Poder: Um Desejo Escondido

 

Surge no século XVI o filósofo político Nicolau Maquiavel que em sua obra ‘O Príncipe’ expõe à respeito de questões relacionadas ao poder e a dominação por parte dos impérios, mas ao mesmo tempo revela muito sobre os nossos desejos. Esse filósofo, complexo e enigmático, dá um salto objetivo na história e a transforma deixando de lado concepções que visam ao “ser” e passa a concentrar-se no “dever ser”, ou seja, a utopia política dá espaço para a realidade do fato. “O “dever ser” do príncipe de Maquiavel é, portanto, concreto, é ato criador” (ARANHA, 1993, p. 48).

Em suas observações sobre o poder dos governantes ele chega à conclusão de que para se manter no poder é preciso em alguns momentos deixar de lado alguns valores tanto éticos quanto religiosos. Assim, Maquiavel é o primeiro a quebrar com paradigmas religiosos da Idade Média, tornando-se o pai da modernidade política.

Maquiavel recebe injustamente os deméritos, devido aos mitos que recaem sobre sua obra “O Príncipe”. A máxima “os fins justificam os meios” tornou-se meio de apropriação errônea, “contrariando essa conclusão reducionista; o que Maquiavel empreende, de fato, é um severo ataque à tradição e à utopia, parecendo-lhe mais apropriado interpelar a dimensão política a partir do viés da realidade do fato e não de imaginação” (ARANHA, 1993, p. 62).

 Newton Bignotto comenta que a existência do príncipe se concretiza por meio da imagem de poder criada pelos outros, assim, torna-se prisioneiro de um jogo de aparência. Só detém de todo o poder porque há uma representação do mesmo como tal. Mostrar-se religioso, ético, virtuoso, são algumas dentre as várias formas de aparentar igualdade ao povo. Este espera do príncipe uma aparência para que os faça acreditar. Há uma supervalorização da superficialidade. A aparência precede à ação. Assim, sempre que se fala em poder é visível a repulsa que a maioria ou todos sentem, mas que na verdade é uma repulsa de pura representação, pois todos nós, seres humanos, gostamos do poder e o buscamos, mesmo que seja um poder para o progresso ou então para a dominação, desde a família até os governos. Após a análise da personificação num contexto político, pode-se pensar que “é, pois, uma condição fundamental da política desenvolver-se na aparência” (BIGNOTTO apud Ponty, 1991, p. 140).

Portanto, poder e desejo estão interligados quando se estuda a obra ‘O Príncipe’ sem esquecer é claro de toda a história da humanidade. Maquiavel nos ensina que para se chegar ao poder não há a necessidade de ser o tempo todo bom e amoroso ou religioso, basta apenas saber administrar o desejo de glória com a carência do povo.

 

Vinícius Lucas

Diocese de Guanhães

seminarista do 3º Ano de Filosofia

 

REFERÊNCIAS:

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda. Maquiavel: A Lógica da Força 1ª ed. São Paulo: Moderna, 1993

BIGNOTTO, Newton. Maquiavel Republicano 2ª ed. São Paulo: Loyola, 1991.

 

A Palavra do Pastor
A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

A comunidade do Ressuscitado – Homilia – 2º Domingo da Páscoa Ano B

Com a Liturgia do 2º Domingo da Páscoa (ano B), também chamado de “Domingo da Misericórdia”, à luz da Palavra...
Read More
O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Cristo Ressuscitado caminha conosco! Aleluia!

O Ano Litúrgico (ano B), começa com a quarta-feira de cinzas, e com ela o início do itinerário quaresmal, e...
Read More
Domingo de Ramos:  Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

Domingo de Ramos: Jesus elevado na Cruz para nos elevar – Homilia – Dom Otacilio F. de Lacerda

"Meu  Deus, meu Deus, por que me abandonaste?"  (Mc 15,34) No Domingo de Ramos (ano B), refletimos sobre o Amor de...
Read More
“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

“Deus merece que sejamos melhores” – Homilia – Quarto Domingo do Tempo Quaresmal – Dom Otacilio – Ferreira de Lacerda

A Liturgia do 4º Domingo da Quaresma (Ano B) é conhecida como Domingo “Laetare”, ou seja, Domingo da alegria, devido...
Read More
A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

A cidade, seus clamores e a missão Presbiteral – Dom Otacilio F. de Lacerda

As grandes cidades enfrentam os inúmeros problemas de nosso tempo, principalmente porque vivemos em mudança de época, muito mais do...
Read More
Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Uma religião agradável ao Senhor – Homilia – Terceiro Domingo do Tempo Comum – Ano B

Com o 3º Domingo da Quaresma (ano B), damos mais um passo no Itinerário rumo à Páscoa do Senhor. Podemos...
Read More
A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

A Glória é precedida pela Cruz – Homilia – Segundo Domingo do Tempo Quaresmal – Ano B

O segundo Domingo da Quaresma (ano B), identificado como “O Domingo da Transfiguração do Senhor”, é um convite a escutarmos...
Read More
Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

Evangelização e acolhida do sopro do Espírito

“Ai de mim se seu não evangelizar” (1 Cor 9,16). A Evangelização na cidade tem inúmeros e grandes desafios, de modo...
Read More
“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

“Não nos deixeis cair em tentação” – Homilia do Primeiro Domingo da Quaresma- Ano B

No 1º Domingo da Quaresma (Ano C), repensamos nossas opções de vida, tomando consciência das tentações que nos impedem de...
Read More
Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

Libertos pelo Senhor para amar e servir – VI Domingo do Tempo Comum Ano B – Homilia

“Jesus, cheio de compaixão, estendeu a mão, tocou nele e disse:  “Eu quero: fica curado!”. No mesmo instante  a lepra...
Read More

Empresas que possibilitam este projeto: