tem  , glória humana e a exploração de Deus, são três caminhos que nos levarão à ruína.

O primeiro, o caminho da ganância pela posse . Esta é sempre a lógica insidiosa do diabo. Ele começa com a necessidade natural e legítimo para comer, para viver, para ser realizado, para ser feliz, a empurrar-nos a acreditar que tudo isso é possível sem Deus, de fato, mesmo contra Ele. Jesus está dizendo oposto, “Está escrito” O homem não viverá só de pão “” (v. 4). Lembrando a longa jornada do povo escolhido pelo deserto, Jesus afirma que deseja abandonar-se plenamente à providência do Pai, que cuida sempre de seus filhos.

A segunda tentação: o caminho da glória humana . O diabo diz: “Se você cair em adoração diante de mim, tudo será seu” (v. 7). Pode-se perder toda a dignidade pessoal, deixar-se corromper pelos ídolos do dinheiro, do sucesso e do poder, para alcançar a auto-afirmação. E tem prazer na alegria de uma alegria vazia que logo desaparece. E isso também nos leva a fazer “pavões”, vaidade, mas isso desaparece. É por isso que Jesus responde: “Somente ao Senhor teu Deus, você se curvará, somente ele adorará” (versículo 8).

E então a terceira tentação: explorar Deus para sua própria vantagem. Para o inferno com isso, citando a Bíblia, ela convida-o a buscar de Deus um milagre impressionante, Jesus opõe novamente a firme decisão de permanecer humilde, fique confiante na frente do Pai: “Foi-lhe dito:” Não tentarás o Senhor teu Deus “» (V. 12). E assim rejeita a tentação talvez mais sutil: a de querer “puxar Deus para o nosso lado”, pedindo-lhe as graças que realmente servem e servirão para satisfazer o nosso orgulho.

Estes são os caminhos que são colocados diante de nós, com a ilusão de sermos capazes de alcançar sucesso e felicidade. Mas, na realidade, eles são completamente estranhos ao modo de agir de Deus; na verdade, eles nos separam de Deus, porque são obra de Satanás. Jesus, enfrentando essas provações na primeira pessoa, ganha a tentação três vezes para aderir plenamente ao plano do Pai. E ele nos mostra os remédios: a vida interior, a fé em Deus, a certeza de seu amor, a certeza de que Deus nos ama, que ele é o Pai, e com essa certeza superaremos todas as tentações.

Mas há uma coisa na qual eu gostaria de chamar a atenção, uma coisa interessante. Jesus, ao responder ao tentador , não entra em diálogo , mas responde aos três desafios somente com a Palavra de Deus, o que nos ensina que com o diabo não se dialoga, não se deve dialogar, só se responde com a Palavra de Deus.

Portanto, aproveitemos a Quaresma, como tempo privilegiado para nos purificarmos, para experimentar a presença consoladora de Deus em nossa vida.

A intercessão materna da Virgem Maria, ícone da fidelidade a Deus, sustenta-nos no nosso caminho, ajudando-nos sempre a rejeitar o mal e a acolher o bem.

Francisco, Papa

[00414-EN.02] [Texto original: italiano]

Disponível em:        http://press.vatican.va/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2019/03/10/0207/00414.html

A Palavra do Pastor
A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

A insustentabilidade dos horizontes fragmentários

“Qual é o lugar que concedemos a Deus na nossa vida? Na cultura contemporânea está presente um indubitável processo de...
Read More
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: