Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma 2019

Nós publicamos abaixo o texto da Mensagem do Santo Padre Francisco para a Quaresma de 2019 sobre o tema: “A ardente expectativa da criação é dirigida para a revelação dos filhos de Deus” (Rm 8:19 ) :

Mensagem do Santo Padre

“A ardente expectativa da criação é dirigida para a revelação dos filhos de Deus” (Rm 8:19 )

Caros irmãos e irmãs

Todos os anos, através da Igreja Mãe, Deus “dá seu fiel preparar com alegria, purificado em espírito para a celebração da Páscoa, porque […] aproveitar os mistérios da redenção, a plenitude da vida nova em Cristo” (Prefácio da Quaresma 1 ). Deste modo podemos caminhar, da Páscoa à Páscoa, para o cumprimento da salvação que já recebemos graças ao mistério pascal de Cristo: “na esperança fomos realmente salvos” ( Rom 8, 24). Este mistério da salvação, já trabalhando em nós durante a nossa vida terrena, é um processo dinâmico que inclui também a história e toda a criação. São Paulo vem dizer: “A ardente expectativa da criação é dirigida para a revelação dos filhos de Deus” ( Rom8,19). Nesta perspectiva, gostaria de oferecer algum alimento para o pensamento, que acompanhe nossa jornada de conversão na próxima Quaresma.

1. O resgate da criação

A celebração do Tríduo Pascal da paixão, morte e ressurreição de Cristo, o ápice do ano litúrgico, chamamos cada hora de viver um itinerário de preparação, sabendo que o nosso se tornar semelhantes a Cristo (cf. Rm 8:29) é um dom inestimável da misericórdia de Deus.

Se o homem vive como um filho de Deus, se ele vive para ser resgatado pessoa, que é guiado pelo Espírito Santo (cf. Rm 8:14) e sabe como reconhecer e colocar em prática a lei de Deus, começando com o inscrito no seu coração e na natureza, ele também faz bem à criação, cooperando em sua redenção. Para esta criação – São Paulo diz – tem um desejo tão intensa que você experimentar os filhos de decreto de Deus que aqueles que apreciam a graça do mistério pascal de Jesus pode viver plenamente os frutos, destinado a atingir sua maturação completa na redenção do mesmo corpo humano. Quando o amor de Cristo transformou a vida dos santos – espírito, alma e corpo – estes dão louvor a Deus através da oração, a contemplação, a arte envolvida neste também as criaturas, como admiravelmente demonstrado pelo “Cântico do Irmão sol “de São Francisco de Assis (cf. Enc. Laudato si ‘ , 87). Mas neste mundo a harmonia gerada pela redenção é ainda e sempre ameaçada pela força negativa do pecado e da morte.

2. A força destrutiva do pecado

Na verdade, quando nós não vivemos como filhos de Deus, que muitas vezes agem em comportamentos destrutivos para com os outros e outras criaturas -, mas também para nós mesmos – sentimento, mais ou menos conscientemente, para ser capaz de usá-lo à vontade. A intemperança, em seguida, assume o comando, levando a um estilo de vida que viola os limites de nossa condição humana e da natureza estão nos pedindo para respeitar, seguindo os desejos incontroláveis que no Livro da Sabedoria são atribuídos aos ímpios, ou seja, aqueles que não o fazem eles têm Deus como um ponto de referência para suas ações, nem uma esperança para o futuro (cf. 2: 1-11). Se não estamos continuamente diante da Páscoa, no horizonte da Ressurreição, fica claro que a lógica de tudo é imediatamente , de ter mais e mais acaba se impondo.

Sabemos que a causa de todo mal é o pecado, que desde o seu aparecimento no meio dos homens interrompeu a comunhão com Deus, com os outros e com a criação, à qual estamos em primeiro lugar e acima de tudo ligados através do nosso corpo. Ao romper em comunhão com Deus, a relação harmoniosa entre os seres humanos e o ambiente em que são chamados a viver arruinou-se , de modo que o jardim se tornou um deserto (cf. Gn 3, 17-18). Este é um pecado que leva o homem a se considerar um deus da criação, sentir o mestre absoluto e usá-lo não para o propósito desejado pelo Criador, mas para seu próprio interesse, em detrimento de criaturas e outros.

Quando a lei de Deus, a lei do amor, é abandonada, a lei do mais forte sobre o mais fraco acaba afirmando-se. O pecado que habita no coração humano (cf. Mc 7,20-23) – e se manifesta como a ganância, a luxúria para um ser imoderada, desrespeito pelo bem-estar dos outros e muitas vezes por conta própria – leva à exploração de criação, as pessoas e o meio ambiente, de acordo com essa ganância insaciável que considera todo desejo um direito e que, mais cedo ou mais tarde, acabará destruindo aqueles que são dominados por ele.

3. O poder de cura do arrependimento e perdão

Por essa razão, a criação tem a necessidade urgente de que os filhos de Deus, aqueles que se tornaram “nova criação”, se revelem: “Se alguém está em Cristo, ele é uma nova criação; coisas antigas se passaram; eis que nascem novos “( 2 Coríntios 5:17). De facto, com a sua manifestação, até a própria criação pode “tornar a Páscoa” : abrir- se aos novos céus e à nova terra (cf. Ap 21, 1). E o caminho para a Páscoa nos chama precisamente a restaurar nosso rosto e nossos corações de cristãos, através do arrependimento, conversão e perdão, de modo a poder viver todas as riquezas da graça do mistério pascal.

Essa “impaciência”, essa expectativa de criação, encontrará satisfação quando os filhos de Deus forem revelados, isto é, quando os cristãos e todos os homens entrarem decisivamente nesse “trabalho” que é a conversão. Juntos conosco, toda a criação é chamada “da escravidão da corrupção para entrar na liberdade da glória dos filhos de Deus” ( Rm 8:21). A Quaresma é um sinal sacramental desta conversão. Convida os cristãos a encarnar mais intensamente e concretamente o mistério pascal em sua vida pessoal, familiar e social, em particular através do jejum, da oração e da esmola.

Jejum , isto é, aprender a mudar nossa atitude em relação aos outros e às criaturas: da tentação de “devorar” tudo para saciar nossa ganância, para a capacidade de sofrer por amor, que pode preencher o vazio de nosso coração. Rezar para saber renunciar à idolatria e auto-suficiência de nós mesmos e declarar-nos necessitados do Senhor e da sua misericórdia. Dê esmolas para fugir da insensatez de viver e acumular tudo para nós, na ilusão de assegurar um futuro que não nos pertence. E assim redescobrir a alegria do projeto que Deus colocou na criação e em nosso coração, o de amá-lo, nossos irmãos e o mundo inteiro, e encontrar a verdadeira felicidade neste amor.

Queridos irmãos e irmãs, “Quaresma” o Filho de Deus estava entrando em um deserto da criação para torná-lo voltar a ser o jardim de comunhão com Deus que era antes do pecado original (cf. Mc 1,12-13; é 51 , 3). Nossa Quaresma é refazer o mesmo caminho, trazer a esperança de Cristo também à criação, que “será libertada da escravidão da corrupção para entrar na liberdade da glória dos filhos de Deus” ( Rom.08:21). Nós não deixamos passar este tempo favorável em vão! Pedimos a Deus que nos ajude a realizar uma jornada de verdadeira conversão. Vamos abandonar o egoísmo, olhar para nós mesmos e nos voltar para a Páscoa de Jesus; aproximemo-nos dos irmãos e irmãs em dificuldade, compartilhando com eles nossos bens espirituais e materiais. Assim, aceitando no concreto de nossa vida a vitória de Cristo sobre o pecado e a morte, também nos basearemos em sua criação como seu poder transformador.

Do Vaticano, 4 de outubro de 2018,

Festa de São Francisco de Assis

FRANCESCO

[00312-EN.01] [Texto: Italiano]

Curta Nossa Fanpage:

Empresas que possibilitam este projeto: