Poder: Um Desejo Escondido

 

Surge no século XVI o filósofo político Nicolau Maquiavel que em sua obra ‘O Príncipe’ expõe à respeito de questões relacionadas ao poder e a dominação por parte dos impérios, mas ao mesmo tempo revela muito sobre os nossos desejos. Esse filósofo, complexo e enigmático, dá um salto objetivo na história e a transforma deixando de lado concepções que visam ao “ser” e passa a concentrar-se no “dever ser”, ou seja, a utopia política dá espaço para a realidade do fato. “O “dever ser” do príncipe de Maquiavel é, portanto, concreto, é ato criador” (ARANHA, 1993, p. 48).

Em suas observações sobre o poder dos governantes ele chega à conclusão de que para se manter no poder é preciso em alguns momentos deixar de lado alguns valores tanto éticos quanto religiosos. Assim, Maquiavel é o primeiro a quebrar com paradigmas religiosos da Idade Média, tornando-se o pai da modernidade política.

Maquiavel recebe injustamente os deméritos, devido aos mitos que recaem sobre sua obra “O Príncipe”. A máxima “os fins justificam os meios” tornou-se meio de apropriação errônea, “contrariando essa conclusão reducionista; o que Maquiavel empreende, de fato, é um severo ataque à tradição e à utopia, parecendo-lhe mais apropriado interpelar a dimensão política a partir do viés da realidade do fato e não de imaginação” (ARANHA, 1993, p. 62).

 Newton Bignotto comenta que a existência do príncipe se concretiza por meio da imagem de poder criada pelos outros, assim, torna-se prisioneiro de um jogo de aparência. Só detém de todo o poder porque há uma representação do mesmo como tal. Mostrar-se religioso, ético, virtuoso, são algumas dentre as várias formas de aparentar igualdade ao povo. Este espera do príncipe uma aparência para que os faça acreditar. Há uma supervalorização da superficialidade. A aparência precede à ação. Assim, sempre que se fala em poder é visível a repulsa que a maioria ou todos sentem, mas que na verdade é uma repulsa de pura representação, pois todos nós, seres humanos, gostamos do poder e o buscamos, mesmo que seja um poder para o progresso ou então para a dominação, desde a família até os governos. Após a análise da personificação num contexto político, pode-se pensar que “é, pois, uma condição fundamental da política desenvolver-se na aparência” (BIGNOTTO apud Ponty, 1991, p. 140).

Portanto, poder e desejo estão interligados quando se estuda a obra ‘O Príncipe’ sem esquecer é claro de toda a história da humanidade. Maquiavel nos ensina que para se chegar ao poder não há a necessidade de ser o tempo todo bom e amoroso ou religioso, basta apenas saber administrar o desejo de glória com a carência do povo.

 

Vinícius Lucas

Diocese de Guanhães

seminarista do 3º Ano de Filosofia

 

REFERÊNCIAS:

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Maquiavel: A Lógica da Força 1ª ed. São Paulo: Moderna, 1993

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel Republicano 2ª ed. São Paulo: Loyola, 1991.

 

A Palavra do Pastor
A Quarta- Feira de Cinzas no Mistério da fé

A Quarta- Feira de Cinzas no Mistério da fé

Com a Quarta-feira de Cinzas, a Igreja inicia a Quaresma, Tempo favorável da Salvação e os fiéis recebem as Cinzas...
Read More
Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus (Homilia 7º Domingo Tempo Comum- ano A)

Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus (Homilia 7º Domingo Tempo Comum- ano A)

Servidores da Paz e do Amor Pleno – Jesus “...Bem-aventurados os mansos porque herdarão a terra... Bem aventurados os que...
Read More
A graça de ser Padre

A graça de ser Padre

“Irmãos, cuidai cada vez mais de confirmar a vossa vocação e eleição. Procedendo assim, jamais tropeçareis. Desta maneira vos será...
Read More
Só Deus nos garante a verdadeira felicidade ( Homilia 6º Domingo Tempo Comum – Ano A)

Só Deus nos garante a verdadeira felicidade ( Homilia 6º Domingo Tempo Comum – Ano A)

  Só Deus nos garante a verdadeira felicidade "Enquanto o amor humano tende a apossar-se do bem que encontra no...
Read More
Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ( Homilia do 5º Domingo do Tempo Comum- Ano A)

Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ( Homilia do 5º Domingo do Tempo Comum- Ano A)

Sejamos Sal e luz na planície do quotidiano ... quando atraímos o olhar de todos para Deus, e não para...
Read More
Festa da Apresentação do Senhor: Jesus Cristo é a nossa Luz e Salvação ( Homilia- Domingo 02 de fevereiro)

Festa da Apresentação do Senhor: Jesus Cristo é a nossa Luz e Salvação ( Homilia- Domingo 02 de fevereiro)

“Quanto a ti, uma espada te traspassará a alma” ( Lc 2,35) No dia 2 de fevereiro, celebramos a Festa...
Read More
Ser Padre: missão de resplandecer a luz de Cristo no rosto da Igreja

Ser Padre: missão de resplandecer a luz de Cristo no rosto da Igreja

“O Concílio deseja ardentemente iluminar todos os homens com a claridade de Cristo, luz dos povos, que brilha na Igreja,...
Read More
Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

Sejamos instrumentos nas mãos de Deus (Homilia do 3º Domingo do Ano A)

No 3º Domingo do Tempo Comum (Ano A), refletimos sobre o Projeto de Salvação e de Vida plena que Deus...
Read More
FORTALEÇAMOS O PILAR DA PALAVRA DE DEUS

FORTALEÇAMOS O PILAR DA PALAVRA DE DEUS

As novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora no Brasil (2019-2023), Documento nº. 107 da Conferência Nacional do Brasil  (CNBB), nos apresentam...
Read More
Apresentar e testemunhar Jesus, a luz das Nações ( Homilia para o 2º Domingo do Tempo Comum-ano A)

Apresentar e testemunhar Jesus, a luz das Nações ( Homilia para o 2º Domingo do Tempo Comum-ano A)

Apresentar e testemunhar Jesus, a Luz das Nações “Melhor é calar-se e ser do que falar e não ser. Coisa...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: