Solenidade da Dedicação da Catedral São Miguel

Neste dia 1° de maio, celebramos a Dedicação da Catedral Diocesana

A dedicação de um templo, como hoje a comemoramos em relação à nossa Catedral, na verdade diz respeito a três casas, como dizia um monge cartuxo (Lanspergius) na primeira metade do século XVI. Três casas.

A PRIMEIRA CASA DE DEUS, o santuário material, consiste em uma construção reservada ao culto divino e à realização de outros atos que dizem respeito aos bens necessários à nossa salvação. É certo que se pode e se deve orar em qualquer lugar; não há lugar onde não se possa rezar, como podemos ver hoje no Evangelho da Liturgia da Dedicação.  É muito conveniente que tenhamos um local consagrado a Deus no qual, cristãos que formamos comunidade, possamos nos reunir, ouvir a sua palavra, louvá-lo e a ele orar juntos, e assim obter mais facilmente o que pedimos, como se lê no Evangelho: Se dois ou três dentre vós se põem de acordo para pedir alguma coisa, haverão de obtê-la de meu Pai[1].

A SEGUNDA CASA DE DEUS é o povo, a comunidade santa, que no templo realiza sua unidade, guiada, instruída e alimentada por um só pastor ou bispo. É a morada espiritual, da qual o templo, a igreja material, de pedra (ou de madeira…) é o sinal. O Cristo construiu para ele esse templo, a comunidade cristã, um templo espiritual; ele reuniu esse povo na unidade e o consagrou ao adotar todas as almas que deviam ser salvas e santificá-las. Essa morada é formada pelos escolhidos por Deus, passados, presentes e futuros, congregados na unidade da fé e da caridade nesta igreja una, filha da Igreja Universal ou Católica, e que se torna assim uma só com a Igreja Universal. Cada Igreja Diocesana ou Igreja Particular forma, com todas as outras a única Igreja Universal, que é como que a Mãe de todas as Igrejas.

Ao celebrarmos a dedicação de nossa igreja e, cada ano, o seu aniversário, não mais fazemos que, em ação de graças, no meio de hinos e de louvores, nos lembrar da bondade que Deus manifestou ao chamar este pequeno rebanho para que o conhecesse. Concedeu-nos a graça não somente de nele crer, mas também de o amarmos, de nos tornarmos seu povo e seu rebanho, guardarmos seus mandamentos, trabalharmos e sofrermos por amor a ele, e de nos alegrar com ele.

A TERCEIRA CASA DE DEUS  é cada alma santa, devotada a Deus, consagrada a ele pelo batismo, tornada templo do Espírito Santo e morada de Deus. Quando celebramos a dedicação dessa terceira casa, que se realizou em nós pelo batismo e pela confirmação, lembramo-nos do favor que de Deus recebemos: que ele nos escolheu, a cada um de nós, para em nós habitar mediante a sua graça.

Cristo, o Senhor, porque quis habitar em nós, dizia, como que para dar forma a sua construção: Dou-vos um novo mandamento: que vos ameis uns aos outros[2]. É um mandamento que eu vos dou. E esta casa, como o mesmo Jesus predisse e prometeu, está edificada no mundo inteiro, espalhada pelo mundo inteiro. Cantar é próprio de quem ama, como diz Santo Agostinho. Cantai ao Senhor um canto novo, diz o Salmo. Um canto novo correspondente ao mandamento novo, o do amor. O que nos permite cantar celebrando a dedicação do templo material é o amor, é o fervor do santo amor. O que vemos realizado fisicamente nas paredes do templo de pedra deve realizar-se espiritualmente com as almas; o que vemos aqui realizado com as pedras e os tijolos é o que deve ser realizado em nossos seres inteiros, com a graça de Deus.

A Igreja seja particular ou diocesana só é dedicada a Deus por intercessão de um santo, a nossa tem como intercessor são Miguel Arcanjo, a quem devotamente confiamos a intercessão de  nossa caminhada pastoral e de fé de nossa Igreja Particular.

 

São Miguel, Rogai por nós!

Para essa celebração, o missal dispõe a seguinte Liturgia da Palavra:

I Leitura: (Ne 8, 2-4a. 5-6.8-10)              Salmo Responsorial – Sl 18, 8. 9. 10. 15
II Leitura:  (I Cor 3, 9c-11.16-17)  Evangelho:  (Lc 19, 1-10 )

 

 

 

A Palavra do Pastor
Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Eucaristia: O milagre do amor e da partilha XVII Domingo do Tempo Comum do Ano B

Com a Liturgia do 17º Domingo do Tempo Comum (ano B), contemplamos a ação de Deus: é próprio do Seu...
Read More
“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade”

“Confirma a caridade para consolidar a unidade” Reflitamos à luz deste parágrafo do Sermão sobre os pastores, escrito pelo Bispo...
Read More
A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

A incomparável Compaixão Divina – Homilia – 16º Domingo do Tempo Comum ( Ano B)

Com a Liturgia do 16º Domingo do Tempo Comum (ano B), refletimos sobre o Amor e a solicitude de Deus...
Read More
Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

Alegria da missão e da vocação profética – Homilia do XV Domingo do Tempo Comum Ano B

“A missão de Jesus é a nossa missão” A Liturgia da Palavra do 15º Domingo do Tempo Comum (ano B),...
Read More
Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

Vençamos o medo na travessia – XII Domingo do Tempo Comum

“‘Silêncio! Cala-te!’ O vento cessou e houve uma grande calmaria. Então Jesus perguntou aos discípulos: “Por que sois tão medrosos?...
Read More
O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente- Homilia 11° Domingo do Tempo Comum Ano B

O Reino de Deus germina silenciosamente No 11º Domingo do Tempo Comum (Ano B), a Liturgia da Palavra nos convida...
Read More
Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Iluminados pela “Verbum Domini”, alegria Pascal transbordante

Vivendo o Tempo Comum, sejamos cada vez mais fortalecidos pela Palavra, que é fonte divina de nossa conversão, como discípulos...
Read More
O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

O desafio da Evangelização na rede – Dom Otacilio F. de Lacerda

Retomando a citação do Papa Emérito Bento XVI em que ele ressalta a missão da Igreja que é chamada a...
Read More
A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada – Homilia- 10º Domingo do Tempo Comum -Ano B.

A Amizade Divina e a felicidade desejada A Liturgia do décimo Domingo do Tempo Comum (ano B) nos convida a...
Read More
Ó precioso e admirável Banquete de Amor e Eternidade! – Corpus Christi

Ó precioso e admirável Banquete de Amor e Eternidade! – Corpus Christi

Aprofundemos sobre o inesgotável Mistério da Eucaristia, à luz das Obras do Presbítero Santo Tomás de Aquino (Séc. XIII). “O unigênito...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: